Home Infraestrutura Gargalo logístico eleva custo e pode travar a produção

Gargalo logístico eleva custo e pode travar a produção

166
7

Problemas e desequilíbrios na infraestrutura, gargalos e nós na logística e pesada burocracia. Esse diagnóstico não é de hoje, mas vem se acirrando com a rápida expansão econômica. “Faltou alguém dizer que o Brasil cresceria como está crescendo e que o mundo compraria como vem comprando”, diz Reinaldo Moura, fundador e diretor do Grupo IMAM, especialista em gestão industrial e técnicas ligadas a ela, como qualidade e produtividade, logística, movimentação, armazenagem e embalagem de materiais, entre outras.

Para ele, o impacto dessas deficiências é visível na dificuldade de escoamento da produção, que, nos últimos anos, vem se multiplicando. “Produzir é relativamente fácil. O problema é ver-se diante de filas de navios e caminhões nos portos”, diz. Pior, segundo ele, “é que esses problemas entram numa reação em cadeia cujos resultados são custos elevadíssimos.”

Um navio parado à espera para atracar, dependendo da época do ano, pode custar, por exemplo, entre US$ 30 mil e US$ 80 mil por dia. E eficiência nesse setor, afirma Moura, se mede pelo menor tempo de permanência no porto. Esses e outros problemas de infraestrutura em aeroportos, rodovias e ferrovias fizeram com que os custos logísticos no Brasil consumam anualmente cerca de 15% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo a Secretaria Especial de Portos (SEP). Nos Estados Unidos, que estão longe de ser exemplo em logística, como a Holanda, Bélgica ou a Alemanha, o custo é de 8% do PIB.

Embora o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estime que os investimentos em portos, ferrovias e transporte rodoviário cheguem a R$ 76 bilhões nos próximos três anos, há uma série de fatores que precisam ser contornados para a concretização efetiva. Para o setor portuário, que é responsável por 75% a 85% do total das exportações e das importações brasileiras, em termos de valor, o banco acredita que R$ 14 bilhões serão direcionados. Mas esses recursos parecem não ser suficientes.

O Instituto de Pesquisas Econômicas (Ipea) avalia que serão necessários pelo menos R$ 43 bilhões para atacar os gargalos. E apenas R$ 10 bilhões, ou cerca de 23% desse montante, estão previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Ou seja, faltam R$ 33 bilhões, montante que terá de ser desembolsado pela iniciativa privada. “Precisamos de segurança jurídica, de menos burocracia e da não interferência política no setor”, diz Wilen Manteli, presidente da Associação Brasileira dos Terminais Portuários (ABTP).

O Ipea avalia que são necessárias novas instalações portuárias, além de acessos terrestres aos terminais. Afirma ainda que há urgência de espaços para movimentação de cargas, dragagens, sistemas de segurança, sinalização, saneamento e eletrificação dos portos.

Em 2009, os portos movimentaram 760 milhões de toneladas entre exportações e importações, 70% acima do apurado dez anos antes, de acordo com a ABTP. A estimativa para os próximos quatro anos é movimentar pelo menos 1 bilhão de toneladas por ano. Esse crescimento pode ser afetado pela carência de acessos rodoviários e ferroviários. Estimativas do Ministério da Agricultura apontam que 20% da safra de grãos (mais de 20 milhões de toneladas) são embarcados em portos distantes dos locais de produção.

Para reduzir em parte os custos logísticos para pelo menos 10% do PIB, a SEP elaborou, em 2007, o Plano Nacional de Dragagem (PND), que receberá R$ 1,6 bilhão do PAC. “Trata-se de um dos maiores programas de dragagem do mundo, mas deveria estar muito mais adiantado”, diz Manteli, da ABTP.

O PND deve receber R$ 1 bilhão do PAC 2, parte de um total de R$ 3,78 bilhões destinados a obras gerais em portos. Entre os projetos está o da ampliação do Porto de Santos, orçado em R$ 1 bilhão. O investimento permitirá dobrar a capacidade do porto.

Indagado sobre como as empresas estão enfrentando essas deficiências e gargalos em logística – responsável por prover infraestrutura necessária, equipamentos e informações para poder escoar a produção e, claro, exportar parte dela – Moura, do IMAM aponta três saídas. Primeiro, antecipar as necessidades para não interromper a produção. Depois, construir mais e maiores armazéns e centros de distribuição. E, finalmente, investir em equipamentos e sistemas para administrar o excesso de produtos.

FONTE: Valor / Vladimir Goitia

7
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
josielJoaoAndre LuizVitorWagner Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gilberto Rezende
Visitante
Gilberto Rezende

Como servidor na área aduaneira da Receita Federal e trabalhando no Porto de Rio Grande/RS eu digo que pela minha experiência nos últimos 10 anos o PRINCIPAL gargalo a sufocar em breve a economia brasileira é o MOTORISTA DE CAMINHÃO!!! Antes da crise em agosto de 2008, já estávamos no limiar de uma crise séria de carga rodoviária e estávamos no porto que trabalho já observando a crescente dificuldade de retirar-se cargas por falta de CAMINHONEIRO. Se a economia brasileira continuar no ritmo de expansão atual, os efeitos deste gargalo serão sentidos ainda no final deste semestre ou no mais… Read more »

Wagner
Visitante
Wagner

Não se sái do terceiro mundo sem logística que preste. O Brasil precisa de um rede tipo as americanss ou a trans-siberiana.

Vitor
Visitante
Vitor

Se isso que voce disse sobre os caminheiros for verdade, entao só há 2 opçoes. A mais imediata é o aumento natural dos salários quando há falta de profissionais no ramo. E outro é o investimento em outras formas de transporte que há tempos é negligenciado no Brasil. Sinceramente espero que ocorra o aumento dos salarios dos motoristas. Varias classes de trabalho tem de ser melhor remunerada.

Gilberto Rezende
Visitante
Gilberto Rezende

Vitor este aumento da remuneração dos fretes certamente ocorrerá assim que a expansão econômica cruzar a capacidade de “carga” da classe dos caminhoneiros. Só que isso se dará em contexto de crise. E os empresários estiverem DISPUTANDO os motoristas para mover suas cargas… O problema é que estabelecida esta situação uma solução seria que se crie um “Prouni-caminhoneiro” que financie a formação de um caminhoneiro profissional e até uma quantidade suficiente de jovens se prontifiquem para o programa pode levar de um a dois anos para acontecer, e mais de três a quatro anos para que estes jovens, sem carteira… Read more »

Andre Luiz
Visitante
Andre Luiz

O ideal é que o modal rodoviario correspondesse no maximo a 40% de tudo que movimentado

Põ, tem que investr mais em ferrovias e portos de cabotagem

Joao
Visitante
Joao

Ferrovias!!!! é disso que precisamos! ligar o MS e o MT aos portos da amazonia… O problema é politico! Portanto, votem em quem diz que tem de fazer ferrovias, hidrovias… nao reformar (tapar buracos) de rodovias… Projetos tem! Viabilidade, mais ainda…. o que falta é vontade politica….

josiel
Visitante
josiel

O problema é a nossa matriz de transporte que é uma das mais distorcidas do mundo (fonte MT). O lobby dos rodoviaristas impera pra valer aqui (tem mais de 60 % do mercado), por isso o frete fica carissimo por tonelada transportada. O problema é de logistica mesmo. Investir em rodovias é caro e polui muito o ambiente com a emissão de gases. Ferrovias e hidrovias seriam a solução mais coerente para escoar rapidamente a nossa super safra, pois em pouco tempo ela já precisa estar na fonte compradora. Além disso os grãos tem grande volume e baixo valor agregado.