Home Reportagem Voou o primeiro jato AF-1 Skyhawk da Marinha do Brasil modernizado pela...

Voou o primeiro jato AF-1 Skyhawk da Marinha do Brasil modernizado pela Embraer?

6713
157

IMG_8107 cópia

Ontem radioamadores de Confins-MG, ouviram um caça AF-1 Falcão (A-4KU Skyhawk II) da Marinha do Brasil fazendo procedimentos sobre a área de Confins, o que fez muitos pensarem tratar-se do protótipo do AF-1 modernizado pela Embraer.

Mas via Facebook, o encarregado do Programa de modernização dos aviões da MB  disse que o voo do protótipo modernizado ainda não aconteceu.

Ou seja, ainda não ocorreu o voo tão esperado pelos que torcem pelo programa. Todavia, segundo informações disponíveis na LAAD 2013, o voo deve ocorrer ainda neste mês de maio.

Modernização

No dia 11 de maio de 2011, a Marinha do Brasil (MB) aprovou a implementação de melhorias no programa de modernização das aeronaves AF-1/1A que irão alterar a concepção das novas aeronaves AF-1B/C.

O Programa de Modernização das aeronaves AF-1/1A encontra-se em andamento, tendo sido o contrato, de duração aproximada de 5 anos, celebrado com a Embraer em abril de 2009.

Naquela época, a Empresa não possuía condições técnicas e nem conhecimento da aeronave AF-1/1A para precificar, dentro do prazo disponível, algumas melhorias na interface entre os sistemas modernizados e os que permaneceriam na aeronave.

IMG_1852 IMG_1853

Com o passar do tempo, a Embraer foi adquirindo experiência no projeto e, submeteu a arquitetura aviônica da aeronave modernizada à MB.

O Setor Operativo, com a corroboração do Setor de Material, solicitou a incorporação de equipamentos novos e modificações em alguns sistemas, a fim de aumentar a capacidade operativa das aeronaves AF-1/1A e, com isso, viabilizar o seu emprego em operações combinadas.

Novo painel do AF-1

2_anos_modernizacao_af_021

Os principais pontos do Programa de Modernização:

  • Revisão Geral das aeronaves (PMGA);
  • Novo radar com inúmeras capacidades (Elta 2032);

elta-2032

  • Sistema OBOGS (On Board Oxygen Generation System), que gerará o oxigênio proveniente da atmosfera para os tripulantes, sem a necessidade de abastecimento das atuais garrafas de oxigênio;
  • Novo sistema de geração de energia, com a substituição dos atuais geradores e conversores;
  • Novos rádios para realizar, automaticamente, comunicação criptografada e que permitirá no futuro a transmissão de dados via data-link;
  • Sistema inercial (EGI) de última geração;
  • HOTAS (Hand On Throttle and Stick), mão sempre no manche;
  • Novo HUD (Head Up Display), que permitirá aos pilotos manter sua atenção para fora do cockpit.
  • Dois display tático 5”x7”, Color Multi-Function Display (CMFD) , que apresentará ao piloto as informações de missão através das “páginas” selecionadas;
  • Computador principal que executará todo cálculo de navegação e balístico, para o piloto poder empregar os armamentos (bombas, metralhadora e futuramente o míssil MAA-1B)
  • Revisão Geral dos motores.
  • Instalação do Radar Warning Receiver (RWR): possibilita à aeronave detectar e se evadir de ameaças, como mísseis e caças inimigos, o que aumenta a capacidade de sobrevivência da aeronave e a probabilidade de sucesso nas missões;
  • Instalação do 3º Rádio VHF: capacita a aeronave a operar seus dois rádios ROHDE SCHWARZ na transmissão de dados via data-link, enquanto permanece com a escuta dos órgãos ATC (Air Traffic Controler);
  • Revitalização do Piloto Automático: possibilita ao piloto gerenciar seus sistemas, permitindo maior concentração na missão imposta;
  • Integração do Radar Altímetro e do TACAN: facilita ao piloto focar a sua atenção em apenas um instrumento (a tela do CMFD que concentrará todas estas informações), aumentando assim sua consciência situacional quando operando do porta-aviões e quando voando em condições de voo por instrumento;
  • Integração dos instrumentos do motor: possibilita ao piloto receber os avisos aurais dos limites de funcionamento do motor, concentração das informações em uma única tela e melhor visualização das informações dos indicadores; e
  • Estações de briefing e debriefing: possibilita ao piloto condições de preparar melhor a missão, garantindo assim um maior aproveitamento, economia de utilização dos equipamentos aviônicos, melhor disposição das informações geradas em vôo para treinamento das equipagens e avaliação das missões.

A modernização atingiu uma maturidade que proporcionará à MB a oportunidade de operar um vetor aéreo no estado da arte, quanto à aviônica e sistemas embarcados, qualificando-a a empregar suas aeronaves em operações aeronavais e aéreas, nacionais e internacionais, o que aumentará significativamente a operacionalidade da Aviação Naval da Marinha.

IMG_1851

AF-1 Skyhawk II

SAIBA MAIS:

NOTA DO PODER NAVAL: as fotos dos AF-1 da matéria são meramente ilustrativas.

Subscribe
Notify of
guest
157 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wagner
Wagner
7 anos atrás

Muito legal, finalmente, não sabia que ia ficar tão bom, e olhem que eu era um crítico feroz dessa idéia.

Com certeza 12 desses, REALMENTE armados, serão uma ótima coisa para a MB.

🙂

Fernando Turatti
Fernando Turatti
7 anos atrás

Enfim apareceu algo sobre os A-4… A previsão para o término das entregas continua sendo ano que vem?

Silverlincy68
Silverlincy68
7 anos atrás

Meus parabéns aos técnicos e militares envolvidos nesse projeto!!! Uma motivação a mais para todos os integrantes do esquadrão de caça naval…

RoLoUcO
RoLoUcO
7 anos atrás

Como eu esperei para ver esse pequeno cacinha em condições de voo de verdade!!

joseboscojr
joseboscojr
7 anos atrás

Mas e aí? É compatível com um MRAAM ou não?
E quanto a um ASM antinavio?

Lucas
Lucas
7 anos atrás

Pena que será modernizado apenas 12 unidades. Com este novo upgrade qual a previsão para baixa em definitivo destas unidades ???

Manoel Silva
Manoel Silva
7 anos atrás

Enquanto os americanos vão de F-18,os russos de SUkhoi SU-34,os franceses de Rafe,nós vamos de Skyhawk,isso é muito pouco para o Brasil.

clêuber
clêuber
7 anos atrás

12 A-4KU Skyhawk II com mais 114 caças de superioridade aérea formariam um belo grupamento aéreo embarcado…Mais aí já são outros quinhentos!!!Mais não custa nada ter esperanças.Enquanto houver um amanhã, esperamos por dias melhores para as Forças Armadas Brasileiras.

clêuber
clêuber
7 anos atrás

14 e não 114, kkkkk.

RoLoUcO
RoLoUcO
7 anos atrás

Manoel… isso só depende de nós, nosso voto é nossa arma. temos que acortar para o novo mundo, em que ninguém é mais otário. só vamos ter um País forte, quando Senadores condenados pela justiça não assumirem a Presidencia da República!

daltonl
daltonl
7 anos atrás

Dos 12 a serem modernizados, 3 são bipostos e talvez como ocorreu
com os australianos no HMAS Melbourne, os bipostos nunca sejam embarcados no NAeSP, já que não ofereciam a mesma segurança
durante pousos, apesar de que o NAeSP é um navio maior.

Se for o mesmo caso, os 3 bipostos serão utilizados a partir de base terrestre principalmente na função de treinamento.

Dos 9 restantes monopostos é razoavel supor que nem todos estarão sempre disponíveis, seja por motivo de manutenção ou testes, mas ainda acho que um mínimo de 6 estarão sempre disponíveis.

colombelli
colombelli
7 anos atrás

Antinavio tem dois que ja foram operados por ele. O Harpoon e o Gabriel. Integrar o Exocet AM-39 talvez saisse meio caro, fora que o Harpoon pode atacar alvos em terra também e tam maior alcance. A propósito do Harpoon, ano passado ou fim do retrasado, circulou uma notícia que a FAB o tinha adquirido para os P-3. Depois nunca mais ouvi confirmação. Conforme ja disse, penso que com Derby, Python IV ou V e/ou A-Darter e com este radar, no cenário latino americano e com pilotos bem treinados vai dar um bom caldo. So tem que parar com o… Read more »

Falcon
Falcon
7 anos atrás

Finalmente uma boa noticia na area da aviação. E os AF-1 estão show.

Manoel Silva
Manoel Silva
7 anos atrás

Preferia ver o São Paulo equipado com o Mig-29,como fizeram os indianos !Só não sei se o nosso velhinho teria essa capacidade de receber tais aeronaves !

Lucas
Lucas
7 anos atrás

Tem previsão a partir de quando estes “novos” skyhawk vão passar a treinar com o NAE SP ???? Será que o modernizado ja pode começar ? ou tem que esperar outros ? o SP ja tem condições de fazer treinamentos com os skyhawk ?

Reginaldo
Reginaldo
7 anos atrás

Alguém sabe pra quem era o navio que se desprendeu lá do estaleiro do Rio?

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Vão pousar onde?

Carlos Peçanha
Carlos Peçanha
7 anos atrás

É uma notícia miserável, isso sim. Modernizar aviões projetados nos anos 50, para ficarem no nível de caças dos anos 90, quando já estamos no século 21, como pode ser notícia boa? Essa grana toda devia ser investida em novos aviões, estão maquiando um fusca velho para ficar parecendo uma BMW e vocês estão elogiando? É um contrato lesa-pátria, alguém levou comissão nessa, com certeza. O que qualquer país sério faria é incluir no FX-2 mais uma esquadrão para a MB, elevando as compras e abaixando o preço por unidade. Caso seja o F-18, o melhor de todos, então a… Read more »

FRL
FRL
7 anos atrás

Boa notícia, complementar à entrevista concedida pelo Comandante do MB. Não é o ideal para a ala aérea do NAe SP, mas é um bom começo de mudança… quem sabe, com a previsibilidade de baixa do NAe, não sirva ele de boa escola, já com o material repotencializado (e aliás, os A4 ficaram muito bonitos!), em preparação para novo (ou novos) NAe lá por volta de 2025.

justin oliveira
7 anos atrás

Muito Interessante o seu comentário , Carlos Peçanha ,creio que é por ai.

colombelli
colombelli
7 anos atrás

Carlos, infelizmente em nosso país temos de pensar n o que é possivel nas circunstâncias, e não naquilo que é o ideal ou mesmo o minimamente razoável. E neste caso, se formos ver o custo/benefício, por menos de 150 milhões temos 12 aviões que ainda tem alguma capacidade em termos gerais e um bom score no cenário da AL. Com este valor não comprariamos nem dois aviões de primeira. Quer se queira, quer não, com estes 12 aparelhos a defesa nacional ganha bastante, pois são 10% a mais de jatos com capacidade 3 e meia ou quarta geração em alguns… Read more »

Manock
Manock
7 anos atrás

Ótima notícia. Agora as festanças no NAe São Paulo terão como ponto alto o rasante dos Falcões…

A6MZero
A6MZero
7 anos atrás

alguém sabe se estes “novos” skyhawk vão ter um novo padrão de pintura?

Guilherme Poggio
Editor
7 anos atrás

Esse aviões da marinha são de construção mais nova do que qualquer F-5 que a FAB usa.

rogerio
rogerio
7 anos atrás

gostaria de saber, qual a dificuldade de se desenvolver uma nova aeronave, um Frankenstein tipo à chinês é tão difícil, corpinho de F 16, motorização(mono) eletrônicos e cabine do rafale e baia de armamentos do F 35, se os chineses copiam e dá certo(pelo menos parece) o que falta por aqui será vontade; questionamento de um leigo.

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Pessoal sem querer ser estraga prazeres, mas tem alguma confusão nessa informação…
O 1013 que será o primeiro a ser modernizado, ainda se encontra desmontado no hangar da Embraer…

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Desculpe desmontado é exagero, mas esta longe de decolar…

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Mesmo assim o 1013 vai ser o primeiro a sair modernizado. E esta longe de estar pronto.

Milton
Milton
7 anos atrás

Muitos aqui são criticos da existencia do NaeSp. Porquê? Parecem acreditar que não ter um Nae é melhor do que ter o SP… O que sei desse Nae é que foi comprado não para combater, mas para ser um navio escola… A intenção sempre foi de desenvolvimento de doutrina, não? Assim como esses avioes, seu objetivo é o mesmo… Sempre pensei que o objetivo da MB era ter um minimo de preparacao para, quando o dinheiro aparecesse, operar um Nae novo… Nesse proposito não cabe criticas tão ferrenhas… É até louvavel que mantenha esse projeto, apesar da falta de fundos…… Read more »

Guizmo
Guizmo
7 anos atrás

Belo trabalho! Parabens à Embraer e Marinha.

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Perdão confundi as aeronaves, o 1013 esta voando em São Pedro da Aldeia.
O que vai ser o primeiro a ser modernizado é o 1011 e esse se encontra desmontado na Embraer…

Tio Sam
Tio Sam
7 anos atrás

É… Estão comemorando um ato vexatório e lesa pátria. Essas sucatinhas e o NA SP francês são peças de museu minha gente. Por mais que a suite seja incrementada, esse troço não leva mísseis ar-ar tipo AMRAAM e, pior ainda, nada de ARPOM ou EXOCET. É uma tranqueira ultrapassada, subsônica e sem nenhuma condição de sobrevivência em cenário hostil. É peça de desfile, e só. A US NAVY tá desativando o Hornet Legacy, tá aí uma boa pedida. Ah, mas a catapulta do NA não suporta… Então, tá na hora de escolher: ou compra outro NA mais capaz ou desiste… Read more »

Bob Joe Roberto
Bob Joe Roberto
7 anos atrás
Tio Sam
Tio Sam
7 anos atrás

Antes que comecem a reclamar, outro dia num desses eventos de portões abertos, conversei com um piloto da marinha sobre o A4. Pois bem, a maior cerimônia do dito cujo foi o fato do A4 ter vencido o F14 em… Top Gun! Isso mesmo, juro que era essa a informação passada para a plateia, como se a aeronave em questão fosse um F15. Passado o delirio, questionei o que seria feito se o alerta avisasse um ataque de um grupo de F16 chilenos…. Ai veio a pérola: “não decolamos” hahahahahaha A marinha vive brincando de guerra naval, não levam nada… Read more »

Tio Sam
Tio Sam
7 anos atrás

Milton disse:

Meu caro, se isso for verdade é td pura perda de tempo. O GAP entre o A4 e o F35 é abissal. Os pilotos teriam que começar do zero e o efeito de ter ou não o NAE seria o mesmo.

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Galante, nenhum A4 decolou de Gavião. recentemente chegou um biplace voando, mas está longe de ser modernizado.
O protótipo número 1 é o 1011 e está previsto para voar logo…

Gustavo Leite
Gustavo Leite
7 anos atrás

Tranquilo…
Continue o bom trabalho com o blog…
Abraços

Eder Albino
7 anos atrás

Milton disse:
25 de maio de 2013 às 20:12

“O que sei desse Nae é que foi comprado não para combater, mas para ser um navio escola… A intenção sempre foi de desenvolvimento de doutrina, não?”
Sou da mesma opinião. O Nae SP pode manter a tripulação embarcada com o mínimo de treinamento para que no futuro possamos ter um Nae verdadeiramente operante.

MOSilva
MOSilva
7 anos atrás

Olá. Caros foristas, o A4 modernizado está dentro dos padrões de desempenho e recursos das nossas FFAA. A modernização desses vetores é que foi tardia (contrato assinado depois de 12 da compra). Creio que isso se deva ao processo FX, que poderia o vetor da MB completamente obsoleto perante aos equivalentes da FAB. E também ao prolongado período de manutenção do NAe São Paulo. De qualquer forma, essa modernização vai permitir aos A4 desempenhar funções de defesa anti aérea, interceptação e ataque. Não é o que se poderia chamar de “inútil”. E pelo que tem custado, é uma “verdadeira pexincha”.… Read more »

FERNANDO
FERNANDO
7 anos atrás

O cockpit do A4 já é apertado,com esta modernização ,acho que vai ficar um cubiculo.Acho que as catapultas do SP nem estão funcionando.Pelo menos quando atracou em santos em 2011.Modernizar só 12 deve ser pelo fato de canibalizar as peças dos restantes.

Afonso
Afonso
7 anos atrás

Só espero que o SP esteja operacional antes que essa modernização caduque…

Yacov
7 anos atrás

Carlos Peçanha, vc está correto. Um país que quer se dizer ” grande” no mais amplo sentido e contexto, não pode ficar sem uma armada moderna e efetiva.

Jean
Jean
7 anos atrás

Uma NAe que não sai da manutenção e que já custou muito mais caro em manutenção que em operação. Fica a pergunta: Será que para manter uma doutrina, vale o custo que se gasta em manutenção de uma coisa que não se usa???

Ao menos os A-4 modernizados podem servir para horas de vôo de uma forma mais barata em treinamento que um vetor mais moderno e mais capaz!!!

Dureza é ver um comentário de alguém que recebe salário pago com nossos impostos que em caso de combate ficaria em solo!!!(Covarde e parasita do Estado!!!)

Jean
Jean
7 anos atrás

Milton disse:
25 de maio de 2013 às 20:12

Boa noite Milton.

Quando se compra material de uso militar, a perpectiva que se tem é que será usado para o fim que é destinado.

Acho eu que um NAe tem por obrigação, ter condições de combate e, pelo que todos já lemos, o SP nunca ficou operacional e já consumiu dinheiro o suficiente em nome dessa doutrina!!!

Fica a pergunta novamente: Será que quando chegar 2025, teremos outro NAe para substituir o SP em doutrina ou em operação???

Boa noite.

Danilo José
Danilo José
7 anos atrás

É muito boa esta notícia, pelo menos sabemos que nossos pilotos da força aeronaval não ficaram sem manter tudo que foi aprendido a duras penas na operação de um navio aeródromo.

Parabéns a Marinha do Brasil, por estar fazendo o que se pode com os recursos que se tem !

colombelli
colombelli
7 anos atrás

Eder e Milton, manter doutrina pra aplicar em um porta-aviões que nunca virá? Mas se vier, é pra levar aviões pra onde? Se o Brasil se diz não expansionista e eminentemente defensivo, a missão pode ser cumprida fácil de bases de terra, sem termos um alvo que é a alegria dos submarinistas, chamando um torpedo ou um missil. Veja-se o caso da marinha e da força aérea argentina que lograram cumprir sua missão de terra. Pra isso existe o REVO. Imagina um porta aviões ser posto a pique o prejuizo financeiro e militar. Não existe defesa inexpugnável, e o porta-aviões… Read more »

Marcos
Marcos
7 anos atrás

O A-4 foi projetado na década de 50 e esses dai foram fabricados em meados da década de 70.

O São Paulo (Foch) foi construído na década de 60, e quando de sua venda ao Brasil teve toda a sua eletrônica retirada.

O Brasil tem o único NAe de cabotagem do planeta.

O último patrãozinho que tivemos queria usar o São Paulo para levar toda a Corte para as “inaugurações” das pedras fundamentais de poços de petróleo.

StadeuR
StadeuR
7 anos atrás

Não voou ainda mas a ansiedade não é só minha, todos querem ver esse pássaro ação de novo, eu ia colocar ele sentando o aço lá no sul, mas…