Home Opinião Marinha gastará US$ 90 bi para afastar cobiça ao pré-sal

Marinha gastará US$ 90 bi para afastar cobiça ao pré-sal

171
3

corveta no pre-sal

S. Barreto Motta

vinheta-clipping-navalO coordenador do Programa de Reaparelhamento da Marinha, contra-almirante Antonio Carlos Frade Carneiro, revelou a esta coluna, nesta terça-feira, que os gastos da Marinha do Brasil, nos próximos 20 anos, serão muito superiores aos que vêm sendo noticiados. Frade Carneiro participou de seminário do grupo IBC, realizado no Hotel Miramar, na Zona Sul do Rio.

– Ao longo desse período, a Marinha aplicará nada menos de US$ 90 bilhões. Parece muito, mas o gasto anual corresponderá a 0,5% da receita esperada com o pré-sal. E quase nada comparado com o valor do pré-sal. Outras fontes estimam em US$ 650 bilhões o investimento no pré-sal, cuja riqueza pode atingir alguns trilhões de dólares.

Segundo Frade Carneiro, há uma relação direta entre esse investimento e a descoberta de tanta riqueza no pré-sal:

– O mundo vive em paz, mas com tanta riqueza no mar, manda a prudência que se invista um pouco em segurança. Se um cidadão faz seguro de seu carro, a nação tem de dispor de seguro para uma riqueza tão ampla.

Lembrou que, além disso, o equipamento protegerá a costa e o próprio comércio exterior, que movimenta US$ 400 bilhões por ano. A imprensa tem noticiado a compra de cinco submarinos Scorpene, da França – quatro convencionais e um adaptado para motor nuclear. Um estaleiro será construído em Itaguaí (RJ) para fabricação dessas unidades e o motor nuclear será desenvolvido pela Marinha, em São Paulo. O pacote de compras inclui ainda 16 helicópteros Super Cougar franceses, para apoio a plataformas; quatro helicópteros americanos, equipados de mísseis e torpedos; e seis navios-patrulha, dos quais dois estão sendo concluídos no Ceará e quatro terão construção iniciada no Eisa (Rio).

Além de fabricação de equipamentos no Brasil – no caso dos submarinos e navios-patrulha – e importação de helicópteros, o orçamento da Marinha prevê gastos com a construção do estaleiro de Itaguaí – a cargo da francesa DCNS e da brasileira Odebrecht – e gasto com a compra de tecnologia. Comenta-se que o Exército está com ciúmes da Marinha, mas nada impede que a força receba verba especial para proteger a Amazônia – contra entrada de armas e drogas e para prevenir invasões esporádicas.

Riqueza do mar

Frade Carneiro afirmou que, no momento, o Brasil reivindica, na ONU, a extensão de sua fronteira marítima de 200 para 350 milhas.

– Pela Convenção de Direitos do Mar, ou Tratado da Jamaica, um país pode almejar essa faixa, desde que prove que fez pesquisas na região. O processo do Brasil está em fase adiantada na ONU e ainda não houve aprovação total, porque foram pedidas novas informações, mas acreditamos que o país obtenha esse direito.

Segundo o representante da Marinha, com essa incorporação da Fronteira Leste, o Brasil finalmente atingirá seu limite territorial máximo. Comparou o fato às incursões dos bandeirantes, após o descobrimento.

– A riqueza das 200 milhas, mais o acréscimo agora pretendido, chegando a 350 milhas, importará a agregação, ao Brasil, de área que corresponde a 49% do território nacional, em terra. Essa é a Amazônia Azul, com riquezas iguais ou maiores do que as da Amazônia Verde – declarou.

FONTE: Monitor Mercantil

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
WaldersonflaviodepaulaDanilo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Danilo
Visitante
Danilo

Boas noticias finalmente !

Sds.

flaviodepaula
Visitante
Member
flaviodepaula

Temos uma boa e uma má notícia.

A boa notícia é que os investimentos estão vindo…
A má notícia é que vão demorar muito tempo para investir uma quantia não tão grande.

Mas, vamos ser otimistas, as coisas estão melhorando e a tendencia é continuar assim.

BRASIL!!!

Walderson
Visitante
Walderson

Caro Flavio,

não vamos reclamar, pois, para mim, se vier já é lucro. A MB podia mostrar com mais veemência que tudo isso é fruto do não-investimento nas FFAA por tanto tempo. Acho que daqui para frente as coisas vão andar melhor.

Um abraço, amigo.