Home Conflitos em andamento Rússia envia fragata ao Mediterrâneo após ataque de retaliação dos EUA

Rússia envia fragata ao Mediterrâneo após ataque de retaliação dos EUA

25327
7
Fragata Admiral Grigorovich

A Marinha Russa enviou a sua mais avançada fragata do Mar Negro para o Mediterrâneo Oriental na sexta-feira, depois de um ataque de mísseis dos EUA em um aeródromo sírio, de acordo com observadores de navios na Turquia.

A Almirante Grigorovich – com base em Sevastopol, na Criméia – passou pelo Estreito do Bósforo no início da sexta-feira no Mediterrâneo apenas horas depois de dois destróieres de mísseis guiados dos EUA terem disparado 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk que atacaram o aeródromo al-Shayrat, na Síria central.

O observador de navios Yörük Işık disse à USNI News que a fragata estava no porto por apenas nove dias antes de voltar para o Mediterrâneo e atravessar o estreito pouco depois do ataque norte-americana.

A fragata de 4.000 toneladas leva até oito dos mísseis russos Kalibir NK de longo alcance de ataque terrestre – primeiro usado operacionalmente em 2015 a partir de navios da Marinha Russa no Mar Cáspio para atingir alvos na Síria.

No ano passado, a Grigorovich operou com o grupo de ataque do porta-aviões Kuznetsov ao largo da Síria e disparou mísseis em apoio ao ataque russo-sírio contra rebeldes em Aleppo, em novembro.

O Kremlin foi rápido para condenar o ataque ao aeródromo sírio que os EUA alega que foi o ponto de origem para um ataque de armas químicas na terça-feira na cidade de Khan Sheikhoun. Acredita-se que o ataque das forças governamentais de Assad matou dezenas de pessoas.

Funcionários russos e sírios colocaram a culpa do ataque nas forças do Estado islâmico.

USS Porter (DDG-78)

Quanto aos Estados Unidos, um oficial da Marinha na sexta-feira disse à USNI News que os destróieres USS Porter (DDG-78) e USS Ross (DDG-71) continuariam NA missão de presença no Mediterrâneo Oriental.

Os navios fazem parte de um quarteto de destróieres norte-americanos que são baseados em Rota, na Espanha, para conduzir principalmente operações de defesa de mísseis balísticos na proteção da Europa Ocidental. No entanto, a proximidade dos navios à Síria e a facilidade de rearmá-los após o ataque de quinta-feira fizeram com que Ross e Porter fossem ideais para a missão, disse o oficial.

“Ter esses quatro navios desdobrados para o Mediterrâneo tem sido uma grande ajuda e dá aos líderes esta opção de ataque rápido”, disse o oficial.

USS Ross (DDG-71)

Na sexta-feira, o chefe das Forças Navais dos EUA, Europa-África, elogiou as tripulações dos destróieres.

“Só quero dizer que os comandantes de ambos os navios, Russ Caldwell e Andria Slough,
atuaram magnificamente, juntamente com suas tripulações”, disse a almirante Michelle Howard em uma declaração fornecida à USNI News.
“O que também é importante é que esta era uma missão que envolveu muitos comandos, e que a integração das células de operações e de todas as equipes que apoiaram desde o planejamento até a execução foi perfeita. É um exemplo da força da Marinha dos Estados Unidos e da nossa capacidade de projetar poder em todo o mundo “.

O ataque de Tomahawk foi o maior uso combinado de mísseis desde o primeiro dia Operação Odyssey Dawn em 19 de março de 2011 na qual a Marinha lançou mais de 100 Tomahawks de destróieres de mísseis guiados e do submarinos nuclear USS Florida (SSGN-728) contra as forças do regime Muammar Gaddafi.

FONTEUSNI News

7
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
IvanCVN76daltonl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
daltonl
Membro
Active Member
daltonl

A fragata russa já estava a caminho da Síria faz semanas…em fins de fevereiro já havia sido
anunciada que ela seria reenviada à Síria, portanto, não há nenhuma relação com o ataque
dos 2 DDGs da US Navy.

CVN76
Membro
Noble Member

Somente como detalhe; o USS Ross já esteve no Brasil durante uma UNITAS.

Ivan
Membro
Member
Ivan

O deslocamento da Fragata Almirante Grigorovich do Mar Negro para o Mediterrâneo oriental, na costa da Síria (certamente para Tartus) é algo normal e, segundo nosso Admiral Dalton, previsto. . Em um exercício acadêmico vamos apenas descrever a Grigorovich. São fragatas desenvolvidas para as condições do Mar Negro, tanto é assim que as duas primeiras – Admiral Grigorovich & Admiral Essen estão designadas para Frota do Mar Negro, possivelmente baseada em Sevastopol (na Crimeia), mas podendo ficar em Novorossiysk. . O projeto é construir e entregar até 2018 (+ ou -) mais 4 (quatro) destes bons navios: Admiral Makarov; Admiral… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Ivan… . uma pequena correção…apenas 3 das fragatas ficarão com a Rússia, as outras 3 que você mencionou irão para a Índia, por conta do fato de que a Ucrânia não estará fornecendo os motores para elas e o desenvolvimento de motores pelos russos consequentemente não ficaria pronto em tempo para as 3 últimas unidades. . As 3 fragatas que permanecerão com a Rússia farão parte da Frota do Mar Negro que conta com várias unidades antigas que em breve precisarão ser descartadas como o destroyer “Smetlevy” único sobrevivente da classe “Kashin” que aproxima-se dos 50 anos de vida, mesmo… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Para aqueles que comentaram sobre a Frota Russa do Mar Negro basicamente é o seguinte: . a espinha dorsal da mesma é formada por uma dúzia de corvetas de 1000 toneladas ou menos, algumas muito antigas e incapazes de sair do Mar Negro. . Há um cruzador, o “Moskva” e um velho destroyer, último sobrevivente da classe “kashin”, duas fragatas antigas que recentemente passaram por uma revitalização e agora duas fragatas modernas, uma delas a “Grigorovich” e cerca de 6 modernos submarinos de propulsão convencional. . A maior parte dos 19 “grandes” navios de desembarque russos encontra-se no Mar negro,… Read more »

daltonl
Membro
Active Member
daltonl

Adriano… . o “grupo” do USS Bataan que compreende o USS Mesa Verde e o USS Carter Hall, dividiu-se como costumam fazer, parte do tempo o LPD, no caso o “Mesa Verde” opera sozinho, no momento encontra-se no Mediterrâneo, mas, os outros dois já atravessaram Suez e desceram o Mar Vermelho, trata-se de substituir o grupo do USS makin Island que está retornando à San Diego. . O outro único navio permanentemente designado para a VI Frota é o USS Mount Whitney baseado na Itália e que no momento está passando por manutenção na Croácia. . Normalmente um cruzador é… Read more »

Ivan
Membro
Member
Ivan

Admiral Dalton, . “…apenas 3 das fragatas ficarão com a Rússia…” . É verdade. Verifiquei depois do seu alerta. Obrigado. . Mas o par de fragatas Admiral Grigorovich e Admiral Essen, bem como a terceira a ser entregue – Admiral Makarov (?) – possuem um sistema de lançamento de armas interessante, que compartilham com as corvetas Buyan-M, o UKSK VLS. . Você bem sabe, mas é interessante para nossos amigos, estes lançadores verticais podem operar tanto mísseis de cruzeiro para ataque terrestre, como o Kalibr (acredito que na versão 3M14T), ou mísseis antinavio, como o mesmo Kalibr / Klub (acredito… Read more »