Home Noticiário Internacional Setor naval cresce 19,5% ao ano desde 2000

Setor naval cresce 19,5% ao ano desde 2000

336
7

 

estaleiro-atlantico-sul-em-pernambuco-onde-foi-construido-o-primeiro-navio-do-promef-04-05-2010

ClippingNEWS-PASeis navios e três comboios hidroviários construídos por estaleiros nacionais passarão a fazer parte da frota da Transpetro até dezembro, tornando 2014 um ano de recorde na entrega de embarcações previstas na carteira de encomendas da indústria naval do Brasil, a quarta maior do mundo na categoria de navios em geral e a terceira em número de petroleiros, segundo a Petrobras.

Entre 2012 e 2020, as encomendas englobam 22 plataformas de produção de petróleo, 146 navios offshore, 26 petroleiros, 29 sondas de perfuração, cinco submarinos, dois navios graneleiros e sete porta-contêineres, só para citar alguns exemplos mencionados em palestra do coordenador de Infraestrutura Econômica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Carlos Campos Neto, no painel “Investimentos em Petróleo e o Impacto da Indústria Naval” do L.E.T.S., evento promovido semana passada pelas federações de indústrias estaduais de São Paulo e Rio de Janeiro (Fiesp\/Firjan).

O balanço faz parte de um livro sobre o ressurgimento da indústria naval brasileira que o Ipea deve lançar até julho. Conforme o levantamento, os investimentos no setor somam R$ 149,5 bilhões. Em um período de dez anos a partir de 2000, quando estava praticamente sucateada, a indústria naval brasileira avançou na média de 19,5% ao ano, mostra o estudo.

“Esta retomada é basicamente consequência do desenvolvimento das encomendas da Petrobras e da produção offshore”, afirma Campos Neto, um dos organizadores do livro, intitulado “Soerguimento da Indústria Naval no Brasil – 2000-2013”, junto com o técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea, Fabiano Pompermayer.

Ao todo, a carteira reúne 404 encomendas, com a maior parte dos investimentos para a produção de sondas de perfuração – R$ 54 bilhões da parceria Petrobras\/ Sete Brasil – e plataformas – R$ 53,4 bilhões da estatal para plataformas. Campos Neto destacou que a Petrobras deve fazer uma contratação adicional de 15 plataformas até 2017, com o desembolso de mais R$ 36,75 bilhões, e as estimativas de especialistas apontam para a necessidade de mais 12 a 15 plataformas, a partir de 2020, para a exploração do Campo de Libra – a construção de 13 plataformas, segundo o estudo, custaria R$ 31,85 bilhões.

Pompermayer participou do painel abordando a questão da indústria de navipeças, cujas receitas tiveram crescimento médio anual de 6,1% entre 2000 e 2010, ficando bem abaixo da média da indústria naval como um todo (19,5%). Quando considerados apenas os segmentos cuja produção é mais ligada ao setor naval, mas também fornece os equipamentos para outros setores (navipeças restrito), o aumento é de 5,3%, em média, e supera a taxa média de seus respectivos setores, que aponta expansão de 3,3% no período. “Podemos concluir que o setor de navipeças têm tido um desempenho muito bom, mas ainda não está conectado ao crescimento da indústria naval”, afirma Pompermayer.

As constatações têm por base uma pesquisa feita para o livro com 734 empresas que fazem parte do catálogo de navipeças da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip). Neste trabalho, o Ipea enviou um questionário para uma enquete, recebendo respostas de 98 empresas.

Segundo os entrevistados, 75,6% veem boas perspectivas para navipeças nos próximos anos, com 51,2% confirmando planos de investimentos para ampliar a capacidade operacional. Em uma relação de dez programas públicos de incentivo a inovação e investimentos, 54,4% alegaram desconhecer os benefícios e apenas 8,1% já utilizaram os recursos. Entre os entraves ao desenvolvimento do setor, os empresários consideram a carga tributária o pior de todos (82,5%), seguida pela regulação trabalhista (60,6%).

“Temos a sorte de ter petróleo de pré-sal, mas não tanta sorte, já que é um petróleo complicadíssimo de retirar, exigindo um dos sistemas mais complexos e caros do mundo. Nesse contexto, fica evidente que precisamos ter um sistema de fornecimento de peças e serviços eficientes dentro do país”, afirmou Carlos Padovezi, diretor de Operações e Negócios do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

Para Padovezi, é necessário que a indústria tenha continuidade de demanda local e a perspectiva de atuar no mercado exportador, buscando competitividade a partir do desenvolvimento tecnológico em produtos e processos, qualificação de recursos humanos e gestão, e planejamento para reduzir os custos de produção.

Materiais, peças e equipamentos compõem 65% dos custos da indústria, mão de obra é responsável por 20% e custos complementares, por 15%. “A preocupação é se os novos estaleiros ou que estão vindo para o país conseguirão sobreviver após este pico de demanda provocado pelas necessidades das plataformas que a Petrobras está construindo. A impressão que é que muitos destes estaleiros não terão condições de continuar em médio ou longo prazo.”

FONTE: Ipea

7
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
Luiz MonteiroMauricio R.MOGuilherme PoggioLeonardo Pessoa Dias Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Leonardo Pessoa Dias
Visitante
Leonardo Pessoa Dias

“Em um período de dez anos a partir de 2000, quando estava praticamente sucateada”

Prometo não fazer qualquer alusão ou interpretação política desse fato.

Agora, o que realmente me intriga é se este setor terá capacidade de se sustentar, recebendo encomendas externas. Senão será o mesmo caos quando do fim da proteção de mercado.

Confesso que não consigo enxergar até onde vai o impacto do custo Brasil e a limitação do empresariado, dependente do governo via empresas de capital misto.

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Prezado Leonardo Pessoa Dias

Seus questionamentos são bastante pertinentes.

Manter uma indústria naval competitiva e que não dependa apenas de encomendas exclusivas do governo ou de empresas estatais é fundamental.

MO
Membro

apenas como complementação de info, navios construídos aqui são praticamente todos sob licensa de projetos estrangeiros feitos com menor capacidade dos originais (ie = motores menos potentes, pior acabamento, pior conforto, equipamentos de menor desempenho) e basicamente todos ou de encomenda estatais ou de empresas estrangeiras com subsidiárias nacionais para atender a petrobras … isso não necessariamente significa que estamos progredindo, estamos fazendo alguma quantidade no mercado off shore e quase nulo no mercando de navios ercantes comerciais, a excessão dos N/T´s estatais (cuja regra do projeto / qualidade é muito proxima ao descrito acima)

Em tempo =

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/05/mv-gladiator-c6yk2-fotos-do-leitor.html

5 photos

Leonardo Pessoa Dias
Visitante
Leonardo Pessoa Dias

Prezado Guilherme Poggio, De fato, este é o dilema da Esfinge. Mesmo sem concordar integralmente com as observações do MO, vejo como correta a observação de que a indústria está focada no mercado offshore, e poderá padecer desse “bem”. Navegação de cabotagem, fluvial e defesa deveriam ser eixos de desenvolvimento e sustentação do mercado, quando das oscilações do mercado interno offshore. E esta é uma questão que honestamente não tenho dados ou uma opinião formada: seria responsabilidade do GF desenvolver este mercado interno e externo, já que a AL poderia ser uma área de influência da nossa indústria naval; ou… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

E tem ainda os tais dos 65% de conteúdo nacional.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro