O futuro destróier USS Zumwalt (DDG 1000) foi ao mar pela primeira vez hoje para realizar testes e ensaios. O navio multimissão irá fornecer presença avançada independente e de dissuasão, apoiando as forças de operações especiais, e operando como parte integrante das forças expedicionárias conjuntas e combinadas.

O futuro destróier USS Zumwalt (DDG 1000) foi ao mar pela primeira vez hoje, saindo pelo rio Kennebec no Maine.

O revolucionário navio de US$ 4,3 bilhões de linhas futuristas será comandado pelo capitão James Kirk.

O Zumwalt de 14.500 toneladas, terá como missão principal prover apoio de fogo naval e defesa aérea em áreas litorâneas, onde navios grandes são mais vulneráveis, e atuarão como navios-capitânia em grupos-tarefa compostos por LCS (Littoral Combat Ships) e submarinos.

O projeto original previa a construção de 32 navios, mas o alto custo de construção reduziu a classe a apenas 3 navios.

As provas de mar vão confirmar se o casco “tumblehome” tem mesmo boas características marinheiras.

FOTO: Marinha dos EUA, cortesia da General Dynamics Bath Iron Works

41
Deixe um comentário

avatar
40 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
25 Comment authors
Pablo VilarnovoFernandoBoscoLywalexandrebm Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Jakson de Almeida
Visitante
Jakson de Almeida

Ta ai uma coisa difícil de entender!Porque os americanos vão empregar um destróier para guerra costeira se eles poderiam empregar uma variante dos seus LCS’s.

Bosco
Visitante

Jakson,
O LCS substituirá as fragatas Perry, os navios contra-minas Avenger e os barcos patrulha Cyclone.
O DDG-1000 vai substituir os couraçados Iowa.
Mesmo havendo uma versão anabolizada do LCS ela não tem como realizar o que um couraçado Iowa fazia. O DDG-1000 o fará.

BrancoF-16
Visitante

“As provas de mar vão confirmar se o casco “tumblehome” tem mesmo boas características marinheiras”.
Olha por 4.3 bilhões deve ter né, se não ferro.

” O Zumwalt de 14.500 toneladas, terá como missão principal prover apoio de fogo naval e defesa aérea em áreas litorâneas, onde navios grandes são mais vulneráveis”
Pequeno ele também não é desloca mais que um navio da Classe Arleigh Burke 9.800 T. vai entender kkkkkk

Alfredo Araujo
Visitante
Alfredo Araujo

Jakson,
Ta vendo os 2 calombos na proa do navio ? São 2 canhões de 155 mm para apoio terrestre…
Essas são as principais armas dessa classe de navios… os LCS estão longe de portar essa arma

Bosco
Visitante

Até agora não instalaram os canhões Mk-46 de 30 mm.

theogatos
Visitante

O prazo citado no post aqui do PN em jul/2014 foi mantido pelo visto estão em dia com o desenvolvimento… Eu tenho uma dúvida, esses US$ 4,3 bilhões é o custo de desenvolvimento? Se fossem construídas as 32 unidades previstas seria USD 134 milhões por unidade relativas ao desenvolvimento (amortizando o investimento) e a este somado o custo de construção? Ou este é o custo de construção das 3 unidades? O que eu estou em dúvida é se esse valor é tão elevado por terem diminuído para 3 unidades (USD 1,4 bi/unidade) ou se fossem 32 unidades seriam USD 45… Read more »

beto carlos
Visitante

deve ser por que o f-35 comeu todo o orçamento das forças armadas americanas

MO
Membro

Humm esta coisa feia USS Feim que doi ao mar …. que coisa … vai sair mesmo …

Em tempo = Porta buneco em primeira escala em Santos, nuncca veio aqui =

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2015/12/ms-rhapsody-of-seas-c6ua2-maiden-call.html

Vídeo + 16 photos

Bardini
Visitante

A US Navy bem que poderia pintalo com o padrão de camuflagem MS 32… Seria uma baita homenagem. E ficaria lindão.

AL
Visitante
AL

Theogatos, acho que esse valor, de USS 4,3 bilhões, foi o valor unitário dele!!! É caro para caramba mesmo esse brinquedo, tanto que cortaram só para três unidades mesmo…

MO, na outra postagem comentei que esse ganha a medalha de ouro no critério UQTR, não?!?!?! Hehehehe.

Luciano
Visitante
Luciano

Rs..eu já ia perguntar onde estava o MO pra ver ese “naviuzim bunito”!rrsrs

Luciano
Visitante
Luciano

#esse

Jakson de Almeida
Visitante
Jakson de Almeida

Galante ,Bosco Alfredo ele pode ter um enorme poder de fogo ,mas vai ter serias dificuldades para manobrar em águas rasas onde um LCS anabolizado poderia “dançar” sobre elas ,quanto a essa coisa de se fazer tudo olhe para um ditado nos EUA: “Jack of all trades, master of none”.
Um navio que custa US$ 4.3 bilhões contra US$ 275 milhões do LCS pode ter a mesma capacidade de cobertura que uma frota de 15/16 LCS’s

Bosco
Visitante

Jakson,
Mas ele não tem que ter a mesma capacidade de operar em locais pouco profundos como o LCS. Ele opera em águas onde submarino operam, ou seja, na plataforma submarina. Seus canhões terão projéteis com alcance de quase 100 milhas. Além disso ele lançará Tomahawks e utilizará os ESSMs para a defesa de área curta.

Bosco
Visitante

Algumas características interessantes atribuídas ao DDG-1000: 1- RCS de um pequeno barco de pesca (??) 2- emissão de ruído semelhante ao de um submarino Los Angeles em patrulha 3- tem 80 lançadores verticais Mk-57 bem maiores que os Mk-41, capazes de lançar mísseis maiores que os atuais mísseis usados pela USN 4- tem propulsão elétrica 5- produz 10 x mais energia elétrica que um Arleigh Burke 6- é o primeiro navio americano a ter um radar AESA, operando na banda X 7- não precisa de iluminadores mecânicos para o ESSM, podendo engajar até 16 alvos ao mesmo tempo e podendo… Read more »

juarezmartinez
Visitante
juarezmartinez

Mas que é troço estranho é, e não é que o americanélicos superaram os Franceses no conceito UQTR, só falta ser frescol…
Bosco, o casco ele ofereceria dificuldade em aguas rasas?

G abraço

Bosco
Visitante

Juarez, Até onde eu sei ele não tem nenhuma característica especial de navegar em águas rasas como é o caso dos LCS que podem navegar até em rios etc. O DDG-1000 tem características que o possibilita operar furtivamente em águas pertencentes a um país inimigo, daí ser de operação litorânea, o que é diferente de poder operar em águas extremamente rasas como é o caso do LCS que tem baixo calado e propulsores tipo jatos d’água. Já o DDG-1000 não tem nada disso. Ele tem é um grande calado que é aumentado pelo domo do sonar e tem propulsão por… Read more »

Oganza
Visitante
Member
Oganza

Na verdade não foi só o custo, ou melhor, seria o custo dedicado exclusivamente a essa classe… – https://www.fas.org/sgp/crs/weapons/RL32109.pdf – Para quem tiver paciência, perceberá nas entrelinhas do CRS report acima, a “preocupação” com a disponibilidade de tripulações em comissões, algo que está meio deslocado no report. Na verdade ter controle de escalas maiores de marinheiros, assim como a sua quantidade, é ter controle de mais verbas indiretamente… Por isso vemos o suporte a novos DDG-51 em detrimento ao DDG-1000 sendo suportado por um discurso inteiramente técnico sobre toda uma rede de coleta de informações que irá dar apoio as… Read more »

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Voa ? O Lord Vader já viu ? E aquele monte de anteninha e caixas d’água redondas ? Eita aviaozinhu ezquesito !

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

4.3 U$$ Bi ? Vixe é o orçamento das FA’s da republiqueta dos estados unidos do brazil pro ano 2016 !

carlos alberto soares
Visitante
carlos alberto soares

Bom falando sério, adoro esses Âmis …. eles não economizam mesmo.
Pergunta:
O que são aquelas “listas” verticais ? Solda ? Marcas de aço ? (duvido). Calandragem certamente não é !

Mauricio Veiga
Visitante

Mais uma obra inspirada no Oscar Niemeyer …

Bosco
Visitante

Carlos,
Aquelas marcas verticais denotam a presença dos lançadores verticais periféricos Mk-57. Existem 6 de cada lado na proa e 4 de cada lado na popa, o que somam 20 lançadores com 4 células cada, o que dá 80 células.
Mas devo concordar que a “emenda” ficou meio esquisita.

Nonato
Visitante
Nonato

Pela foto, não parece ser grande.
A despeito das 12.000 ton.
Outros navios grandes também parecem ter áreas sem utilidade que só servem para aumentar tamanho, peso morto…
O formato dele é diferente. A parte de cima é mais estreita do que a inferior.
Bosco quanto a acabamento feio veja a foto daquele submarino kilo indiano, naquela parte superior preta. Parece feito de Borracha remendada. Rs.

Nonato
Visitante
Nonato

4,3 bi a unidade?
Que partes são feitas de Ouro e quais de diamantes e cristais varovsky?
O que aumenta o preço? O trabalho dos designers?
Ou seriam esses canhões de 155 mm, que parecem-se mais com os canhões usados por piratas do seculo XVI do que aqueles rifles usados na maioria dos navios e o pessoal chama de canhões?

Iväny Junior
Visitante
Active Member

É um monstro. Sendo aerodinâmico, não precisa ser bonito.

Dalton
Visitante

Está se discutindo se vale a pena prosseguir com a construção da terceira unidade o futuro USS Lyndon Johnson. Provavelmente o navio
será concluído pois haveria pouca economia, mas, esse tipo de navio, muito especializado é visto como menos flexível quando comparado com
os futuros Arleigh Burkes Flight III e IV que serão de fato multi propósitos e deverão ter espaço para absorver novas tecnologias testadas nos
Zumwalts. O futuro é o Arleigh Burke repaginado.

Ednardo de oliveira Ferreira
Visitante

Parece um navio monitor, da guerra da secessão.

Caracas… que bicho caro… mas empreendedorismo tem preço. Medíocres nunca desenvolvem. Compram tudo usado e se acha esperto.

Fernando
Visitante
Fernando

De 32 pra 3 unidades é uma baita redução, mas tem alguma previsão de construção de mais unidades? Com um preço desses não tem nação que aguente!

Emerson Alex
Visitante
Emerson Alex

Só sei que tá errado o nome do navio ou o nome do capitão ! É o James Kirk, deveria ser “Enterprise” o nome do DDG1000.

alexandrebm
Visitante

Esse é o B 2 da marinha. De 32 para 3. Gostaria de saber como planejam esses projetos. Devem aprender com o pessoal daqui.

Lyw
Visitante

Bosco, uma perguntinha básica.

Apenas um outro railgun seria eficientemente capaz de interceptar um disparo do railgun de 70mm da USN?

Bosco
Visitante

Lyw,
As armas capazes de interceptar projéteis lançados por obuseiros são mísseis, canhões e lasers de alta energia. Um pequeno projétil 3 x mais rápido que um obus deve precisar de novos sistemas e provavelmente um railgun seria uma opção.
Mas isso é tão avançado e tão novo que só o futuro dirá.
Sds.

Lyw
Visitante

Bosco,
Obrigado pela resposta.
Minha pergunta está relacionada à uma “preocupação” quanto à velocidade da munição do railgun, imagino que talvez os canhões e mísseis atuais não sejam muito efetivos contra estas munições.

Bosco
Visitante

Lyw,
Até imagino que um sistema como o Iron Dome aperfeiçoado possa interceptar um projétil vindo a 3 km/s do tamanho de um projétil 105 mm, mas sem dúvida nenhuma canhões convencionais estão fora de cogitação. Seria impossível um Centurion (Vulcan/Phalanx) ou o sistema Mantis (35/1000), só pra citar dois que são utilizados na função C-RAM, serem usado para essa função.
Sistemas de lasers de alta energia como os que já estão sendo adotados hoje também não seriam capazes de interceptar um objeto tão rápido.
Provavelmente a melhor devesa seria relativa a mísseis e projéteis guiados disparados por outro canhão railgun (ou coilgun).

Lyw
Visitante

Bosco,

É exatamente por aí que estive pensando. Devem estar todos de olho nos resultados deste novo sistema para começar os projetos das contramedidas.

Fernando
Visitante
Fernando

Deve ser caro por causa disso aqui: canhões eletromagnéticos railgun https://youtu.be/NWZPp3aEjuM

Fernando
Visitante
Fernando

Armas eletromagnéticas , lasers, seu combustivel é água!

Pablo Vilarnovo
Visitante

Pessoal, por favor. O custo de US$ 4.3 bilhões é o preço de todo o projeto que inclui a pesquisa, desenvolvimento e construção desse navio. Quando foi imaginado seriam mais de 40 embarcações que iriam ratear o custo fixo do desenvovimento ficando “apenas” o custo de contrução. Quanto maior o número construido, menor o custo unitário.

Bosco
Visitante

O potencial do railgun é imenso. Até há pouco tempo a maneira (teórica) mais eficiente de interceptar mísseis balísticos era na fase inicial, de ascensão, onde o míssil ainda esta com seu motor foguete ligado e ainda não liberou as ogivas múltiplas. Esse método era considerado o de melhor custo-benefício e o mais efetivo, mas que exige interceptadores orbitais, o que além de caro e complexo, vai contra os tratados de não militarização do espaço. A interceptação de meio curso tem sido implementada pelos americanos (GBI, SM-3, THAAD) mas se mostra inviável contra por exemplo um ataque de saturação, mesmo… Read more »