Home Indústria Naval Singapura lança ao mar quinto Littoral Mission Vessel

Singapura lança ao mar quinto Littoral Mission Vessel

2301
13
Littoral Mission Vessel Indomitable

SINGAPURA — A Singapore Technologies Marine Ltd (ST Marine), o braço marinho da Singapore Technologies Engineering Ltd (ST Engineering), lançou com sucesso o quinto Littoral Mission Vessel (LMV), RSS Indomitable, projetado e construído para a Marinha da República da Singapura (RSN).

A cerimônia foi oficiada pelo Sr. Tan Chuan-Jin, Presidente do Parlamento. A Sra. Tan Lik Ling, esposa do Sr. Tan Chuan-Jin, assumiu o papel de madrinha de acordo com as tradições navais para nomear e lançar a embarcação no Benoi Yard da ST Marine. O evento foi testemunhado por muitos altos funcionários do Ministério da Defesa e das Forças Armadas de Singapura.

“O ano de 2017 é um ano cheio de acontecimentos para o programa Littoral Mission Vessel. No início deste ano, entregamos a terceira unidade LMV; lançamos o quarto LMV Justice; batemos aquilha do sexto LMV e iniciamos o corte de aço do sétimo e oitavo LMVs. É também o Ano do Jubileu de Ouro da Marinha da República de Singapura. Como parte das celebrações, o primeiro-ministro Lee Hsien Loong oficiou o comissionamento do primeiro LMV da classe, RSS Independence.

Hoje, o lançamento do quinto LMV, Indomitable, ​​é um marco ainda mais significativo nesta jornada. Os LMVs são uma nova geração de navios inteligentes, mais rápidos e mais apurados projetados e construídos em estreita colaboração com a DSTA (Defence Science and Technology Agency) e a RSN. Esses navios fortalecem a capacidade da RSN na defesa marítima de Singapura. Estamos orgulhosos e honrados de poder desempenhar um papel no desenvolvimento do roteiro de segurança marítima de Singapura.

“Desejo registrar meu apreço a todas as equipes de projeto da DSTA, da RSN e de nossos muitos outros parceiros da indústria, cuja dedicação e profissionalismo levaram o sucesso deste programa até agora”, disse Ng Sing Chan, presidente da ST Marine.

A ST Marine recebeu o contrato pelo MINDEF em 2013 para projetar e construir oito LMVs para a RSN. A frota dos oito LMVs substituirá os navios de patrulha da classe “Fearless” projetados e construídos pela ST Marine na década de 1990.

A ST Marine (Singapore Technologies Marine Ltd), o braço marinho da ST Engineering, fornece serviços de construção, reparação e conversão “turnkey” para um amplo espectro de navios navais e comerciais. Na construção naval, tem as capacidades comprovadas para fornecer soluções “turnkey” desde a definição de conceito até o projeto detalhado, construção, instalação e integração do sistema a bordo, teste, comissionamento e suporte de vida útil.

LMV Independence, o primeiro da classe
Maquete do LMV – Foto: Poder Naval



FONTE: ST Engineering

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
TEREU
TEREU
2 anos atrás

além de belo navio…é moderno…pais sério…é outra coisa….

carvalho2008
2 anos atrás

Casco pequeno, mas com belo convoo……detalhe do que sempre defendo…tem um enorme conves destinado a versatilidade de emprego e uso…desde um heli medio a até 6 containeres de materiais e equipamentos variados, inclusive para configuração medica e desastres….
.
Nada mau para um casco de 1.250 toneladas….
.
é por isto que não gosto dos Macaé….com um pouco mais, voce consegue um casco mais flexivel….o caso acima poderia ser um exemplo que a gosto do fregues voce pode desvitaminar ou vitaminar….
.
23 a 30 tripulantes…

Walfrido Strobel
2 anos atrás

O litoral deles se resume a um porto, o segundo maior do mundo em um estreito, entre a Indonésia e a Malásia.
Porem tem os piratas famosos na região, esse navios menores podem ser úteis, agora o que eles vão fazer com as Fragatas e Submarinos eu não sei.
É complicado imaginar como eles pretendem usar tantos aviões e navios em um espaço tão pequeno, sem falar nos blindados Leo 2.
Mas que impressiona é verdade.

_RR_
_RR_
2 anos atrás

carvalho2008, Penso o mesmo… Acredito que existe real necessidade de vasos mais pesados em todas as categorias. Afinal, aqui é Atlântico… A família ‘Gowind’ tem aquilo que acredito ser o mais apropriado para ser o vaso distrital menor da MB, na forma da ‘Gowind Control’ ( que é muito similar ao LMV de Singapura ). http://www.info-mer.fr/wp-content/uploads/2013/12/gowind_control.png Presumo ser um vaso de custo consideravelmente baixo para a sua tonelagem, haja visto a motorização ser certamente é elementar ( posto haver apenas um eixo ). Talvez o custo operacional seja até muito próximo de um vaso como a Macaé. Mesmo que tenha… Read more »

Zeabelardo
Zeabelardo
2 anos atrás

Pretendem usar isso tudo contra o inimigo comum em uma força combinada.

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Uma coisa que tem que se elogiar de Singapura é a velocidade com que fabricam seus navios, as 6 fragatas Formidable class tiveram sua construção iniciada em 2002, lançaram duas em 2004, três em 2005 e uma em 2006.
Fico imaginando quanto tempo levariamos para construir seis fragatas na atualidade.

carvalho2008
2 anos atrás

Os navios podem ter o tamanho que se desejar, eu prefiro os maiores…este comparado a um Macaé é show….mas como disse, porte pode ser qualquer um, mas falta de criatividade é incompetencia…. . O famoso design de PROA->Castelo/Estrutura/POPA, alem de reentrancias ou bicos nos poucos espaços disponiveis que sobram é extremamente antiquado frente as novas tecnologias que vão surgindo….as coisas vão miniaturizando, vants vão surgindo, equipamentos rebocaveis, ribs, containeres, estações de tiro de boca, metralhadoras, foguetes ou misseis, embora surjam cada vez mais bem bolados e portateis, plug and play, versateis e com redução de peso, volume, fica o fim… Read more »

carvalho2008
2 anos atrás

Mestre _RR_,
.
É o que penso tambem….estas Gowind tem uma otima versatilidade.

Nunao
Nunao
2 anos atrás

Falando na família Gowind, nunca fui fã do design externo da L’Adroit, que é semelhante em muitos aspectos ao navio da matéria. Mas, em compensação, o lado feio do design externo se deve a um arranjo interno muito interessante e funcional, como se vê na imagem abaixo. . https://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2016/01/panneau_gowind-coupe-du-bateau-seul-Copy.jpg . As únicas coisas que mexeria seriam um pouco mais de comprimento no casco para permitir um hangar ligeiramente mais comprido, para melhorar a capacidade de hangarar aeronaves sem necessidade de caudas dobráveis, um guindaste de maior capacidade para flexibilizar mais o emprego, e uma torreta de canhão de 40mm no… Read more »

_RR_
_RR_
2 anos atrás

Bacana, Nunao. Concordo. Penso que a adoção do passadiço com visão em 360° e o arranjo para acomodar os semi-rígidos foi o mais interessante. Essa superestrutura “minimalista” ( chamemos assim… ), certamente poupa material e torna a construção mais rápida, além de proporcionar a melhor visão possível em todos os ângulos a partir do passadiço ( visto estar exatamente ao centro ). E um hangar capaz de acomodar um ‘Lynx’ em um vaso dessa categoria, convenhamos: é um “luxo” muito bem vindo… Quase tão interessante quanto o resto, é a previsão para mísseis sup-sup ( com adaptações estruturais que seriam… Read more »

Nunao
Nunao
2 anos atrás

RR, Concordo com boa parte do que vc escreveu, mas a imagem em raio-x ajuda a mostrar, a meu ver, um dos porquês de eu discordar das propostas que sempre se aventa de acrescentar algumas coisas e um OPV “vira” corveta de pobre. . Eu sou da opinião que OPV é OPV e corveta é corveta. Esta última tem que ser navio de guerra em sua essência, apenas uma questão de porte (o que leva a diminuição de alcance, capacidade dos sensores e quantidade de armas e munições frente a fragatas), não um OPV melhor armado. OPV e corvetas podem… Read more »

_RR_
_RR_
2 anos atrás

Nunao, Perfeito. Percebo o mesmo e concordaria sem reservas. Ocorre que soluções como a ‘L’adroit’ terminam por ser uma das poucas opções financeiramente aceitáveis ( cerca de US$ 60 milhões por vaso; e valor esse que aparentemente contempla o arranjo necessário para a capacidade missilistica ) para marinhas de países com menos recursos, proporcionando a estas um vaso que, por mais limitações que tenha, ainda contará com alguma capacidade válida de combate para ser adiciona em situações que se queira. Evidente que não é algo pensável para uma marinha que tem necessidade de ser grande ( que projeta lutar contra… Read more »

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Enquanto isso, no USCG: http://cimsec.org/wp-content/uploads/2016/10/Screen-Shot-2016-09-21-at-6.23.04-PM-2.png
.
Navio que vai trabalhar muito e por 50 anos…
Deveríamos seguir este caminho, chutar as “Tamandaré” pra escanteio e fazer um bocado desses “Cutters”…