Home Noticiário Internacional Saab e ThyssenKrupp assinam acordo

Saab e ThyssenKrupp assinam acordo

284
22

KockumsA26_SOF

A empresa de defesa e segurança Saab assinou um acordo com a ThyssenKrupp industrial Solutions AG em 29 de junho em relação à aquisição da ThyssenKrupp Marine Systems AB (TKMS AB, anteriormente Kockums).

Esta aquisição está em linha com a ambição da Saab para aumentar as suas capacidades no domínio naval. Este movimento fortalece ainda mais o status da Saab como um fornecedor completo de sistemas militares.

Em abril de 2014, a Saab e a ThyssenKrupp industrial Solutions AG assinaram um Memorando de Entendimento não vinculativo sobre a aquisição do estaleiro sueco TKMS AB com operações baseadas em Karlskrona, Malmö e Musko, na Suécia. As partes já concordaram que a Saab irá adquirir a TKMS AB.

O preço de compra é MSEK 340. Fundos existentes serão utilizados para financiar a aquisição. O efeito da operação sobre o resultado da Saab para 2014 é estimado em não-material. A TKMS AB será integrada na área de negócios de Soluções de Segurança e Defesa da Saab.

“Estamos ansiosos para receber a Kockums e seu pessoal na Saab. Esta aquisição marca o início de uma nova era na notável história da Kockums. O conhecimento que os funcionários possuem para desenvolver e produzir submarinos é único e fortalece a Saab “, disse o presidente e CEO da Saab, Håkan Buskhe.

“Integração e esforços de desenvolvimento agora vão começar a garantir que as operações alcancem sua capacidade total. É importante para alcançar sinergias com negócios navais atuais da Saab. Este processo deve seguir seu curso, mas, ao mesmo tempo começamos as entregas de desenvolvimento, manutenção e produção de trabalho para o mercado sueco”, diz Gunilla Fransson, Chefe de Segurança da Área de Negócios e Soluções de Defesa.

A TKMS AB projeta, constrói e mantém sistemas navais, como submarinos e navios de superfície. Outros produtos incluem sistemas de propulsão independente do ar (AIP) baseados na tecnologia Stirling, veículos de resgate de submarinos e sistemas de contra medidas de minas. A empresa tem cerca de 900 funcionários e fornece sistemas e produtos para as marinhas da Suécia, Austrália e Singapura.

A transação está sujeita à aprovação do conselho de administração e supervisão da ThyssenKrupp Group e da Autoridade da Concorrência sueca. Estas aprovações são esperadas no mês de julho de 2014. Posteriormente, a aquisição da TKMS AB será concluída.

22
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
Mauricio R.ControlFabio ASCMOOganza Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
klesson
Visitante
klesson

Esta empresa alemã e’ a mesma que fabricou nossos IKL ?

marciomacedo
Visitante
marciomacedo

Ponto para a Saab e a Suécia.

MO
Membro

Em tempo =http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/06/mv-alpha-effort-svyl-embarcando-soja-na.html

1 photo

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

” Esta empresa alemã e’ a mesma que fabricou nossos IKL ? ”

Não, o Tupi foi construido pela HDW, os demais da classe foram construidos aqui pelo AMRJ.

Porém, desde 2005 a HDW tornou-se uma subsidiaria da
ThyssenKrupp Marine Systems.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Desenvolvimento e expansão na produção de produtos ponta de lança com quadros enxutos e projetos objetivos. Temos que tirar o chapéu para a SAAB e para esses suecos. MUITO BOM.

Sds.

mdanton
Visitante
mdanton

Sim!
Faz parte do complexo alemão de construção naval. Nomes não interessam.
A CSA – Cia Siderurgica do Atlântico, fazia parte de um acordo maior entre governo brasileiro e alemão para construção dos submergíveis e barrou na impossibilidade da parte nuclear da Alemanha (Constituição e EUA impediram).
Governo brasileiro roeu a corda desse acordo e fez outro com a França para desespero da CSA (governo alemão) que iria fornecer aços resistentes.
Com essa associação o Brasil tem muito a ganhar, resta saber se nos bastidores da geopolítica os EUA já não se moveram, pois bobos eles não são.

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Penso que nomes interessam sim afinal conhecimento nunca é demais e historicamente falando, o contrato foi assinado nos anos 80 com o estaleiro HDW que apenas tornou-se subsidiaria da Thyssen em 2005.

klesson
Visitante
klesson

Dalton,

Obrigado pela informação.

Quanto ao comentário do MDanton, é nisso que dá não construirmos a nossa roda…

Abraços.

mdanton
Visitante
mdanton

Desculpe-me daltonl…não foi intenção desmerecer e sim orientar…. um modo muito empregado pela Alemanha no período entre guerras (1 e 2). A Alemanha detinha “escritórios” na Holanda para desenvolver submarinos e “tapear”/dissimular os acordos firmados com os vencedores da primeira grande guerra.

MO
Membro
daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Não entendi a comparação com a Alemanha do pós guerra 1918 que usou artificios até muito criativos para construir e treinar suas forças armadas e é bem possivel que outros leitores também não.

Que impacto a associação com os franceses terá que
exigirá que os EUA “movam-se” ?

sds

mdanton
Visitante
mdanton

A Alemanha pós primeira grande guerra não podia desenvolver/produzir qualquer arma. Mantinha “escritórios” e fabricas nos países adjacentes e culturalmente semelhantes.
Não há interesses de nenhuma nação que outra tenha capacidade de se armar com certa independência e os EUA são os baluartes dessa política. O Brasil, ao meu ver, só conseguiu “essa dos submarinos” por causa dos RAFALE. (isso se a França não roer a corda como o Brasil fez com a Alemanha); assim vejo com bons olhos essa investida da SAAB…caso a França roa a corda a SAAB pode muito bem substitui-la.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados, Transferência de tecnologia de partes sensíveis de qualquer projeto, não ocorre. Quase a totalidade dos equipamentos militares, desde os mais simples, e principalmente os mais complexos, possuem diversas patentes americanas ou russas. Nenhuma empresa sozinha, inclusive americanas e russas, pode prometer transferência irrestrita de tecnologia. A própria SAAB foi a vencedora do programa de torpedos pesados da MB, o Sistema Torpédico de Armas T2000, que substituiriam os torpedos Tigerfish. Como vencedora, a SAAB deveria transferir tecnologia para construção no Brasil de torpedos pesados. O contrato foi recindido e a SAAB teve de pagar as multas contratuais, pois a tecnologia… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Luiz Monteiro,

certíssimo, investir e aguentar o investimento por 25 anos no mínimo, pois só ai virá os primeiros frutos.

Sds.

Fabio ASC
Visitante
Fabio ASC

Realmente não entendo como a SAAB poderia se beneficiar caso a França “roesse a corda” como falaram aí em cima.

A Suécia e a Alemanha não dispõem de submarinos nucleares para substituir a França nesta roída de corda.

Aliás, se a França roer esta corda, o Brasil não vai conseguir a tecnologia necessária para o Sub nuc, a não ser que desenvolva.

mdanton
Visitante
mdanton

A Alemanha tem essa capacidade, só não pode mostrar.

Ao meu ver não haverá como cercear o desenvolvimento de tecnologia militar nos próximos 20 anos.
Os EUA perdem força cada vez mais em policiar seus inimigos e parceiros.
Novos estados surgem com exércitos e armas.
A parceria será crucial e fará a diferença.
Resta aos países SABEREM APROVEITAR este momento. O exemplo RAFALE é esse… Somete 2-3 países tem a capacidade completa de construir jatos EUA e RUSSIA….e FRANÇA….os EUA jogam pesado para França não se estabelecer neste mercado. Tentar fazer do Brasil a “Holanda” de 1920 é uma sugestão.

MO
Membro
daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Os EUA nos “enrolaram” no acordo nuclear que tinhamos com eles…mas…se eles “policiam inimigos e parceiros”
como permitiram nosso acordo com a Alemanha nos anos70 ??

mdanton
Visitante
mdanton

PERMITIRAM??!
Pelo que sei a Alemanha roeu a corda também, depois de vender os equipamentos de Angras.
Não adianta…os EUA não querem dividir o quintal com outros país pertencente da América, pode até dividir algum conhecimento militar com potencias europeias (se não dividirem eles criam sozinhos às escondidas) e asiáticas, mas NUNCA com latinos ou Canadenses.

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

França, Alemanha, Reino Unido ,etc são consideradas potencias médias então é natural que precisem de mais parceiros do que os EUA para tocarem seus negócios.

Não vejo o porque da Alemanha ter seus próprios submarinos nucleares, apesar de reconhecer que eles poderiam fabrica-los se achassem necessário.

A França nos ajudará com o casco do submarino nuclear mas não irá dividir conosco seus futuros SSNs que encontram-se em construção por mais “parceiros estrategicos ” que sejamos.

Não sei porque os EUA dividiriam seus segredos conosco e quanto ao Canadá e suas diminutas forças armadas ainda bem que existe o NORAD não é mesmo?

Control
Visitante
Member
Control

Srs

O PROSUB não envolve a transferência de tecnologia nuclear, tanto que reator e sistema de propulsão estão fora, devendo ser desenvolvidos pelo Brasil.
O acordo com os franceses, quanto ao SUBNUC refere-se apenas ao casco e dispositivos de tecnologia dita “não sensível”.
Portanto, a não ser que haja cláusulas desconhecidas no acordo, os franceses não precisam roer a corda; até porque os alemães ou os suecos ou quaisquer outro que fabrique submarinos, poderiam fornecer o pacote do PROSUB.

Sds

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Se o Brasil quer mesmo ter autonomia na construção de qualquer tipo de armamento, tem que investir em formação de pessoal qualificado e desenvolver sua própria tecnologia.”

Soou como música, “sabe quem faz a hora e não espera acontecer”, mas aí eu me lembrei:

Combinaram c/ Brasília???
Pq senão vamos sempre culpar os outros, qndo o problema, somos nós mesmos.