Home Marinha do Brasil ‘Navios asiáticos’: MB renova seu interesse pelo coreano Makassar

‘Navios asiáticos’: MB renova seu interesse pelo coreano Makassar

1369
6
Makassar - Coreia do Sul
Navio-doca “Makassar”, da Marinha da Indonésia, construído pela indústria naval coreana. Seu nome consagrou uma classe de embarcações que está equipando a Esquadra peruana e pode ser adotada pela Força Naval brasileira

 

Roberto Lopes

Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa

Vinheta ExclusivoA Marinha do Brasil terá uma nova chance de examinar em detalhes o projeto do navio de desembarque-doca sul-coreano da classe Makassar, de 8.400 toneladas.

A Marinha de Guerra do Peru convidou sua congênere brasileira a enviar uma delegação para acompanhar, durante alguns dias, os trabalhos no Makassar peruano BAP Paita, que está em fase final de construção no estaleiro SIMA-Callao.

No segundo semestre de 2013, a Marinha brasileira já havia despachado alguns de seus oficiais para o Peru, a fim de se inteirar das características do navio desenhado e produzido pelo grupo Daewoo Shipbuilding and Marine Engineering (DSME). Mas agora, com a indisponibilidade do NDD Ceará (G30) – que se encontra recolhido à base naval de Val-de-Cães, no Pará, para ser submetido a um demorado período de reparos –, e as dificuldades da Força para alavancar a verba que seria necessária à compra do navio de desembarque-doca francês Siroco, os chefes navais brasileiros decidiram avaliar uma alternativa baseada em uma embarcação nova.

Os militares brasileiros devem seguir para o Peru no início do segundo semestre.

Custos – A construção de um Makassar está avaliada em 50 milhões de dólares, o equivalente a 37% do preço que a Marinha francesa e a empresa DCNS pediram para entregar à Marinha do Brasil o Siroco, de 12.000 toneladas (carregado), que, apesar de estar apenas na metade da sua vida útil, se encontra muito próximo da data de sua desprogramação pela Marine Nationale.

Procurado pelo Poder Naval, um assessor da diretoria da empresa Andrade Gutierrez Defesa e Segurança – que nos últimos meses vinha sugerindo à Marinha optar por navios menores e mais baratos da indústria naval asiática – afirmou desconhecer a viagem dos oficiais brasileiros para o Peru.

O BAP Paita começou a ser construído em julho de 2013, e deve ser entregue à Esquadra peruana para as provas de mar dentro do primeiro semestre do ano que vem.

Os militares peruanos calculam que já no próximo mês de agosto estarão assinando com a DSME o contrato para a construção de um segundo barco da mesma classe, o BAP Pisco.

No final de 2014, quando também iniciaram consultas junto à Marinha francesa para ficar com o Siroco, oficiais da Marinha de Portugal calcularam que um navio da classe Foudre como o Siroco, novo, não sairia por menos de 400 milhões de Euros – o equivalente a 451,6 milhões de dólares (ou 1,4 bilhão de Reais).

corymbe-le-bpc-tonnerre-releve-le-tcd-siroco-2
O “Siroco” com a rampa de ré baixada

6
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
rafael oliveiraF15_loboMarceloXOeduardo.pereira1 Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Existe um design alternativo ao “Makassar”, é o “Banjarmasin”, cuja super estrutura encurtada permite 3 spots no convoo, ao contrário dos 2 do navio original.

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Deus ilumine a mente dos líderes navais e que não apenas somente olhem e vistoriem o projeto ,mas que comprem . Precisamos de navios novos e acabar com a cisma por produtos orientais,asiáticos etc. Já incluam fragatas e napaOc tbm ,já deixa tudo combinado.rs

XO
Membro
XO

Tempos atrás, os coreanos ofereceram escoltas + reforma no AMRJ… não rolou… quem sabe agora…

Marcelo
Visitante
Member
Marcelo

o Makassar teria a mesma capacidade do NDD Ceará?

F15_lobo
Visitante
F15_lobo

Navio novo com armamento atualizado e com um preço muito bom. Bem melhor que comprar um usado e sabe lá em que estado, para ficar fazendo companhia ao SP??

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Marcelo, meios século separam esses navios então há muitas diferenças entre eles. Ademais, os navios da Classe Makassar da Indonésia são maiores do que os do Peru. De qualquer forma, Ceará é mais rápido e maior. Necessita de uma tripulação muito maior para operá-lo, dada a idade do seu projeito. É movido por caldeiras e tem doca maior. O Makassar tem uma maior e melhor capacidade de operação de helicópteros, dispondo de hangar. Movido por motores a diesel atuais. Ou seja, o NDD Ceará é mais capaz que o Makassar, exceto quanto à operação de helicópteros. Isso em tese, dado… Read more »