terça-feira, dezembro 7, 2021

Saab Naval

A reconstrução do ‘Admiral Gorshkov’

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

- Advertisement -

11 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wagner

Vi esse video no site ( meu site favorito, é claro) do rus navy

Já pensaram o trabalhao que foi tocar todos os cabos e eletronicos de um navio desse tamanho ???

Me pergunto se não daria para fazer o mesmo no veeelho Kiev…

O casco ta lá, não está ?? Não é mais fácil trocar cabos do que construir uma navio novo ??

Ou será que o sal marinho come o casco ???

Wagner

ops, tRocar…

Mauricio R.

Pelo visto deve ser algo bem dispendioso, pois os chineses não se dispuseram a faze-lo.
O problema não é somente a maresia, mas a movimentação das marés, pressionando o casco.

Mauricio R.

OFF TOPIC…

…mas nem tanto, pois poderemos ter fogos de artifício amanhã!!!

A Russia testará novamente seu míssil Bulova:

(http://en.rian.ru/mlitary_news/20110626/164850804.html)

daltonl

O Kiev o Minsk e o Varyag foram comprados pelos chineses praticamente na mesma época e devem ter decidido que apenas o Varyag, valeria a pena reformar. O Kiev e o Minsk foram transformados em parques temáticos, nos moldes do Intrepid em Nova York ou o Midway em San Diego e recebem milhares de visitantes todos os anos. Realmente o “sal marinho” não faz bem a navios e o Intrepid esteve recolhido a uma doca seca alguns anos atrás. O Gorshkov era o mais avançado e mais novo dos Kievs e os desesperados indianos depois de anos de negociações conseguiram… Read more »

Wagner

alguém teria que inventar algum tipo de tinta que protegesse completamente os cascos dos navios…

Observador

Talvez o problema não seja a pintura. Depois do descomissionamento, o Kiev deve ter ficado sem nenhuma manutenção e seus ânodos sacrificiais se desgastaram totalmente, deixando o casco do navio exposto à corrosão. Funciona mais ou menos assim: um metal mais propenso a corrosão (estanho, zinco, etc.), é colocado em contato com o casco do navio (aço) e o processo de corroção se dá naqueles metais e não no aço, porque os primeiros perdem elétrons mais facilmente que o aço, desta forma protegendo-o. Assim, o ânodo se desgasta e o casco não. Isto é, claro, supondo que o navio usava… Read more »

MO

nada a acreescentar observador, ta perfeito, a prova dos ‘sapiencias navalis’ que acham que linha dágua pintada de cor diferente é ferrugem (kkkkkk)

Observador

Opa!

Corrosão como “Ç” não!

daltonl

Pintura é de menos… Existem 2 tipos de “reserva”… uma que é séria e destina-se a manter o navio minimamente tripulado, sendo bem cuidado, com desumidificação e proteção catódica como bem lembrado pelo Observador ,para que em questão de meses possa ser colocado para navegar em caso de emergencia…é o caso do USS Kitty Hawk , mantido em Bremerton. Mas tem a outra “reserva” que destina-se a cumprir exigencias de politicos que muitas vezes não tem noção do que é necessário para se manter um navio, ou então para manter números, já que oficialmente podem ser recomissionados se necessário… No… Read more »

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

FILME: The Final Countdown – Nimitz volta ao inferno

Muito antes de 'Top Gun', o F-14 Tomcat já fazia sucesso no cinema The Final Countdown (no Brasil, Nimitz volta ao...
- Advertisement -