Home Nota oficial Mensagem do Comandante da Marinha

Mensagem do Comandante da Marinha

255
0

MARINHA DO BRASIL

BOLETIM DE ORDENS E NOTÍCIAS
Nº 443 DE 29 DE JUNHO DE 2009

BONO ESPECIAL

COMANDANTE DA MARINHA

Buscas à aeronave da AIR FRANCE

Ao ensejo do encerramento da missão SAR SNE 003/09, envolvendo as buscas relacionadas ao avião acidentado da AIR FRANCE, voo 447, que partiu do Rio de Janeiro, em 31MAI, com destino a Paris, e caiu no mar com 216 passageiros e 12 tripulantes a bordo, ressalto os aspectos a saber:

Vinte e dois minutos decorridos do recebimento, pelo SALVAMAR BRASIL, da informação oficial sobre o desaparecimento da aeronave da AIR FRANCE, às 09h05 de 01JUN, suspendeu de Natal o Navio de Socorro Distrital do SALVAMAR NORDESTE (Com3DN), Navio-Patrulha “Grajaú”, com destino ao ponto estimado do desaparecimento da aeronave, localizado a 680 milhas náuticas (1.260 km) de Natal e 233 milhas náuticas (430 km) do Arquipélago de São Pedro e São Paulo. No mesmo dia, às 10h15, a Corveta “Caboclo” suspendeu de Maceió e, às 17h00, a Fragata “Constituição”, que se encontrava em Salvador, regressando da Operação UNITAS GOLD nos EUA, após 75 dias em viagem, suspendeu com uma aeronave orgânica AH-11A Super Lynx, demandando a área de buscas.

No decorrer desse dia, o SALVAMAR BRASIL (ComOpNav) e o SALVAMAR NORDESTE, utilizando informações do Comando do Controle Naval do Tráfego Marítimo, acionaram os Navios Mercantes “Douce France” (FRA), “Ual Texas” (HOL) e “Jo Cedar” (HOL), que transitavam nas proximidades do sinistro, e que aceitaram participar das buscas. Tinha início, assim, a maior operação SAR no mar já realizada no Brasil, onde o SALVAMAR NORDESTE e o SALVAERO RECIFE efetuaram uma operação conjunta para coordenar as ações de busca, inicialmente, a possíveis sobreviventes do acidente.

Em 02JUN, suspenderam da Base Naval do Rio de Janeiro o Navio-Tanque “Almirante Gastão Motta” e a Fragata “Bosísio”, este Navio de Serviço da Esquadra, com uma aeronave UH-13 Esquilo embarcada, com destino a área de buscas.

Em 03JUN, o Navio-Patrulha “Grajaú” e a Corveta “Caboclo” e, no dia 04JUN, a Fragata “Constituição” chegaram à área e iniciaram as buscas, em coordenação com as aeronaves da FAB, passando a fazer, diuturnamente, criteriosa varredura de uma área que, ao final, se estendeu a cerca de 280.000 km quadrados, o equivalente ao Estado do Rio Grande do Sul.

Em 06JUN, a Corveta “Caboclo” localizou e recolheu os dois primeiros corpos e objetos que puderam ser identificados positivamente como sendo do voo 447 da AIR FRANCE, fato esse que só foi informado à mídia após ter sido levado ao conhecimento dos familiares das vítimas, pelos representantes dos Centros de Comunicação Social da MB e da FAB. Este foi um cuidado observado em toda a operação, em respeito à angústia e dor desses familiares.

No total, onze navios da MB envolveram-se diretamente na operação de buscas: Navio de Desembarque-Doca “Rio de Janeiro” (suspendeu de Porto Rico), Fragata “Constituição”, Fragata “Bosísio” (ComEsqdE-2 embarcado), Navio-Tanque “Almirante Gastão Motta”, Corveta “Jaceguai”, Corveta “Caboclo”, Rebocador de Alto-Mar “Triunfo”, Navio-Patrulha “Grajaú”, Navio-Patrulha “Guaíba”, Navio-Patrulha “Goiana” e Navio-Patrulha “Bocaina”, além de seis aeronaves embarcadas: um UH-14 Super Puma do EsqdHU-2, um AH-11A Super Lynx do EsqdHA-1 e quatro UH-12/13 Esquilo do EsqdHU-1.

Juntaram-se, ainda, aos esforços de busca e resgate, três navios da Marinha Nacional da França, o Navio Anfíbio “Mistral”, a Fragata “Ventôse” e o Submarino Nuclear de Ataque “Emeraude”, este último a fim de auxiliar o Navio de Pesquisa “Pourquoi Pas” e os Rebocadores de Alto-Mar “Fairmount Expedition” e “Fairmount Glacier”, enviados pelo governo francês, para a busca das “caixas pretas” da aeronave.

Como foi amplamente divulgado na mídia, foram resgatados um total de 51 corpos, que tornaram possível minimizar o sofrimento das famílias das vítimas, além de uma quantidade substancial de objetos pessoais e de destroços da aeronave.

Aproximadamente 1350 militares da MB participaram das operações embarcados nos navios, além dos militares e servidores civis que, em terra, prestaram o necessário apoio logístico e operativo.

Os nossos navios realizaram diversos reabastecimentos de combustível no mar, dois pela Corveta “Caboclo”, três pelo RbAM “Triunfo”, e nove pelo Navio-Tanque “Almirante Gastão Motta”, inclusive reabastecendo navios franceses; todos em condições máximas de segurança, possibilitando ampliar a permanência dos meios nas buscas.

Os muitos dias de mar e horas de voo a tão longa distância das bases testaram o preparo e capacidade da Marinha em dar suporte logístico, como, além do fornecimento de combustível, o envio de sobressalentes de terra e a realização de reparos no mar, sem que fosse afetada a capacidade de operação dos meios.

Foi possível observar que as tripulações superaram a exaustiva e estressante rotina a que foram submetidos para o cumprimento dessa relevante missão humanitária. Mesmo os navios que retornaram de longas comissões, como foi o caso do Navio de Desembarque-Doca “Rio de Janeiro”, da Fragata “Constituição”, da Corveta “Caboclo” e do Navio-Patrulha “Goiana”, apresentaram-se prontos, revigorados e eficazes na cena de ação.

Foram mais de 150 dias de mar e de 33.000 milhas náuticas navegadas, além de mais de 150 horas voadas por nossas aeronaves. Em face da magnitude do evento, muitos óbices tiveram que ser superados, por vezes com inventividade. Destaco, entre outros:

– a realização de operação a grandes distâncias de bases de apoio, sendo a
mais próxima, Natal a 680 milhas náuticas. Este fato demandava um
trânsito mínimo de três dias até a área de operações;
-realização de transferência de óleo no mar entre os Navios-Patrulha da Classe “Grajaú” e a Corveta “Caboclo” e o Rebocador de Alto-Mar “Triunfo”;
navios suspendendo do exterior ou regressando de comissões de longa duração como a HAITI-VII (G31), a UNITAS-GOLD (F42), a AFRICANA (V19)e a CARIBEX (P43);
– reabastecimento de aguada, sobressalentes, material comum e de higiene no mar;
– reparos de pequena e média monta efetuados pelas próprias tripulações durante a operação;
– adaptações e execução de fainas de recolhimento e armazenagem de corpos, de pertences pessoais e de destroços da aeronave;
mobilização dos meios para o suspender. Mesmo aqueles que foram intempestivamente acionados, não estando de prontidão, como navio de serviço, fizeram-se ao mar com presteza, reduzindo o tempo para chegar à cena de ação;
– grande esforço aéreo por parte das aeronaves orgânicas dos meios navais;
eficaz coordenação entre as unidades navais e os meios da FAB; e
pela primeira vez, a realização a bordo dos navios da Esquadra de fainas de pick-up com aeronaves Black Hawk e Super Puma da FAB.

O incidente SAR SNE 003/09 apresentou-se como um grande desafio para a MB e os nossos valorosos marinheiros demonstraram, não só ao Brasil mas também para a comunidade internacional, que apesar das grandes dificuldades inerentes à missão possuem preciosos diferenciais: profissionalismo, criatividade, extremada dedicação, espírito de solidariedade e determinação em superar as dificuldades, o que desperta em todos nós que servimos à Marinha do Brasil um profundo sentimento de reconhecimento, de orgulho e de dever cumprido.

BRAVO ZULU !

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
trackback
11 anos atrás

[…] Bento” teve participação de destaque nas buscas às vítimas e destroços do voo AF 447 da AIR FRANCE, acidentado ao largo do litoral nordestino. Depois da modernização, que incluiu a substituição […]

ivan
ivan
11 anos atrás

Reafirmo mais uma vez que: a) exceto por dezenas de cruzeiros que fiz no mundo todo, nada entendo de Marinha ou Aeronautica b) mas fico feliz quando nossa Marinha ou Aeronautica se envolvem NESSE TIPO de missão humanitária. Somos limitados. Somos pequenos. Nossas condições são modestas. Mas ao invés de nos arrogar grandiosidade militar inexistente, usamos nossos parcos recursos para o bem. Aí está, a meu ver, a grandeza. Não fazemos mal. Não somos prepotentes, nem nos achamos grandiosos. Não usamos os nossos limitados poderes para o mal. Para guerras. Mas podemos usar bem os limitados recursos que temos, fazendo… Read more »

Callia
Callia
11 anos atrás

Bravo Zulu.

Missão Cumprida.

finda a drrota.

Fernando Molina
Fernando Molina
11 anos atrás

Impressionante, a ultima vez que o Brasil deslocou tal quantidade de meios para o nordeste ( Navais e Aéreos) foi tambem um evento que envolvia a França – A GUERRA DAS LAGOSTAS.
Dessa vez a movimentação teve por finalidade a solidariedade ao mesmo pais que na ocasião anterior queria impor sua vontade pela força.
Da mesma maneira ainda estamos carentes de meios tanto para reagir a agressoes, como para prestar solidariedade. Apesar da imensa capacidade de nossos militares demostrada em ambas ocasiões.

Ricimer
Ricimer
11 anos atrás

Fora de tópico. Apenas uma curiosidade envolvendo nomes presentes no blog nos últimos tempos. Tanto o CF Senna da Fragata Bosísio, quanto o CMG Segovia do NPo Almirante Maximiano são originalmente da turma que ingressou em 79 no CN. Um dos oficiais comandantes de companhia no CN durante o segundo e terceiro ano da turma 79 era o então CT Lawrence, hoje VA Lawrence comandante do Terceiro Distrito Naval. O intuito dessa “curiosidade” é mostrar aos jovens leitores do blog que dentre os oficiais em início de carreira que têm a tarefa de controlar a turba de estudantes da qual… Read more »

marujo
marujo
11 anos atrás

Vivas para a MB e a FAB.

Noronha
Noronha
11 anos atrás

pena que este grande esforço aereo e maritimo nao foi utlizado para procurar os quatro pescadores capixabas que ficarao a deriva no mar por duas semanas mais felizmente eles forao resgatados por outro barco pesqeuiro.

Joaca
Joaca
11 anos atrás

Bravo Zulu MB!!!

Sérgio
Sérgio
11 anos atrás

Essa mensagem tem uma conotação importamtíssima, pois reafirma aquela velha frase de Churchil: “Nunca tantos deveram tanto a tão poucos”. As lições aí tiradas e o engajamento natural das forças, demonstram o quão importante é o trabalho profissional, que envolve treinamento constante e tirar o máximo daquilo que está à mão. Conciência situacional, onde a característica do brasileiro é sem par, se adaptando rapidamente ao cenário e principalmente, desenvolvendo. Agora imaginem se tivessemos recursos empregados aos meios. Mas acredito que chegaremos lá, pois os ultimos caminhos, estão nos mostrando isso. Estamos nos conscientizando em a ser profissionais e agir como… Read more »

Erisvaldo Tavares da  Silva
Erisvaldo Tavares da Silva
11 anos atrás

QUERO PARABENIZAR A NOSSA MARINHA E AS PESSOAS QUE ÁS COMANDAM,POIS ESTE PROJETO ESPORTIVO É MARAVILHOSO.FUI MARINHEIRO COM MUITO ORGULHO,SERVI NA TURMA 01 DE 89 EM NATAL, NAQUELA ÉPOCA OS OFICIAIS ATÉ SE ESFORÇAVAN PARA AJUDAR MAS MUITO POUCO.NO MAIS PARABÉNS.