Home Noticiário Internacional Marinha da Índia receberá helicópteros AEW Kamov Ka-31

Marinha da Índia receberá helicópteros AEW Kamov Ka-31

475
26

ka31helix

Num esforço para aumentar as capacidades de detecção de longo alcance para alvos aéreos e de superfície sobre o mar, o governo da Índia aprovou a aquisição de cinco helicópteros Kamov Ka-31 para sua Marinha.

O helicóptero russo é capaz de detectar e rastrear 40 alvos simultâneamente com seu radar E-801M Oko (Eye) escamoteável, que fica sob a aeronave. O radar tem alcance de até 200km, para alvos do tamanho de um caça. O contrato deve ser assinado entre a Índia e a Rússia nos próximos meses.

A Marinha da Índia já operar nove helicópteros Kamov, operados a bordo do NAe Viraat e das fragatas classe “Talwar”.

26
Deixe um comentário

avatar
26 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
15 Comment authors
CADUAngelo NicolaciWolfpackRJcelso Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Giovani
Visitante
Giovani

Helicópteros AEW, não me agradam muito, outro exemplo de helicóptero desajeitado é o SH-3 AEW, usado pela Royal Navy e pela Marinha Espanhola, o arrasto aerodinamico dessa coisa deve ser enorme e tem a questão do alcance tmb deixa a desejar, acho que a MB fez a escolha certa pelos Aviões S-2 Tracker.

Marco Antonio Lins
Visitante

Ilmo Sr. Giovani!.

Desculpe a minha falta de conhecimento. Mas o que é o arrasto Aerodinamico?

Dell72
Visitante
Dell72

O arrasto é uma força de resistência ao movimento de um objeto, quanto maior o objeto maior a resistencia, influindo em velocidade e até mesmo no conssumo de combustivel.

Harry
Visitante
Harry

Caros, Fiquei curioso como se da o pouso com aquela giringonça debaixo do Helis. Se o radar é recolhido na hora do pouso ou o trem de pouso tem uma altura maior que o radar.
Abs

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Não se justifica criar linhas de suporte logístico, de manutenção, de instrução e de operação p/ somente 5 (CINCO) aeronaves de asa fixa, qndo ainda hão disponíveis no mercado células de 2ª mão, sobreçalentes e suprimentos p/ o helicóptero SH-3. O mesmo não ocorre c/ o S-2 Tracker, quem opera quer troca-lo por algo mais moderno e versátil, até no mercado de aeronaves de combate a incendios esse ac já não é assim dominante. Aliás um dos argumentos que “ajudaram” a “matar” o VH-71 em benefício dos VH-3D, é justamente o fato de que empresas americanas ainda investem na aplicação… Read more »

Fully
Visitante

Não me parece ser tão ruim assim o desempenho deste Ka-31,afinal são cerca de 200Km de alcance para alvos do tamanho de um caça.E o preço deve ser relativamente atrativo, em relação a seus concorrentes americanos e inglêses.
Não seria um bom vetor para o A-12?Pelo menos até o A-13!?

Giovani
Visitante
Giovani

Se a MB, estiver realmente interessada em construir um novo NAe, o E-2 Hawkeye é uma opção,asimcomo fez a França.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“E o preço deve ser relativamente atrativo, em relação a seus concorrentes…”

Não é o custo de aquisição do Ka-31 que é ruim, mas seu custo ciclico; manutenção e operação ao longo da vida util.
No caso da MB, como o Sea King já é bem velho de casa isto torna-o mais em conta de converter p/ essa outra missão.

Dell72
Visitante
Dell72

harry
ele retrai a lamina para baixo do Halicóptero
aqui vc pode ver:
http://www.bharat-rakshak.com/NAVY/Ka-31.html

RJ
Visitante
RJ

Mauricio R.,
Os Sea King vão deixar de ser operados pela MB em breve, pois o custo de manutenção dos bichos tá ficando muito alto porque eles são velhos.

O Ka-31 é um excelente helicóptero naval (um dos melhores), mas para a MB acho que uma versão AEW do Super Cougar faria mais sentido, devido a racionalização de meios.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…o custo de manutenção dos bichos tá ficando muito alto porque eles são velhos.” Como dito anteriormente, seu custo de manutenção e operação não é tão desfavorável qnto parece, pois ainda há investimento em peças de reposição novas e atualizadas. Alem do que, há uma demanda por este helo no mercado madeireiro americano/canadense, o que alvanca sua operação c/ bom custo/benefício. “…acho que uma versão AEW do Super Cougar faria mais sentido, devido a racionalização de meios.” A racionalização de meios não se justifica, pois seriam poucas células, devido a verba necessária p/ desenvolver uma nova versão, não existente do… Read more »

Wolfpack
Visitante
Wolfpack

A questão de uma aeronave AEW para atuar no Nae São Paulo foi bastante discutida no post abaixo http://www.naval.com.br/blog/?p=15249, porém não ficou assim tão claro que a Marinha iria partir para os S2 Tracker, sendo a tendência maior por uma aeronave de asas rotativas de alerta antecipado. O problema maior com os Trackers é o radar a ser adotado. O radar Ericsson PS-890 Erieye seria a opção lógica mas ele é de dimensões que o Tracker não comporta.

celso
Visitante
celso

Acho ideal a aquisição do Tracker,viram totalmente revitalizados
fora motores reservas ,voces não contaram que existe aqui no Brasil
outros 9 tracker da Fab que serviram de fonte de peças,caso a Argentina não queram vender os tracker dela.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“voces não contaram que existe aqui no Brasil
outros 9 tracker da Fab que serviram de fonte de peças”

Se é que essas células já não foram vendidas, seu uso como fte de peças de reposição está limitado ao seu estado de conservação, depois da desativação desta aeronave na FAB.

Ainda assim, há o problema de criar tda a estrutura de suporte p/ essa aeronave na Aviação Naval.

No link abaixo os problemas operacionais de Taiwan c/ essa aeronave.

(http://www.naval.com.br/blog/?p=1496)

História do S-2 Tracker, na FAB.

(http://www.abrapat.org.br/P-16.html)

bulldog
Visitante
bulldog

Mas para marinhas que não operam PA os helis são a solução, pois podem embarcar em fragatas, por exemplo, além de serem bem adequados para SAR. O certo é ter os 2…helis e aviões.

Harry
Visitante
Harry

Caro Dell72, Valeu

Angelo Nicolaci
Visitante
Angelo Nicolaci

Acho que em nossas novas fragatas, deveriamos avaliar a necessidade de um heli ao menos em uma das AEW com ao menos um heli de ataque e um de aew. aumentando assim a cobertura aerea e radar de nossa esquadra

CADU
Visitante
CADU

Boa Noite Amigos
Esta foto me lembrou o filme “Independence Day”, será que ele vai tentar se comunicar com alguma nave alienigena, rsrsrs
Saudações.

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

Maurício,

Vc comentou que o VH-71 foi cancelado em virtude da modenização do VH-3D? O VH-71 seria o EH-101 que ganhou a concorrência dos Marines para o novo helicóptero presidencial? Foi cancelada a compra? Poderia me confirmar isso?

Sds,

McNamara
Visitante

Sim, o Obama cancelou esta aquisição momentaneamente, pois os SH-3 cumprem essa função muito bem ainda.
Criar toda uma infraestrutura de apoio para uns cinco helicópteros russos AEW é um pesadelo logístico. Nesse momento, o S-2T é a melhor solução custo/benefício.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Nesse momento, o S-2T é a melhor solução custo/benefício.”

McNamara,

O mesmo raciocinio do helo russo, se aplica ao S-2T.

Marcelo Tadeu,

O VH-71 foi cancelado na mesma “bill” do F-22 e FCS, outro programa cujo orçamento estourou depois de a US Navy, ou o Serviço Secreto, enfiarem uma pancada de modificações no design.

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

Caramba!!! Não sabia disso. E olha que gasto um $$ com Revistas especializadas. Mas valeu assim mesmo Maurício R. e Mcnamara!!!

Sds

Marcelo Tadeu
Visitante
Marcelo Tadeu

Sei não , mas tudo que é concorrência que os Europeus ganham nos EUA, eles cancelam, alegando cortes no orçamento. Foi assim com o KC-330.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Os italianos venderam o C-27J e os franceses emplacaram o UH-72A, este ano.

Como dito anteriormente, a US Navy e o Serviço Secreto alteraram profundamente o design, até proteção contra EPM tinha, e isto pesou no final.

Qnto ao KC-30 cujo prime contractor era a Northrop, foi a forma diferente de como as avaliações das propostas foram interpretadas, a Boeing brifada a respeito dos motivos da não seleção, viu uma brecha e o GAO validou o protesto, no fim concorrência cancelada.
Qualquer “pelo em ovo” relacionado c/ a lisura do processo de seleção, e os caras lá cancelam a concorrência.

McNamara
Visitante

Não é bem assim, Maurício. O Helo russo é inteiramente novo em termos de operação e manutenção para os nossos mecânicos. O S-2T não o será. Inclusive a facilidade dele já ter sido operado pela FAB, e já ter sido analisado o seu comportamento no A-12, garantem uma vanguarda em termos de tempo, que não podemos perder. Em uma nova plataforma (navio), aí sim, tudo pode ser considerado.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“O S-2T não o será.”

Desde 1996 o S-2 “Tracker” não é mais operado no Brasil, não há qq capacidade relacionada a essa aeronave nas FFAA brasileiras.