Home Relações Internacionais Marinhas do Brasil e de Israel preparam mecanismo de troca de informações

Marinhas do Brasil e de Israel preparam mecanismo de troca de informações

663
8

MIDEAST-ISRAEL-60 YEARS-NAVY

Roberto Lopes

Editor de Opinião da revista Forças de Defesa

Vinheta ExclusivoQuase oito meses depois de o porta-voz do serviço diplomático israelense Yigal Palmor, ter chamado o Brasil de “anão diplomático”, as Marinhas israelense e brasileira estão negociando uma aproximação de caráter inédito em seu relacionamento.

Por iniciativa de Israel, oficiais dos dois países estão começando a examinar a possibilidade de ser estabelecido um mecanismo que permitirá ao Estado-Maior da Armada do Brasil trocar informações – técnicas e operacionais – com o Estado-Maior da Marinha israelense.

A aproximação das duas Forças Navais foi um dos pontos abordados, no início de fevereiro, pelo Adido de Defesa de Israel, capitão-de-mar-e-guerra Ilan Lavi (ex-comandante de um esquadrão de lanchas-patrulha Super Dvora Mk.III no Mar Mediterrâneo), durante um giro por gabinetes de chefes navais no Rio de Janeiro.

O assunto é também uma das incumbências do coronel de Artilharia Augusto Pompeu de Souza Perez, que, nesse momento, está deixando a Secretaria-Geral do Exército, em Brasília, para assumir, no meio do ano, o posto de Adido de Defesa, Naval e Exército junto à Embaixada do Brasil em Tel Aviv.

Brasília mantém adidos militares em Israel desde 1973, e a partir deste ano terá dois oficiais nessa função diplomática. O segundo será um Adido da Aeronáutica, que terá a missão de apoiar o funcionamento do recém-criado Escritório Brasileiro de Ligação da Aeronáutica em Israel.

Troca – O protocolo de aproximação entre os dois Estado-Maiores navais deve prever uma rotina de reuniões bilaterais – a primeira, possivelmente, sendo realizada ainda este ano em Israel.

A Marinha do Brasil ofereceria aos israelenses sua experiência no campo operacional; a Armada israelense proporcionaria aos brasileiros informações sobre os mais recentes avanços tecnológicos para a guerra no mar.

Nos últimos anos, as empresas Israel Aerospace Industries e Rafael Advanced Defense Systems tentaram, sem sucesso, interessar os planejadores da Marinha do Brasil no míssil antiaéreo de lançamento vertical Barak.

Os israelenses já conhecem a capacitação do pessoal naval brasileiro em missões de vigilância.

Entre dezembro de 2011 e junho de 2012 a fragata classe Niterói que capitaneava a Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL), plotou 320 violações do espaço aéreo libanês por aeronaves militares israelenses. Por designação da Organização das Nações Unidas, cabe a um almirante brasileiro (de duas estrelas) o comando da Força-Tarefa Marítima que opera na costa do Líbano.

Os registros obtidos pelo navio foram transmitidos ao comando da UNIFIL para posterior conhecimento do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Os israelenses não negaram que tivessem invadido os céus libaneses, mas argumentaram que se tratara de voos de reconhecimento – sem o uso de armas – em proveito do monitoramento das atividades da facção combatente Hezbollah.

Visitas – Há exatos três meses, o então comandante da FTM-UNIFIL, contra-almirante Walter Eduardo Bombarda, foi recebido no Centro de Vigilância de Rosh Hanikra e na Base Naval de Haifa, em Israel, onde manteve reunião de trabalho com o comandante, contra-almirante David Saar Salama.

O objetivo das visitas foi conhecer as capacidades e o modo de operação da Marinha Israelense em área contígua àquela de atuação da UNIFIL, bem como inteirar-se das preocupações daquele país com os aspectos da guerra assimétrica de caráter naval travada permanentemente na região. A comitiva da FTM também foi convidada a subir a bordo de uma moderna corveta classe Sa’ar.

8
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
thomas_dwKojakXOwwolf22Roberto Lopes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Kojak
Visitante
Kojak

Caro Senhor Roberto Lopes

valeu a matéria.

Conversar, reunir-se, visitas de mão dupla, cortesia, amabilidade, boas risadas, trocar “umas idéias” tudo bem.

E só.

Detalhe,

o Reda Mansour é acessível e um ser humano inigualável.

Sugiro uma entrevista pessoal, ele vem sempre a SAMPA ou quando o Senhor estiver em Brazillândia.

Poderia ser em vídeo ?

Shalom

Roberto Lopes
Visitante
Member
Roberto Lopes

Bom dia, Kojak.
Sugestão anotada.
O embaixador deve visitar a LAAD, tentaremos conversar com ele nessa ocasião.

Obrigado.

wwolf22
Visitante
wwolf22

Li a reportagem e nao enendi a frase abaixo:

“A Marinha do Brasil ofereceria aos israelenses sua experiência no campo operacional”…

alem de analisar embarcações velhas para aquisição, teria a MB outra experiência no campo operacional ?!?!

XO
Membro
XO

wwolf22, as reunioes de Estado-Maior sao frequentes entre a MB e outras nacoes, uma pauta aborda assuntos de interesse de cada partido e dai podem surgir cooperacoes, participacao em intercambio e comissoes etc…
Mesmo com os EUA, sao varios os assuntos tratados e as experiencias trocadas… jah abordamos operacoes de FN, operacao em area fluvial etc… nao eh porque os caras saem para o real que a gente nao possa passar algo de interesse…
Nossa experiencia em sinalizacao nautica, levantamento hidrografico sao, por exemplo, excelentes… isso tambem eh campo operacional…
Abraço…

wwolf22
Visitante
wwolf22

XO,

digo isso porque israel “esta em guerra”… deve ter uma doutrina inquestionável…. fora os equipamentos…
o Brasil que nao esta em guerra com nenhuma nação, mantém boas relações com seus vizinhos, portanto na minha opinião, quem deveria repassar algo/algum conhecimento seria a marinha de israel e não a MB.
ta certo que a MB “ensinou” a doutrina de porta aviões aos chineses… fora esse caso desconhecia outra situação…

Kojak
Visitante
Kojak

“………. mantém boas relações com seus vizinhos, …………”

kkkk rsrsrsrs

de Israel ?

Verdade !

Com o Irã, apoia a AP, Hamas, Hezbollah, insistir em diálogo com EI/ISIS (veja a nota do MRE sobre os atentados no Yemen ontem).

Leia o primeiro post e é só.

Shalom

XO
Membro
XO

wwolf22, seu argumento nao pode ser questionado, apenas observo que todos os assuntos tratados nessas reunioes sao de interesse comum, independetemente de quem pode passar mais conhecimento… somente observo que conhecimento operacional nao se restringe ao aspecto “combate”… Abraço…

thomas_dw
Visitante
Member
thomas_dw