sexta-feira, setembro 17, 2021

Saab Naval

ARA estuda instalar canhões Bofors de 40 mm em rebocadores russos

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Rebocador

O comando da Armada da República Argentina (ARA) examina a possibilidade de dotar os quatro super-rebocadores que adquiriu a uma empresa de serviços offshore da Rússia, de canhões Bofors de 40 mm/70.

Os barcos da classe Neftegaz, de 2.723 toneladas, foram comprados para substituir os velhos avisos argentinos – rebocadores da época da 2ª Guerra Mundial – que fazem o patrulhamento dos mares austrais.

Eles chegarão no início do segundo semestre já pintados de cinza e com tripulações argentinas (misturadas a alguns marujos russos incumbidos de assistir os novos donos durante a travessia de 45 dias até a América do Sul), mas desprovidos de armamento.

Os navios custaram 11,4 milhões de dólares e, por medida de economia, os almirantes argentinos decidiram equipá-los com canhões e metralhadoras pesadas já disponíveis nas embarcações e nos estoques de suprimentos da Flota de Mar (Esquadra argentina).

Segundo o Poder Naval pôde apurar, o canhão Bofors de 40 mm/70 retirado da lancha-patrulha Indómita (na foto abaixo, entre duas embarcações) – um barco tipo TNC 45 fabricado pelo estaleiro alemão Lürssen na metade inicial da década de 1970 – será instalado em um dos rebocadores Neftegaz. O mais provável é que as demais unidades recebam o mesmo tipo de peça de artilharia, e ainda metralhadoras pesadas, de 20 mm, operadas manualmente.

Indomita

Pós-guerra – O canhão de 40 mm/70 nada tem de muito impressionante.

Ele foi desenhado pela Bofors sueca no pós-guerra, e, a partir de 1951, apareceu instalado em diferentes tipos de embarcações militares europeias.

O modelo montado nas lanchas-patrulha argentinas foi produzido nos anos de 1960. Ele tem cadência de disparo de 320 projetis por minuto e alcance efetivo em torno dos 4.000 metros.

Desenhados na Polônia para mover plataformas marítimas de petróleo, os Neftegaz são barcos lentos (velocidade sustentada entre 9 e 12 nós!), e sua conversão à função de patrulheiros seria facilitada por meio de uma capacidade de resposta imediata, passível de ser obtida com as modernas estações de metralhadoras de 25 mm ou de metralhadoras .50 operadas remotamente.

Mas a Marinha Argentina não tem, nesse momento, dinheiro para comprar esses equipamentos.

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M

Não tem tu?! Vai tu mesmo !

Ou

Gambiarra mesmo …..

thomas_dw

a Marinha Argentina nao para de impressionar …

eles poderiam ter comprado 4 DAMEN PSV 3300 e estariam super bem, só que os da DAMEN sao bem mais caros que os usados dos Russos.

Mauricio R.

Super rebocadores quem??? Aonde???

Blind Man's Bluff

Quem não tem cão, caça com gato.

- Publicidade -

Últimas Notícias

Submarino chileno realiza ataques simulados bem-sucedidos contra o porta-aviões USS Carl Vinson da Marinha dos EUA

Um submarino chileno da classe Scorpène concluiu recentemente o programa 2021 Diesel-Electric Submarine Initiative (DESI) com a Marinha dos...
- Advertisement -