quinta-feira, maio 26, 2022

Saab Naval

União Europeia apoia Estados Unidos no incidente do Mar do Sul da China

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
Ilha artificial chinesa em construção no Mar do Sul da China
Ilha artificial chinesa em construção no Mar do Sul da China

ClippingNEWS-PAA União Europeia ficou do lado de Washington na sexta-feira sobre um incidente de patrulhamento americano no Mar do Sul da China, em um movimento que pode afetar discussões de Bruxelas com Pequim na próxima semana na Reunião Ásia-Europa (ASEM) de ministros dos negócios estrangeiros.

Na terça-feira, um navio de guerra dos Estados Unidos navegou dentro de 12 milhas náuticas de uma das ilhas artificiais de Pequim no arquipélago disputado de Spratly, provocando uma forte reação da China.

“Os Estados Unidos estão exercendo sua liberdade de navegação”, disse um alto funcionário da UE em um briefing, ecoando a linha dos EUA.

Um porta-voz da Marinha dos EUA disse que a patrulha fazia parte da liberdade dos EUA de operações de navegação e destina-se a “proteger os direitos, liberdades e usos legítimos do mar e do espaço aéreo garantido para todas as nações sob o direito internacional”.

A UE está preocupada com os planos de Pequim para construir novas ilhas nas águas contestadas, disse o funcionário da UE, uma declaração que pode ser recebida por outros países asiáticos opostos a reivindicações da China para quase todo o Mar do Sul da China.

South China Sea

 

Vietnã, Filipinas, Taiwan, Malásia e Brunei concorrem com a soberania da China sobre partes de uma das rotas sobre o mar mais movimentadas do mundo.

“Enquanto não tomar posição sobre as alegações, a UE está empenhada em uma ordem marítima com base nos princípios do direito internacional, nomeadamente no que se reflete na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM),” um porta-voz dos Negócios Estrangeiros da UE disse em um comunicado.

A UE tem de cuidar das relações com Pequim, na esperança de atrair capitais chineses para relançar a economia lenta do bloco e tem negociado um acordo de comércio e investimento bilateral.

Em desafio a Washington, os governos europeus também decidiram juntar-se ao Asian Infrastructure Investment Bank (AIIB) liderado pela China.

Ministros europeus e asiáticos dos Negócios Estrangeiros reúnem-se em Luxemburgo na próxima semana para a ASEM, um evento regular, que reúne todos os 28 países da UE e 21 países asiáticos, incluindo a China, Vietnã e Filipinas. (Reportagem de Francesco Guarascio, Edição de Louise Irlanda)

south-china-sea-claims

FONTE: www.reuters.com

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

E seguem os chineses firmes no propósito de transformarem o Mar do Sul da China em sua própria versão do Mar de Okhotsk.
Interessante os norte-americanos, dizem falar em nome do “direito internacional” mas sequer são signatários da CNUDM.

“Let me spell out this very important last point. The overwhelming majority of nations in the world, including all of Europe, bigshots like Russia and China, nearly all of Latin America and Africa, all the trade-dependent Asian/Pacific countries, etc, have ratified the Law of the Sea convention. The one huge exception is … the United States.”

(http://www.defenseone.com/ideas/2015/10/right-way-enforce-freedom-navigation-south-china-sea/123215/?oref=d-dontmiss)

daltonl

O Presidente Obama a US Navy e quase a totalidade do país querem ratificar a Lei que é benéfica para os EUA,
mas, pelo que já li está pendente nas mãos do Congresso,
principalmente entre os republicanos.

Mauricio R.

Há uma percepção de que se os EUA ratificassem a CNUDM, haveria uma perda de soberania nacional:

“Pentagon officials have long testified in favor of ratification. So have officials from the State Department.
The George W. Bush administration was in favor of it, and the Obama administration is now.
But thanks to anti-government, anti-internationalist absolutists in the Senate (think: Sen. Jim Inhofe), the United States has not signed on.”

(http://www.defenseone.com/ideas/2015/10/right-way-enforce-freedom-navigation-south-china-sea/123215/?oref=d-dontmiss)

Delmo Almeida

Até onde eu sei, eles nem assinaram. A assinatura cabe ao Chefe de Estado, o congresso ratifica. Nunca estudei essa convenção especificamente, mas ela até que me interessa bastante…
Alguém tem maiores informações?

- Publicidade -
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Navios de guerra britânicos podem ser enviados para quebrar o bloqueio de Putin aos portos do Mar Negro

A Grã-Bretanha está coordenando com seus aliados um plano potencial para enviar navios de guerra ao porto de Odessa,...
- Advertisement -