Home Noticiário Internacional General Dynamics vai construir mais dois destróieres classe ‘Arleigh Burke’

General Dynamics vai construir mais dois destróieres classe ‘Arleigh Burke’

4277
39

A Marinha dos EUA concedeu à General Dynamics Bath Iron Works uma modificação de contrato financiando totalmente a construção de dois novos destróieres da classe “Arleigh Burke, DDG 126 e DDG 127.

O DDG 126 foi adjudicado no âmbito do contrato que fazia parte de uma competição plurianual para destróieres da classe DDG 51 em 2013. O DDG 127 foi aprovado pelo Congresso sob legislação separada.

Dirk Lesko, presidente da Bath Iron Works, disse: “Esses contratos ajudam a estabilizar nossos negócios e são bem vindos. Agradecemos à delegação do Congresso do Maine e ao secretário da Marinha Spencer por seus esforços e liderança”.

A modificação do contrato inclui o financiamento das atualizações do Flight III no DDG 126. As atualizações incorporarão o novo Radar de Defesa de Míssil Avançado (AMDR) que substituirá o radar SPY-1 existente instalado nos navios DDG 51 anteriores.

Os destróieres Flight III operarão com mais pessoal, terão uma popa mais ampla para aumentar a flutuabilidade do navio e terão uma superestrutura modificada para acomodar o tamanho e o peso do novo radar.

Atualmente, existem quatro destróieres DDG 51 em produção no Bath Iron Works: Thomas Hudner (DDG 116), Daniel Inouye (DDG 118), Carl M. Levin (DDG 120) e John Basilone (DDG 122).

A Marinha batizou o DDG 126 como Louis H. Wilson Jr., em homenagem ao 26º Comandante do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, que recebeu a medalha de Honra da Segunda Guerra Mundial por suas ações durante a Batalha de Guam.

Navios da classe “Arleigh Burke” (Wikipedia)

Name   Number   Crest   Builder   Launched   Commissioned   Home port   Status 
Flight I
Arleigh Burke DDG-51 USS Arleigh Burke DDG-51 Crest.png Bath Iron Works 16 September 1989 4 July 1991 Norfolk, Virginia Active
Barry DDG-52 USS Barry DDG-52 Crest.png Ingalls Shipbuilding 8 June 1991 12 December 1992 Yokosuka, Japan Active
John Paul Jones DDG-53 USS John Paul Jones DDG-53 Crest.png Bath Iron Works 26 October 1991 18 December 1993 Pearl Harbor, Hawaii Active
Curtis Wilbur DDG-54 USS Curtis Wilbur DDG-54 Crest.png Bath Iron Works 16 May 1992 19 March 1994 Yokosuka, Japan Active
Stout DDG-55 USS Stout DDG-55 Crest.png Ingalls Shipbuilding 16 October 1992 13 August 1994 Norfolk, Virginia Active
John S. McCain DDG-56 USS John S. McCain DDG-56 Crest.png Bath Iron Works 26 September 1992 2 July 1994 Yokosuka, Japan Active
Mitscher DDG-57 USS Mitscher DDG-57 Crest.png Ingalls Shipbuilding 7 May 1993 10 December 1994 Norfolk, Virginia Active
Laboon DDG-58 USS Laboon DDG-58 Crest.png Bath Iron Works 20 February 1993 18 March 1995 Norfolk, Virginia Active
Russell DDG-59 USS Russell DDG-59 Crest.png Ingalls Shipbuilding 20 October 1993 20 May 1995 San Diego, California Active
Paul Hamilton DDG-60 USS Paul Hamilton DDG-60 Crest.png Bath Iron Works 24 July 1993 27 May 1995 San Diego, California Active
Ramage DDG-61 USS Ramage (DDG-61) crest.png Ingalls Shipbuilding 11 February 1994 22 July 1995 Norfolk, Virginia Active
Fitzgerald DDG-62 USS Fitzgerald DDG-62 Crest.png Bath Iron Works 29 January 1994 14 October 1995 Yokosuka, Japan Active
Stethem DDG-63 USS Stethem DDG-63 Crest.png Ingalls Shipbuilding 17 July 1994 21 October 1995 Yokosuka, Japan Active
Carney DDG-64 USS Kidd DDG-100 Crest.png Bath Iron Works 23 July 1994 13 April 1996 Rota, Spain Active
Benfold DDG-65 USS Benfold DDG-65 Crest.png Ingalls Shipbuilding 9 November 1994 30 March 1996 Yokosuka, Japan Active
Gonzalez DDG-66 USS Gonzalez DDG-66 Crest.png Bath Iron Works 18 February 1995 12 October 1996 Norfolk, Virginia Active
Cole DDG-67 USS Cole DDG-67 Crest.png Ingalls Shipbuilding 10 February 1995 8 June 1996 Norfolk, Virginia Active
The Sullivans DDG-68 USS The Sullivans crest.png Bath Iron Works 12 August 1995 19 April 1997 Mayport, Florida Active
Milius DDG-69 USS Milius DDG-69 Crest.png Ingalls Shipbuilding 1 August 1995 23 November 1996 San Diego, California Active
Hopper DDG-70 USS Hopper DDG-70 Crest.png Bath Iron Works 6 January 1996 6 September 1997 Pearl Harbor, Hawaii Active
Ross DDG-71 USS Ross DDG-71 Crest.png Ingalls Shipbuilding 22 March 1996 28 June 1997 Rota, Spain Active
Flight II
Mahan DDG-72 USS Mahan DDG-72 Crest.png Bath Iron Works 29 June 1996 14 February 1998 Norfolk, Virginia Active
Decatur DDG-73 USS Decatur DDG-73 Crest.png Bath Iron Works 10 November 1996 29 August 1998 San Diego, California Active
McFaul DDG-74 USS McFaul DDG-74 Crest.png Ingalls Shipbuilding 18 January 1997 25 April 1998 Norfolk, Virginia Active
Donald Cook DDG-75 USS Donald Cook DDG-75 Crest.png Bath Iron Works 3 May 1997 4 December 1998 Rota, Spain Active
Higgins DDG-76 USS Higgins DDG-76 Crest.png Bath Iron Works 4 October 1997 24 April 1999 San Diego, California Active
O’Kane DDG-77 USS O'Kane DDG-77 Crest.png Bath Iron Works 28 March 1998 23 October 1999 Pearl Harbor, Hawaii Active
Porter DDG-78 USS Porter DDG-78 Crest.png Ingalls Shipbuilding 12 November 1997 20 March 1999 Rota, Spain Active
Flight IIA: 5″/54 variant
Oscar Austin DDG-79 USS Oscar Austin DDG-79 Crest.png Bath Iron Works 7 November 1998 19 August 2000 Norfolk, Virginia Active
Roosevelt DDG-80 USS Roosevelt DDG-80 Crest.png Ingalls Shipbuilding 10 January 1999 14 October 2000 Mayport, Florida Active
Flight IIA: 5″/62 variant
Winston S. Churchill DDG-81 USS Winston Churchill DDG-81 Crest.png Bath Iron Works 17 April 1999 10 March 2001 Norfolk, Virginia Active
Lassen DDG-82 USS Lassen DDG-82 Crest.png Ingalls Shipbuilding 16 October 1999 21 April 2001 Mayport, Florida Active
Howard DDG-83 USS Howard DDG-83 Crest.png Bath Iron Works 20 November 1999 20 October 2001 San Diego, California Active
Bulkeley DDG-84 USS Bulkeley DDG-84 Crest.png Ingalls Shipbuilding 21 June 2000 8 December 2001 Norfolk, Virginia Active
Flight IIA: 5″/62, one 20mm CIWS variant
McCampbell DDG-85 USS McCampbell DDG-85 Crest.png Bath Iron Works 2 July 2000 17 August 2002 Yokosuka, Japan Active
Shoup DDG-86 USS Shoup DDG-86 Crest.png Ingalls Shipbuilding 22 November 2000 22 June 2002 Everett, Washington Active
Mason DDG-87 USS Mason DDG-87 Crest.png Bath Iron Works 23 June 2001 12 April 2003 Norfolk, Virginia Active
Preble DDG-88 USS Preble DDG-88 Crest.png Ingalls Shipbuilding 1 June 2001 9 November 2002 Pearl Harbor, Hawaii Active
Mustin DDG-89 USS Mustin DDG-89 Crest.png Ingalls Shipbuilding 12 December 2001 26 July 2003 Yokosuka, Japan Active
Chafee DDG-90 USS Chafee DDG-90 Crest.png Bath Iron Works 2 November 2002 18 October 2003 Pearl Harbor, Hawaii Active
Pinckney DDG-91 USS Pinckney DDG-91 Crest.png Ingalls Shipbuilding 26 June 2002 29 May 2004 San Diego, California Active
Momsen DDG-92 USS Momsen DDG-92 Crest.png Bath Iron Works 19 July 2003 28 August 2004 Everett, Washington Active
Chung-Hoon DDG-93 USS Chung Hoon DDG-93 Crest.png Ingalls Shipbuilding 15 December 2002 18 September 2004 Pearl Harbor, Hawaii Active
Nitze DDG-94 USS Nitze DDG-94 Crest.png Bath Iron Works 3 April 2004 5 March 2005 Norfolk, Virginia Active
James E. Williams DDG-95 USS James E. Williams DDG-95 Crest.png Ingalls Shipbuilding 25 June 2003 11 December 2004 Norfolk, Virginia Active
Bainbridge DDG-96 USS Bainbridge DDG-96 Crest.png Bath Iron Works 13 November 2004 12 November 2005 Norfolk, Virginia Active
Halsey DDG-97 USS Halsey DDG-97 Crest.png Ingalls Shipbuilding 9 January 2004 30 July 2005 Pearl Harbor, Hawaii Active
Forrest Sherman DDG-98 USS Forrest Sherman DDG-98 Crest.png Ingalls Shipbuilding 2 October 2004 28 January 2006 Norfolk, Virginia Active
Farragut DDG-99 USS Farragut DDG-99 Crest.png Bath Iron Works 23 July 2005 10 June 2006 Mayport, Florida Active
Kidd DDG-100 USS Kidd DDG-100 Crest.png Ingalls Shipbuilding 22 January 2005 9 June 2007 Everett, Washington Active
Gridley DDG-101 USS Gridley DDG-101 Crest.png Bath Iron Works 28 December 2005 10 February 2007 Everett, Washington Active
Sampson DDG-102 USS Sampson DDG-102 Crest.png Bath Iron Works 16 September 2006 3 November 2007 Everett, Washington Active
Truxtun DDG-103 USS Truxtun DDG-103 Crest.png Ingalls Shipbuilding 2 June 2007 25 April 2009 Norfolk, Virginia Active
Sterett DDG-104 USS Sterett DDG-104 Crest.png Bath Iron Works 19 May 2007 9 August 2008 San Diego, California Active
Dewey DDG-105 USS Dewey COA.png Ingalls Shipbuilding 26 January 2008 6 March 2010 San Diego, California Active
Stockdale DDG-106 USS Stockdale COA.png Bath Iron Works 10 May 2008 18 April 2009 San Diego, California Active
Gravely DDG-107 USSGravelyDDG107coatofarms.png Ingalls Shipbuilding 30 March 2009 20 November 2010 Norfolk, Virginia Active
Wayne E. Meyer DDG-108 USS Wayne E. Meyer COA.png Bath Iron Works 18 October 2008 10 October 2009 San Diego, California Active
Jason Dunham DDG-109 USS Jason Dunham COA.png Bath Iron Works 1 August 2009 13 November 2010 Norfolk, Virginia Active
William P. Lawrence DDG-110 USS William P. Lawrence.png Ingalls Shipbuilding 15 December 2009 4 June 2011 Pearl Harbor, Hawaii Active
Spruance DDG-111 USS Spruance COA.png Bath Iron Works 6 June 2010 1 October 2011 San Diego, California Active
Michael Murphy DDG-112 USS Michael Murphy COA.png Bath Iron Works 7 May 2011 6 October 2012 Pearl Harbor, Hawaii Active
Flight IIA: Restart
John Finn DDG-113 USS John Finn DDG-113 Crest.png Ingalls Shipbuilding 28 March 2015 15 July 2017 San Diego, California Active
Ralph Johnson DDG-114 USS Ralph Johnson (DDG-114) Crest.png Ingalls Shipbuilding 12 December 2015 scheduled in 2017 Launched
Rafael Peralta DDG-115 USS Rafael Peralta (DDG-115) Crest.png Bath Iron Works 1 November 2015 29 July 2017 San Diego, California Active
Flight IIA: Technology Insertion
Thomas Hudner DDG-116 USS Thomas Hudner DDG-116 Crest.png Bath Iron Works 23 April 2017 scheduled in 2018 Launched
Paul Ignatius DDG-117 USS Paul Ignatius-DDG 117-Coat of Arms.png Ingalls Shipbuilding 12 November 2016 scheduled in 2018 Launched
Daniel Inouye DDG-118 Bath Iron Works Keel Laid
Delbert D. Black DDG-119 Ingalls Shipbuilding 15 September 2017 scheduled in 2018 Keel Laid
Carl M. Levin DDG-120 Bath Iron Works Contract awarded (MYP)
Frank E. Petersen Jr. DDG-121 Ingalls Shipbuilding scheduled in 2020 Keel Laid
John Basilone DDG-122 Bath Iron Works scheduled in 2022 Contract awarded (MYP)
Lenah H. Sutcliffe Higbee DDG-123 Ingalls Shipbuilding Keel Laid
Flight III
Harvey C. Barnum Jr. DDG-124 Bath Iron Works Contract awarded (MYP)
Jack H. Lucas DDG-125 Ingalls Shipbuilding Contract awarded (MYP)
Louis H. Wilson Jr. DDG-126 Bath Iron Works Contract awarded (MYP)

39
Deixe um comentário

avatar
37 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
NunaoFernando "Nunão" De MartiniAlexandre GalantehernâniIvan BC Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Dalton
Visitante
Dalton

Uma pequena atualização no quadro: o primeiro Flight III será o DDG 125 e não mais o DDG 124 que será
construído como Flight IIA

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Navios espetaculares, quase um cruzador !!!!

Burgos
Visitante
Burgos

Ja pensaram!!!
Em uma 6 dessas no Brasil ?!
Pena que quando ofereceram, foram as mais velhas que já tavam rachadas e não tem hangar (as primeiras da série não tem hangar).
Mas mesmo assim é um Sr Navio de Guerra.
Detalhe: Quando fizeram a proposta pro Brasil disseram que iam vender com o AEGIS funcionando e tudo e com transferência de tecnologia. Mas não vingou parece que são muito caras também.

Dalton
Visitante
Dalton

Burgos… . os EUA nunca ofereceram nenhum “Arleigh Burke” com ou sem hangar…aliás…os “sem hangar” possuem como principal função a defesa contra mísseis balísticos e são altamente necessários. . Talvez você esteja confundindo com alguma outra classe …houve relatos sobre uma possível venda de 2 “Spruances” e 4 “Oliver Perry” além de alguns outros navios nos anos 90, mas, de concreto mesmo apenas o “Mattoso Maia” foi adquirido. . Em 2011 chegou a ser comentado que 4 “Arleigh Burkes” com hangar…os DDGs 79, 80, 83 e 84 poderiam estar disponíveis caso o Brasil escolhesse o “Super Hornet”, mas, provavelmente foi… Read more »

Aldo Ghisolfi
Visitante

DALTON está correto. No pacotão para a aquisição do F-18 o Obama ofereceu 4 Arleigh Burke:
Oscar Austin (DDG-79)
Roosevelt (DDG-80)
Howard (DDG-83)
Bulkeley (DDG-84).

Poder Naval, 4 de março de 2011.

marcos
Visitante
marcos

Se hoje, 03/10/17, a US Baby doasse todos esses navios ai em cima para a MB, quebrava o país só de abastecer.

marcos
Visitante
marcos

Navy, navy, não baby!!!!

Dalton
Visitante
Dalton

Aldo… . o Obama não ofereceu 4 preciosos e novos Arleigh Burkes…”alguém” sabe-se lá com que intenção “plantou” tal coisa…e muita gente acredito tanto que eventualmente esses 4 “DDGs” voltam à baila. . Se fosse de fato verdade isso teria sido noticiado até no “USNi” e comentado até à exaustão, afinal, a US Navy não tinha e não tem navios sobrando. . Independente disso…a marinha brasileira com “PMGs” durando quase uma década e uma corveta incorporada em 2008 depois de uma gestação de 14 anos como exemplos não teria condições de operar 4 navios altamente sofisticados e grandes cada um… Read more »

Helano Moura
Visitante
Helano Moura

Os nossos, queridos almirantes (coitados), não tem força politica e nem querem, o negocio e o soldo, ta na conta no fim de mês e pronto !!!

Burgos
Visitante
Burgos

Isso !!! Isso !!!
Dalton
Foi o tal do pacotão do Obama que apelidaram essa proposta, mas que seria as mais velhas , sim iam ser as mais velhas, me parece que algumas foram adptadas um hangar telescópico .
Eles fazem também propaganda enganosa também kkkkk

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Isso que é navio!

Bosco
Visitante
Bosco

O Flight III irá colocar de novo os navios americanos no estado da arte da tecnologia, coisa que os navios Aegis já não representam há muito tempo. O sistemas de radar AESA e o sistema PAAMS de mísseis há muito colocaram os europeus na crista da onda tecnológica. Claro, a quantidade nesse caso faz a diferença e mesmo não representando o “estado da arte” os destróieres Burke e os cruzadores Ticonderogas representam uma capacidade inigualável no mundo. Claro, há duas honrosas exceções na US Navy que são o destróier DDG1000 e o porta-aviões Gerald Ford. Ambos são dotados de radares… Read more »

jORGE KNOLL
Visitante

A força de destróier desta classe, é maior não só em número como poder de fogo das marinhas das Américas, da África, de Portugal, Noruega, Filândia, Islândia tudo juntos, somados.
É piada. Como estamos mal. E o que eles esnobam. Nós perdemos o bonde da história, pois os almirantes só aguardam transcorrer os 30 dias para receberem seus soldos. São meros fantoches. Eu extinguiria esse cargo/função. Máximo o correspondente a Coronel. Já estaria bom, e faria uma boa economia.

Bosco
Visitante
Bosco

Agora, que justiça seja feita, apesar de alguns navios europeus serem mais avançados que os destróieres americanos o desempenho dos mísseis Standard é muito superior aos mísseis do sistema PAAMS. Sem falar da capacidade antibalístico/antissatélite dos navios americanos, representado pelos mísseis SM-3.

sergio ribamar ferreira
Visitante

SR. Bosco. Alguma proposta para Oliver Perry, pelo menos? Seria bom? Grande abraço.

Augusto
Visitante
Augusto

Vi no começo desse ano, que os EUA pretendiam ter 145 escoltas sendo que seriam 74 burkes, 11 ticonderongas, 40 LCSs e + 20 derivados dos LCSs.

Bosco
Visitante
Bosco

Sergio,
Não tô sabendo de nada a respeito meu amigo.
Um abraço.

Dalton
Visitante
Dalton

Augusto…
.
os números que você citou são para lá pelo início de 2030…quando 11 dos 22 “Ticonderogas” atuais já tiverem dado baixa e também
alguns dos primeiros “Burkes”…não se sabe ainda ao certo quantos LCSs e fragatas existirão e claro, existirão os 3 classe “Zumwalt”.

Dalton
Visitante
Dalton

Outra coisa em que a US Navy é boa é a “Capacidade de Engajamento Cooperativo” que basicamente é a capacidade de se trocar
informações entre as plataformas, aéreas e navais, possibilitando uma maior integração na defesa contra aeronaves e mísseis.

JagderBand44
Visitante
JagderBand44

Os quatro AB doados para o Brasil receberiam os seguintes nomes:
DD Cumpanheiru, DD Sarney, DD Marighella e DD Gean Wyllys.
Brincaderia à parte, gostaria de saber a opinião dos colegas sobre o Hellfire equipando o Seahawk da segunda foto.
No combate à uma ameaça assimétrica é um bom uso (no meu ponto de vista), mas e no combate, digamos, tradicional, seria??
Abs.

Jacinto
Visitante
Jacinto

Hoje me parece que o calcanhar de aquiles da US Navy não está na quantidade ou na qualidade de seus navios. O problema é humano: está faltando marinheiro em quantidade adequada para tripular os navios, treinar, enfim, manter proficiência.

Tiago Jeronimo (@TiagoJL)
Visitante

Já existe algum projeto pra substituir os Ticonderogas? Já que os DDG1000 ficarão restritos a 3 unidades?

Augusto
Visitante
Augusto

Dalton esqueci do zulwalt ! Mas é isso mesmo pra lá de 2020, início de 2030

Jonas Rafael
Visitante
Jonas Rafael

Acredito que os Ticonderogas serão substituídos por algum Flight XXX das Arleigh Burke

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

JagderBand44 4 de outubro de 2017 at 10:14
kkkkkkkkkk

Dalton
Visitante
Dalton

Tiago… . A classe “Zumwalt” não foi pensada para substituir a classe “Ticonderoga”, nem mesmo quando se pensava em construir um número maior de unidades. O plano era aproveitar o máximo possível do projeto e desenvolver a partir dele um novo cruzador, mas, isso é coisa do passado agora. . Por enquanto não há nada de concreto e mesmo um Arleigh Burke III não é considerado ideal para tomar o lugar do “Ticonderoga” que funciona como o navio coordenador da defesa dentro de um grupo centrado em um Navio Aeródromo. . Então a ideia agora é a seguinte: manter ao… Read more »

hernâni
Visitante
hernâni

Bosco,
“O sistemas de radar AESA e o sistema PAAMS de mísseis há muito colocaram os europeus na crista da onda tecnológica.”
Eu sou um leitor atento dos seus comentários.
Então qual a diferença entre o sistema americano AEGIS e o radar AESA europeu? eu pensei que todos eram AESA…

Um abraço

JagderBand44
Visitante
JagderBand44

http://armedforces.eu/compare/destroyers_Arleigh_Burke-class_vs_Ticonderoga-class

Não sei porque, mas sempre que vejo um Ticonderoga, lembro dos Spruance.

Bosco
Visitante
Bosco

Hernâni, O radar SPY-1 que é a “alma” do sistema Aegis é um radar de varredura eletrônica passivo (PESA) e não um radar AESA, que é um sistema mais evoluído, de varredura eletrônica ativo. O sistema Aegis utiliza o radar PESA SPY-1 para vigilância, rastreamento de alvos e controle dos mísseis via data link mas utiliza radares mecânicos operando na banda X para iluminar os alvos para os mísseis Standard (e ESSM). São 4 radares SPG-62 nos cruzadores Ticonderogas e 3 nos destróieres Burkes. Essa característica limita a quantidade de alvos que podem ser engajados simultaneamente porque os mísseis Standards… Read more »

Augusto
Visitante
Augusto

Bosco, os SM-6 será radar ativo então não tera essa limitação e os SM-2 mais modernos pelo que eu sei apesar de serem semi-ativos tem sensores IR o que permitiria engajar alvos sem radar de iluminação certo ?

hernâni
Visitante
hernâni

Bosco,
Obrigado, os seus esclarecimentos são sempre muito úteis!

Um abraço

Bosco
Visitante
Bosco

Augusto,
É isso mesmo!
O SM-6 tem sistema duplo de orientação e podendo utilizar o sistema terminal semi-ativo (TSAR) ou mudar para o radar ativo.
Já o SM-2Block III B tem um sistema duplo radar semi-ativo combinado como IR e do mesmo modo pode muda de um modo ao outro no caso de ECM, ataques múltiplos onde os canais de tiro estejam saturados, etc.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Trusted Member

Lembrando também que mesmo nos mísseis atuais do sistema Aegis a orientação por radar de direção de tiro (DT) é na fase terminal, por alguns segundos.
.
Então na prática é possível ter mais mísseis no ar indo em direção a mais alvos do que a limitação de três ou quatro, desde que haja tempo para os radares DT terminarem a orientação final de um míssil e mudarem de alvo para a orientação terminal de outro míssil.

JagderBand44
Visitante
JagderBand44

Esses vasos tem belas linhas, Galante.

Bosco
Visitante
Bosco

Hernâni,
Valeu meu amigo.

Augusto,
Está quase entrando em operação o ESSM Block 2, que igual ao SM-6 irá operar no modo duplo (TSAR e radar ativo).

Bosco
Visitante
Bosco

Nunão, Realmente! O radar SPY-1 (banda S) é capaz de atualizar a posição dos alvos para os mísseis Standards SM-2 (Block II, III e IV ) e pode colocar até 16 mísseis em voo contra 16 alvos ao mesmo tempo (4 por cada “antena” fixa). Diferente dos mísseis que utilizam o método SAR (radar semi-ativo) que precisam que os alvos sejam iluminados desde o momento em que o míssil deixa o lançador, os que utilizam o método TSAR (radar semi-ativo TERMINAL) só precisam de iluminação nos segundos finais antes do impacto. Isso possibilita que mais alvos possam ser engajados num… Read more »

Nunao
Visitante
Nunao

Bosco, minha opinião é de que se estão “iluminando”, ainda que só na fase terminal, então são parte indispensável do sistema de DT, consequentemente são DT.
Mas vc tem um argumento interessante.

Bosco
Visitante
Bosco

Nunão, Só pra enriquecer a discussção, no caso de um míssil guiado por radar semi-ativo “convencional” (ex: Albatroz), o radar de direção de tiro tem função também de iluminar o alvo. Por exemplo, na classe Niterói, que não tem um radar de vigilância 3D, é o radar de direção de tiro RTN-30X que determina a altitude do alvo, etc., dados estes utilizados para a solução de tiro do sistema de combate. Após o radar RTN-30X abastecer o sistema de combate com dados do alvo o míssil Aspide é lançado e esse mesmo radar é agora utilizado para iluminar o alvo.… Read more »