almirante-kuznetsov-e-pedro-o-grande
Almirante Kuznetsov e cruzador Pedro O Grande

O porta-aviões russo “Almirante Kuznetsov” foi fotografado juntamente com sete outros navios ao longo da costa norueguesa. As fotos foram feitas na segunda-feira em águas internacionais a oeste de Andoy em Nordland.

A força-tarefa do Kusnetsov está a caminho da Síria, onde participará da campanha aérea russa na região.

almirante-kuznetsov
Caças Su-33 e MiG-29K estavam no convoo
Cruzador Pedro, O Grande
Cruzador Pedro, O Grande
SHOT FEITO: A submarino russo Delta IV fotografado em 12 de Outubro, em águas internacionais no Mar de Barents. A escotilha aberta no convés de popa é uma plataforma de lançamento para os mísseis balísticos que foi demitido no mesmo dia
Submarino russo Delta IV fotografado em 12 de outubro, em águas internacionais no Mar de Barents. A escotilha aberta no convés de popa é uma plataforma de lançamento para o míssil balístico que foi testado no mesmo dia

75
Deixe um comentário

avatar
74 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
28 Comment authors
HMS TIRELESSBruno S._RR_MOProfessor Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gabriel
Visitante
Gabriel

Não sei ainda li, e disseram que não haveria escolta de submarinos!!!

Olha só a trolha!!!! kkkkk

Jagderband#44
Visitante

Legal. Será que passaram por cima do Tirpitz?
Sem sacanagem, essa demonstração de “força” é totalmente desnecessária, uma vez que, marinha de guerra tem nome e sobrenome. Começa com US e termina com NAVY.

CVN76
Membro
Noble Member

Na realidade são duas notícias diferentes:

Uma é do grupo tarefa a caminho da Síria.

A outra é sobre o submarino:

O SSBN fotografado não tem nada a ver com o “Kuznetsov”….o SSBN no caso é o Delta IV “Novomoskovsk”, que lançou um míssil a um polígono situado no Pacífico e no mesmo dia um SSBN baseado no Pacífico, no caso o Delta III “Georgiy Pobedonosets” lançou também um míssil, este com destino a um polígono situado no norte da Rússia……e um terceiro míssil foi lançado no mesmo dia a partir de um silo com destino ao Pacífico.

Dalton
Visitante

Perfeito Franz !

SSBNs NUNCA fazem escolta de nada, NUNCA perseguem navios e outros submarinos, NUNCA fazem serviço de inteligência, NUNCA desembarcam “comandos”, NUNCA fazem minagem…
na verdade, NUNCA fazem nada, prestam apenas para navegar lentamente e silenciosamente
longe das rotas de navegação preparados para lançar seus mísseis com ogivas nucleares e
eventualmente fazem uma visita a um porto estrangeiro como no caso dos SSBNs da US Navy
e se deixam fotografar às vezes para que ninguém esqueça que eles estão por aí 🙂

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

CVN 76, é muito míssil!!! Acho que os russos são os que mais lançam esse mísseis!!!
.
Off-Topic:
http://www.janes.com/article/64719/china-confirms-plans-to-export-eight-submarines-to-pakistan

Dalton
Visitante

Jagder… o casco do “Tirpitz” não existe mais, não é o caso de outros navios que foram afundados e permanecem como verdadeiras tumbas submarinas , alguns como o “Royal Oak” em águas rasas até hoje. . Quanto à “demonstração de força” não há nada de anormal… é uma boa ocasião para colocar em prática tudo o que se aprendeu durante os treinamentos e ao mesmo tempo servir à política russa. . Pense no “Kuznetsov” e seu grupo como se pensaria no USS Dwight Eisenhower e seu grupo, por exemplo, não há nada de extraordinário em nenhum dos dois…extraordinário seria se… Read more »

CVN76
Membro
Noble Member

Delmo

É normal que um SSBN lance um míssil de vêz em quando…..principalmente depois de uma grande revisão, para testar um novo tipo de míssel, manobras, para testar a tripulação e/ou um novo comandante ou até mesmo para fazer um pouco de propaganda…

Dalton
Visitante

Delmo…

ano passado o USS Kentucky lançou 2 mísseis no intervalo de apenas 2 dias…não há nada de
“anormal” no que os russos fizeram e trata-se de mísseis desarmados, sem ogivas nucleares
tanto no caso dos mísseis russos quanto no caso dos mísseis dos EUA.

CVN76
Membro
Noble Member

Almirante Dalton

Os SSBN da USN praticamente não visitam mais portos, tanto nos EUA como no exterior…..o baixo número de SSBN, risco de terrorismo…..a única visita conhecida nos últimos 6 anos, foi a do USS Wyoming a base naval de Faslane no Reino Unido realizado no início deste ano…..

Dalton
Visitante

Franz…
.
foi noticiado há pouco tempo que a US navy pretende que seus SSBNs “apareçam” um pouco mais, um exemplo foi o que você citou, outro esteve não faz tempo em Rota na Espanha, e o
USS Tennessee deu uma “parada” na Escócia semana passada…justamente em Faslane outra vez.
abs

Rustam Bogaudinov
Visitante

RECEIVED FROM MAIN AIR TRAFFIC MANAGMENT CENTER OF RUSSIA : RUSSIAN NAVY TRAINING FLTS IN HIGH SEA AREA OF THE NORTH SEA POSITION 6300N 00000E-6300N 00400E-6150N 00300E-6150N 00000E-( 6300N 00000E )

LOWER: Surface, UPPER: FL180
FROM: 19 Oct 2016 07:00 GMT (09:00 CEST) TO: 21 Oct 2016 16:00 GMT (18:00 CEST)
SCHEDULE: DAILY 0700-1600

http://notaminfo.com/norwaymap

Dalton
Visitante

Ah…e os da costa oeste estão fazendo rotineiramente paradas em Pearl Harbor , nada mudou
quanto a isso.

CVN76
Membro
Noble Member

Dalton; vc sabe qual visitou Rota? Para as minhas listas….:-)

Fury
Visitante
Fury

O Kirov é impressionante… olha o tanto de radares que esse navio carrega, tem quase 100 mísseis do S-300 aí dentro… aqui para nós, as outras marinhas baixam a orelha para esse bicho aí… e nuclear ainda por cima.

Dalton
Visitante

Franz !

talvez em casa tenha anotado, o que encontrei é do USNI do ano passado…copiei o mais importante:
.
“Ballistic missile submarines will once again make port calls in foreign countries, after more than a decade of boomer crews deploying without the possibility of mid-patrol liberty.

The Associated Press reported on Monday that USS Wyoming (SSBN-742) recently stopped in Faslane, Scotland, marking the first of what will become “occasional visits to foreign ports.”
.

CVN76
Membro
Noble Member

Então, essa visita do USS Wyoming a Faslane, foi a primeira em mais de 10 anos!

Mesmo que aconteça uma visita de vêz em quando; o número de visitas é irrisório….principalmente pelos motivos que citei anteriormente..

Antigamente o número de visitas, mesmo a base navais era bem maior…..e nem sempre trata-se de uma “visita”; mas sim de algum motivo técnico, médico ou de troca de CO / XO….

Como as patrulhas são em média de 60-70 dias; a tripulação ganha como recompensa mais dias livres quando o SSBN volta a base…

Dalton
Visitante

Por isso escrevi “eventualmente” 🙂 Antigamente, nos anos 80, o número de SSBNs era mais do que o dobro do atual como você sabe, então, as “visitas” com aspas, naturalmente ocorriam com mais frequência também. . Como você igualmente sabe , mas fica aqui como curiosidade , nos primeiros anos da década passada o número que já havia caído para 18, caiu para 14, já que 4 deles foram convertidos para SSGNs e como 2 estão sempre passando por modernização de meia vida com um se preparando para iniciar o processo ou outro que recém saiu dele, fora um ou… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Bosco e colegas. Os mísseis russos, de performance similar, costumam ser maiores do que os americanos?
Eles têm problemas com miniaturização?
Se for verdadeiro, os navios e caças russos precisam ser bem maiores.

Renê Reis
Visitante

Esse Kirov ta roubando a cena , deve ser ele a nave capitania, rs.

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Caro Dalton Ótimo seus comentários, desmistifica o que foi afirmado aqui no PN sobre SSBNs. ___________________________________________ “SSBNs NUNCA fazem escolta de nada, NUNCA perseguem navios e outros submarinos, NUNCA fazem serviço de inteligência, NUNCA desembarcam “comandos”, NUNCA fazem minagem… na verdade, NUNCA fazem nada, prestam apenas para navegar lentamente e silenciosamente longe das rotas de navegação preparados para lançar seus mísseis com ogivas nucleares e eventualmente fazem uma visita a um porto estrangeiro como no caso dos SSBNs da US Navy e se deixam fotografar às vezes para que ninguém esqueça que eles estão por aí”. ___________________________________________ Absolutamente desnecessários ao… Read more »

bosco123
Visitante

Nonato, Os caças russos em geral são grandes porque eles têm grande capacidade interna de combustível e não tem nada a ver com a miniaturização. Como eles querem ter grande autonomia sem tanques externos, colocam muito combustível, e aí o caça fica grande e pesado e precisa de um motor grande e pesado. Ficando grande precisa de um radar de grande diâmetro pra poder detectar o inimigo mais longe que pode ser detectado. Isso tudo colabora para que o caça fique grande. Caça grande com grande RCS tem que ter radar grande e com grande potência pra poder detectar um… Read more »

bosco123
Visitante

Hoje, se fosse dada uma ordem à USN, “afundem o “Pedro, o Grande””, essa ordem não poderia ser cumprida (em tese) por nenhuma unidade de superfície (fora os porta-aviões). Os submarinos de ataque, os bombardeiros da USAF e os porta-aviões é que teriam que fazer o serviço. https://breakingdefense.com/wp-content/uploads/sites/3/2014/11/US-Navy-outranged-CSBA-Clark-Slide11.jpg Dentro de pouquíssimo tempo, com a disseminação da capacidade sup-sup do SM-6 com 400 km de alcance (??) a coisa já vai começar a mudar. Mais pra frente ainda com a introdução do Tomahawk antinavio e aí o “Kirov” estará em clara desvantagem. Num futuro mais distante com a entrada em serviço… Read more »

bosco123
Visitante

Claro que na medida em que existe uma aproximação entre os navios (e diversos motivos podem levar que isso ocorra) a vantagem do navio de com mísseis de maior alcance desaparece. Em cenários onde os navios estão próximos há o que se pode chamar tecnicamente de “pega pra capar”. rsrss

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

É verdade que os navios de superfície da US Navy não têm, individualmente, condições de por a pique um Kirov, salvo a hipótese de os sistemas de defesa dele não funcionarem a contento. Contudo, desde a 2ª Guerra Mundial, a US Navy considera que a arma ideal para atacar um navio de superfície são seus aviões: alcance muito maior, risco de contra-ataque muito menor, sustentação no ataque, com sucessivas levas de aviões atacando, até que em algum momento, “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Os navios de superfície da US Navy têm como missão primária a… Read more »

Kolchack
Visitante
Kolchack

““SSBNs NUNCA fazem escolta de nada, NUNCA perseguem navios e outros submarinos, NUNCA fazem serviço de inteligência, NUNCA desembarcam “comandos”, NUNCA fazem minagem…” Olha o que eles fazem.

Professor
Visitante
Professor

Jacinto Fernandes 18 de outubro de 2016 at 23:01 Porta-aviões são armas formidáveis – contra países de Terceiro Mundo. Ele pode ter 100 aviões, 200 aviões – e daí? . 1- sendo gigantesco, ele é um alvo enorme para um míssil; e bem mais lento que um avião. 2- você não precisa se concentrar em combater os aviões que ele comporta, tem que se concentrar em afundar o porta-aviões. Se você conseguir afundá-lo, onde os 100 aviões vão pousar? 3- os russos, cientes disso, preocuparam-se em dotar o Kusnetzov com o melhor sistema defensivo de todos os porta-aviões que existem.… Read more »

bosco123
Visitante

Jacinto,
Eu acho que os submarinos de ataque disputam com os aviões esse “privilégio” de atacar as maiores unidades navais russas.
Vale salientar que está havendo uma mudança de doutrina dentro da USN e ela agora quer dar maior poder de fogo antinavio aos seus navios, além de distribuir mais esse poder numa maior quantidade de unidades.,

ScudB
Visitante
ScudB

Amigo Bosco!
E se o A\k esta “somente” esta fazendo a sua parte : proteger um agrupamento de ataque?Ou seja : um cruzador pesado com capacidade de atacar e se proteger dos ataques?
Dentro da doutrina russa mais que compatível?Não acha?
Bem assimétrico.E explica muita coisa.
Um abraço!

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

Professor 18 de outubro de 2016 at 23:32 , Desde a 2ª Guerra Mundial, nenhuma marinha que tenha obtido superioridade aérea foi derrotada, ou por outras palavras: a marinha que obtém superioridade aérea derrota seu inimigo. E isso ocorre por vários motivos. Quem tem superioridade aérea também tem melhor consciência situacional por causa dos aviões de alerta antecipado que, em tese detectariam a frota inimiga antes de ser detectada. Quem vê primeiro, dispara primeiro e em geral vence. Quem tem superioridade aérea tem mais sustentação nas suas operações contra o inimigo e água mole em pedra dura… Essa história de… Read more »

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Fotos lindas. Duas grandes máquinas de guerra. Por estas mesmas aguas navegaram o Prinz Eugen e o Bismarck.

bosco123
Visitante

Scud, Eu considero que a doutrina russa é a ideal para eles tendo em vista que irão operar perto da costa. Eles não precisam dos mesmos meios que a marinha americana. Havendo um embate e seria interessante ver quem tem as melhores peças no tabuleiro. Mas esperamos que essas duas grandes nações, com sentimentos e ideais parecidos, nunca entre em conflito. – Jacinto, A defesa de um porta-aviões é basicamente formada por seus aviões e seus escoltas. A defesa residual é que fica por conta do próprio navio. Os russos parece que não têm doutrina equivalente Vale salientar que tanto… Read more »

kfir
Visitante
kfir

ILUSTRAÇÃO DA ROTA RUSSA PARA O MAR VERMELHO
caso a imagem não apareça favor apagar
https://i.dailymail.co.uk/i/pix/2016/10/15/11/39677BBB00000578-3839451-image-a-3_1476526253063.jpg

HMS_TIRELESS
Visitante
HMS_TIRELESS

Caro “Teacher”, como de costume seus pontos de vista estão completamente equivocados! Culpa do seu antiamericanismo doentio. Porta-Aviões são alvos muito difíceis de serem atingidos dado o perímetro defensivo construído em torno deles, constituído por Cruzadores e Destroyers AEGIS equipados com Mísseis Standard, Submarinos armados com mísseis Tomahawk e Torpedos além do CAG embarcado que, com o apoio dos E-2D, amplia o perímetro defensivo para algumas boas centenas de quilômetros. Mesmo a tentativa chinesa de construir um míssil balístico anti-NAe na forma do DF-21 esbarra em considerações acerca da precisão das ogivas e a melhoria das defesas dos CAGs na… Read more »

Dalton
Visitante

Professor… abaixo “colei” um trecho do que foi publicado em um jornal russo o Izvestia em fins de 2012, sobre o desejo da marinha russa ter 2 NAes de propulsão nuclear, um dos quais estaria pronto em 2020. . Mesmo antes disso, conforme consta no segundo paragrafo a marinha já havia anunciado novos NAes, lembro na época que se falava em 4 ou mesmo 6 alguns deles também estariam prontos antes de 2020 ! . . “Russia has plans to construct two new nuclear-powered aircraft carriers by year 2027. One of the ships is to be ready for operations already… Read more »

bosco123
Visitante

No meu comentário das 8:57 onde está endereçado ao “Jacinto” foi equívoco, o certo é “Professor”.

ScudB
Visitante
ScudB

Amigo kfir!
Se eu comandasse esse agrupamento (kkkk) ia dividir ele em duas partes e contornar “as ilhas” dos dois lados so para ver a reação.. 🙂
Um abraço!

ScudB
Visitante
ScudB

Começou treino :
pbs.twimg.com/media/CvJFPVEXYAAtvXr.jpg
NOTAM : notaminfo.com/norwaymap
Um abraço!

Juarez
Visitante
Juarez

Você fod….ia com a escala de patrulha da Royal Navy e deixaria os Jacks Ps…..da vida.

G abraço

Juarez
Visitante
Juarez

Dalton, a respeito daquela afirmação de que um AB por exemplo não poderia atacar o cruzador Russo, eu gostaria de te perguntar o seguinte:

Na hipótese do AB estar com seu heli orgânico, este sabendo da posição do alvo, não poderia realizar uma surtida armado com os Hellfire, se aproximando abaixo do linha do horizonte e dispara uma salva de mísseis que seguramente não vão fazer nem cosquinha no cruzador mas não poderiam tirar vários sistemas controle e comando fora do ar???

G abraço

bosco123
Visitante

Juarez, Será que sua questão não seria direcionado a mim? De qualquer forma, sem prejuízo da resposta do Dalton, o cruzador russo tem um míssil antinavio com cerca de 650 km. Supondo que ele consiga de alguma forma designar seus mísseis numa distância tão grande de forma efetiva (nem vamos entrar nessa seara rsrsss) contra um destróier americano, ainda assim não haveria condições do navio americano ter alguma chance utilizando seu helicóptero. O alcance útil dos helicópteros não passa de uns 400 km. Mesmo que fosse possível, o Hellfire tem alcance de 10 km e colocaria o helicóptero dentro do… Read more »

Mauricio R.
Visitante

E Sea Hawk tem vocação pra ser “Stringbag”…

Juarez
Visitante
Juarez

obrigado Bosco, achei num perfil de voo muito baixo, os radares de busca aérea do cruzador não conseguiriam detectá-lo a tempo antes do disparo.

G abraço

Leo
Visitante
Leo

Frota russa certamente vem para impor uma derrota total aos terroristas/rebeldes de Aleppo.

Professor
Visitante
Professor

Jacinto Fernandes 19 de outubro de 2016 at 8:45 . Desde a 2ª Guerra Mundial, nenhuma marinha que tenha obtido superioridade aérea foi derrotada, ou por outras palavras: a marinha que obtém superioridade aérea derrota seu inimigo. . Vamos imaginar o seguinte cenário hipotético: um Nimitz com 100 aviões e sua escolta, contra um pedaço de terra, também com 100 aviões e com todas as armas, defensivas e ofensivas, de que dispõe o Nimitz. Quem você acha que venceria o conflito? eu apostaria meu dinheiro no pedaço de terra, sem dúvida. Qualquer míssil que atingir a terra fará um estrago… Read more »

MO
Membro

um tiro certo de um fucking aviaozinhum no meio do convoo e inutileza esta NAe … vantagem pro espaço, tudo é relativo …

Renê Reis
Visitante

Concordo com o professor ,a missão da marinha soviética era manter a USN longe da Europa e de seu território no caso de conflito global , com apoio maciço da aviação naval baseada em terra pois sabiam que não teriam chance de vencer em mar aberto longe da costa .

Jacinto Fernandes
Visitante
Jacinto Fernandes

Professor, este seu cenário hipotético inverossímil. Uma das vantagem do Nae é justamente poder escolher o ponto de ataque, já que ele – sendo um navio – se movimenta e ataca as regiões indefesas e não as regiões defendidas. Em todo caso, eu colocaria meu dinheiro no grupo do Nae e seu grupo. Isso porque os misseis de ataque ao solo (tomahawk) têm alcance de 1.500km e podem ser lançados em salvos. A US Navy, 18 anos atrás, lançou 79 Tomahawks simultaneamente. Alguns deles, certamente atingiriam a base. Poderia lançar mais do que isso, se fosse necessário. Um navio a… Read more »

HMS_TIRELESS
Visitante
HMS_TIRELESS

Ainda insistindo em suas teorias equivocadas e como bem asseverou o amigo Jacinto, inverossímeis, meu caro “Teacher”? Será que eu preciso lembrar de novo a você que aqui não é o Pandemônio Brasil e que o moderador não é o babaca do Konner? Mas já que você externou a sua, vai lá, opinião, vamos aos fatos: – Você realmente vai querer rasgar dinheiro apostando contra um CBG da USN? E que sandice é essa de que um míssil faz apenas um estrago em um pequeno local? Suas teorias são tão fajutas que você esqueceu que os alvos não apenas do… Read more »