Home Indústria Naval Egito recebe segundo submarino Type 209

Egito recebe segundo submarino Type 209

2503
9

A Marinha Egípcia recebeu o S42 (864), o segundo dos quatro submarinos Type 209/1400, no estaleiro ThyssenKrupp Marine Systems (TKMS) em Kiel, em 8 de agosto, anunciou o Ministério da Defesa egípcio.

O primeiro submarino S41 (861) foi entregue em dezembro de 2016, chegou a sua base em Alexandria em abril e participou do exercício “Medusa 2017”, realizado com a Marinha Helênica em agosto.

O Egito inicialmente encomendou dois submarinos Type 209/1400mod em 2011 e mais tarde encomendou mais dois em 2014.

Duas vistas do Type 209/1400 mod

O novo submarino deve chegar a Alexandria em 3 semanas.

O submarino Type 209/1400mod é a versão mais recente da família 209, de maior sucesso comercial do mundo, com mais de 60 unidades vendidas. Atualmente, a TKMS tem mais de uma dezena de submarinos contratados deste tipo.

Veja abaixo a árvore genealógica dos submarinos alemães, até o atual Type 214, com propulsão AIP de células de combustível.

Evolução dos submarinos alemães desde o Type 201

LEIA TAMBÉM:

Série 100 anos de submarinos alemães

9
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
Wellington GóesCarlos Alberto SoaresJohn Paul JonesBavaria LionWalfrido Strobel Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Roberto Dias
Visitante
Roberto Dias

Não consigo entender como tínhamos um contrato de compra e transferência de tecnologia destes modelos, que são os melhores em sua classe, e agora vamos de scorpene?!

Bavaria Lion
Visitante

Dolphin, U-212, U-209/1400mod e U-214 podem utilizar o sistema AIP da Siemens, porém, o mais avançado (que tem vendido mais recentemente, inclusive) é o do U-214.

Walfrido Strobel
Visitante

Roberto Dias, tambem sou desta opinião, mas os Type 209 não permitiriam a futura construção do sub. com reator nuclear.
O acordo suspeito com a França prevê apoio nesta área, não na construção do reator, mas na do submarino.
O Brasil da boca para fora defende o uso da energia nuclear só para fins pacíficos, este submarino com reator nuclear vai contra isso, mesmo sendo só a propulsão.
O Brasil ainda detem uma boa experiencia com os Type 209, são poucos os países que o cortam para fazer as grandes revisões e os soldam de novo com perfeição.

Walfrido Strobel
Visitante

Bavaria Lion, Singapura comprou 4 Type 218SG, que são baseados nos U-214/216, quando forem entregues a partir de 2020 devem ser os mais modernos da categoria. Singapura é o país dos exageros, uma cidade com metade do tamanho do município de São Paulo cujo litoral se resume a um porto dentro de um estreito com cerca de 40 a 100 km de largura que a separa da Indonésia., o segundo maior porto do mundo em movimento de cargas, o maior é na China, e o maior do mundo em movimentação de conteiners. Eles tem hoje 4 submarinos suecos divididos em… Read more »

Bavaria Lion
Visitante

Walfrido, deve ser o FCM NG 135, mas nessa brochura ainda não tem o do 218 especificamente.
Fiquei impressionado com o grau de portabilidade em relação ao MESMA.

Saudações.

https://www.industry.siemens.com/verticals/global/de/marine/marineschiffe/energieverteilung/Documents/sinavy-pem-fuel-cell-en.pdf

Bavaria Lion
Visitante

Walfrido, Singapura é mesmo outro nível…

John Paul Jones
Visitante
John Paul Jones

Esse é o nosso Classe Tikuna, chamo de classe porque é um submarino tão bom e tão melhor do que os classe Tupi que deveria ser uma classe nova.
O 209 1400 talvez seja atualmente o melhor custo beneficio na compra de um submarino, excelente, barato e de uma eficiência devastadora ….
Deve custar atualmente a metade do preço de um scorpene pirata …..

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

John Paul Jones 14 de agosto de 2017 at 17:11
Pois é ……………
Um lá e 6/10 (2/3 AIP ?) aqui com base nova e tudo.
Sem viadagem.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

JPJ, até onde sei, o Tikuna é um U209/1500.
.
A despeito dos ganhos tecnológicos do PROSUB, especialmente na tecnologia do casco resistente, nunca entendi esta prática da MB de fazer poucos navios de uma classe nova. Não é só falta de recursos, mas ausência de uma política consistente de continuidade. Algo que, ao que parece, cultural (quando você pára para olhar a história da indústria militar naval brasileira, este atitude de descontinuidade é uma rotina).