quinta-feira, março 4, 2021

Saab Naval

Marinha francesa terá patrulheiro de pesca na fronteira da Guiana com o Brasil

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

La Caouanne

A Marinha da França vai endurecer a repressão à pesca ilegal nas águas jurisdicionais da Guiana Francesa – ilícito de que são acusados muitos pescadores brasileiros.

No segundo semestre deste ano chegará ao litoral guianense, transportado em um navio comercial, o patrulheiro de pesca La Caouanne (“A Cabeçuda”) – nome de uma tartaruga marinha de carapaça achatada (denominação científica: caretta caretta), ameaçada de extinção justamente por causa da pesca predatória, cujo formato da cabeça lembra a proa do navio militar.

A embarcação de 23 m de comprimento, calado de 1,20 m e 200 toneladas de deslocamento, foi lançada ao mar na quarta-feira, 8 de abril. Assista o vídeo de seu lançamento aqui.

Construída em alumínio, a unidade está dotada de dois hélices e é capaz de alcançar uma velocidade máxima de 12 nós. Ela possui guindaste à ré e holofotes voltados para uma área livre, à meia-nau – chamada de “área de trabalho limpa” –, capaz de recolher até 20.000 m de redes de pesca apreendidas.

Até hoje a Marinha francesa não dispõe dos meios adequados à recuperação de redes de pesca abandonadas. Uma rede de 2.500 metros custa entre 10.000 e 12.000 Euros.

La Caouanne - 2

Apreensões – Para fabricar uma embarcação com estas características especiais, a Diretoria-Geral de Armamento do Ministério da Defesa francês recorreu ao estaleiro Pierre Gléhen et Fils, empresa sediada em Douarnenez – um conhecido porto de pescadores da Bretanha – que jamais havia fabricado um barco para a Força Naval da França.

A “Cabeçuda” será baseada no porto militar guianense de Dégrad des Cannes, na foz do rio Mahury – principal base naval francesa no Caribe.

O governo de Caiena empresta grande importância à proteção de sua fauna marinha, assunto que concentra os esforços de um grupo interministerial, e de diversas ações em parceria com autoridades brasileiras e surinamesas.

Apesar disso, somente nos primeiros 90 dias do ano, os barcos franceses já flagraram – e apreenderam – 18 pesqueiros estrangeiros que se dedicavam a um tipo de pesca considerada predatória.

Renovação – A La Caouanne foi a terceira classe de embarcação designada para renovar a flotilha militar francesa que opera no eixo Martinica-Guiana Francesa.

Atualmente, todo o dispositivo permanente de proteção do litoral guianense repousa sobre a disponibilidade de dois patrulheiros tipo P 400 – La Capricieuse e La Gracieuse –, que em 2016 completerão 30 anos em atividade, e de duas vedetas costeiras da Gendarmeria Marítima, a Mahury (baseada em Caiena) e a Organabo (baseada em Kourou).

A 16 de janeiro o Poder Naval noticiou, com exclusividade, que a Marinha da França encomendara uma nova classe de embarcações para substituir a P 400 e se incumbir da vigilância da chamada Zone Économique Exclusive Guyanaise  (Zona Econômica Exclusiva Guianense).

As novas unidades, encomendadas ao estaleiro Socarenam, de Boulogne, são conhecidas como patrouilleurs légers guyanais(“patrulheiras ligeiras guianesas”) – ou, simplesmente, pela sigla PLG.

Elas irão deslocar cerca de 640 toneladas, alcançarão velocidade máxima de 21 nós, e estarão dotadas de canhões de 20mm operados remotamente.

A 11 de fevereiro o Poder Naval divulgou que o governo de Paris havia decidido designar para o porto militar da Martinica um dos seus quatro novos navios-patrulha oceânicos classe B2M, de 2.300 toneladas – na Marine Nationale conhecidos por navios multimissão (Bâtiments Multimission).

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
aldoghisolfi

MUITO BOM… exemplo e motivação para nós mesmos!

Jorge Alberto

E a “guerra da lagosta” nao ensinou nada aos nossos politicos… bom… tb seria esperar muito deles ne? (sic!)…..

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Doutrina de engajamento da US Navy contra submarinos inimigos

A doutrina de Guerra Antissubmarino (ASW) da US Navy (Marinha dos EUA) prioriza a destruição dos submarinos de um...
- Advertisement -
- Advertisement -