Home Marinha do Brasil Negociação da EMGEPRON com Angola ‘subiu no telhado’: africanos não têm dinheiro…

Negociação da EMGEPRON com Angola ‘subiu no telhado’: africanos não têm dinheiro…

554
8
Acordo Brasil Angola Pronaval - foto 2 Ministério da Defesa
5 de setembro de 2014: os ministros da Defesa Amorim e Lourenço formalizam parceria “altamente estratégica”

 

Roberto Lopes
Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa

Vinheta ExclusivoA negociação iniciada, ano passado, pela Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), vinculada à Marinha do Brasil, para fornecer sete navios-patrulha costeiros de 500 toneladas à Força Naval de Angola, está congelada e, nesse momento, sem perspectivas de ser retomada. Os angolanos não tem dinheiro para custear a construção das unidades.

Na verdade, os dois caminhos que se abrem como passo seguinte aos contatos havidos até aqui sobre o assunto, são igualmente ruins:

Hipótese A: a formalização do adiamento das tratativas sobre o contrato que garantiria a fabricação das embarcações, em função da incapacidade do governo de Luanda de honrar os aportes iniciais de recursos considerados necessários ; ou

Hipótese B: a finalização, pura e simples, dos entendimentos bilaterais que visavam respaldar o apoio da Marinha do Brasil ao chamado Programa de Desenvolvimento do Poder Naval de Angola (PRONAVAL) – que prevê, além da aquisição de navios, a montagem de um estaleiro para a produção de navios militares em território angolano.

MET – Militares do Brasil e de Angola mantém em sigilo os detalhes da venda dos barcos de patrulha – cujo valor é estimado no patamar dos 170 milhões de dólares –, mas sabe-se que apenas quatro deles seriam fabricados no Brasil (no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro ou em uma empresa privada). Os restantes sairiam do estaleiro que os angolanos planejam erguer, com assistência técnica e equipamentos brasileiros, em uma localidade litorânea a 200 km da capital angolana.

 

NPa Macaé 054a
Navio-patrulha costeiro “Macaé”

 

Além disso, o PRONAVAL comprometia a Marinha brasileira com a formação e a capacitação de pessoal angolano, tanto para operar as embarcações como para a atividade de produção no novo estaleiro.

Tudo estava previsto no Memorando de Entendimento Técnico (MET) que os ministros da Defesa do Brasil e de Angola assinaram, a 5 de setembro de 2014, em Brasília. Os navios a serem fornecidos eram os da classe Macaé, variante brasileira do modelo francês CMN Vigilante.

O texto do documento esclarecia: “O MD designa como Coordenador do PRONAVAL a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), que será responsável, quando necessário, pela interface com as Organizações Militares da Marinha do Brasil (MB) e com as empresas do segmento naval da Base Industrial de Defesa (BID) brasileira”.

Em seu discurso diante do ministro da Defesa angolano, João Manuel Lourenço, o então titular da Pasta da Defesa, Celso Amorim, definiu a parceria entre os dois países como “altamente estratégica, sobretudo pelo interesse recíproco na vigilância do Atlântico Sul”.

Ferrol – Tudo parecia ir às mil maravilhas.

Um mês antes, os militares angolanos haviam revelado seu interesse em baterias de foguetes de saturação de artilharia do Sistema Astros 2, fabricadas pela companhia paulista Avibras Aeroespacial. E um ano antes, almirantes angolanos haviam desfilado seus uniformes impecavelmente brancos pelo molhe nº 7 do estaleiro Navantia, em Ferrol, na Espanha, para inspecionar a situação em que se encontrava o porta-aviões Príncipe de Asturias, que a Armada espanhola desativara e pusera à venda.

Mas em setembro de 2014, quando Amorim e Lourenço celebraram a aproximação dos seus países no campo político-estratégico, os analistas econômicos angolanos já mastigavam números indiscutivelmente ruins.

Na última semana de janeiro deste ano, a área econômica do Executivo de Luanda emitiu um alerta sobre a possibilidade de o preço do barril de petróleo – principal fonte de receita de Angola – despencar para o patamar dos 40 dólares (hoje está em 46 dólares).

Nessa eventualidade, o governo angolano perderá, somente no exercício fiscal de 2015, 12,3 bilhões de dólares – e ainda terá que captar empréstimos para garantir a importação de gêneros comestíveis básicos e de insumos agrícolas, indispensáveis à produção interna de alimentos.

Acordo Brasil Angola Pronaval - foto Ministério da Defesa
O retrato do otimismo. Em setembro de 2014 os brasileiros acreditavam que os angolanos estavam preparados para perseguir um programa de desenvolvimento do seu poder naval…

 

O Memorando de Entendimento Técnico sobre o PRONAVAL prevê: “Os encargos financeiros resultantes da execução do presente MET poderão ser financiados pela Parte Brasileira desde que para tal, haja disponibilidade” – o que, convenhamos, não é o caso.

A Marinha do Brasil que o diga.

8
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
a.cancadoOganzaBlind Man's BluffCorsario137thomas_dw Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Algo me diz que os chineses, entrarão em nosso vácuo e garfarão esse contrato; pura questão de tempo.

Roberto Lopes
Visitante
Member
Roberto Lopes

Bom dia, Mauricio.
Sua percepção está correta.
Essa é a expectativa que existe entre alguns oficiais da nossa Marinha,
Como, aliás, já vem acontecendo na Namíbia.

Boa quinta!

aldoghisolfi
Visitante
Member
aldoghisolfi

Como já foi dito há bastante tempo, quando comentamos a correta geopolítica chinesa, que está nos expulsando do mercado africano e vai entar aqui entre nós, como uma opção muito viável na aquisição de material militar. Espero que o BNDES não financie ninguém por lá…

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

nosso estaleiro nao tem a capacidade tecnica de gerenciar o projeto e eles nao tem o dinheiro para comprar o produto – uma combinacao perfeita.

Corsario137
Visitante
Corsario137

Pelamor…

Isso já eram favas contadas. Desde quando a Emgepron tem gabarito pra fazer negócios com Luanda?

Se fosse a Odebrecht eu até acreditaria, mas esses caras não.

E sim, os chineses entrarão forte lá, como já estão, nos mais diferentes setores da economia.

E vão vender algo muito melhor que essa tranqueira chamada Macaé.

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

Não apenas garfarão esse contrato, como também os contratos de reaparelhamento das nossas próprias forças; em breve.

Oganza
Visitante
Oganza

Na legenda da última foto: “O retrato do otimismo. Em setembro de 2014 os brasileiros acreditavam que os angolanos estavam preparados para perseguir um programa de desenvolvimento do seu poder naval…” – Só brasileiro preguiçoso mental ou muito ingênuo ainda acreditava em alguma coisa em 2014… inclusive os que estão na foto – Acho que o Samurai não é um deles. 🙂 Eu tenho um post longuíssimo e muito velho, de uns 5 anos atrás, onde dizia que a África era última fronteira (espaço vazio) de influência a ser ocupada – Nossa Senhora… eu e os 3 gatos pingados que… Read more »

a.cancado
Visitante
a.cancado

Novidade!…Lá, como cá, o governo popular ROUBOU TUDO! E não sobrou NADA!! Socialismo é isso aí, mistura de corrupção e incompetência, temperada com MUITA arrogância…rsrsrsrsrs
Enquanto isso, o Ocidente corrupto e decadente vai avançando, devagar e sempre, em todos os sentidos…