Grumman Avenger a bordo do NAeL Minas Gerais
Grumman Avenger a bordo do NAeL Minas Gerais

100anosNo segundo semestre de 1960 o NAeL Minas Gerais encontrava-se na Europa realizando testes com o aparelho de parada e com a catapulta. Nesta época, a MB recebeu três Grumman Avenger usados, doados pelo Governo dos EUA. Foram os primeiros aviões da Marinha desde o início dos anos de 1940. Porém, as aeronaves eram somente para adestramento da equipe do convés de voo e não para uso operacional. No entanto, elas tinham plenas condições de vôo e assim o fizeram quando vieram ao Brasil.

A Marinha, através da Diretoria de Aeronáutica, passou então a avaliar a compra de aeronaves de asas fixas de uso operativo. Não era uma tarefa fácil, pois a Marinha não contava com o respaldo do Governo e o Ministério da Aeronáutica exercia forte oposição. Em 1962, sob o mais absoluto sigilo, a DAerM passou a negociar a aquisição de aeronaves no exterior. A aquisição, o transporte e o desembarque dessas aeronaves também foram cercados por mistérios e ainda hoje alguns pontos não foram totalmente elucidados.

Seis Pilatus P.3 para instrução foram adquiridos diretamente do fabricante. Um outro lote de seis NA T-28 convertidos, também foi comprado para ser utilizado em operações aéreas embarcadas. Ambos vieram para o Brasil desmontados e encaixotados no interior de Navios de Transporte da própria Marinha.

Quando o NTrT Soares Dutra, atracou no cais do AMRJ, as caixas contendo as partes dos T-28 foram transferidas durante a noite para o NAeL Minas Gerais através de embarcações de desembarque. No hangar do NAeL, os aviões foram montados sob a supervisão de um técnico dos EUA, prontificados e testados para vôo. No dia 17 de outubro de 1963, os aviões decolaram do NAeL em direção a BAeNSPA.

NA T-28 da Marinha preservado no Museu Aeroespacial (MUSAL) no Rio de Janeiro
NA T-28 da Marinha preservado no Museu Aeroespacial (MUSAL) no Rio de Janeiro

Uma pista “clandestina”

Assim como os T-28, os Pilatus também vieram desmontados em caixotes. Quando os mesmos chegaram, decidiu-se enviá-los para o hangar do esquadrão HU-1, na época localizado no km 11 da Av. Brasil (Rio de Janeiro). Lá, as aeronaves foram desencaixotadas e montadas. Mas havia um porém. As instalações do HU-1 não contavam com uma pista para aviões. Optou-se então por construir uma pista de solo compactado nos fundos do terreno do HU-1. Com um comprimento de 600 m, a pista seria paralela a pista principal do Aeroporto do Galeão (onde também funcionava algumas unidades da FAB), afastada cerca de 2 km da mesma. Para noroeste, a pista seria limitada pelas instalações da Liga de Esportes do Arsenal de Marinha e para sudeste o limite seriam os prédios da Escola de Marinha Mercante. Para evitar a detecção por aeronaves da FAB a decolagem ocorreria logo nas primeiras horas da manhã. Naquele horário, o vento predominante vinha da barra, portanto os aviões teriam como obstáculo o prédio da Escola de Marinha Mercante.

A pista foi construída em três meses e contou com a assessoria técnica do 8º distrito do DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem). O Corpo de Fuzileiros Navais contribuiu com o maquinário necessário e alguns operários foram contratados nos bairros próximos.

As aeronaves decolaram ao nascer do sol conforme programado anteriormente. Porém, quando a primeiro Pilatus acelerava sob a pista improvisada, um C-47 da FAB preparava-se para fazer o mesmo no Galeão. O Pilatus passou por cima do prédio da Escola de Marinha Mercante e seguiu em direção a São Pedro da Aldeia. A rota passava por Saquarema e Araruama, antes do pouso na base aeronaval. Como as aeronaves não dispunham de rádio, cinco helicópteros do HU-1 ficaram posicionados ao longo da rota e informavam sobre a passagem dos Pilatus. A manobra com os cinco Pilatus foi bem sucedida e a sexta aeronave, por motivos técnicos, foi enviada posteriormente via terrestre.

A imagem de satélite acima apresenta a ponta sul da Ilha do Governador e parte do bairro da Penha (Rio de Janeiro) nos dias atuais. O traço vermelho reproduz a pista não pavimentada de 600 m construída atrás das antigas instalações do esquadrão HU-1. Reparar no paralelismo com a pista do aeroporto do Galeão
A imagem de satélite acima apresenta a ponta sul da Ilha do Governador e parte do bairro da Penha (Rio de Janeiro) nos dias atuais. O traço vermelho reproduz a pista não pavimentada de 600 m construída atrás das antigas instalações do esquadrão HU-1. Reparar no paralelismo com a pista do aeroporto do Galeão

Surge o “Fragata”

A chegada ao Brasil do NAeL Minas Gerais só piorou a relação entre as duas pastas ministeriais (Aeronáutica e Marinha), que já não era boa. A rápida expansão da Aviação Naval encontrou um sério obstáculo. A FAB passou a vigiar toda e qualquer nova encomenda aeronáutica para a Marinha. Inclusive ameaçou com retaliações os seus fornecedores que atendessem as solicitações da Marinha. Sabendo das suas necessidades e reconhecendo as dificuldades, a Aviação Naval opta por uma solução “caseira”.

A idéia inicial era projetar e fabricar em série uma aeronaves de treinamento. Foi então criada a Companhia Brasileira de Aeronáutica (CBA), ocupando parte das instalações da Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia na área conhecida como “Divisão V-3”. Coube ao Eng. Marc William Niess o projeto do avião. Niess também era piloto e instrutor de vôo.

Perfil ilustrativo do projeto Niess 7-250 "Fragata". A pintura aqui representada assemelha-se ao padrão utilizado pelos Pilatus da Aviação Naval e pelos próprios Mentor da Marinha norte-americana. Desenho: Guilherme Poggio
Perfil ilustrativo do projeto Niess 7-250 “Fragata”. A pintura aqui representada assemelha-se ao padrão utilizado pelos Pilatus da Aviação Naval e pelos próprios Mentor da Marinha norte-americana. Desenho: Guilherme Poggio

O projeto foi então denominado Niess 7-250. O número “7” representava o sétimo modelo criado pelo engenheiro Neiss e o número seguinte indicava a potência proposta para o motor. Além disso, foi acrescentado o nome de uma ave marinha – “Fragata”. O “Niess 7-250 Fragata” foi projetado como uma aeronave biplace (em “tandem”), monomotor, de construção metálica, dedicada a cumprir missões de treinamento avançado e treinamento armado.

Em linhas gerais, lembrava muito o T-34 Mentor da Beech Aircraft, porém com a deriva inclinada. Uma segunda versão do avião seria equipada com asas dobráveis e gancho para operação a bordo do NAeL Minas Gerais. Isso fez do Fragata o primeiro avião projetado no Brasil para uso em navios-aeódromos.

O projeto evoluiu relativamente rápido diante da situação. Um protótipo chegou a ficar pronto no final do ano de 1964. Porém, quando estava quase pronto para voar, o presidente Castelo Branco decidiu encerrar a crise entre os dois Ministérios, cabendo à Marinha operar somente o uso de helicópteros. Essa decisão decretou o final do projeto Fragata bem como o encerramento das atividades da Companhia Brasileira de Aeronáutica.

NOTA: texto originalmente publicado no site ANB – Aviação Naval Brasileira

Bibliografia

  • LYNCH, P. O voo do Falcão Cinza. Ed. Grafitto: Rio de Janeiro, 2003. 391 p.
  • FLYING REVIEW INTERNATIONAL. Naval Air Arm Goes Onboard. News in Brief. Dez. 1963. v. 19, n. 7, p.4.
  • MARINHA DO BRASIL. Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia (BAeNSPA)
  • ANDRADE, R. P. – 1991 – História da Construção Aeronáutica no Brasil. Artgraph Ed.: São Paulo, 1991.  327 p.
Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Valim
Valim
4 anos atrás

Parece que a Marinha manteve a tradição ao adquirir os A-4. Primeiramente foi realizada a “Compra de Oportunidade” das 23 aeronaves com recursos próprios e depois foi batalhar a autorização para operá-las. Grande coragem de nossas Autoridades Navais. Se fosse depender de uma autorização prévia, ainda estaríamos operando somente asa-rotativa

Renato Clementi
Renato Clementi
4 anos atrás

Que emblema bonito o de comemoração dos 100 Anos de Aviação Naval.

zamzam_pampa
zamzam_pampa
4 anos atrás

Santa mesquinhez!Irmão contra irmão.Enquanto isso os argentinos ao lado já se adiantavam em muito ao Brasil.Chegaram a ter aviões navais que rompiam a barreira do som em mergulho, se não me engano 11 deles!

jose luiz esposito
jose luiz esposito
4 anos atrás

Nós cometemos o mesmo erro italiano , que durante a II Grande Guerra , deixou a Marinha italiana moderníssima sem uma Aviação própria ,praticamente indefesa perante a Royal Navy !!

Dalton
4 anos atrás

josé… não é bem assim…o NAe era uma novidade ainda nos anos 30, mesmo a marinha francesa considerada similar à italiana, só possuía um único e limitado NAe o “Bearn”… mesmo assim os italianos introduziram no fim dos anos 20 um pequeno “porta hidroaviões” o “Giuseppe Miraglia” que tenho em minha coleção na escala 1/1250 e construíram um NAe com assistência alemã, o “Aquila” que não chegou a entrar em serviço até pela capitulação italiana ainda no ano de 1943. . Mesmo à Alemanha que estava em um nível muito mais avançado que a Itália, não possuía uma aviação naval… Read more »

Zé Barreira
4 anos atrás

A compra dos A4’s da maneira que foi feita demonstra a coragem , determinação e inteligência dos verdadeiros marinheiros que fazem parte dos verdadeiros brasileiros patriotas que ainda resistem até hoje aos desmandos e politicagens corruptas que assolam a nossa Nação.
BRASIL ! MARINHA !