Home Noticiário Nacional Espanhola Navantia fecha acordo com fornecedores brasileiros

Espanhola Navantia fecha acordo com fornecedores brasileiros

251
6

Diogo Martins

A proposta do estaleiro espanhol Navantia para a construção de onze navios de superfície, entregue à Marinha brasileira em abril, excedeu os € 3,1 bilhões estipulados pelo governo brasileiro, confirmou o diretor comercial da empresa, Jorge López Novo. Em entrevista ao Valor, ele não revelou o excedente, mas adiantou que 60% do conteúdo a ser utilizado na fabricação das embarcações serão brasileiros.

As companhias brasileiras fornecerão principalmente geradores elétricos e compressores, caso os espanhóis saiam vitoriosos da licitação, à qual concorrem também empresas de Alemanha, Coreia do Sul, França, Itália e Inglaterra.

Com uma proposta que talvez não seja a mais competitiva financeiramente, a Navantia tem como diferencial o fato de seus navios estarem mais enquadrados às exigências da Marinha do que os da concorrência, avaliou Novo.

Além disso, Novo acrescentou que o processo de transferência de tecnologia da Navantia à Marinha e às empresas brasileiras participantes da produção das embarcações, exigência do governo brasileiro a qualquer participante do certame, conta a favor, já que a companhia trabalhou com repasses tecnológicos à Índia. A Navantia atendeu também a países como Noruega, Venezuela, Austrália, Tailândia, Chile e Malásia.

De acordo com Novo, não há riscos no processo de transferência de tecnologia, pois os governos brasileiro e espanhol têm acordos nesse sentido para facilitar acertos, e à medida que surjam atualizações nas tecnologias durante o processo de produção dos navios, as modificações serão feitas e repassadas à Marinha e às companhias brasileiras.

Dos onze navios – cinco fragatas escolta, cinco patrulhas oceânicas e uma embarcação de apoio logístico -, a empresa espanhola pretende construir dez em estaleiros brasileiros e um, o primeiro da série, na Espanha, em razão do início do processo de transferência de tecnologia. Segundo a Navantia, a construção dos navios no Brasil gerariam 20 milhões de horas de trabalho, ocupando de 5 mil a 10 mil trabalhadores. A empresa ainda não precisou quantas dessas vagas seriam preenchidas por novos funcionários.

As conversas com estaleiros e possíveis fornecedores de peças e equipamentos brasileiros foram iniciadas. Estão fechados acordos de colaboração de estaleiros com a Odebrecht e com o Synergy Group, disse Novo. Houve negociações também com a Camargo Corrêa, mas elas não evoluíram.

Apesar dos acordos firmados, a Navantia ainda não decidiu onde serão construídos os onze navios. Caso saia vencedora da licitação, a empresa acredita que haverá produção no Rio de Janeiro, onde a Odebrecht tem estaleiros e o Estado serve de base da Marinha. “Isso não quer dizer que haverá construções de navios apenas no Rio.”

A expectativa da Navantia é que a Marinha anuncie o vencedor da licitação no início de 2012. Assim, a empresa começaria a produção do primeiro navio, na Espanha, em 2014 e entregaria a embarcação seis anos depois, em 2020. Todos os navios seriam entregues ao governo em até 11 anos, ou 2023, disse Novo. Ao todo, estão associadas à Navantia mais de 30 empresas espanholas, que poderão ser fornecedoras de serviços ou peças na fabricação dos navios.

FONTE: Valor Econômico / 9.11.2011

6
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
Mauricio R.Blind Man's BluffmarciomacedoRequena Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Requena
Visitante
Active Member
Requena

Odebrecht?

Acho que os Espanhóis estão “jogando o jogo” certo…

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

O modelo que os espanhóis estão oferecendo para a MB é conhecido por eles por EVF, diferente das unidades da Espanha, da Noruega e da Austrália. Uma das diferenças é o Aegis tipo F. Será que existe algum croqui ou 3D circulando na rede?

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

Prefiro as Freems italianas e as inglesas, nessa ordem.

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

As inglesas, obviamente, são as T-26s.

Blind Man's Bluff
Visitante
Member
Blind Man's Bluff

Nao sei se foi por haver morado em ambos EUA e Espanha que eu confio num espanhol, tanto quanto confio num americano: só se eu tiver dois olhos atrás da cabeca!

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Não me prendo a design pronto nenhum, temos que observar as tecnologias disponíveis em tdos os designs ofertados, fazer um balanço do que interessa ou não, do que é viável técnica e financeiramente e aí sim corrermos atrás.