Home Noticiário Internacional Brasileiros assumem o controle do TCD Siroco

Brasileiros assumem o controle do TCD Siroco

2810
48

06TLN0176i0228

O site francês Mer et Marine noticiou que o navio de desembarque doca (TCD – Transports de Chalands de débarquement) Siroco, da classe “Foudre”, foi pela pela primeira vez ao mar com marinheiros brasileiros a bordo. O navio, que partiu da base naval de Toulon em 26 de outubro, começou uma série de viagens para treinar sua futura tripulação.

Os primeiros militares brasileiros chegaram à França em setembro, mas a maior parte da futuro tripulação chegou recentemente em Toulon. Eles são agora 180 a bordo, supervisionados por marinheiros e instrutores franceses da DCI.

O Siroco, que deve ser rebatizado como Bahia, deve seguir para o Brasil até o final do ano.

A classe  “Foudre” de dois navios operou a partir de 1990. O Foudre foi vendido em 2011 para a Marinha do Chile.

Foudremagueu2007

Siroco - ilustração classe Foudre

48
Deixe um comentário

avatar
48 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
daniel bazinMarcelo MoraesJosé LuizJrJuarez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Nonato
Visitante
Nonato

Na atual situação da MB, não vejo muita utilidade nesse navio.
Uma marinha defensiva não deveria se preocupar com desembarque de tropas.
Acredito que navios de guerra, de defesa, seriam mais úteis.

Gayneth
Visitante
Gayneth

Nonato, acho que (navios de guerra) dependendo do teatro, tanto serve de defesa como de ataque.

marlon
Visitante
marlon

e um navio velho mas ainda da para o gasto e um belo navio vamos ver se a marinha do BRASIL vai tem dinheiro para uma reforma … e maquina velha……

Mijolnir
Visitante
Mijolnir

Ainda deve operar o que? Uns 20 anos ainda?

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Marlon, o que é um navio velho pra você? Até que ponto um navio é novo? O Siroco entrou em serviço na Marine Nationale em 1998, só para ato de comparação, dos 10 porta-aviões atualmente em operação na US Navy, apenas 2 são mais novos que isso, nem por isso a frota possui apenas 2 navios em idade decente. Sinceramente não sei que padrão louco é esse, mas que ele não se sustenta nem nas marinhas mais ricas como a RN, a USN, a MN ou a Chinesa (não sei qual seria o nome). A compra é questionável? Claro! Mas… Read more »

helio henrique silva pereira
Visitante
helio henrique silva pereira

ele tem sua utilidade pra ajuda umanitaria em tempo de paz,exemplo haiti,amazonia etc…

Mad Max
Visitante
Mad Max

Não podemos nos esquecer que navios não são úteis somente em cenários de guerra e projeção de poder. Navios como o Siroco são muito importantes em catástrofes naturais e em ajuda humanitária.

Dalton
Visitante
Dalton

Delmo… de fato apenas 2 NAes da US Navy foram comissionados depois de 1998 e um terceiro foi comissionado em 1998, mas, é importante frisar que os 4 mais antigos já passaram por uma complexa e longa modernização de meia vida e um quinto está passando pela mesma agora. Tal modernização é essencial para que os NAes que operam de forma “brutal” possam aguentar-se até 50 anos desde o comissionamento. No caso dos navios da marinha brasileira e da maioria das marinhas, os navios são “poupados” passando boa parte do ano atracados ou em missões de baixa intensidade o que… Read more »

Diego
Visitante
Diego

Gostaria de saber, se o navio recebeu algum modificação para ser entregue a MB e qual o valor que foi pago para essa embarcação?

Um abraço.

marcos
Visitante
marcos

Desta vez não vejo como belonave velha,e sim uma excelente aquisição para a marinha.O que muito me desaponta em nossa marinha,é o nosso São Paulo ficar sempre em reparos no arsenal de marinha,e de lá não sai !!!

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Sim, é um ótimo navio, mas e o futuro da MB, como ficará? Quem complementará e substituirá os outros navios anfíbios? Esta é a questão. No meu entendimento é um navio caro, sim, atenderá os interesses imediatos do CFN e MB, mas e os outros navios no futuro, serão substituídos por uma nova classe de NDDs? Sim, porque o seu ‘irmão’ está em mãos chilenas e não há outro do tipo no mundo, iremos construir outros usando a mesma planta? Se sim, então menos mal, mas e se a resposta for negativa?! Ainda fico com a opção sul’coreana do Makassar… Read more »

vmax
Visitante
vmax

$ $ $ $ $ ?????????????

Gerson
Visitante
Gerson

Meus caros, vocês parecem não entenderem as vezes o que falam ou tentam falar. É claro que o Siroco é importante para nossa armada, tanto para projeção de força quanto para missões de paz. O que falta agora são ao meu ver escoltas de maior capacidade ofensiva pelo menos umas 6 unidades bem armadas, nem precisam ser novas, podem ser compras de ocasião desde que possam atuar ainda pelo menos uns 15 a 20 anos com seus devidos PMG e que sejam bem armadas. Além dos demais navios ainda em bom estado como a CV Barroso e os NPoC. O… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Olá colegas. Meu questionamento referiu-se ao fato de que se não há dinheiro para nada o essencial seriam navios “de guerra”. Fragatas, corvetas ou seja la o que for, bem armadas. Para mim, essa é a função essencial da marinha muito embora uns seis navios de guerra não dêem conta de uma guerra para valer. Na minha opinião transportar tropas para o Haiti não é essencial. Manda os caras de avião ou em um navio mercante. Ajuda humanitária onde? Não poderiam ser feita com outros navios sejam civis ou de guerra? Se não da para ter tudo é não há… Read more »

emerson
Visitante
emerson

Olá a todos.

Discutimos bastante sobre a aquisição da Siroco para a MB, inclusive desnecessariamente sobre o nome Bahia A MB tinha interesse na Siroco há muito tempo e ela atenderá bem aos fuzileiros. A prioridade do MD tem sido a mobilidade e a flexibilidade e a Siroco será importante nesse aspecto. Um navio novo levaria 3 ou 4 anos para ficar pronto e sabemos que a MB não teria esse tempo, além do preço de um equipamento novo ser muito alto quando comparado a uma compra de oportunidade.

eu prefiro festejar a G40 Bahia

Juarez
Visitante
Juarez

Eu preferia festejar se a MB tivesse um surto de realidade, se MB tivesse recursos para efetuar a modernização dos motores do futuro NDD Bahia,mas nem isto vão fazer, então aguardemos i SP 2, Jason live.

G abraco

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Dalton, Agradeço pelas pertinentes informações, mas meu ponto foi apenas questionar o enquadramento do Siroco (Bahia) como “máquina velha”. Quantos aos navios da Classe Nimitz, ainda acrescentaria que em nível de eletrônica e sensores embarcados, mesmo os que não passaram por nenhuma programa de modernização de meia vida, acredito que estariam em melhor nível que os que deveremos instalar no Bahia. Vale lembrar que a MN procura manter seus navios no mar 1 em cada 3 dias, o que coloca um perfil muito mais intenso de uso que o nosso. Na verdade, se a nossa marinha tivesse um navio desses… Read more »

lorival
Visitante
lorival

muito bom ,precisa de mais 3

Diego
Visitante
Diego

Existe comentarios que essa embarcação vem sem a remotorização pois estão planejando/estudando colocar a mesma motorização no G40 e no A12 para manter a padronização….
Isso pode??? eu acredito que sim…

Alguém se arrisca…

um abraço!

ABULDOG
Visitante
ABULDOG

Parece que existe a possibilidade de além do TCD SIROCCO,possa haver a vinda da embarcação de desembarque de infantaria e de carros de combates(pesados) : o CDIC HALLEBARDE (L9062), podem confirmar isso? Se realmente vier essa ED será um grande ganho também para a MB/CFN ; pois abre a possibilidade(se assim o quiser) da força ter pela 1ªvez carros de combate pesados; quem sabe o LEOPARD 1A5(padronizando o meio com o EB) ou qualquer outro meio mais atual e moderno futuramente, já que o CFN tem uma força blindada bem menor. Talvez após o alívio da crise………possamos também produzi-las no… Read more »

Toulon
Visitante
Toulon

Caro Diego, a intenção é da aquisição de 6 motores novos com potencia superior aos utilizados hoje no siroco, sendo 4 para o nae e 2 para o ndd, tudo feito pela dcns.

Um abraço.

Dalton
Visitante
Dalton

Delmo… de fato o USS George Washington por exemplo, que deverá dar uma parada no Rio de Janeiro dentro de algumas semanas e que ainda não passou pela modernização de meia vida ainda assim conta com o que há de mais moderno em sensores, etc. Porém , o combustível nuclear está no fim ou seja ele forçosamente terá que passar pela modernização caso contrário viraria um casco inerte mesmo tendo “apenas” 23 anos de idade. Provavelmente você sabe disso, apenas estou ilustrando para algum outro leitor a “fraqueza” inerente de um massivo NAe nuclear. Quanto à M.E.L.P. escreve-se em chinês… Read more »

Emerson
Visitante
Emerson

O Siroco seria uma ótima aquisição á nossa Marinha, se ele não fosse “Francês”!!! Os franceses são ultra nacionalistas, e ainda mais ou principalmente após a Segunda Guerra , pois foram praticamente salvos pelo “Tio Sam”. Com isso eles juraram de pés juntos jamais depender de algum país ou de seus equipamentos, e os desenvolveram em sua própria indústria.Alguns de até grande sucesso, como a família de caças “Mirage”. Porém sua tecnologia é muito complexa e cara de se manter,em todos os seguimentos de sua indústria, sendo ela naval,terrestre ,aérea e até mesmo automobilística… Daí te digo que se o… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Toulon, está co ta de motores não fecha, porque:

Porque o Sirocco desloca em torno de 12000 tons e alcança velocidade máxima em torno de 18 a 20 nos, como e que com quatro motores vão empurrar o SP a 30 nos, que desloca 32.000 tons para fazer vento relativo?

Seria novamente mais uma dádiva das tecnologias plug and play da reino encantado da Gália?

G abraco

emerson
Visitante
emerson

Caro Juarez, acho que li um comentário sobre esses novos motores para o A12 que não seriam para propulsão mas para a geração de energia elétrica para os sistemas. As caldeiras continuariam a mover a propulsão e gerar vapor para as cataputas. Alguém havia colocado essa dúvida que foi respondida por um oficial da MB. Alguém mais deve lembrar dessa discussão, acho que foi em um post anterior sobre o Siroco

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Mais um para apodrecer na baía de guanabara.

sds

Juarez
Visitante
Juarez

Emerson, eu não sei qual é demanda de energia do SP, agora olhando rapidamente, os dois motores Semt Pieltick que equipam atulamente o Sirocco geram 7500 Kw de potência x 2 são aproximadamente 15.000 Kw, isto dá aproximadamente uns 12MVA de potência elétrica gerada, se forem utilizados acoplados a alternadores e como o cidadão acima citou quatro motores então teríamos potência total acima de 30.000 KW e potência elétrica gerada de aproximadamente 24 MVA, isto é muita energia para tão somente um navio, no meu modesto entender, e ainda, haja espaço na sala de máquinas apra acomodar estes motores junto… Read more »

emerson
Visitante
emerson

Olá Juarez. Boas contas. Eu não tive vontade de procurar o post, mas sei que o A12 demanda muita energia, além do que um dos motores deve ficar sobressalente, então a demanda de pico deve ser metade .. ou 12MVA…. Quando visitei o A12 em Santos, um técnico disse que o radar dele consome muita energia e geralmente fica desligado quando está próximo à costa devido a interferência nas trasmissões de tv. Os elevadores também demandam muita energia… De qualquer modo, eu me lembro que os dois motores diesel nao seriam para a propulsão.

Juarez
Visitante
Juarez

Amigo, anota aí a opinião de um velho carimbado graxeiro: Não tem din para nada, o Sirocco vai vir com os mesmos motores que talvez sejam parcialmente retificados e bola para frente porque não tem e não terá din din para absolutamente nada. Estão fazendo especulações e joguetes para que os lobistas da DCNS que hoje ainda mandam Diretoria de Material da Marinha mantenham esta chama acesa, pois naquele negócio ainda tem muito pixuleco da d adm. anterior, o Alm Leal, deve saber muito bem disto, e sabe aonde deve “apear seu cavalo” em sua volta ainda tem muitos michinhos… Read more »

Juarez
Visitante
Juarez

Outra questão que me faz pensar e de certa forma me dexia profundamente triste e brabo: O CM declarou a pouco que o Ceará dará baixa no inicio do ano, agora eu pergunto: Colocaram quanto de dinheiro no PMG do Ceará? 30, 40, 50 milhões de reais, para fazer um Ciasa, perder todo o siitema de geração elétrica, principal e auxiliar na primeira viagem e em seguida ser descomissionado. Então senhores,eu pergunto que merd…..a de planejamento, de PMG, em fim de tudo que a marinha fez, botando um balaio de dinheiro em navio velho que não funcionou e em seguida… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Se o PGM do NDD “Ceará” foi tratado assim dessa maneira inconsequente, encomendem a benzedeira p/ os PGM do “Elefante” e do “São Bernardo”, pois vamos precisar.
Por outro lado, se houvesse indústria naval capaz e atuante, daria uma bela encomenda:

NDD(2); NDCC(1); NT(2).

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Dalton,

Mais uma vez obrigado pelos comentários!!! Próximo passo: estudar mandarim!!!

ABULDOG
Visitante
ABULDOG

Continuo dizendo , que por ser um navio anfíbio, e com isso sem necessidade de grandes tecnologias; acho que uma opção interessante para a MB seria observar o projeto da classe do LPD TYPE 071.Vantagem: preço e rápida produção com entrega em curto prazo.
Até gostaria de sugerir uma matéria sobre a classe e como ele poderia ser adequado pra nós(só a título de matéria).

general-lee
Visitante
general-lee

Basura! chatarra!! sem mais para o momento! sds

Dalton
Visitante
Dalton

Não acho que o PMG do “Ceará” foi realizado de maneira inconsequente pela marinha. A pergunta a ser feita é o porque de ter demorado 7 anos para ser concluído ? Trata-se de um navio “velho” é verdade e portanto capaz de surpreender durante um período de manutenção ,mas, a construção da Barroso levou uns bons 14 anos, então o motivo em ambos os casos foi a falta de verbas que vieram na base do conta gotas. Cerca de oito anos atrás, quando planejava-se o PMG do “Ceará” não havia um Siroco à venda então, a marinha foi posta contra… Read more »

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Será que veio com o armamento original.
A Marinha opera o Mistral e o calibre 30 x 173 mm.
Os três lançadores Simbad possibilitam uma boa defesa de ponto. Seria preferível o sistema SADRAL, mas não estamos em posição de exigir nada.
Vindo completo já temos que levantar as mãos pros céus.

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Vale salientar que mísseis guiados por seeker térmico operando no modo LOBL têm boa capacidade antimíssil, mas têm sua eficácia degradada em situações climáticas adversas. Ex: Sea Chaparral, Mistral, Stinger, Igla, etc.
Já os mísseis “térmicos” com capacidade de operação LOAL são praticamente insensíveis às condições climáticas (capacidade “todo tempo” – “all-weather”). Ex: RAM, Umkhonto, IR MICA, etc.

Juarez
Visitante
Juarez

Dalton 3 de novembro de 2015 at 21:19 # Não acho que o PMG do “Ceará” foi realizado de maneira inconsequente pela marinha Dalton,me explica por gentileza, como é que OM como AMRJ fica sete anos trabalhando no navio, entrega ele de volta a esquadra dado com pronto, o navio faz Ciasa, passa na inspeção e na primeira viagem tem pane completa dos sistemas de alimentação elétrica principal(caldeira a vapor/ turbo gerador) no auxiliar de back up(grupos geradores diesel) e fica a deriva. Duas opções: 1 Não fizeram nenhuma manutenção nestes sistemas 2. Fizeream uma manutenção completamente equivocada. E o… Read more »

Iväny Junior
Visitante
Active Member

Bom navio. Mas dada a situação, deveriam ter comprado dois ou três Makassar, a grana de comprar um navio meia vida, daria pra comprar 3 novos.

Dalton
Visitante
Dalton

Juarez… na minha opinião se a marinha tivesse verba suficiente não teria havido necessidade de 7 anos de PMG , portanto foi um período de manutenção longe do ideal que pode ter agravado outros problemas. Navios “velhos” ou “muito velhos” como o NDD Ceará que já havia ultrapassado os 50 anos quando iniciou seu último PMG podem surpreender e normalmente surpreendem é o que já mencionei sobre o último período de manutenção do então USS Enterprise em 2008. Mesmo recebendo total apoio a última manutenção do “Big E” levou 8 meses a mais do que os 16 planejados, e não… Read more »

ZorannGCC
Visitante
ZorannGCC

Juarez!

Belos comentários

Control
Visitante
Control

Srs

O jovem Juarez tem razão.
No Brasil há usinas termelétricas que fazem usos de sistemas de geração por turbo geradores em uma boa quantidade e mais ainda diesel elétricos. Há, portanto, profissionais qualificados para a manutenção de tais sistemas.
É possível acontecer alguma falha em tais sistemas, mas uma falha simultânea nos dois (quando um é retaguarda do outro) é sinal de um trabalho muito mal feito.
Isto não é justificável e é um sintoma de uma péssima atuação da engenharia de manutenção da MB.

Sds

Jean
Visitante
Jean

Eh uma bela nau, que ate uns 4 meses atras estava na ativa da Marinha Francesa, e so esta sendo vendida pq entraram em servico os da classe Mistral. Com certeza sera muito util para a MB

Juarez
Visitante
Juarez

Desde que possamos mantê-lo………

G abraço

Jr
Visitante
Jr

Pelo visto ele ira sofrer um PMG na França antes de chegar no Brasil, ele vira completo com duas embarcações para desembarque de viaturas e material, uma embarcação de desembarque de carga em geral, ferramentas especiais, sobressalentes, instrumentos e equipamentos de teste, documentação técnica, armamento orgânico ( metralhadoras e lançadores de mísseis), equipamentos de salvatagem,combate a incêndio e controle de avarias. Os motores serão os originais, a MAM comprou a SEMT Pielstick e se comprometeu a prestar assistência aos motores a MB aqui no Brasil. Lembrando os armamentos do navio são 3 Simbad, 3 30 mm Breda-Mauser guns, 4 12.7… Read more »

José Luiz
Visitante
José Luiz

Parabéns a marinha pela compra do NDM G 40 Bahia (L 9012 Siroco),

Marcelo Moraes
Visitante
Marcelo Moraes

opa, ao que parece vem com tudo o que tem direito… post novo Editores ?

http://www.jusbrasil.com.br/diarios/103746265/dou-secao-3-09-11-2015-pg-21

daniel bazin
Visitante
daniel bazin

precisamos de um pelo menos um NDD