Home Reportagem O ‘Osório’ no ‘Forças Terrestres’

O ‘Osório’ no ‘Forças Terrestres’

575
0

A história do primeiro MBT brasileiro

O Poder Naval abre espaço para divulgar um tema que não está exatamente relacionado ao assunto principal deste blog, mas envolve tecnologia militar brasileira.

Depois de um longo levantamento de informações sobre a construção do primeiro carro de combate brasileiro, o EE-T1 Osório, o blog das Forças Terrestres (‘ForTe’) apresenta a história deste incrível veículo que, devidamente modernizado, estaria em pé de igualdade com os MBT mais atuais do planeta.

A primeira parte do texto está publicada no blog das Forças Terrestres (‘ForTe’) e pode ser lida clicando-se aqui. As demais serão publicadas neste final de semana.

Boa leitura e espero que aproveitem.

Atenciosamente,

Guilherme Poggio

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Norberto Pontes
Norberto Pontes
11 anos atrás

O Osório(maravilhoso blindado feito pela Engesa, foi golpe político, realizado principalmente pelos americanos.
Sua proposta de venda ao milionários xeiques foi travada pelos EUA,
sendo o golpe demais pesaroso à Engesa que gastou tudo para por em prática seu tanque magnífico, inclusive destronando o modelo americano…

Marcelo Ostra
Marcelo Ostra
11 anos atrás

Norberto

Segundo um ex Eng da Engesa, isso ai é lenda, o M1 ganhou pq comprovadamente foi o melhor (repito, segundo esta pessoa, que não tenho motivos para duvidar dele) (o mesmo participou da concorrencia fisicamente, como parte do corpo tecnico)

abs
Mod MO

Guilherme Poggio
11 anos atrás

Senhores,

A questão da concorrência na Arábia Saudita será tratada na última parte e alguns mitos serão desmistificados.

luciano
luciano
11 anos atrás

“Sua proposta de venda ao milionários xeiques foi travada pelos EUA…”

não é que eu queira ser chato, mas o certo é Xeque e não xeique 😀

carlosargusvieira
11 anos atrás

Então, pq nossas “Ortoridades” ñ os repootencializam os novos MBT Osórios ? Pq tem de comprar nos alemães? , Cadê nossa Imbel? É todas essas perguntas…