Home Sistemas de Armas Imagens impressionantes mostram o tamanho dos navios-aeródromo classe ‘Queen Elizabeth’

Imagens impressionantes mostram o tamanho dos navios-aeródromo classe ‘Queen Elizabeth’

623
33

QEClassCarriers - 1

A Aircraft Carrier Alliance, consórcio de empresas de defesa que está construindo os navios-aeródromo da classe “Queen Elizabeth” – os maiores navios de guerra já construídos pelo Reino Unido -, divulgou uma série de posters mostrando o tamanho dos navios em comparação com pontos de referência britânicos.

As imagens em computação gráfica revelam que o comprimento dos navios equivale a 28 ônibus londrinos ou três veze so tamanho do Palácio de Buckingham.

Os navios-aeródromos têm 280m de comprimento, deslocam 65 mil toneladas e podem embarcar até 40 aeronaves, duas vezes a capacidade do HMS Illustrious.

A Aircraft Carrier Alliance é formada pela BAE Systems, Babcock, Thales e o Ministério da Defesa. (Clique nas imagens para ampliar)

QEClassCarriers - 2 QEClassCarriers - 3 QEClassCarriers - 4

DIVULGAÇÃO: Aircraft Carrier Alliance

33
Deixe um comentário

avatar
31 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
ArmadaEspanolaIlha de vante do HMS ‘ Queen Elizabeth’ está pronta para transporte | Poder Naval - Marinha de Guerra, Tecnologia Militar Naval e Marinha MercantedaltonlObservadorGUPPY Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Souucer
Visitante
Souucer

esses navios sao enormes,quem sabe o Brasil passe a fabrica porta-avioes nao dessa classe mas de outra classe

ArmadaEspanola
Visitante

RT @podernaval: Imagens impressionantes mostram o tamanho dos navios-aeródromo classe ‘Queen Elizabeth’: A Aircraft Carrier All… http …

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

E ainda são menores que a classe Nimitz e a classe nos novos NAe da USNavy…imaginem!

GIORDANI
Visitante
GIORDANI

Lindo!
Sei não, com o advento da catapulta magnética, acho que a rampa se tornará um desperdício de combustível…

DELTA
Visitante
DELTA

So falta agora o X-35 dar o ar da graca.

Anônimo
Visitante
Anônimo

Que troço mais besta, até parece Banânia.
Deveriam defenestrar esse pateta do David Cameron do cargo e reverter os cortes da SDSR 2010, isso sim.

LM
Visitante
LM

A BAE Systems e a Thales, duas das empresas participantes da Aircraft Carrier Alliance já requereram informações preliminares sobre o ProNae

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Anônimo disse:
9 de janeiro de 2013 às 8:52

Boa idéia !!
Assim, quem sabe, a Inglaterra tmb vire uma Grécia !! Economicamente cada vez mais diminuta, com desemprego recorde, porém, com Forças Armadas bem equipadas…

Marcos
Visitante

Duas pontes de comando?

MO
Membro

perdão, mas aonde tem pontes de comando ?

Lucas
Visitante
Lucas

Pois é.. Duas coisas que não entendo nesse NAe, o porque de duas ilhas? não seria um disperdicio de espaço? e outra coisa seria a não adoção de catapultas.. o avião tem de percorrer um espaço muito maior para decolar.. essas areas poderiam muito bem ser ocupadas por suprimento, munições ou até mesmo uma maior quantidade de aviões..

daltonl
Visitante
daltonl

Marcos…

a superestrutura dianteira, onde encontra-se a ponte de comando, é destinada principalmente a navegação do navio enquanto a superestrutura
traseira terá como principal atribuição o controle de aeronaves, note que cada superestrutura tem sua propria chaminé devido ao arranjamento do
maquinário.

LM
Visitante
LM

Prezado Marcos,

A ilha localizada a vante do nae tem como função o “controle da navegação” e a de ré tem com função o controle das operações aéreas.

daltonl
Visitante
daltonl

Lucas…

catapultas são caras de adquirir e de manter exigindo inclusive tripulantes destinados a opera-las e quanto maior a tripulação de um navio maior a folha de pagamentos então a economia feita ao longo de décadas que o
NAe permanecerá em serviço é substancial.

ANDRÉ MATOS
Visitante
ANDRÉ MATOS

Tai, quem sabe faz.

Quem não sabe olha e aplaude.

Ozawa
Visitante
Ozawa

LM disse: 9 de janeiro de 2013 às 11:51 Prezado LM, em que pese a seriedade e capacidade técnica das empresas interessadas no reaparelhamento naval brasileiro, não tenho a mesma impressão das autoridades brasileiras envolvidas nos PRO’s da vida, em especial da área política, a instância decisora de fato. Se o FX, PROSuper, FT XXI estão nessa procrastinação que dispensa comentários, que dirá o dito PRONae… Sinceramente, quanto ao submarinos, base e etc…, só sairam do papel porque tinha interesse direto de uma poderosíssima empreitera envolvida no processo, certamente com um fortíssimo lobby político, e portanto, com força pra fazer… Read more »

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

O PIB da Inglaterra é ligeiramente maior que o brasileiro. E a Inglaterra está em crise, e o Brasil, não, segundo o governo. Porém, a Inglaterra está construindo dois NAe, é verdade que aumentou os prazos, mas a construção não parou. O Brasil não consegue nem fazer o São Paulo navegar. A Inglaterra também integra o consórcio do F-35, o Brasil está discutindo há 16 anos a compra de 36 caças de 4ª geração. A Inglaterra produz o Hawk, o Brasil não sabe como adequar o treinamento avançado da FAB, porque não tem vontade política de comprar aviões de treinamento.… Read more »

daltonl
Visitante
daltonl

Bom Fábio…independente de gastarmos mal, leve em conta que a população do Brasil é tres vezes maior que do Reino Unido, é como duas familias com a mesma renda familiar, mas uma tem tres filhos e a outra apenas um, então no fim do mês sobra mais para a familia menor. Não fosse a necessidade de substituir os 4 SSBNs a situação dos britanicos seria bem melhor…pelo menos 8 T-45s e 8 Astutes e não 6 e 7 respectivamente e nem haveria necessidade de manter um dos 2 LPDs na reserva, alternando-se o uso para poupar gastos Estes 2 NAes… Read more »

fernandobill
Visitante
fernandobill

F 35 é vstol nao precisa d muita pista

Observador
Visitante

GIORDANI disse: 9 de janeiro de 2013 às 8:28 Pois eu não acho que a rampa se tornará um desperdício de combustível. Eu acho que a rampa é um desperdício de PORTA-AVIÕES. Um navio aeródromo deste tamanho, na minha humilde opinião, só se justifica se for para usar catapultas, para ter mais aviões embarcados, para ter aviões para AEW, para lançar com mais carga útil e maior autonomia. Para mim, foi uma economia de palito: o governo britânico resolveu economizar mutilando seus porta-aviões. Se era para economizar, que fizessem uma nova versão dos “porta-harrier”, e não dois mamutes de 65.000… Read more »

GUPPY
Visitante
GUPPY

A informação do LM de que a BAE Systems e a Thales já requereram informações preliminares sobre o ProNae é interessante. Quer dizer que os planos de um novo PA é real e não está congelado.
Se o LM puder dar mais informações será muito bom. Levanta a moral, melhora a autoestima, etc.

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

GUPPY disse:

Quer dizer que os planos de um novo PA é real e não está congelado.

Não está não. Na edição mais nova da revista Forças de Defesa tem uma entrevista com o responsável pelo PRONAE da DNCS. Também falei com o pessoal da BAE e eles estão interassados também.

Alex Stélio
Visitante
Alex Stélio

Falamos tanto de porta-aviões, mas alguém sabeira me informar há quantas andam a modernização dos A-4? Está caminhando ou simplesmente foi engavetada?

Moriah
Visitante

Tão grande que eu não vi nenhum AEW. Vai ter? Ciom V-STOL acho difícil…afinal, só helis não cumprem a missão.

Fábio Mayer
Visitante
Fábio Mayer

daltonl

Concordo, o Brasil tem 3 vezes mais população.

Mas tem 10 vezes mais funcionários públicos e ao menos umas 30 vezes mais agentes políticos, eleitos pelo voto.

Aliás, o Brasil deve ter umas 2000 vezes mais funcionários comissionados e em confiança.

E tem uma carga tributária 1/5 maior que a da Inglaterra.

E nossas forças armadas? Eu ficaria feliz se nosso problema mais grave fosse substituir 5 submarinos…ehehe… aqui, tem tanta sucata de meio operativo que se tivéssemos o modo inglês de pensar, estaríamos desesperados! Mal ou bem eles mantém operativas e atuantes suas FFAA(s)…nós, aliás, nossos governos, às tratamos como inimigas!

Ricardo
Visitante
Ricardo

Realmente impressionante. resta saber se até lá a Royal Navy terá recursos para operar essa fantástica máquina de guerra.

Andre de poa
Visitante
Andre de poa

caros daltonl e Fabio Mayer devemos considerar que apesar da atual crise econômica o reino unido tem um bom estoque de riqueza relacionada a séculos de expropiação, extorsão, chantagens diversas e trabalho escravo (dissimulado mas escravo). Vide guerra do ópio, borracha da malásia, e as tradicionais colônias como a Índia. Sem falar que os britânicos (assim como franceses e yankees) são ótimos corruptores. As nossas mazelas são chinelo perto do “curriculum” ético de outras nações. Quero crer que ainda alcançaremos o grau de exelencia sem humilhar outros povos. Não uso óculos cor de rosa e sei que a corrupção campeia… Read more »

daltonl
Visitante
daltonl

Oi André… não limitaria a lista a britanicos, franceses e “yankees”, ainda mais que o Brasil foi abençoado com toda esta terra e geograficamente falando ficamos fora do caminho das grandes encrencas, mas um detalhe normalmente esquecido é que os britanicos já que estamos falando neles também trouxeram muitas benesses aos paises colonizados, mas, claro, foge completamente do escopo da matéria. Analisando friamente a situação militar dos britanicos, a coisa fica ainda pior, quando sabemos que eles possuem um assento permanente no CS, atribuições junto à OTAN e de quebra ainda tem as Falklands o que não deve ser muito… Read more »

Cmte. Fred
Visitante
Cmte. Fred

Observador, Não concordo com sua observação de que o uso de rampas é “desperdício de porta-aviões”. O tamanho dos navios da Classe QE foi definido como sendo o necessário para operar com um total de 50 aeronaves de combate do porte do F-35, sejam eles nas versões CATOBAR ou STOVL. O design dos navios permitiria que fossem convertidos mais tarde, se assim o governo desejasse, de um sistema para outro, adicionando as catapultas. Em 2010, o gabinete de Cameron decidiu pelo sistema CATOBAR, mas teve que voltar atrás pelos altos custos envolvidos. Em minha humilde opinião, porta-aviões é igual a… Read more »

GUPPY
Membro
GUPPY

Tks, Poggio. Mas pela Revista achei que a DCNS está com vantagem para ganhar a encomenda brasileira para o substituto do A12, só que eu estou torcendo justamente por isso, uma oferta inglesa. Que vença o melhor para a MB.

Abraços

Observador
Visitante
Member
Observador

Cmte. Fred disse: 10 de janeiro de 2013 às 14:04 Caro Cmte. Fred: Análise interessante. Porém, ainda fico com a minha visão. Usando a sua comparação, o Reino Unido preparou a pia de uma cozinha industrial, enorme, mas jamais vai fazer mais que um jantar familiar. Digo isto porque,ao eliminar as catapultas e optar pela rampa, eliminou-se a possibilidade de interação com as marinhas americana e francesa, cujos aviões poderiam utilizar o porta-aviões britânicos sem problemas. Voltando a pia, só será utilizada pelos donos da casa. Ocasionalmente vai se preparar um jantar para visitantes espanhóis e italianos, mas a marinha… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Observador… longe de quere faze-lo mudar de ideia, apenas adicionando material ao seu comentário: “optar pela rampa, eliminou-se a possibilidade de interação com as marinhas americana e francesa, ” Na verdade este tipo de interação é de pouco uso…sei que até já trocaram motores de um Rafale a bordo de um NAe americano, mas na pratica mesmo, não é de grande importancia. ——————————————————————————————- “o grande problema é a impossibilidade de operar o E-2 Hawkeye para AEW, o que diminui muito a capacidade…” O E-2 pode decolar de uma rampa, pode não ser o ideal, mas o caso é que os… Read more »

trackback

[…] Imagens impressionantes mostram o tamanho dos navios-aeródromo classe ‘Queen Elizabeth’ […]