Home Sistemas de Armas Os canhões do NPaOc ‘Apa’

Os canhões do NPaOc ‘Apa’

2329
44

MSI DS30M - 1

O NPaOc Apa, assim como seus irmãos da classe “Amazonas”, tem como armamento principal um canhão MSI DS30M Mk.44 Bushmaster de 30mm (foto do alto), operado a partir do COC, na proa.

Além deste, os navios também levam dois canhões MSI DS25M – M242 de 25mm (um em cada bordo), também com operação a partir de um console no COC. Todos os canhões podem ser operados localmente em caso de falha no sistema principal.

Nas imagens, os canhões DS30M e DS25M e seu console de operação no COC do NPaOc Apa.

MSI DS30M Painel de controle local - 2

MSI DS25M  - 1

MSI DS25M  - 2

MSI DS25M Console do COC  - 3

44
Deixe um comentário

avatar
43 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
A LENDAJokereduardo.pereira1MOCorsario137 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ivan
Membro
Member
Ivan

Estes canhões Bushmaster são muito bons e são encontrados em várias montagens, em terra, mar e ar. Entretanto não consigo entender porque o fabricante, VT Shipbuilding que passou a ser BAE Systems Surface Ships, juntamente com a Guarda Costeira de Trinidad Tobago optaram por misturar calibres diferentes mas tão parecidos como estes. Na proa tem um MSI DS30M Mk.44 Bushmaster de 30mm (primeira foto), enquanto em cada bordo tem um canhão MSI DS25M – M242 de 25mm. Enquanto o Mk44 Bushmaster II de 30 mm pesa 160kg. o M242 Bushmaster de 25 mm pesa 120kg. Esta pequena diferença não justifica… Read more »

Ivan
Membro
Member
Ivan

A propósito.
Usando o mesmo Bushmaster de 30mm, eu prefiro a torreta MK46 30mm Naval Weapon System da General Dynamics.
http://www.gdls.com/index.php/products/weapon-systems/mk46-naval-platforms

Bosco
Visitante
Bosco

Ivan, O calibre 30mm x 173 como você sabe oferece uma gama imensa de projéteis, que vai desde projéteis cinéticos de tungstênio (APFSDS) até os ABM (air burst munition). O tipo ABM usa uma espoleta de tempo de alta precisão que consegue medir a distância percorrida e tem erro menor que 10 cm para uma distância de 2000 metros. A espoleta é programada quando o projétil passa pela boca do canhão. Existem 2 tipos de ABM para o canhão Mk-44, a HETF e a KETF. A HETF (alto explosivo espoleta de tempo) é programada para explodir acima ou atrás do… Read more »

stadeu
Visitante
stadeu

Espero que todo esse tipo de material esteja sendo fabricado no BRASIL, a Friuli Aeroespacial ao que parece está trabalhando nisso.

Projetos :

FPG-82 Sistema Friuli de Planeio e Guiamento
Mesa simuladora de movimentos
Transferencia de tecnologia para fabricação de canhões 40L70 Mk4 e 57L70 Mk3
Máquina para raiamento de canos de canhão
Construção do canhão naval MK40 L70 Bofors no Brasil
Fabricação do cano para o canhão naval MK3 40 L70

http://friuli.ind.br/projetos/MK340L70.php

Almeida
Visitante
Almeida

Tenho a mesma preocupação que o Ivan, por que levar dois tipos de munição diferentes mas tão parecidas? E pior ainda, dois tipos de munição que não são usadas em mais nenhum outro navio na MB?

Eu se fosse almirante colocava um Bofors Trinity nesses navios no lugar da 30mm e as metralhadoras 20mm no lugar das 25mm.

Almeida
Visitante
Almeida

Sobre o Bofors Trinity e sua munição 3P:

http://www.youtube.com/watch?v=wewaCdSW4yc

Bosco, você vai curtir esse video!

Airacobra
Visitante
Airacobra

Existem milhões do outras opções melhores e armamento como muitos já citaram aqui no blog, mas meu conterraneo Ivan resumiu tudo isso em um simples parágrafo:
“É como aquele carro ‘zero’ que outra pessoa encomendou e não foi retirar na concessionária; o preço ‘tá até bom’, a entrega é imediata, mas não podemos escolher os acessórios… é pegar ou largar.”

Simples, não tinha essa de escolher o armamento, os navios tavam lá disponíveis, e por um preço bastante razoável, se fosse para escolher e mudar armamento ia sair bem mais caro.

Bosco
Visitante
Bosco

Almeida,
Realmente muito legal o vídeo.
Interessante que o calibre 40 mm é o menor que comporta uma espoleta de proximidade (pelo menos até agora) por radio-frequência.
Calibres menores, como o de 35 mm pra baixo fazem uso de munição com espoleta de tempo/distância percorrida, e não por proximidade.
Um abraço.

Airacobra
Visitante
Airacobra

Agora, se quer mudar o armamento pra padronizar, da sim, e existem muitas boas opções quanto à isso, poderiam ser removidos tais canhões (lembrando que seriam 6 de 30mm e 12 de 20mm) instalar no lugar os canhões escolhidos (escolha da maioria 40 L-70 e gamb 01) e distribuir esses canhões retirados em meios da esquadra, de preferencia no São Paulo e Navios do Apoio por exemplo

Só uma pergunta, pois ai já foge ao meu conhecimento, tais canhões podem ser “amarrados” a algum radar DT?

Almeida
Visitante
Almeida

Airacobra, nem falo por esses três que compramos de ocasião não, mas pelo outros doze que querem fabricar aqui no futuro.

E o Trinity pode ser amarrado a um radar DT também.

Airacobra
Visitante
Airacobra

Almeida, o trinity MK-3 sei que pode ser amarrado a um DT, mas a duvida paira quanto ao 30 bushmaster e os 25mm

Airacobra
Visitante
Airacobra

Almeida, sendo os Próximos a serem fabricados armados com 40mm e 20mm gamb01, nada impede que para padronização esses 3 primeiros tenham o armamento substituído, e assim ficaria sobrando no inventario da MB 6 canhões 30mm e 12 de 25mm, que em meu ponto de vista poderiam muito bem serem instalados no A-12 amarrados à radar DT e os que sobrarem poderiam ser instalados nos navios do esquadrão de apoio

marcosL
Visitante
marcosL

pow bacana o canhaõ 🙂

Nautilus
Visitante
Nautilus

Senhores, não é simples assim retirar o armamento instalado e colocar um reparo Trinity no lugar, pois este último envolve penetração no casco. Existe muita coisa do sistema de armas Bofors Trinity Mk3 que fica abaixo da linha do convés. Talvez um Bofors 40mm L70, mas o Trinity, com certeza, não dá…

Flávio
Visitante
Flávio

Bosco,bom dia.
Respondendo sua pergunta do outro post,, se os canhões(metralhadoras na MB) de 20mm da classe Macaé forem iguais aos da classe Grajaú eles são 20 x 110mm.

Abraço.

Bob Joe Roberto
Visitante
Bob Joe Roberto

Mas que um ”Phalanxzinho” na proa não faria mal a ninguém.
Só a quem estivesse na mira.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Almeida, O Bofors Trinity de 40mm são ótimos. O Bofors de 57mm, especialmente em uma torre Mk110 são ainda melhores, sem falar que dos OTO-Melara Compact de 76mm que inclusive tem uma interessante capacidade de apoio de fogo contra bases de piratas a beira-mar e/ou apoio a tropas especiais do CFN. Mas vamos cair na real. Um navio de patrulha oceânica precisa disso tudo? Acredito que padronizar o armamento em 3 (três) peças de 30mm seria uma solução interessante para os OPVs (Offshore Patrol Vessel) da Marinha do Brasil. Algumas boas razões: – Padroniza o canhão Mk.44 Bushmaster e o… Read more »

Wagner
Visitante
Wagner

No aviso de Danger ali deve estar escrito : ” Perigo – Não enfie sua cabeça na frente do canhão quando este disparar, seu grande idiota !!!”

kkkkkkkkkk !!

🙂

Ivan
Membro
Member
Ivan

Bob,

Um ”Phalanxzinho” Block 1B na proa seria “show”.
Principalmente se vc incorporar um deck maior para helicópteres e sistemas de gestão para operação ASW em conjunto com um grupo-tarefa de escolta.

Se vc conseguir uns “Phalanxzinhos” gratis ou a preço de ocasião ótimo.
Caso contrário o custo iria crescer, se aproximar de uma corveta ou fragata leve mas sem a capacidade destas.

Será que vale a pena?

Abraço,
Ivan.

Bosco
Visitante
Bosco

Ivan, Eu acho que nem precisa de tantos canhões em um navio patrulha. Basta 1 de 30 mm. No local dos de 25 mm poderia ser instalado metralhadoras .50 ou no máximo canhões manuais de 20 mm. Os de 25 mm poderiam ser montados em outros navios a serem fabricados e inclusive a sua alteração para o calibre de 30 mm não deve ser difícil nem muito cara, de modo a padronizar se se achar necessário. Navios patrulha têm mais de um tipo de armamento e de vários calibres não para ter um grande poder de fogo e sim para… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

O Brasil custa a dar uma dentro mas o fato de ter escolhido um canhão de 30 mm (30mm x 173) para o Guarani foi show de bola. Demos um salto quântico quando pulamos da .50 manual para o Mk-44 de CR, sem passarmos pelos calibres 20 e 25 mm. No caso da Amazonas também foi bem interessante a utilização do canhão de 30 mm, que acho ideal para navios patrulha e como CIGS (Close In Gun System) de navios escolta para proteção contra ameaças assimétricas. Um navio patrulha que tenha um canhão de 40 mm “deve” ter um de… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Na verdade, antes de pretendermos que nossos navios patrulha sejam mais bem armados deveríamos pretender que tivessem armas não/menos letais além do velho canhão d’água.
Dispositivos sônicos como o LRAD vem bem a calhar.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Foi compra de oportunidade,maios é um baita navio heinn.Tudo novo,moderno.È assim que deveria ser sempre.comprar coisas de qualidade e novas.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Alguem poderia me responder se na MB temos algum tipo de arma semelhante ao sistema Russo AK 630?Nos vídeos que eu vi do mesmo,faz um estrago bem grande.

Bosco
Visitante
Bosco

Fernando.
Não temos nada operacional parecido com o AK 630. Tem um Phalanx não funcionando instalado no Mattoso Maia mas só serve para poleiro de gaivota.
Os russos têm um jeito peculiar de fazer as coisas e esse “canhãozinho” é o que eles usam pra atirar em canoa e caiaque a 5000 t/min. rsrsrs
Os americanos em geral usam pra mesma função uma arma de baixa cadência de tiro 200 t/min.

Bosco
Visitante
Bosco

Falando de navio russo, se tem coisa que os navios russos tem de sobra é capacidade de tiro de barragem que tanta falta fez nas Malvinas. Ao contrario do ocidentes seus navios são repletos de canhões de pequeno calibre.

Alberto
Visitante
Alberto

Parabéns pelo alto nível dos comentários neste post. Obtive algumas imagens do “Amazonas” quando ele esteve em Salvador no ano passado. A URL é
http://diariodeumastronomo.blogspot.com.br/2012/10/npaoc-amazonas.html

Um abraço, Alberto S.

Almeida
Visitante
Almeida

Ivan, Bosco e Airacobra,

Pra mim tanto faz ter a combinação atual de 40mm + 20mm ou todas as armas no calibre 30mm, o que me incomoda é esse arranjo inusitado de 25mm + 30mm. E ver que um patrulha de 500t tem armamento mais pesado que um de 1800t.

Espero que a MB padronize isso de alguma forma.

Ivan
Membro
Member
Ivan

Almeida, Certamente vc se refere às armas dos classe Macaé – 01 (um) Bofors L70 de 40mm e 02 (duas) metralhadoras (a MB chama assim) de 20mm GAM B01-2 – versus as armas dos classe Amazonas – 01 (um) Bushmaster de 30mm e 02 Bushmaster de 25mm – que estão sendo incorporados. Acredito que em um combate navio contra navio (supertrunfo) a bordada do Amazonas (1 x 30mm + 1 x 25mm) será mais letal que a bordada do Macaé (1 x 40mm + 1 x 20mm). Mas isso não tem a menor importância, pois o armamento poderia e deveria… Read more »

Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

Bom ,uma coisa que não entendo é a seguinte:Sabemos que o classe River da marinha inglesa deu origem a classe amazonas e a uma ou várias classes de corvetas, ou seja a Bae faz de um limão uma limonada,então por que não aproveitar a estrutura da Barroso e construir uma classe de NaPaOc?O navio já mostrou excepcionais características marinheiras é só modificar pouca coisa ,trocar o armamento e teremos um patrulha com hangar!Não gosto da idéia de construir as Tamanduas, as Inhaúmas mostraram-se tão caras de manter quantos as Fragatas Niteroi ,só que menos capazes;ou seja se a MB tivesse… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Alberto,
Belas fotos!
Sugiro a todos que as vejam.
Parabéns!

Bosco
Visitante
Bosco

Ivan,
Você citou a torreta Mk-46 mas creio eu que o futuro substituto dos canhões Mk-38 e Mk-38 mod 2 na USN vai ser o Mk-38 mod 3 que vai receber algumas modificações:
1- canhão de 30 mm Mk-44 com 500 m de maior alcance
2- armas secundárias: metralhadora .50 e 7,62mm, laser de alta energia, foguetes guiados APKWS, armas não letais, etc
3-maior quantidade de projéteis: 420 projéteis contra 120 da mod 2
4-maior elevação da arma para poder ser usada contra alvos aéreos eventuais: 75º contra 40º da mod 2
5- cobertura furtiva que protege contra os efeitos do ambiente
https://dmn.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2012/09/Mk-38-P1210594.jpg

StadeuR
Visitante
StadeuR

Até hoje tem gente que bate palminha depois que rasgaram o TIAR nas Malvinas. Agora segura a onda :

http://www.mar.mil.br/menu_v/sinopse/2007/Complemento/complemento%2002-06-2013.html

http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_06_01/submarinos-nucleares-russos-patrulharao-aguas-meridionais-0373/

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/06/russia-anuncia-envio-de-submarinos-nucleares-ao-sul.html

Fizeram das Malvinas uma gigantesca base militar, “alguéns” pediram ajuda, ela está chegando.
As “parceiras estratégicas” redundaram nisso.
Bem feito- bem feito-bem feito- diz uma tradução do Grande Livro.
E tem mais o Lula está sendo convidado para ser Secretário Geral da Unasul.

Dalton
Visitante
Dalton

Não há nenhuma relação entre o envio de SSBNs russos aqui para o sul
e as Falklands, se é que de fato conseguirão implantar já que o futuro da força de SSBNs russa será de apenas 8 unidades, mas ocasionalmente
poderão enviar um.

Como sempre o alvo dos russos são os EUA !

Bosco
Visitante
Bosco

Airacobra, Amarrar esses canhões de 30 e 25 mm da Amazonas a um radar de direção de tiro com certeza é possível mas seria contraproducente. Eles não são específicos para a função antiaérea e muito menos anti-míssil. Há canhões desses calibres de fabricantes europeus com maior volume de fogo que podem ser usados na função anti-aérea com mais propriedade que estes, já que possuem 3 a 4 x maior taxa de fogo. Ex: o Mauser Mk30 de 30 mm e o KBA Oerlikon de 25 mm. Os canhões Mk-44 e M242 são limitados a 200 t/min, o que os deixam… Read more »

colombelli
Visitante
colombelli

Houve informação de quanta munição veio com os navios ( se é que veio)? Na compra do Gepard foi amplamente divulgada a quantidade de munição. A marinha divulgou alguma nota ou alguma informação surgiu a respeito?

Corsario137
Visitante
Corsario137

Off/On Topic:

Hoje um passarinho me contou que o Brasil ofereceu o NaPaOc ao governo de Angola e que já é certa a construção de 2 a 4 exemplares para a marinha angolana.

MO
Membro

Risos isso me lembra algo que foi falado em Malabo … rsss

eduardo.pereira1
Visitante
eduardo.pereira1

Corsario;
Se confirmadas estas informaçoes será interessante para o Brasil a venda destes navios com construçao local nao é, além da experiencia e recurso para construir os nossos?

Bosco
Visitante
Bosco

Em relação aos canhões terem alguma função antiaérea, nesse quesito eles até que são melhores que os Mk-38 mod 2 usados pelo USN.
Os canhões Mk-38/2 têm elevação máxima de 40º e estes de 70º, como atesta a quarta foto de cima para baixo.
Já é algo mais favorável ao tiro AA, apesar da reduzida cadência, etc.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Eduardo,

Como já disse aqui outras vezes, eu não entendo nada de navio. Se isso for verdade – o interesse dos angolanos no NaPaOc – , e acredito que seja, será bom para nós sem dúvida.

Vamos ver, em se tratando de Angola + Brasil isso pode demorar 1 mês ou 1 século. O tempo dirá.

Sds.

eduardo.pereira1
Visitante
eduardo.pereira1

Obrigado pela resposta Corsario!! Vamos aguardar entao!!

Joker
Membro
Member

A DT desses navios é a Alça Optrônica Horus

A LENDA
Visitante
A LENDA

Sou cursado em CIWS,( PHALANX) eu e mais dois companheiros pela Pamona Division e Raytheon….aprendemos com dois mestres um mecânico e outro eletrônico,,,,,saiba vcs que o CIWS do NDCC MATTOSO MAIA….atirou tanto mais tanto….que tenho lembranças até hoje..e poucos tiveram a oportunidade de vê-lo. rasgando o céu…hoje sou supervisor DT..de uma Belonave, saudades do meu “Juquinha”. Em relação ao canhão de 40mm mk3, eles utilizam dois rastreadores nas classe Niterói ( RADAR DE TIRO RTN 30X e EOS 400B ( alça optrônica)..