Míssil ‘Sea Ceptor’ da MBDA recebe aprovação para fragatas da Marinha Real Britânica

11

A MBDA tem o prazer de anunciar a concessão, pelo Ministério da Defesa Britânico, do contrato para fase de demonstração do FLAADS (Future Local Area Air Defence System). Nos termos deste contrato de £ 483 milhões, a MBDA irá desenvolver o sistema de defesa aérea naval chamado SEA CEPTOR, para substituir o Vertical Launch Seawolf, atualmente em serviço nas fragatas Type 23, da Marinha Real. O SEA CEPTOR também está em planejamento para ser o principal sistema de defesa aérea no navio sucessor, Type 26 Global Combat Ship.

O SEA CEPTOR é o segundo maior conjunto de trabalho lançado no âmbito do Contrato de Gestão de Portfólio (PMA, na sigla em inglês) assinado entre a MBDA e Ministério da Defesa do Reino Unido em março de 2010. Com este acordo, a MBDA tem a responsabilidade de liderar a transformação da capacidade das armas complexas do Reino Unido através da gestão de uma carteira de projetos que tem valor potencial de £ 4 bilhões ao longo de 10 anos. O SEA CEPTOR utiliza os princípios fundamentais do PMA e é um dos principais responsáveis para os benefícios financeiros da política do portfólio, oferecendo cerca de £ 1 bilhão de eficiência para o Ministério da Defesa do Reino Unido.

Peter Luff, ministro de Equipamentos, Suporte e Tecnologia de Defesa, disse que “o desenvolvimento deste sistema de mísseis é um grande impulso para a liderança mundial da indústria do setor do Reino Unido e mais uma vez comprova o compromisso em fornecer tecnologias vencedoras de batalha para as Forças Armadas. A criação deste sistema de ponta não só irá garantir que a Marinha Real seja capaz de continuar a proteger os interesses do Reino Unido onde quer que esteja, mas também é altamente significativa na manutenção e desenvolvimento da habilidade do Reino Unido na construção de armas complexas”.

Acolhendo o anúncio, o diretor técnico do Grupo Executivo e diretor da MBDA no Reino Unido, Steve Wadey disse: “Este contrato é importante por uma série de razões. Em primeira instância, ele garante que com SEA CEPTOR a Marinha Real terá o melhor equipamento para proteger seus navios e tripulações contra uma ameaça crescente. O contrato também é um exemplo poderoso de como a indústria e o Ministério da Defesa podem oferecer, em conjunto, um recurso avançado que atende às necessidades militares da maneira mais rentável. Também é um passo muito importante no sentido de manter o domínio do Reino Unido sobre a tecnologia de armas complexas. É importante ressaltar que o SEA CEPTOR é ideal para o Type 26 Global Combat Ship, bem como uma vasta gama de outros navios, além de ser altamente relevante para marinhas em todo o mundo que estão procurando o mais avançado sistema de defesa aérea naval, capaz de combater a crescente ameaça contra embarcações”.

O SEA CEPTOR vai proteger o navio do hospedeiro e as unidades de alto valor no local com sua capacidade de interceptar e, assim, neutralizar toda a gama de ameaças atuais e futuras, incluindo aviões de combate e a nova geração de mísseis supersônicos contra embarcações. Com capacidade para múltiplos canais de fogo, o sistema também irá combater os ataques de saturação. Com SEA CEPTOR, este elevado nível de defesa aérea naval será fornecido em custos mais baixos para o restante do tempo de vida dos Type 23. Ele vai entrar em serviço em meados desta década e depois disso se prevê que irá equipar o Type 26 Global Combat Ship, que substituirá o Type 23 após 2020.

Um driver de design por trás conceito do SEA CEPTOR está sua filosofia da integração simples. O sistema foi concebido com as especificidades do Global Combat Ship, contudo, o SEA CEPTOR podem ser facilmente adaptado em uma ampla gama de plataformas, que vão desde navios de patrulha de 50m até navios de grande superfície. O fato de que o sistema substituirá tão facilmente o atual sistema de defesa aérea dos Type 23 é prova de sua flexibilidade modular. Duas características principais proporcionam essa flexibilidade. O SEA CEPTOR é uma arma de “lançamento suave”, que permite um sistema de lançamento muito compacto que pode ser facilmente posicionado em diversas localizações abaixo e acima do convés. Mais significativamente, como um sistema altamente preciso e responsivo com mísseis com guia de precisão, as interfaces SEA CEPTOR usam o radar do navio de vigilância existente e, portanto, não exigem radares de fogo dedicados dos quais os sistemas semi-ativos dependem.

FLAADS é o nome do programa de longo alcance do Ministério da Defesa que visa oferecer um novo sistema de defesa aérea, não só para a Marinha Real, mas também para o exército britânico para substituir o sistema de defesa aérea Rapier destacável. No centro de ambos os sistemas (SEA CEPTOR para a Marinha Real e o futuro sistema CEPTOR baseado em terra para o exército britânico) está o míssil MBDA anti-ar modular (CAMM, na sigla em inglês).

DIVULGAÇÃO: Imagem Corporativa

SAIBA MAIS:

Publicidade

Forças de Defesa no YouTube

Subscribe
Notify of
guest

11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Moriah

isso poderia nos interessar… digo, nós aki.
com 25 km de alcance, mach 3 e vetoração de empuxo, seria ótimo nas futuras escoltas ou até nas atuais… que tal uma T22 Sea Ceptor?

ci_pin_ha

Teremos de pensar em uma arma antiaérea para substituir o Seawolf das Type 22, que estão previsto de sair de serviço na Royal Navy em 2016-2017. Como as Type 22 deverão continuar a ser usadas pela MB por mais 10 a 15 anos, o investimento em um sistema antiaéreo moderno.

daltonl

Este missil irá substituir na base 1 para 1 os 32 Sea Wolf que equipam as fragatas T-23, mas, a ideia é que nas futuras T-26 e quem sabe até mesmo nos T-45s, 4 misseis ocupem o lugar de um unico silo, algo semelhante ao que ocorre com o ESSM, assim, um tipico lançador de
8 células abrigará 32 misseis.

Chilenos e romenos já aposentaram os lançadores conteiráveis de 6 células nas T-22s deles, e quanto às nossas, será que a grande mudança em termos de armamento será limitada apenas a troca de MM38 por MM40 Exocets ?

Fernando "Nunão" De Martini

Senhores, Sobre as Tipo 22 da MB, creio que a ideia é que continuem operando com os mísseis Seawolf de seu inventário até darem baixa, sendo frequentemente inspecionados (e, quem sabe, revitalizados…). Ao menos é o que parece nesses contratos publicados ao longo dos últimos anos: “DIRETORIA-GERAL DO MATERIAL DIRETORIA DE SISTEMAS DE ARMAS CENTRO DE MÍSSEIS E ARMAS SUBMARINAS EXTRATOS DE CONTRATOS Número do Contrato: 44030/08-016/00 Contratada: AVIBRAS DIVISÃO AÉREA E NAVAL S/A. Objeto: Realização de serviços de inspeção radiográfica em motores de míssil Seawolf. Preço: R$ 115.251,00 (cento e quinze mil, duzentos e cinqüenta e um reais) Prazo… Read more »

joseboscojr

Quando em operação esse será o menor míssil sup-ar (99 kg e 166 mm de diâmetro) a ser dotado de um sistema de orientação por radar ativo. Até então o menor é o japonês SAM-1C usado no sistema Type 81 (105 kg e 160 mm de diâmetro) que inclusive usa a tecnologia de varredura eletrônica. Até alguns anos atrás a única maneira de ter um míssil de pequenas dimensões guiado por radar era através do método “comando por rádio”, (incluindo o CLOS), onde o radar ficava na plataforma de lançamento. A miniaturização atual permite mísseis com dimensões cada vez menores… Read more »

Mauricio R.

Qndo é que, se é que algum dia vai, a Avibrás irá resolver sua situação no mercado??? “Contratada: AVIBRAS DIVISÃO AÉREA E NAVAL S/A.” Pois segue eternamente encostada no governo federal, sendo levada pela mãozinha, somente pq fabrica canhão. “A Avibras é uma excelente empresa, mas que só pode ser contratada através de uma intermediária, a Avibras Divisão Aérea e Naval, porque a original tem dívidas com o governo.” (http://www.defesanet.com.br/defesa/noticia/6885/Especialista-teme-entrada-de-empreiteiras-em-defesa) Interessante, a “excelente empresa” que apesar das divídas c/ o governo, se serve de um expediente p/ vender justamente a esse mesmo governo, p/ o qual deve; o que de… Read more »

ci_pin_ha

Será que os Seawolf não poderiam ser substituídos pelo RIM-116?
Posteriormente o RIM-116 poderiam ser retirados da Type-22 e instalado no escolhido pela MB para substituí-las.

daltonl

Desde que não sabemos ainda que tipo de navio será adquirido, nem se tal sistema como o RAM ou SeaRAM que pesam algumas toneladas, poderá ser instalado eficientemente, sem interferir com outras armas, sensores e ainda ter facil acesso a um paiol, não penso que seja uma boa idéia adquiri-los pensando em reaproveitamento. Como o Nunão bem explicou acima, há um limite para o qual vale a pena investir em um navio que está aproximando-se do fim de sua vida útil e que a cada ano que passa é mais caro de se manter. Comissionadas na RN entre 1979 e… Read more »

Moriah

então pelo jeito a T22 vai continuar do jeito que está. outra opção era o sistema Barak, que tem características semelhantes dos do SeaWolf.

mas no final é tudo paliativo…o negócio mesmo é navio novo e um sistema de armas convincente.

daltonl

A T-22 chilena teve seus “Sea Wolves” substituidos pelo “Barak” enquanto que as duas T-22s romenas os substituiram pelo “Mica”.

Estes 3 navios não apenas são mais novos que as nossas T-22s, mas
pertencem ao “batch 2”, ligeiramente maiores e todas as 3 apresentam hoje um util canhão de 76 mm na proa.

MO

enquanto aqui as nossass alem de aparecer em globomares da vida, servem para … er .. pra que mesmo ??