Home Inteligência Colômbia examina compra de duas fragatas ‘Oliver Hazard Perry’

Colômbia examina compra de duas fragatas ‘Oliver Hazard Perry’

741
5
DN-SC-90-04968
USS Kauffman FFG-59

 

Vinheta ExclusivoA Marinha da Colômbia examina a possibilidade de, até meados do ano, anunciar a aquisição de duas fragatas porta-mísseis tipo FFG Oliver Hazard Perry, de 4.000 toneladas.

A compra será feita no âmbito do chamado Plano Ponte, que, originalmente, previa a incorporação não de duas, e sim de quatro unidades FFG (sigla em inglês para fragatas lançadoras de mísseis guiados).

Restrições orçamentárias forçaram os almirantes colombianos a dividir o planejamento em suas etapas. Assim, o Plano Ponte 1 está sendo adiantado por meio da importação de duas Oliver Hazard Perry – aguardadas na base naval de Cartagena (no máximo) no segundo semestre de 2016.

Segundo informações obtidas pelo Poder Naval, os colombianos examinam três opções: as embarcações “Gary” (FFG-51) – com 34 anos de uso –, “Simpson” (FFG-56) – com 33 anos e 2 meses de mar – e “Kauffman” (FFG-59) – a mais “novinha”, com 31,6 anos de uso. Todas serão retiradas do serviço ativo da Marinha americana até setembro próximo.

As Oliver Hazard Perry são navios com superestrutura de alumínio e propulsão por turbinas a gás – motorização apontada como sujeita a forte desgaste em decorrência do tempo. Apesar disso, no final de 2014, a Marinha mexicana encomendou dois desses navios – o “Curts” e o “McClusky” –, ambos desincorporados mês passado da frota americana, e de construção consideravelmente mais antiga que os barcos sob avaliação dos colombianos.

ARC_Almirante_Padilla
ARC Almirante Padilla

“Interceptador defensivo” – A idéia do governo de Bogotá é reforçar a sua frota de superfície, porque existe a possibilidade de que os seus escoltas classe “Almirante Padilla” – corvetas de origem alemã (HDW FS 1500) reclassificadas como fragatas no país sul-americano –, que acabaram de sair de um amplo período de modernização, precisem voltar ao estaleiro para receber um reforço de armamento.

Os chefes navais da Colômbia planejam instalar um sistema CIWS – Close-in Weapon System (“Sistema de Armas de Defesa Próxima”) – e um sistema de mísseis de defesa antiaérea de médio alcance em cada uma delas. Atualmente, toda a capacidade antiaérea das Almirante Padilla reside em dois reparos duplos de mísseis Simbad (alcance máximo de 6.000 metros) instalados nas laterais do barco junto ao passadiço.

Apesar de serem classificadas como escolta de emprego geral, as fragatas classe Oliver Hazard Perry possuem um CIWS Phalanx, de 20mm, capaz de fazer 45 disparos por segundo e construir uma barragem de fogo a curta distância, estimada em 3.200 metros. O alcance máximo da arma é considerado segredo militar.

CIWS Phalanx que equipa as OHP
CIWS Phalanx que equipa as OHP

A preocupação dos militares colombianos com a defesa antiaérea de suas fragatas de construção alemã pode estar ligada ao fato de que elas têm sido incumbidas de patrulhar a área do arquipélago colombiano de San Andres y Providencia, no Mar do Caribe, região muito próxima ao novo perímetro marítimo cedido, em 2012, pela Corte de Justiça de Haia à soberania da Nicarágua.

A decisão do tribunal surpreendeu e desgostou Bogotá. E assumiu contornos ainda mais desastrosos depois que, no fim de janeiro, autoridades nicaragüenses confirmaram que estavam adquirindo jatos interceptadores “defensivos” na Rússia.

De acordo com essas fontes, as aeronaves serão usadas para interceptar os aviões que servem ao narcotráfico na região, mas o governo de Bogotá desconfia de que o argumento é mera tentativa de esconder uma escalada armamentista de Manágua apoiada pelo governo do presidente Vladimir Putin (que, em julho passado, visitou a capital nicaragüense).

Outro dado que preocupa Bogotá: a Inteligência Naval colombiana monitora as gestões de militares da Nicarágua no sentido de obter na Rússia ao menos duas corvetas porta-mísseis tipo Nanuchka, de 550 toneladas, e seis lanchas-patrulha de 126 toneladas.

5
Deixe um comentário

avatar
4 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
MOdaltonlKojakOganzaeduardo.pereira1 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Os navios estão velhassos e devem estar no osso, pois os UsNavy não dormem em serviço e utilizam sua frota com vontade, 31 aninhos o mais novo, isso é que é comprar usado. Ainda estamos muito melhor que muita marinha por ae viu

Sds.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Sei não… se derem um bom tapa nelas para ficarem operando ali no Caribe, elas ainda dão um bom caldo… diria até que uns 12 anos depois de um belo tapa… alguns tapas na verdade. 🙂

Grande Abraço.

Kojak
Visitante
Kojak

Creio que será um bom “tapa”, Tio Sam deve colaborar.

Nicarágua ? Blaaaaaffffff bruuuuurrrrrrrrr

daltonl
Membro
Member
daltonl

““Gary” (FFG-51) – com 34 anos de uso –, “Simpson” (FFG-56) – com 33 anos e 2 meses de mar – e “Kauffman” (FFG-59) – a mais “novinha”, com 31,6 anos de uso. ” Alguém confundiu algumas datas aí , o que é bem compreensível tal o número de fragatas que vem sendo retiradas. A USS Gary foi comissionada em novembro de 1984 e será descomissionada em agosto de 2015 o que dará 31,8 anos. A USS Simpson foi comissionada em novembro de 1985 e será descomissionada em agosto de 2015, o que dará 29,9 anos. A USS Kauffman foi… Read more »

MO
Membro

se tão reclamando delas nossas Mk 10 são oque entaum .. certo que as OHP fizeram “um pouquinho” a mais queas nossas né, mas … rssss

Em tempo e ha quem possa interessar = Cisne Branco em SSZ

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/02/nve-cisne-branco-u-20-pwcb-esperado-dia.html