Home Noticiário Nacional Em Defesa, governo alterna licitações com escolhas diretas

Em Defesa, governo alterna licitações com escolhas diretas

258
10

MBDA's CAMM missile inflight from Sea Ceptor system 2013 Copyright MBDA

ClippingNEWS-PANo setor bélico – ou, como se diz, na área de “Defesa” – as declarações são poucas, mas os comentários de pé de ouvido são muitos. Recentemente, Paris recebeu a Euronaval, feira de armamento onde os brasileiros participaram através da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa (Abimde). E não faltaram comentários de gente ligada à Base Industrial de Defesa (BID). No estande da BAe Systems, a Marinha do Brasil anunciou que suas futuras corvetas terão radares desse grupo inglês, em associação com a brasileira Bradar – de propriedade da Embraer e que foi contratada para produzir o radar Saber, desenvolvido pelo Centro Tecnológico do Exército para uso em instalações terrestres e detecção de alvos aéreos a curta distância.

Muita gente ficou perplexa ao saber que a Marinha não fez processos de seleção, seja para a escolha da fornecedora estrangeira, nem para a escolha da parceira nacional. Os críticos dizem que há alemães, australianos, franceses, italianos, suecos, israelenses e russos produzindo equipamentos similares ou até mesmo de tecnologia mais recente. E, por aqui, teriam condições de disputar o negócio brasileiras como Iacit, Mectron, Atmos, Omnisys e Avibras.

Uma fonte confidencia à coluna: “Um processo formal de seleção seria importante para não deixar qualquer tipo de dúvida quanto às escolhidas BAe e Bradar serem as que melhor atenderão às necessidades da Marinha do Brasil em termos de tecnologia de ponta, de condições de fornecimento, de transferência de conhecimento, de conteúdo local e de preço”. Para essa fonte, o fato de a Bradar ser uma Empresa Estratégica de Defesa (EED) jamais poderia ser fator determinante, pois há outras nacionais que também são EED.

Em outro fórum – o Seminário de Proteção de Grandes Eventos, organizado pelo Exército brasileiro e pela Embaixada britânica – foi divulgado que o míssil de defesa antiaérea a ser colocado nas novas corvetas será fornecido pela Avibras em parceria com a gigante européia MBDA, que também tem a inglesa BAe Systems como uma de suas proprietárias majoritárias. O míssil Sea Ceptor, selecionado pelo Brasil, é o mesmo que foi recentemente adotado pela Marinha inglesa. Esta decisão também teria sido tomada sem que fosse conduzido processo formal de seleção.

Abrindo nova frente, a Marinha brasileira acaba de publicar contrato para a compra de outros tipos de mísseis da MBDA por 131 milhões de euros. Foi comentado com esta coluna: “Uma contradição estaria no fato de a Força Aérea Brasileira ter investido muito dinheiro, durante anos, na brasileira Mectron, para a produção de mísseis genuinamente nacionais. Além disso, continua gastando muito no desenvolvimento conjunto de moderno míssil ar-ar com a Denel, empresa sul-africana capacitada e experiente neste tipo de artefato. O investimento que já foi feito e o trabalho que vem sendo realizado por Mectron e Denel poderiam ser expandidos para resultar em míssil antiaéreo perfeitamente adequado às necessidades das novas corvetas e, posteriormente, aperfeiçoados para instalação nas futuras fragatas de grande porte. A vantagem em não adicionar novo míssil estaria na propriedade intelectual e no menor preço decorrente da evolução de tecnologias já transferidas e existentes no país. A Avibrás poderia continuar dedicada à sua comprovada vocação para desenvolver e fabricar os artefatos disparados através do Sistema Astros e destinados a ações contra alvos na superfície”.

Há que se elogiar que o governo brasileiro vem dando destaque ao rearmamento nacional, mas mantém uma política estranha, em que tanto abre licitações democráticas, como privilegia certas empresas nacionais e alguns gigantes estrangeiros sem maiores explicações, o que ocorreria se houvesse melhor diálogo com a elite empresarial nacional.

FONTE: Monitor Digital

10
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
Victor MatheusjuarezmartinezLeonardo Pessoa DiasFernando "Nunão" De Martinieparro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gilberto Rezende
Visitante
Gilberto Rezende

O problema aqui são dois : Marinha tem uma cultura MUITO diferente da Aeronáutica e deseja, na maior medida possível, não ser mais uma vez SUBORDINADA as prioridades da FAB. Por décadas a MB não pode operar aeronaves de asa fixa por causa da Aeronáutica e isso jamais será esquecido. Quem bate esquece quem apanha lembra… Não que esta aproximação não possa ocorrer até porque por causa justamente da vitória do Gripen no F-X2 a possibilidade de mobiliar o Mod NAe A-12 com o Mar Gripen BR é do interesse maior da MB. A MB tem cadeia logísticas muito mais… Read more »

eparro
Visitante
Member
eparro

Ao que me parece nem há realmente um destaque do governo brasileiro para o rearmamento e nem há uma verdadeira política de governo neste sentido, haja vista os contingenciamentos que as FFAA vêm sofrendo nestes últimos 2-3 anos. Parece-me que ocorrem sim “esperneios” para determinados projetos em andamento do que propriamente uma política de investimentos para suprir a inovação/renovação das FFAA. Daí esse “bumba meu boi” que ora as FFAA se alinham em determinado equipamento e ora escolhem pragmaticamente os equipamentos que lhes “agradam”; quando não têm que engolir algum “fantástico equipo” definido por prioridades políticas. Salvo ledo engano, sem… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

A reportagem parece ignorar (de maneira proposital ou acidental, tanto faz) que, independentemente de haver ou não um processo de concorrência, há processos de seleção e avaliação das opções. No caso dos mísseis, por exemplo, o texto faz uma salada entre modelos ar-superfície e superfície-ar, sendo que no caso dos primeiros qualquer leitor costumeiro do Poder Naval sabe que a Marinha busca, justamente, manter um padrão de fornecedor e de processo de nacionalização que inclui empresas que o texto considera deixadas de lado e, nos caso dos últimos, houve um processo interno de avaliação e seleção (além de ser necessário… Read more »

Leonardo Pessoa Dias
Visitante
Leonardo Pessoa Dias

Nunão, obrigado pela já costumeira sobriedade e inteligência.

Antes mesmo de acabar de ler a matéria, fica quase evidente que é uma “reclamação velada”, quase que evidentemente cumprindo um papel e usando de técnicas de denuncismo.

Me surpreende o PA dar espaço para esse trabalho de desinformação ativa.

eparro
Visitante
Member
eparro

Leonardo Pessoa Dias 13 de novembro de 2014 at 19:16 #

Olha Leonardo, permita-me discordar.
Penso que também é bom conhecer notícias deste tipo sim. Acredito que isto sirva ao menos de atenção sobre aquilo que se noticia sobre as FFAA; inclusive para fazer chegar aos leigos (onde me incluo), pois isto ajuda a diferenciar joio e trigo.

Leonardo Pessoa Dias
Visitante
Leonardo Pessoa Dias

Oi esparro, Não concordo com o que você disse, mas vou defender o direto de dizê-lo até o fim 🙂 Meu ponto de vista é simplório: esta matéria foi escrita para disseminar a ideia que as seleções da MB são obscuras. Mas meio segundo de pesquisa sobre os processos colocados esclarece esta presunção, que hoje (após este processo eleitoral tosco) virou moda: denuncismo. Este mesmo discernimento que o Nunão colocou (que muito me admira não estar como nota do editor) nem todos alcançam, o que rapidamente viraria uma palavra de ordem, de fundo político, contra esse ou aquele partido ou… Read more »

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

eparro 13 de novembro de 2014 at 20:09 # Leonardo Pessoa Dias 13 de novembro de 2014 at 19:16 # Olha Leonardo, permita-me discordar. Penso que também é bom conhecer notícias deste tipo sim. Acredito que isto sirva ao menos de atenção sobre aquilo que se noticia sobre as FFAA; inclusive para fazer chegar aos leigos (onde me incluo), pois isto ajuda a diferenciar joio e trigo. Olá eparro, tudo bem?? Tchê, li teu post anterior ao que copiei aqui e achei muito lúcido até mesmo para um leigo como te te colocaste, uma escessão a regra dos “leigos”, mas… Read more »

Gilberto Rezende
Visitante
Gilberto Rezende

A época que cada força fazia o que queria acabou, tudo tem de ser negociado e em certa medida estamos vivendo uma longa e gradual transição para um modelo similar aos das forças armadas americanas onde a política militar e de orçamento, as vezes, obrigam as FFAA ao recebimento de equipamentos não desejados, em quantidades divergentes ou impostos por decisões políticas. Cada vez mais as FFAA tem de conversar entre si e se acertar antes para negociar com o ministério da Defesa e depois com a área econômica e/ou com o congresso. A ‘mágoa naval” é algo a ser superando… Read more »

Victor Matheus
Visitante
Member
Victor Matheus

Olá!
OFF TOPIC:
Russos se movimentam próximo à Austrália.
http://oglobo.globo.com/mundo/australia-vigia-navios-de-guerra-russos-na-fronteira-do-norte-do-pais-14548452

E quanto ao tópico, acredito que a MB saiba o que está fazendo.
Att.

eparro
Visitante
Member
eparro

juarezmartinez 14 de novembro de 2014 at 8:01 #

Andas sumido “índio velho”! Mas te agradeço juarezmartinez pelos esclarecimentos, sempre assertivos. Tomarei tenência.