Home Sistemas de Armas ROKS ‘Sejong the Great’ (DDG-991) passa nos testes com o Aegis

ROKS ‘Sejong the Great’ (DDG-991) passa nos testes com o Aegis

256
4

A Lockheed Martin informou que o destróier sul-coreano ROKS Sejong the Great (DDG-991) passou nos testes de três semanas apoiados pela empresa e pela U.S. Navy, nos sistema de combate Aegis do navio.

Os Combat System Ship Qualification Trials (CSSQT) foram conduzidos no mar e foram realizados nas instalações do Pacific Missile Range ao largo da ilha havaiana de Kauai.

Durante o CSSQT, o sistema de combate Aegis foi avaliado para prontidão de combate atravéns de abrangentes exercícios de superfície, antissubmarino e antiaéreos, bem como um teste completo do data link do sistema tático. Os exercícios antiaéreos incluíram ataques de aeronaves tripuladas, cenários de ataque eletrônico e disparos reais de mísseis Standard SM-2 e Rolling Airframe Missile., com o sistema Aegis funcionando perfeitamente sem falhas.

O ROKS Sejong the Great (DDG-991) foi lançado ao mar em 25 de maio de 2007 e comissionado em 2 de janeiro de 2009. É o primeiro dos destróieres KDX-III da República da Coreia.

O navio desloca 8.500 toneladas normalmente e 10.000 toneladas carregado, sendo os maiores navios de superfície dotados com o sistema Aegis, que compreende o sistema de radar SPY-1 de antenas planas e o sistema de lançamento vertical (VLS) de mísseis Mk.41.

O sistema Aegis já equipa 93 navios e tem mais 13 navios planejados. Além da Coreia e EUA, o Aegis é usado pelas marinhas da Austrália, Japão, Noruega e Espanha.

SAIBA MAIS:

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros temas navais no ‘Xat’ do Poder Naval, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MVMB
MVMB
9 anos atrás

TIO JOBIM. COMPRA UM DESSE PRA MIM….!

MVMB
MVMB
9 anos atrás

SERIO. ALGUEM TEM MAIS INFO SOBRE Combat System Ship Qualification Trials (CSSQT)?

Fernando Sinzato
Fernando Sinzato
9 anos atrás

Se os americanos e o congresso tivessem outros olhos e postura para com o Brasil e a America Latina, seria de se pensar em assuntos de defesa conjunta, ao qual este sistema seria peça chave.

Uma pena.

Edu Nicácio
9 anos atrás

Não me importaria NADA se a MB, ao invés das FREMM, se interessasse em meia dúzia de KDX-III e uma dúzia de KDX-IIA para o futuro, até 2030…

Dezoito escoltas, como prevê o PEAMB… Soma-se a isso mais algumas dezenas de NaPaOc, NaPa 500, 15 S-BR, 6 SN-BR, dois NAe’s e 48 caças embarcados… Eita!