Home Indústria Naval Itália recebe sua quinta fragata FREMM, versão ASW

Itália recebe sua quinta fragata FREMM, versão ASW

5089
36

its-alpino

A Marinha Italiana recebeu sua quinta fragata FREMM (Frégate Européenne Multi-Mission), quarto e último navio da variante modificada para guerra antissubmarino (ASW).

A fragata ITS Alpino foi entregue à Marinha em 30 de setembro, durante uma cerimônia com a presença de Timothy Rowntree, diretor da agência europeia de contratos de defesa OCCAR, que está gerindo o programa em nome da Itália.

Estiveram presentes também o contra-almirante Matteo Bisceglia, chefe naval da direção de compras de armamentos do Ministério da Defesa italiano; Giacomo Sardina, executivo-chefe da Orizzonte Sistemi Naval e representando a joint venture entre a Fincantieri e Leonardo como contratante principal do programa FREMM; e Angelo Fusco, vice-diretor da Fincantieri para programas navais.

São planejadas mais 5 fragatas da classe FREMM para a Itália, da versão de emprego-geral.

fremm-alpino
A Alpino vista por bombordo
Centro de Operações de Combate da FREMM Alpino
Parte do Centro de Operações de Combate (COC) da FREMM Alpino

36
Deixe um comentário

avatar
36 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
Ádson Caetano AraújoKemenIväny JuniorDaltonRogerio Rufini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Mauricio R.
Visitante

OFF TOPIC…, mas nem tanto!!!!
.
Arte do provável “2º porta-aviões” italiano, um LHA que deverá se chamar “Trieste”:
.
(http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2016/10/open-comment-post-oct-7-2016.html)
.
A ilustração aparece na seção de comentários do link acima.

Mauricio R.
Visitante

OFF TOPIC…, mas nem tanto!!!!
.
Como fidelizar o cliente, helicóptero AW-159 “Wildcat” britânico operará de fragata alemã:
.
(http://alert5.com/2016/10/08/royal-navy-to-deploy-aw159-wildcat-on-german-frigate/)

Bardini
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

MR 1) Valeu, mas o déficit Italiano está ascendente. 2) Vejo mais como uma “joia” da Leonardo contrapondo o Lynx _________________________ Bardini Me chamou atenção: *************************************** SISTEMA DI COMBATTIMENTO Sistema configurabile a secondo delle esigenze del cliente che può essere costituito da: Sonar anti mine Armamento: 3 cannoni corto raggio 25 mm + 2 76/62 SR Otomelara Sistema di Scoperta Aerea e di Superficie (radar combinato o radar aereo + radar di superficie) Sistema di Guerra Elettronica ESM/ECM + Lanciatori di Chaffs Sistema ausiliario (cortina trainata + 2 ASW DLS) Sistema di Comando e Controllo di tipo aperto ed in… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel
Mauricio R.
Visitante

Bardini 8 de outubro de 2016 at 0:53
.
Ok.

Jorge Knoll
Visitante

Invejo a pequena e laboriosa Italy, sempre a dar-nos exemplos – que não seguimos. Exceção: – Lava Jato.
Qto a armas que possui, e indústria de defesa, não ficam a dever nada.

Junior (@magneto1976)
Visitante

Lamentavelmente,temos grandes projetos,mas,esbarramos em um conjunto de burocracias,impostos,sanções,morosidade e má vontade política.Isso destrói qualquer capacidade da indústria nacional de Defesa se consolidar,como na década de 1980.O governo federal e o Congresso,não enxergam que um parque bélico,poderia gerar milhares de empregos na indústria naval,aeroespacial,metalúrgica.Temos mão de obra,falta-nos investimento e visão.Quantos projetos o Brasil deixa na gaveta?Com um litoral como nosso,deveríamos estar entre as 5 mais bem equipadas marinhas do mundo.

Ivan da Silveiraa
Visitante
Ivan da Silveiraa

Boa noite

Essa fragata é linda! 10 Fremm….muito bom!

Abraço!

BrancoF16
Visitante
BrancoF16

Gosto muito desse projeto das fragatas fremm.
7 dessas na MB seria muito bom

Galitto
Visitante

Não seria mais prático ter todas as fragatas para Multi-Missão, do que especificamente para Combate Submarino.
Gostaria de saber do amigos, qual é a diferença ?
Um amigo meu que é da Marinha, me disse que essa é uma das favoritas a vir a serem adquiridas no Prosuper, porém como ele me informou seriam todas as 5 Multi-Missão.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Acho as FREMM italianas mais imponentes do que as francesas. Uma pena o PROSUPER ter ido, praticamente, para o espaço. É o que eu penso.

control
Visitante

Srs A situação econômica italiana, cria uma janela de oportunidade para o Brasil conseguir dotar a MB com parte dos meios que necessita através de uma negociação que envolva navios novos e usados. Isto porque a Italia possui uma industria naval que pode fornecer praticamente todos os tipos de navios que a MB precisa e está com risco de perder tal proficiência devido a crise economica. Já foi sugerido aqui no PN que a MB poderia negociar a compra de algumas escoltas usadas bem como as desejadas FREMM. É certo que a MB focou seu interesse nas FREMM francesas, consequência,… Read more »

_RR_
Visitante
_RR_

control ( 10 de outubro de 2016 at 13:34 ), . As ‘Maestrale’ já devem estar só o osso. E não penso que queiram se desfazer dos ‘La Penne’, que ainda devem ter uns bons anos na Marine Militare… Creio que seria mais fácil “arrancar” alguma coisa da classe ‘Lupo’ ( o que não acrescenta nada )… . Seja como for, a MB claramente já se decidiu pelo caminho a seguir, e ele passa invariavelmente pelas corvetas classe ‘Tamandaré’. Está evidente que elas são a prioridade máxima da força de superfície, além do término da construção do que já foi… Read more »

Bardini
Visitante

No final das contas, a melhor saída para a MB seria “à Francesa”… Enterrando a gambiarra das Tamandarés com a “Frégate de Taille Intermédiaire” e posteriormente, FREMM.

_RR_
Visitante
_RR_

Bardini (10 de outubro de 2016 at 18:52 );
.
Falando de saída “a francesa”…
.
Considerando que os trabalhos na ‘FTI’ avancem e gerem navios até 2021/2022, existe a possibilidade da classe ‘La Fayette’ estar disponível já na próxima década.
.
No pior dos casos ( Tamandaré não sair e nada de novo vindo de fora ), é uma opção; talvez a mais interessante dentre o que certamente vai pintar no “mercado de usados” nos próximos anos…

Rogerio Rufini
Visitante

Saiu comentário que caso o Brasil Optasse pelas FREMM italianas, os italianos colocariam a disposição da MB de imediato, 2 Fragatas FREMM de sua frota, seria unidades operacionais, com isso a Marinha Italiana teria mais verba para suas 5 FREMM munti funcão, os franceses já fizeram isso com uma de suas fragatas, porém os Franceses optam pelas 5 La fayetes, oq ue vejo com bons olhos

Dalton
Visitante

Se os rumores iniciados uns 2 anos atrás se confirmarem e os italianos repassarem 2 de suas FREMM anti submarinas a marinha brasileira ganhará um fôlego importante pois o cronograma de baixas prevê que as duas fragatas classe Greenhalgh sejam retiradas em 2019 e 2020 e se mais uma corveta que encontra-se de qualquer forma inativa for definitivamente retirada de serviço agora, o número de principais combatentes de superfície ou escoltas passará dos 12 atuais para 9 ou mesmo 8 se uma das Niteróis for retirada também até 2020. . A marinha italiana ficaria com duas da versão anti submarina… Read more »

Rogerio Rufini
Visitante

Dalton, realmente, isso que sempre debato. A Alemanha pretende desativar suas Fragatas F-123, Brandenburg, são navios com design modernos, com muito em comum com as F-124 e F-125, possui lançadores verticais, e mesmo tendo cerca de 20 anos de uso, com pouca modernizações, seria do estado de arte. Depois fico com as La Fayetes, 5 navios, mesmo em 2020 estando com perto de 30 anos, são navios que não foram tão desgastados, e tem muito potencial em modificações já planejadas desde seu projeto Temos também as classe Anzac Australianas, essas poderiam vir 3 unidades antes de 2020, a mais antiga… Read more »

Control
Visitante

Srs Infelizmente, quanto a possíveis novos negócios francélicos, há pouca chance, a não ser que os almirantes queiram incorrer em visitas e até estadias na República de Curitiba (haja visto o caso PROSUB e suas derivações e conseqüências). Apesar da situação periclitante da MB, e até por ela, cabe ao Brasil (MD e almirantado) a busca de soluções que permitam o reequipamento gradual e a melhoria da capacidade da esquadra sem incorrer, no momento, em aumento do orçamento. Nesta visão é que cabe um esforço de negociação com os italianos, aproveitando que eles têm dificuldades e estão mais abertos a… Read more »

Iväny Junior
Visitante

Belonave literalmente.

Kemen
Visitante
Kemen

Precisamos de 10 fragatas novas, novinhas isso sim, por exemplo 4 FREM anti submarino italianas ~6.900 tn, 2 FREM multimissão francesas ~6.000 tn, 4 Hobart de defesa aérea ~7000 tn. Com esse tipo de fragatas se poderia cobrir qualquer missão.

Rogerio Rufini
Visitante

a MB precisa de pelo menos 18 escoltas, no minimo, pode ser 10 Tamadarés e Barroso e 8 Escoltas de maior deslocamento

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Bem, levando em consideração comentado pelos colegas, o caminho menos doloroso seria a MB optar por algumas unidades das La Fayettes para substituírem as Inhaúmas e Greenhalgh, com a possibilidade num futuro próximo, em substituição às Niteróis, optarem por unidades FREMM italianas.

Rogério Rufini
Visitante
Rogério Rufini

wellington a gente nem tem.tempo mais de esperar novas escoltas, estamos no osso, de 6 Niterois temos acho que 4 no máximo operando, de 3 TIPE 22 temos uma operando pelada, temos apenas uma Inhauna que tá fazendo teste de mar

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Off topic”
O Brasil tem capacidade tecnológica para construir catapultas eletromagnéticas?

Bardini
Visitante

Ádson Caetano Araújo 11 de outubro de 2016 at 19:12
.
Le Brésil não tem tecnologia nem para construir o Porta Aviões, quem dera catapultas eletromagnéticas.
.
PS: Um bom texto a respeito do que se sabe a respeito do que os Chineses vem fazendo: http://www.eastpendulum.com/3eme-porte-avions-chinois-en-preparation

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Comprar tal tecnologia é sem chance né, rsrs?!

control
Visitante

Srs Jovem Adson Como muitos já citaram aqui na trilogia, tecnologia, particularmente a militar, não se compra, se desenvolve. O que é possível se adquirir é algum treinamento ou equipamento/aparelho associado a um processo industrial para a produção de um determinado produto, por exemplo, programas CAD/CAE e formação de prifissionais para seu uso. O pulo do gato nunca é vendido a não ser quando já se tornou obsoleto. Os japoneses, coreanos e chineses são exemplos claros do que é possível e necessãrio se fazer para se obter a tal tecnologia. A simples compra não existe e só é levada a… Read more »

Dalton
Visitante

Rufini… os alemães não pretendem descomissionar suas “123s” agora e sim a partir de meados da próxima década, talvez você esteja confundindo as “123s” com as “122s”, estas sim estão sendo descomissionadas e substituídas pelas “125s” e mesmo assim 8 por 4 unidades já que a intenção é que as “125s” sejam empregadas de bases avançadas com troca de tripulações ao longo da duração da missão. . Não faz sentido a marinha alemã ficar com apenas as 3 “124s” e 4 “125s”…apenas 7 principais combatentes de superfície/fragatas. Sei que a baixa prematura das “123s” foi comentada aqui, mas, acredito que… Read more »

Dalton
Visitante

Rufini… existem 5 “Niteróis” operando e 4 delas já estiveram no Líbano enquanto uma sexta, a “Defensora” deverá retornar ao serviço ano que vem. . Apenas duas T-22s estão em serviço agora após a baixa da “Bosísio” ano passado e em breve uma segunda corveta, a “Julio de Noronha” deverá iniciar seus testes de mar. . É o plano B da marinha…3 navios retornando ao serviço com pelo menos outros 10 anos de atividade que provavelmente ocuparão o lugar de novas baixas. . Não há nem haverá muita coisa no mercado de usados, não dentro do que a marinha brasileira… Read more »

Bardini
Visitante

Dalton 12 de outubro de 2016 at 11:24
.
O tu pensa a respeito dos Cassard?
Será que seriam interessantes em uma transferência estilo Baea?

Dalton
Visitante

Bardini… os 2 “Cassard” deverão ser substituídos pelas duas últimas “FREMM” otimizadas para guerra aérea e isso a partir de 2021 quando então estarão com mais de 30 anos de uso, portanto, além do que a marinha brasileira considera como de bom custo/ benefício. . Quanto aos navios em si, não apenas estarão mais “velhos” como o principal sistema de armas e a principal razão da existência deles, o míssil SM-1 MR estará ainda mais defasado e os EUA já anunciaram que deixarão de prover assistência a eles em 2020…não seria muito difícil mudar para o SM-2, mas, provavelmente os… Read more »

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Control, Obrigado pelo “jovem”, rsrs

Rogerio Rufini
Visitante

Dalton, o Canada tem 10 halifax, pretende iniciar modernização, Austrália precisa de verba para dar continuidade em seus projetos, como novos Destroiers AEGIS, e Submarinos, e foi postado por aqui mesmo, que teria corte em unidades, não nas OHP, e sim nas Anzac mais novas Os alemães sim pretende dsativar prematuramente suas F-123, para ter mais verba para continuação do projeto F-125, que seriam navios mais capazes e poderiam substituir com 3 navios ate 6 a 8 meios, projetada para serem usadas em rodízios de tripulação, a Alemanha ainda tem acho que 3 Bremen, que foram terminadas a pouco mais… Read more »

Rogerio Rufini
Visitante

Agora, se a MB ver possibilidade de ter 800 milhões de euro nos próximos anos para Aquisição, sim, poderia tentar a compra de unidades novas em uso, como Frens Italianas, que já foi especulado aqui, ou Freem Francesas