Home Tecnologia ICN sente os efeitos da crise e adota sistema de dispensas pontuais

ICN sente os efeitos da crise e adota sistema de dispensas pontuais

3107
10
Uma das seções do submarino S-BR
Funcionários da ICN diante de uma das seções do submarino “Riachuelo”

Roberto Lopes

Enviado Especial ao Rio

Vinheta ExclusivoA Itaguaí Construções Navais (ICN), empresa de 1.100 funcionários (aproximadamente) incumbida de liderar a construção dos quatro submarinos classe Riachuelo (Scorpène, francesa) e do primeiro submarino de propulsão nuclear da Marinha do Brasil, começou a demitir.

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo Poder Naval, em fevereiro a companhia dispensou três dos seus gerentes (inclusive o de Recursos Humanos), e na sexta-feira passada (13.03), demitiu o coordenador de Saúde.

Nenhuma dessas vagas será reposta. As funções dos gerentes foram confiadas a funcionários em postos de coordenação.

Os cortes que, por enquanto, configuram uma sequência de ajustes pontuais, derivam da necessidade identificada pela companhia de reduzir custos, diante da perspectiva de redução de verbas no âmbito do Ministério da Defesa.

Quatorze meses atrás, em uma de suas raras manifestações pela imprensa, o francês Pascal Le Roy, diretor-presidente da ICN, ainda não se mostrava preocupado com os prognósticos econômicos para a indústria que atende os programas das Forças Armadas.

Em entrevista à newsletter eletrônica Techno News, ele arriscou a previsão de que o maior desafio para sua empresa seria dar início às “atividades industriais, não somente de estrutura, mas em todas as especialidades: tubulação, mecânica, eletricidade entre outras, com o alto nível de qualidade e produtividade que é esperado para o sucesso do programa PROSUB”.

Contudo, o trabalho no complexo industrial naval militar de Itaguaí (que reúne base e estaleiro de submarinos) é complexo, e sujeito a intercorrências.

Até o fim da semana passada, as pontes rolantes do estaleiro – inaugurado, a 12 de dezembro passado, pela presidenta Dilma Roussef –, que já deveriam estar funcionando, continuavam fora de operação.

Prosub Itaguaí 005a
Pontes rolantes no complexo industrial de Itaguaí

 

Tábua – A ICN é composta pela Odebrecht Defesa e Tecnologia (59%) e pela companhia francesa Direction des Constructions Navales et Services – DCNS (41%), tendo ainda a participação da Marinha do Brasil, por meio de uma golden share, detida pela Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron).

A Itaguaí Construções Navais vinha representando uma espécie de tábua de salvação para a Prefeitura de Itaguaí, município situado 74 km ao sul do Rio de Janeiro.

Em novembro de 2013, a empresa constituída para servir a Marinha absorveu parte dos trabalhadores que perderam seu emprego no terminal portuário local, em decorrência de dificuldades financeiras experimentadas pelo grupo empresarial do investidor Eike Batista.

Entretanto, de lá para cá os problemas desse mercado de trabalho só aumentaram. Mês passado, a Empresa Brasileira de Engenharia dispensou 1.500 funcionários, depois que a Modec, empreiteira de Cingapura, desistiu de construir em Itaguaí um segundo módulo de plataforma petrolífera, que estava previsto em seu plano de trabalho no país.

10
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
thomas_dwKojakSoldatmdantonMO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Oganza
Visitante
Member
Oganza

ÉÉÉÉ a coisa tá braba!!!

E vai ter que piorar antes de melhorar!!!

Ps.: Viram a marca dos guindastes? Como já disse dezenas de vezes e a maioria ainda não entendeu: Não fazemos as tecnologias que permitem fazer tecnologias.

Nós juntamos tecnologias dos outros para fazer nossos produtos.

Nós “possuímos” a Propriedade Intelectual do produto que produzimos e não das tecnologias necessárias para produzi-los e muito menos as tecnologias contida neles. Capiche?

Grande Abraço.

MO
Membro

xii esqueçeu um adesivo que colocam na nossa tecnologia feito com tecnologia dos cara – “Feito sob licensa” Nois qui Feiz

em tempo um que nao fazemos aqui = 333 m loa x 124.426 dwt – 9.669 teus

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/03/mv-cap-san-maleas-9v2239-9669-teus-de.html

4 photos

andreas
Visitante
Member
andreas

Exato meu caro Oganza!!!! Somos muito pobres em tecnologias essenciais, que, como você bem disse, não temos as tecnologias que produzem tecnologias. Não patenteamos nada, tudo é sempre importado!!! Daí a balança comercial fica mesmo em deficit, a não sei quantos meses seguidos!!!!!

Até mesmo coisas que, na teoria, deveriam ser triviais, não tem quem produza aqui, sem falar em coisas mais importantes, mas daí é coisa para uma tese já…

Abraço.

Oganza
Visitante
Member
Oganza

andreas, verdade… o pior é que uma tese dessas, além de gigantesca, dificilmente passa nas bancas esquerdistas que infestam o nosso sistema educacional, eles são incapazes de assimilar tal conceito/fato… e “Se” passar, será a “prova” para embasar algum tipo de nacionalismo barato e sem nenhuma capacidade e produtiva real e o pior: sem conteúdo. O mais triste é que tem uns Ticos-e-Tecos que me vem com a típica obtusidade mental de me dizer que estamos fazendo aki, que assim ficamos livre de embargos… tem que rir para não chorar. Se o Brasil for embargado, não produziremos nem lápis que… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak

Primeiro, lamento pelos trabalhadores e família, doloroso. Segundo, Eu, Oganza, JM, Vader e outros “cantamos a bola a muito tempo. Fomos criticados e até censurados. Nada como o tempo ………….. Jesuixxxxxxxxxxxx está vendo. Terceiro, Vai piorar. Quarto, Manufaturar, industrializar, ser um integrador, um sistemista, um proprietário intelectual de tecnologias e seus desenvolvedor, etc ……….. é outra coisa. Quinto, Hecho para nosotros, pero no tanto. Sexto, de lixo …………. ops cesto. MO, Oganza e Andreas: Os Yankees estão USD voltando, quero ver esses contratos mequetrefes explodirem, década perdida, bilhões perdidos. “Para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”. Abraços… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak
mdanton
Visitante
mdanton

Marca ai! Inflação vai pra 2 digitos; PIB sem maquiagem (não aprendem mesmo) 2014 -0,5% 2015 -2,5%, 2016 0% Juros vai bater 15% a.a. ; Desemprego vai explodir no segunto semestre 2015; Terrivel em 2016; Tudo isso com LEVY…se ele pedir o boné pode multiplicar todos os números acima por 2. O Brasil tem uma preguiça ENORME de produzir os “bens que fazem os bens”. Em qualque época desta monarquia travestida de republiqueta importamos da Europa. Todos aqui são VENDIDOS! E quando entra um Nacionalista é UM POPULISTA VERMELHO. Getulio Vargas foi assim, todo o governo militar foi assim…em suma… Read more »

Soldat
Visitante
Member
Soldat

“não temos as tecnologias que produzem tecnologias” Realmente concordo com essa frase mas isso acontecer por culpa dos próprios Brasileiros. 54 milhões pensam no Satanista Max, Trotsky ,chê Guevara e Fidel Castro e numa doutrina que matou mais de 100 milhões de pessoas. E os mais ou menos 50 milhões pensam em serem servidores de Americanos e serem Americanos. Enfim o Governo Brasileiro(se fossem realmente Brasileiro) deveria ter um serviço secreto de verdade apto a Roubar Planos,chips, circuitos, programas,Plantas de industrias, de equipamentos industrias e militares no mundo todo e o mais importante fazer Engenharia Reversa dos equipamentos já comprados,isso… Read more »

Kojak
Visitante
Kojak

“NOTA DOS EDITORES:” Calma pessoal, até a Dilma está querendo a paz. (rs) “A paz, se possível, mas a verdade a qualquer preço.” Lutero Cordiais Abraços. Mas tenho mas notícias, haverá mais cortes de pessoal em breve. Fonte: Um fornecedor que me venceu num bom pedido e já está recebendo com atraso. Ufa, escapei dessa. Sabem porquê ? Colocamos na composição de custo e formação de preços o risco “político”, risco mesmo ……… Insegurança nas variáveis econômicas e políticas. Em Itaguaí já está “batendo” o clima dos Estaleiros Brazil afora. Quem viver verá. “mdanton 18 de março de 2015 at… Read more »

thomas_dw
Visitante
Member
thomas_dw

o projeto do 4 SSK e depois ir para um SSN era perfeito para o conceito Brasil Potencia, infelizmente, as verbas secaram.

quanto a agregar tecnologia para producao – bem, que pais no mundo pede produzir 100% dos seus produtos sem comprar pecas e importar tecnologia ? nenhum, ate a Alemanha importa da Polonia pecas para os motores de suas Corvetas e Fragatas… e que fiasco que foi esta importação.