Home Marinha do Brasil Corveta ‘Jaceguai’ recebe a visita do Secretário Adjunto da SAE/PR

Corveta ‘Jaceguai’ recebe a visita do Secretário Adjunto da SAE/PR

2362
15
Corveta Jaceguai

Em 6 de setembro, a Corveta “Jaceguai” recebeu a visita do Exmo. Sr. Secretário Adjunto da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), Dr Marcos Degaut.

Durante a visita, o Secretário Adjunto percorreu alguns compartimentos do Navio, e foram-lhe apresentados dados sobre as Corvetas Classe “Inhaúma”, como histórico, sistema de combate e tarefas. Segundo o Dr. Degaut, foi uma oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o Projeto Corvetas da Marinha do Brasil, e revelou que vem trabalhando para apoiar a construção das Corvetas Classe “Tamandaré”.

Por fim, o visitante fez uma breve apresentação para os Oficiais do Navio sobre a SAE/PR e os trabalhos que vem realizando junto ao Ministério da Defesa e as Forças Armadas.

NOTA DO PODER NAVAL: a Marinha do Brasil planeja construir quatro corvetas classe “Tamandaré” para substituir duas fragatas Type 22 Batch I que ainda restam e as duas primeiras fragatas classe Niterói que deverão dar baixa nos próximos anos.

Dr. Marcos Degaut na Jaceguai

FONTE: Marinha do Brasil

15
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
IvanWalfrido StrobelDaltonleonel testaCarlos Alberto Soares Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
igortepe
Visitante
igortepe

Se esse projeto da tamandaré exibido aqui no site for a versão final, vão cometer o mesmo erro da classe inhaúma. Trecho de reportagem do poder Naval. Em operação A primeira unidade, a Inhaúma, enfrentou diversos problemas quando começaram as provas de mar, embora isso seja razoavelmente comum de ocorrer em navios dessa complexidade: é com erros que se aprende, e a história dos projetos navais está repleta de erros e aprendizados. Porém, o fato de serem quatro protótipos, pelas razões de nacionalização já mostradas, não permitiu que defeitos percebidos na primeira unidade resultassem em mudanças de projeto nas três… Read more »

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Nada contra as Tamandarés, mas o preço compensa? Ja tem tantas boas no mercado que podem ser adquiridos! Até as chinesas poderiam ser levadas em consideração sei la, acho que o que vier ta bom pra manter a prontidão.

Ádson
Visitante
Ádson

Tallguiese 20 de setembro de 2017 at 15:29
Veja outras matérias aqui mesmo, com característica inferiores, como menor deslocamento, sem vls, sem radares 3d, menor alcance ainda são mais caras que a Tamandaré, a exceção é a Icheon que é mais barata, mais também é pior armada. A choradeira é por ser construída no Brasil. Nossos ditos patriotas tem pavor de desenvolver qualquer coisa aqui.

Celso
Visitante
Celso

So visitas de aspones…..secretario ajunto disso, secretario daquilo, acessor desse e daquele, deputados e senadores inexpresivos q nada apitam e so vivem como parasitas nao movem palha, capitaes, almirantes, ….vixe eh tanto cargo que so com os salarios desses e seus penduricalhos ja darai pelo menos para manter a frota ( o q sobrou) pelo menos operacional c direito a lancar alguns misseis, torpedos, municoes em geral,…..ufaa…..Brasil,pais de tolos

Nunão
Visitante
Nunão

igortepe, nesse caso é bem diferente.
.
A classe Inhaúma era um projeto totalmente novo, sem ter um navio anterior em que se basear (apenas a experiência com a classe Niterói, bem maior) enquanto a Tamandaré será a terceira geração de desenvolvimentos a partir daquele projeto da Inhaúma, incorporando melhorias introduzidas na Barroso e mais melhorias agora. Não é mais o caso de “quatro protótipos”.

MO
Membro

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Marinha de Tamanduás, um AB tupinikim …. kkkkkkkkkkk

Zeabelardo
Visitante
Zeabelardo

Ádson 20 de setembro de 2017 at 15:50
“A choradeira é por ser construída no Brasil.”

Década de 70, década de 80, década de 90… Acho que vc ficou preso em um loop temporal. Mais fácil o Sargento García prender o Zorro.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Turismo,
queria conhecer uma Nau militar tupinikim …. modus MO.

leonel testa
Visitante
leonel testa

concordo com o Adson e desconfio demais desses preços sul coreanos e chineses

leonel testa
Visitante
leonel testa

Uma duvida essas inhaumas nao podem ser tranformadas em navios patrulha como os amazonas ?

Dalton
Visitante
Dalton

Poder até pode…os italianos fizeram isso com algumas fragatas classe “Lupo” removendo parte do armamento e outros equipamentos…mas…não faria sentido em reduzir ainda mais a Esquadra
em duas unidades ainda mais que provavelmente novas baixas deverão ocorrer até 2020.
.
abs

Walfrido Strobel
Visitante

Dalton, o Peru fez o mesmo com uma fragata classe Lupo, a BAP Carvajal (FM-51) de 1976 que desde 2013 é a BAP Guardiamarina San Martin (PO-201), com a retirada de parte do armamento e sensores não necessários a uma Guarda Costeira.
. https://m.youtube.com/watch?v=jGpz2XVTgE8

Walfrido Strobel
Visitante

Esse Secretário Adjunto parece um gigante no meio de pigmeus, ficou engraçada a foto.

Ivan
Visitante
Ivan

Uma questão:
O que faz mesmo o ‘Secretário Adjunto da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR)?
Ou melhor, o que faz a ‘Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR)?
.
Alguém lembra…?
.
Até parece que é mais uma ‘caixinha’ no executivo federal com fórum privilegiado.
Mas posso estar enganado.
.
Sds.,
Ivan, o Antigo.

Ivan
Visitante
Ivan

Ok! Para facilitar vai uma versão semioficial do que seria a ‘danada’ da SAE. . A Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE/PR) foi um órgão de governo federal, com status de ministério entre 2007 e 2015, que formulava políticas públicas de longo prazo voltadas ao desenvolvimento econômico e social do Brasil. Criada em 23 de julho de 2008 pela lei 11.754, a SAE tinha como ministro-chefe Roberto Mangabeira Unger, filósofo, ideólogo de esquerda e professor da Universidade Harvard. Observações: 1º. Os Estados Unidos – sede do capitalismo – dá espaço aos pensadores de esquerda para trabalhar, pesquisar e – pasmem –… Read more »