Home Noticiário Nacional Panes nos navios prejudicaram pesquisas

Panes nos navios prejudicaram pesquisas

675
4

H 41 foto MB

Os dois navios da Marinha enviados ao Continente Antártico este ano apresentaram problemas

 

Eduardo Geraque

O Almirante Maximiano, novo navio do Programa Antártico Brasileiro, teve de retornar mais cedo de sua primeira viagem ao continente gelado. Com problemas no sistema de bordo que transforma água salgada em doce, o “Tio Max”, conforme foi apelidado, teve de regressar a Ushuaia, na Argentina, onde também vai se reabastecer. Como o outro navio do programa, o Ary Rongel, também teve de voltar, pesquisadores estão trabalhando agora sem o apoio das embarcações.

H 44 foto MBEsta foi a primeira temporada do programa antártico em que a Marinha levou dois navios ao continente gelado. A compra do novo navio foi autorizada em 2008, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou a Estação Antártica Comandante Ferraz, base brasileira na ilha Rei George, litoral da península Antártica. Após ser selecionado entre outros candidatos, o Maximiano, construído em 1974, foi adquirido por R$ 80 milhões.

Antes de ser reformado para servir ao Brasil, o navio de 93,4 metros, com capacidade para acomodar 106 pessoas, foi embarcação de apoio a plataformas de petróleo dos EUA em alto-mar. Depois operou como fábrica ambulante da indústria pesqueira da Noruega. Os porões da configuração atual -o custo do navio já inclui todas as obras de remodelação feitas pela Marinha do Brasil na Alemanha durante seis meses- eram onde funcionárias russas preparavam todo o pescado, que saía praticamente embalado para a terra.

Enterprise

Mesmo com o problema que abreviou sua viagem de estreia, o navio parece estar agradando aos integrantes do programa antártico. Pesquisadores acostumados com o veterano NApOc (Navio de Apoio Oceanográfico) Ary Rongel, que embarcaram no Max pela primeira vez na semana passada -já com paisagens antárticas na janela- gostaram do que viram. A chamada praça d”armas, onde ficam o refeitório e a sala de estar, é ampla. Para o lazer, há uma TV de plasma e vários filmes e discos à disposição.

Nas quatro refeições, café, almoço, jantar (18h) e ceia (21h), nada de sentar-se à mesa em frente ao relógio. O lugar, como manda a tradição naval, está reservado ao comandante.

Do ponto de vista técnico, a grande novidade é o passadiço do navio. A sala de controle, entre os oficiais da Marinha, já ganhou um apelido, “Enterprise”, mesmo nome da nave do seriado “Jornada nas Estrelas”. Além de controles modernos -que permitem ao navio ficar parado no mar sem necessidade de jogar a âncora-, a visão do alto é de 360 graus.

Nos fundos, sobre o convés, outra novidade: um hangar climatizado para dois helicópteros. A instalação tirou um pouco espaço dos laboratórios, o que foi objeto de reclamações de cientistas -já que, afinal, trata-se de um navio de pesquisa. Mas, segundo a Marinha, a possibilidade de abrigar duas aeronaves ajudará nas operações antárticas, transportando pessoas e equipamentos e chegando a locais de difícil acesso.

Ciência adiada

Quem visita o Max agora começa a perceber seus problemas após passar pelo internet café e pela suntuosa academia de ginástica que ele abriga. Nenhum laboratório ficou pronto para uso. Segundo a Marinha, o problema já estava previsto, pois o tempo para zarpar para a primeira viagem era curto.

Marinheiros afirmam que, se o navio demorasse demais neste ano, não seria possível navegar pela turbulenta passagem de Drake, entre América do Sul e Antártida, num “mar de almirante” -ou seja, em águas tranquilas. Mesmo com o Max tendo uma estabilidade razoável, a viagem teria muito balanço e possivelmente algum susto.

Ainda assim, a navegação foi desconfortável perto das Malvinas. O navio quebrou antes disso, e ficou mais de uma semana parado em Montevidéu. Para os cientistas, na prática é só no ano que vem que o navio polar oceanográfico (termo usado pela Marinha para indicar que a embarcação fará efetivamente pesquisa na região polar, podendo inclusive navegar por campos de gelo fino) será definitivamente testado.

Estarão então a bordo do Max guinchos, estação meteorológica e todo um conjunto de equipamentos essenciais para a pesquisa de ponta. Uma estrutura de 12 toneladas será acoplada ao casco do navio e ficará submersa. Nela serão instalados, entre outros equipamentos, um ecobatímetro (aparelho que mede a profundidade do mar), um perfilador de correntes (que registra o fluxo de água em várias profundidades) e outros sensores.

FONTE: Folha de São Paulo     FOTOS: MB

NOTA DO BLOG 1: o título original da Folha era “Novo navio polar quebra em 1ª viagem”

NOTA DO BLOG 2: o Ary Rongel passou alguns dias emPunta Arenas para reparos.

LEIA TAMBÉM:

4
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
MOColt Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Colt
Visitante
Colt

Com o tempo, o H-41 vai ser uma máquina bem azeitada para cumprir suas missões.
Importante é que o Brasil está investindo, está pensando grande.
É assim que se faz.

MO
Membro

realmente Colt, principalmente se for vinho, quanto mais velho melhor … mas como ele nao eh vinho …..

ahhh passadiço digital e DP não é novidade pra navios off shore …. até então redundancia …. ja via isso desde o inicio dos 90´s

Ja que vc esta tão otimista assim, conta ae os numeros da mega sena … 🙂

abs
mod MO

ah, o 1o problema ….

Colt
Visitante
Colt

Caro MO
Permita-me discordar de sua abalizada opinião.
Se não permitir eu discordo do mesmo jeito! hauahuah
Em primeiro lugar, essa conversa toda de vinho e azeite me lembra cerveja e churrasco.
Em segundo lugar, qdo o pessoal do Blog vai fazer uma churrascada aí em Santos?
hauahuahuah
[]s

MO
Membro

azeite lembra churrasco ?

que saiba lembra pizza 🙂

quanto a churrascada aqui, er … cara, nao morro de amores por churrascadas, mas independente o dia que vierem salgar a bunda aqui em aguas feitas para navios, aonde (luan and Modolo) desconheçemos o que siguinifica Lambari (a excessão do N/T da transpetro), serão sempre benvindos em casa

Abs
Mod MO