Varunastra - 1

A Marinha da Índia colocou oficialmente em serviço o torpedo pesado Varunastra de projeto e fabricação autóctone. O torpedo de 533mm de diâmetro e 1.500kg de peso é uma arma antissubmarino desenvolvida pelo Naval Science and Technological Laboratory (NSTL) da agência indiana DRDO (Defence Research and Development Organisation).

O torpedo pode atingir velocidades de até 40 nós e é propulsado por múltiplas baterias de 250 KW de óxido de prata-zinco (AgOZn).

A arma leva 250 kg de explosivos, tem 95% dos componentes feitos na Índia e custa US$ 1,8 milhão a unidade.

A gestação do Varunastra foi complicada e o torpedo levou 10 anos para ficar pronto.

Varunastra - 2

Varunastra - 3

Previous articleGrécia recebe os dois últimos submarinos Type 214
Next articlePorta-aviões USS ‘John C. Stennis’ e ‘Ronald Reagan’ operam juntos no Mar das Filipinas
Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Moreno

Por ai se vê o trabalho que a Mectron terá pela frente.

CM

bosco123

Lançado por navios???

fonseca

fonseca

está mais caro do que um tomahawk? caro demais. sem nenhuma vantagem de fazer na Índia.

Jakson de Almeida

“Sem nenhuma vantagem de fazer na Índia”!!!Pergunte aos argentinos se eles teriam gostado de fabricar um míssil anti navio na guerra das malvinas.

MO

é como uns artistasaqui enaltecendo a ARMADA nassionau e tirando sarro a epoca do lançamento do SSN indiense sem reaator … obvio que grande parte destes artistas nem se lembram mais que um dia postaram aq1ui, vamos ver quem será os artistas desta vez ….

em tempo:

450.000 t. de navio a contrabordo (ambos) em São Seba em operação STS …

VLCC Flandre / FNJU

Atracação a contrabordo em operação STS com o N/T Dragão do Mar / PPSJ, hoje, dia 29, em SSB

10 photos

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/06/mt-flandre-fnju-vlcc-em-transferencia.html

Alfredo Araujo

“fonseca 29 de junho de 2016 at 20:49
está mais caro do que um tomahawk? caro demais. sem nenhuma vantagem de fazer na Índia.”
.
Pq as pessoas tem a mania de SOMENTE olhar os aspectos econômicos de qualquer projeto na área de defesa ?
E a independência logística ? E o conhecimento adquirido ?

bosco123

Fonseca,
O nível de complexidade de um torpedo pesado é muito maior que o de um Tomahawk.

by mauro

Parabéns em adquirir tecnologia, é muito bom testar novas tecnologias, melhor do que não fazer nada.

fonseca

Prezados Jackson e Alfredo. Obrigado pela deferência em fazerem remissão aos meus comentários. Na verdade estamos falando a mesma língua e não temos posição antagônicas. Deixe-me esclarecer melhor a situação, o que meu pensamento, longe de ser uma verdade, mas apenas um ponto de vista. E posso estar enganado. Grosso modo, sabemos que, no mundo perfeito, teríamos os melhores armamentos, feito em próprio território e com tecnologia nacional e a preços baixos. Só que conseguir juntar tudo isso nem sempre é fácil e possível. Deve ser um objetivo a ser alcançado, mas sem sempre é a solução mais prática e… Read more »

fonseca

Aí, entre alguns desenvolvimentos nacionais, podemos comprar o meteor que é o bicho, ou alguns harpoons. mísseis confiáveis a preços razoáveis. Se for para desenvolver um que fique muitos mais caros do que esses aí e sem confiabilidade, não dá.
Ás vezes, passa-se 20 anos em um projeto desses e ou não conseguem ou fazem com muita defasagem. seria como passar cem anos desenvolvendo uma boa flecha. Quanto está pronto, já existem os rifles…

fonseca

Bosco, até um tepo atrás, falava-se no tomahawk como sendo o estado da arte e o míssil de cruzeiro padrão dos EUA. e de um valor muito elevado. tem que voar pelo menos uns 1000 km, a baixa altitude, desviando montanhas, etc.
o que um torpedo tem de mais complexo? antigamente eram bem rudimentares. usavam hélice… já existiam na segunda guerra, eu acho.
você poderia detalhar isso?

bosco123

Fonseca, Os torpedos da SGM eram de corrida reta, não guiados, com velocidade máxima de uns 30 nós e alcance de uns 10 km. Hoje são guiados (por sonar ativo e passivo), com espoletas inteligentes, com alcance de uns 50 km, velocidade de mais de 60 nós, guiados por fio ou fibra ótica. O sistema propulsor é elétrico ou térmico, utilizando hélices contra-rotativas ou jato d’água. O software e o sistema de orientação deve ser muito avançado de modo a detectar um submarino silencioso ou não ser desviado por despistadores. E ainda tem o fato da escala de produção, que… Read more »

bosco123

Fonseca,
Eu respondi mas ficou preso no anti-spam. Amanhã eles liberam. rsrss
Um abraço e boa noite.

Airacobra

Fonseca, boa noite, o que quiseram dizer é que só se sabe a real necessidade de se ter um armamento fabricado localmente mesmo que inferior a similares produzidos fora é quando se sofre um embargo durante algum conflito, usando como exemplo o caso da Argentina na guerra das malvinas, se com 5 exocet os argentinos ja fizeram algum estrago, imagina se os franceses não os tivessen embargado e entregassem todos os exocet encomendados pela Argentina, e se eles tivessem um missil antinavio de produção local como back-up, mesmo que de desmpenho inferior como o poppeye? Só conhece a verdadeira vantagem… Read more »

Farias Cardoso

Enquanto isso, no Brasil, o senado aprova reajuste salarial do Judiciário e do MP, com impacto de R$ 25 bilhões. Isto é que é desperdício e CARO para o Pais.

Lyw

Exato Airacobra.
Lembrando que a maioria dos ataques aéreos da Força Aérea Argentina contra navios da RN foi com bombas burras lançadas “a queima roupa” por aeronaves A-4 Skyhawker. Um míssil antinavio, mesmo que de baixo desempenho, faria muita diferença.

Existe uma série de vídeos interessantes intitulados Los Combates Aéreos en Malvinas que podem ser encontrados facilmente no Youtube e mostram o esforço dos argentinos voando com seus A-4 por cima das fragatas da RN com suas bombas.

Jodreski

Eu assino embaixo em quase tudo o que o Fonseca disse e ainda trago o assunto para o campo brasileiro, o que vale para nós? Temos uma força de defesa (ou deveríamos ter) que ao meu ver deveria ser enxuta e muito bem armada e moderna, e eu acredito piamente que as três forças gastam muito mal o pouco de dinheiro que recebem, isso em contar a famosa despesa que a folha de pagamento nos dá. Cansei de ver projetos de reaparelhamento que envolvem a tão famosa tran$ferência de tecnologia. Acho que é válida sim! Porém em casos aonde você… Read more »

Danton

Discurso de “força enxuta” é para países pequenos e não “baleias”! A não ser que a população fosse armada como nos EUA! #simplesassim

Altair Marques

Uma pergunta meus amigos. Como são colocados os torpedos dentro dos Subs.?

Luiz Campos

Países do oriente médio, exceto Israel. Turquia talvez um pouquinho independente em armas.

sergio ribamar ferreira

Desenvolver e aperfeiçoar indústria nacional para fabricação de armamento. Sou a favor. Pergunta: temos algum desenvolvimento de torpedo pesado ou míssil.? Concordo com o Sr. galante. Obrigado.

Jodreski

Minha opinião: O pior é tentar fabricar suas próprias armas, gastar rios de dinheiro, produzir um produto de qualidade e desempenho inferior ao que já existe no mercado e que ainda tenha um custo unitário superior. Como resultado ainda tenha que reduzir a quantidade a ser comprada pois o a verba cessou e em 10 anos, ou menos, todo o know how da fabricação ter sido perdido por falta de continuidade de produção. Muito repeito aos que defendem esse pensamento, porém se isso traduzisse em algum ganho as nossas forças armadas não estariam tão mal servidas de equipamento como estão… Read more »

bosco123

Altair,
Tem submarino que tem uma abertura própria por cima por onde os torpedos entram. Outros entram no submarino pelos próprios tubos de torpedos.
comment image)
(https://i.imgur.com/fhKTETc.jpg)

sergio ribamar ferreira

Sr. Jodreski. eu não discordo de suas opiniões pelo contrário, também sou a favor de compra de equipamentos militares, porém segurança externa e interna não são tratadas como questão de Estado e sim de governo. as forças armadas fazem o que podem para se manterem. temos de ter, sim uma indústria de defesa que possamos construir nossos meios de defesa. o problema não está na construção de equipamentos nacionais como o Sr. citou muito bem mas sim na má gestão, burocracia, política errada, incompetência, desvio de dinheiro público…Sou a favor deda Engenharia reversa em algumas situações e acordos com países… Read more »

Altair Marques

Bosco, muito obrigado pela resposta.

Acredito que o sistema onde o torpedo é colocado pelo próprio tubo de lançamento seja trabalhoso demais pois deve necessitar de um alinhamento quase perfeito entre torpedo x tubo, isso sem falar que provavelmente a folga entre o diâmetro do tubo e o diâmetro do torpedo deve ser bem pequena. Para fazer um carregamento completo deve-se levar um bom tempo.

Abraço.

renata

Parabéns em adquirir tecnologia, é muito bom testar novas tecnologias (Renata esposa de Paulo Serpa