USS Missouri - 1

Nas imagens, convidados civis a bordo do battleship USS Missouri (BB 63) tapam os ouvidos enquanto o navio dispara seus canhões Mark 7 de 16 polegadas durante demonstração de poder de fogo, no “Dependents Day Cruise”.

USS Missouri - 2

Subscribe
Notify of
guest
66 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
piovezam
4 anos atrás

Isso nao aconteceu recentemente… provavelmente ocorreu
entre 1984 e 1988….

Alexandre Samir Maziz
4 anos atrás

Cara tá ai uma coisa que não tem preço felizes foi o civil que teve a oportunidade de ver esse poder de fogo ,vou dar um pitaco fui militar no exercito por 4 anos batalhão de infantaria , na marinha sou um “curioso” mas sempre gosto de ler e pesquisar sobre assuntos militares , acho que nossa marinha deveria voltar a investir em encouraçados pois não temos nenhum navio nessa classe no arsenal , ele impõe respeito , pois como não somos uma marinha que prioriza o ataque e domínio global(EUA) que tem vários porta-aviões espalhados no mundo , seria… Read more »

Oganza
Oganza
4 anos atrás

Affff, levou um mês para tirar o termite impregnado… haja banho… acho até que esses felizes espectadores sentiram o gosto. IMPRESSIONANTE. 🙂

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
4 anos atrás

Piovezam, corroborando o que você escreveu, certamente não aconteceu em tempos recentes, pois o USS Missouri foi descomissionado em 1992, um ano após ter participado da Guerra do Golfo, quando disparou seus canhões em operações reais pela última vez.
.
Foi retirado dos registros da USN em 1995 e anos depois tornou-se um museu em Pearl Harbor. Desde então, disparos como esses só nos efeitos especiais do cinema em luta contra ETs, no filme Battleship.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
4 anos atrás

Alexandre…
Se na 2º GM os encouraçados já eram armas ultrapassadas,, a 70 anos atrás, imagina hoje em dia…

Alexandre Samir Maziz
4 anos atrás

Bem meu caro Alfredo , acho que eles deveriam aproveitar o “conceito” de encouraçados vejo como seria algo do tipo como classe de navio maior que nossas fragatas atuais , com maior poder de fogo também , dai essa classe de navio para mim só ficaria na rondando a nossa costa nunca ia para mar aberto , poderia fazer frente a ameaças de porta-aviões ,eu vejo a ideia como uma arma de supressão de uma armada inimiga ,combinada com um sistema de radar e e aviões que executem missões de patrulha e ASW ,acho que seria sim um sistema eficiente… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Alexandre Samir Maziz
4 anos atrás

Alexandre Samir Maziz, boa noite. . Pelo que entendi você quer reviver o conceito de “encouraçados guarda-costas”, tipo de navio que a MB chegou a adquirir duas unidades no fim do século XIX (que receberam os nomes Deodoro e Floriano), e que algumas marinhas continuaram operando até perto da IIGM. . Creio que o conceito não funcionaria hoje, e muito menos contra ameaças de porta-aviões. O alcance da aviação embarcada num navio-aeródromo é várias centenas de quilômetros superior ao alcance dos canhões de qualquer encouraçado, até mesmo desses canhões que você vê aí na foto. E para embarcar 9 desses… Read more »

Bosco
4 anos atrás

Foi depois de 86 já que estão presentes os CIWS Phalanx que só foram adicionados nessa data.

Jakson de Almeida
Jakson de Almeida
4 anos atrás

Com o canhão electromagnético não é difícil imaginar os cruzadores de batalha de volta no futuro.

Bosco
4 anos atrás

E não foi só o surgimento do porta-aviões que relegou o couraçado à obsolência mas também o dos mísseis antinavios. Uma “lancha” passou a poder portar mísseis com capacidade de neutralizar um navio de grande porte muito além do horizonte.
Um outro fator que não deve ser menosprezado é o da utilização de canhões com tal poder de destruição frente ao politicamente correto prevalente no Ocidente. Hoje não tem vez para canhões que lançam projéteis burros com mais de 1 t a quase 50 km de distância.

Luiz
Luiz
4 anos atrás

O General Belgrano era um Cruzador ou Encouraçado? Qual a diferença?

Bosco
4 anos atrás

O míssil ATACMS guiado por GPS lançado pelo MLRS pesa cerca de 1,7 t, tem alcance de até 300 km, é guiado e já foi lançado com sucesso pelo Mk-41. O Tomahawk tem peso semelhante. Um projétil desse canhão de 16 pol. pesa até 1,2 t com mais 300 kg de carga de projeção, o que soma 1,5 t. Além disso precisa de canhão de 120 t. Três canhões somam 360 t. Três torres somam pelo menos 1080 t (contando apenas os canhões). 1200 projéteis somam mais 1800 toneladas. Total: cerca de 2880 toneladas. Daria pra colocar uns 1700 mísseis… Read more »

Lucio Pinheiro
Lucio Pinheiro
4 anos atrás

Impressionante. Vou ” viajar” com os saudosistas. Também já tinha pensado na possibilidade da volta dos grandes couraçados e cruzadores de batalha, ou pelo menos cruzadores do tamanho dos Vincenes, com uma grande blindagem. O armamento de tubo consistiria em grandes canhões eletromagnéticos desenvolvidos para alcançarem acima de 300km terrestres de alcance, com munições especiais e inteligentes que, após lançadas e aproveitando esse grande impulso do lançamento, acionassem pequenas turbinas acopladas, como mísseis, para aumentarem seu alcance. Um tipo de munição hipersonica, que não precisasse levar grande quantidade de explosivos como as da II GM, ou talvez nenhuma, uma vez… Read more »

Delfim
Delfim
4 anos atrás

Este disparo de demonstração pode ser de carga reduzida ?

Eu ouvi dizer que não ficava ninguém de fora nos conveses de um couraçado quando abria fogo com armamento principal. O deslocamento de ar jogaria os marinheiros pra fora, confere ?

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
4 anos atrás

Bosco… nem precisa ir tão longe…
Os PT boats armados com torpedos já fizeram um estrago na própria 2º GM….

MO
MO
4 anos atrás

PT boats nao fizeram tanto estrago assim nao Alfredao, de uma reavaliada nos dados sobre operacoes com PT boats

Quanto o Grak Belgrano ele era um cruzador leve … ( essa pergunta era seria ?) …

Em tempo:

Cruzeiro de 66 dias, 38 portos, 8 paises

Informacoes sobre a viagem, portos, escalas : http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/02/o-luxuosissimo-navio-de-cruzeiros-5.html?m=1

carvalho2008
4 anos atrás

Os novos couraçados, navios destinados a martelar a resistencia da costa inimiga, tomaram hoje a forma dos Zwnwalt DDG-1000. A couraça em si foi abandonada pois a energia dos projeteis e misseis torna a melhor blindagem em uma casca de ovo, então o negócio é nao ser atingido e para tanto stealth. Mas eu não gosto mund deste negócio em si como invisibilidade como a baça de prata, se e dificil para um avião, imagine para um navio. Deveriam mais é ter simplificado o projeto e ter transformado em um cruzador submersivel….ai sim ele fica invisivel….chega sorrateiro, emerge e lança… Read more »

Control
4 anos atrás

Srs Os encouraçados, em geral eram construídos para suportar projéteis de canhões da ordem dos canhões do próprio navio ou de um grau abaixo (exemplo: canhões de 15 pol., blindagem para 14 pol.). Os mísseis atuais não fariam cócegas na estruturas principais dos grandes encouraçados, só destruindo as áreas “moles”. É claro que com isto, eles ficariam “cegos”, mas não afundariam. A razão de sua “extinção” foi o seu custo de manutenção e o abandono do conceito de batalhas navais no alcance dos canhões.. Apesar disto, observem que os Iowa foram reativados duas vezes para apoio de fogo e só… Read more »

Alexandre Samir Maziz
4 anos atrás

Bom dia Fernando “Nunão” De Martini gostei da sua observação na frase :A não ser que você pense em canhões de calibre bem menor, mais modernos e de cadência mais alta, como é o caso dos que equipam a nova classe “Zumwalt” dos EUA (canhões com pouco mais de um terço do calibre desses aí da foto), com deslocamento perto de 15.000t., pensei nisso mesmo num navio maior e com poder de fogo maior que nossas fragatas , uma espécie de encouraçado “moderno” , muito bom esse blog aqui pois temos altos debates , as vezes discordamos de alguns pontos… Read more »

BrancoF-16
4 anos atrás

Nessa parte os civis americanos tem ou tiveram boas oportunidades de ver materiais bélicos em ação, se eu tivesse a chance gostaria de ir em todos kkkk

horatio nelson
horatio nelson
4 anos atrás

misseis são interceptados por misseis,não conheço a eficacia de misseis contra projeteis…pode se disparar 80 misseis contra o uss ford que suas contra medidas inutilizarão todos…pelo menos um encouraçado inviabilizaria uma cabeça de ponte…

Marcus Silva
Marcus Silva
4 anos atrás

Essa foto é de 24 de agosto de 1988, data deste evento, consta dos arquivos nacionais dos EUA.
No dia do evento, os civis a bordo eram familiares de tripulantes, e na operação o USS Missouri estava acompanhado pelo USS Merrill, DD976 da classe Spruance.

Jose Souza
4 anos atrás

hoje … um míssil… a 300km da costa o leva a pique….

Bosco
4 anos atrás

Horatio, Na década de 80 o velho míssil Sea Wolf já interceptou projéteis de 114 mm do canhão Mk-8. Hoje em dia é bem consolidado o conceito de interceptar projéteis de artilharia dentro do denominado C-RAM (contra foguetes, morteiro e projéteis de artilharia). O problema relativo a interceptar um projétil de 1 t de um canhão desses é exigir um impacto direto e mesmo que isso provoque a explosão dele, por estar em uma trajetória balística muitos fragmentos cairão no navio. Mas em termos de dificuldade de atingir o projétil essa não existe não. Claro, uma salva de 9 tiros… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Bosco
4 anos atrás

Bosco, bom dia. . Sobre a blindagem de um Iowa suportar impactos de mísseis – pensando nos mísseis antinavio atuais – creio que suportaria sim, mesmo pensando em mísseis supersônicos ou com ogivas de peso considerável. . Essas blindagens eram feitas para aguentar o impacto de projéteis perfuradores de blindagem que chegavam a pesar entre 800kg e 1.200kg, dependendo do tipo (embora a carga explosiva tivesse peso muito menor que o do projétil inteiro). E a velocidade era considerável: dentro do tubo, atingiam cerca de 700m/s (mais ou menos 2.500km/h), e mesmo com a desaceleração posterior, atingiam um alvo a… Read more »

Dalton
4 anos atrás

É tentador comparar os novos “Zumwalts” com os “Iowas” ao menos na função de apoio de fogo, mas, há problemas com isso: . Em primeiro lugar apenas 3 “Zumwalts” serão construídos e eles não escaparão da forma como a US Navy emprega seus navios, ou seja, um estará em missão de 7 meses, outro estará treinando e o terceiro estará em manutenção, além do mais cada um deles terá apenas 2 canhões de 155 mm em que pese no futuro um dos canhões possa ser substituído por um “rail gun” contra 9 de 406 mm em um único encouraçado. .… Read more »

john Paul jones
john Paul jones
4 anos atrás

Prezado Delfim, vc está correto, se prestar atenção nesta bordada apenas um canhão por torreta está atirando e provavelmente com a carga de propulsão reduzida, para salva … Na 2GM ou em tiro real as cargas de propulsão eram muito maiores e com o projetil anexado (acho que 42 pol), neste caso uma sirene tocava antes no convés determinando o abandono dos postos pelos artilheiros de calibres menores (canhões AA) e todos se abrigavam cobertas baixo. O risco da bordada com carga máxima era lançar o tripulante no mar e a onda de choque destroçar os timpanos e orgãos internos,… Read more »

john Paul jones
john Paul jones
4 anos atrás

Desculpe, 03 x 03 x 16 pol (403 mm).

42 Pol eram uns morteiros gigantes alemães rs …..

Bosco
4 anos atrás

Valeu Nunão!

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Bosco
4 anos atrás

“Bosco em 10/02/2016 as 12:11 Valeu Nunão!” . Bosco, boa tarde. . Só “valeu”? Nada disso! Pode colocar mãos à obra! (rsrsrsrs) . Segue uma imagem sobre esquema de blindagem “tudo ou nada” de um encouraçado americano (embora seja de classe mais antiga que a Iowa, mas serve, pois inaugurou o esquema na USN) com as espessuras indicadas em cada local, como cinturão, conveses, barbetas, anteparas, para você comparar com o poder de penetração de ogivas perfuradoras de blindagem modernas. 🙂 https://orig14.deviantart.net/ce0a/f/2007/080/4/f/all_or_nothing_by_lioness_nala.jpg . PS – segue também um esquema de blindagem da classe Iowa, embora seja menos fácil de entender:… Read more »

Felipe Silva
4 anos atrás

Achei esse vídeo explicando o funcionamento das armas de 16”. https://www.youtube.com/watch?v=Dg-cNmLRgiU

horatio nelson
horatio nelson
4 anos atrás

valeu ai bosco,vc como sempre a anos luz de nossa compreensão, vendo os comentários estou cada vez mais convencido d q se fosse um ditador no poder investiria em encouraçados…com 3 torres de 510mm…misseis moskit aperfeiçoados…algumas baterias de sea sparrow e algumas 20mm Phalanx e a versão naval do s-500 e como o nunão nos lembrou ficaria vulneravel a toda e qualquer ameaça submarina q sempre foi o maior problema dos encouraçados…yamato q o diga atingido por 10 torpedos…sei q o futuro da guerra é a informatica,mais os eua ja devem possuir toda a tecnologia capaz de inutilizar todo sistema… Read more »

MO
MO
4 anos atrás

Wm tempo de classicos um classico soviético amanha em Santos:

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/02/mv-marco-polo-c6jz7-classsico-da.html?m=1

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
4 anos atrás

MO, que belo navio! Isso é coisa de pinicovsky de pardalvsky!!!
Suspende amanhã também?

Bosco
4 anos atrás

Nunão, Sem dúvida é muita blindagem mas eu tenho dúvidas se isso aí consegue barrar mísseis antinavios e projéteis navais gigantes de 16 pol. e assemelhados que tem ogivas com massas bem avantajadas e alta energia cinética. A ogiva antinavio típica é a chamada semi-perfurante que é só um projétil de aço com uma carga de arrebentamento no interior e que usa a velocidade e a massa para penetrar seu alvo onde então explode acionada por uma espoleta de retardo. Diferente dos blindados na guerra terrestre que têm blindagem complexa não raro com resistência à penetração 10 x maior que… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

Off Topic, sem discussões por favor:
(Talvez chegue num Alto Oficial General da MB).
Reitero, sem discussões, aguardemos fatos e certamente os Editores publicarão,
já o fizeram no PA no assunto FX 2. Portanto estão acompanhando-os. SEM DISCUSSÕES.
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/02/1738471-ex-presidente-da-andrade-gutierrez-volta-a-ser-preso-pela-pf.shtml

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

Control 9 de fevereiro de 2016 at 10:17
Foi dessa classe que “mandaram fogo pra riba” de Trípoli na década de 80 após o atentado a Embaixada dos Âmis ?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

Gostei muito do “ping pong” ai “pra riba”.
Mas um torpedo em direção a popa (“hélices”) ou num outro ponto (“casa das máquinas”) seria eficiente ?

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

Desculpem, estou ficando louco ….. BEIRUTE …. nada de Trípoli (Capital do Sudão rsrsrsrs) ………… Líbia.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás
ZANZAN_PAMPA
ZANZAN_PAMPA
4 anos atrás

Será que não é uma foto de propaganda, uma montagem?O Missouri não atira assim: todas as bocas de fogo ao mesmo tempo!Cadê o recuo dos canhões e consequente diminuição da visualização das luvas na base dos canhões?

AL
AL
4 anos atrás

Zanzan, por essa época os encouraçados não atiravam mais com todos os canhões ao mesmo tempo. Era com um canhão de cada torreta, então eram três salvas consecutivas no espaço de segundos. Isso ocorria por causa da idade dos navios, a estrutura deles não aguentaria mais uma salva completa dos 9 canhões ao mesmo tempo. Com relação ao recuo do canhão, amplie a foto e perceberá que, se não estiver enganado, no momento da primeira foto, eram os canhões do meio de cada torreta que estavam disparando, pois a luva justamente do primeiro canhão do meio é que não é… Read more »

Mahan
Mahan
4 anos atrás

O cruzador Russo Pedro, o grande, não se enquadraria na categoria “Cruzador de Batalha”? Poder de fogo suficiente para encarar unidades principais inimigas, os NAe Americanos, mas sem couraça e dotado de grande velocidade. E se de alguma forma o cenário de “Battleship” se tornasse real? O espectro eletromagnético estivesse tão saturado que a tecnologia atual fosse tornada inútil? Os enormes canhões dos couraçados voltariam a ter vez?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
4 anos atrás

Sim, Mahan, o termo “cruzador de batalha” ressurgiu justamente após o aparecimento da classe “Kirov”, à qual pertence o Pyotr Velikiy (Pedro, o Grande).
.
Não creio que os canhões de encouraçados voltariam a ter vez no caso mencionado, só na ficção mesmo, em que se consegue colocar em operação em poucas horas um encouraçado museu. Só daria tempo de vermos tiros de canhões já existentes em navios operacionais, desde que estes permitissem o uso da velha mira “eyeball mk1”.

Delfim
Delfim
4 anos atrás

Sr. Soares Sim, choveu muito chumbo quente após o atentado na embaixada americana em Beirute. Os impactos de projeteis de 16″ deixavam crateras de dezenas de metros. Ainda assim, os gringos deram no pé. Oriente Médio não é para fracos. Qualquer país ocidental que queira se envolver militarmente naquela região, deve estar pronto pra receber uma parcela dos soldados de volta em sacos pretos. . Mahan Cada vez que leio “cruzador de batalha” lembro do Hood, do Scanhorst e do Kirishima. Apesar do tamanho e da velocidade, suas blindagens e armamentos não eram páreo para couraçados, e pagaram caro por… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
4 anos atrás

Caro Delfim 11 de fevereiro de 2016 at 19:51
Aquela região há somente um País que entra, vence e depois sai,
Shalom

mauriciosilva2014
mauriciosilva2014
4 anos atrás

Olá. Prezados, por mais que se goste e fique impressionado com o poder de fogo, as dimensões e, principalmente, a robustez de vaso da Classe Iowa, o tempo dos couraçados acabou. E isso há muitas décadas. Já na IIGM, o tipo poderia ser considerado ultrapassado. Seus momentos de glória se deram na Batalha da Jutlandia e na Batalha de Tsushima. A Batalha do Golfo de Leyte foi o “canto do cisne” do tipo. Um couraçado “tradicional” poderia (em tese) “estraçalhar” qualquer vaso contemporâneo. Mas para isso, precisaria estar na distância correta e com os inimigos no alvo. Ou seja, venceria… Read more »

Dalton
4 anos atrás

Delfim…

os “gringos” estão acostumados com “sacos pretos”, o problema é que combater um inimigo que se esconde atrás da população civil é
um grande problema. Os russos não se importam tanto com isso e bombardeiam tudo e a todos mas mesmo eles estão praticamente
apenas dando apoio aéreo ao governo sírio assim como os EUA já estavam fazendo no último ano da guerra do Vietnã com a decisão de
deixar o Vietnã do Sul como responsável pela luta contra o norte e os russos também não se deram bem no Afeganistão…não são apenas
países ocidentais não !

ZANZAN_PAMPA
ZANZAN_PAMPA
4 anos atrás

Obrigado ao colega “AL” pelos esclarecimentos!

victot filipe
victot filipe
4 anos atrás

Toda essa discussão sobre Battleships me lembrou o jogo Word of Warships, alguem ai joga?

Marcio Messias Soares
4 anos atrás

os japas, na segunda guerra construíram dois belos e majestosos couraçados, causavam terror na marinha americana: O YAMATO e o NAGATO, o que tinha de maravilhoso, as lanchas torpedeiras disparavam e o máximo que causavam em seus casco de 700 mm era um coluna de água e estes dois , que pesavam, 40 MIL TONELADAS O NAGATO e o YAMATO 70 mil toneladas!! um absurdo para época, sendo que um porta aviões nos dias de hj, pesam 95 mil toneladas. Pena que estes dois tiveram triste fim, o NAGATO, desmontado, seus canhões de 400 mm foram usados para proteger o… Read more »