Home Indústria Naval Corvetas classe Tamandaré: Congresso votará lei para capitalizar Emgepron

Corvetas classe Tamandaré: Congresso votará lei para capitalizar Emgepron

10178
141
Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré (CCT)

Está em tramitação no Congresso projeto de lei que abre crédito especial para capitalização da Emgepron em R$ 500 milhões, para início da construção das corvetas classe “Tamandaré” (CCT). Essa capitalização poderá garantir, por exemplo, os pagamentos iniciais (chamados “downpayment”) que cubram o inicío de produção dos “long lead time items” (equipamentos de longo tempo de fabricação, como os sistemas de propulsão) em eventuais assinaturas de contratos de encomendas e de financiamento com o estaleiro parceiro vencedor da concorrência para a construção dos navios em estaleiros nacionais.

A lei viabilizará a capitalização da Empresa Gerencial de Projetos Navais – Emgepron, a fim de iniciar o programa de Recomposição do Núcleo do Poder Naval a partir da construção de quatro corvetas, em estaleiros nacionais, com transferência de tecnologia e participação de parceiro estrangeiro, dotadas de sistemas de armas e sensores que as habilitam às operações típicas dos navios escolta.

A lei seria votada ontem a partir das 18h, mas por falta de quórum deputados e senadores voltarão a se reunir em nova sessão do Congresso na próxima terça-feira (12), às 14 horas.

Para ler o histórico do projeto de lei e acompanhar a tramitação, clique aqui.

A classe Tamandaré

A Corveta Classe “Tamandaré” (CCT) foi projetada pelo Centro de Projetos de Navios da Marinha do Brasil (CPN) sob o conceito “stealth”. Ela é uma evolução das classes “Inhaúma” e “Barroso”.

Comparação entre os perfis da corveta Barroso e da futura classe Tamandaré, e desenho com arranjo interno e compartimentação da nova corveta

A CCT foi concebida para ser uma plataforma poderosa para missões diversas e para emprego contra ameaças aéreas, de superfície e submarinas.

O navio pode ser configurado com vários sistemas e armas, como canhões de médio e grosso calibres, metralhadoras e sistemas de controle tático.

A corveta também conta com convoo e hangar para helicóptero orgânico.

Características:

  • Comprimento: 103,4 m
  • Boca máxima: 12,8 m
  • Calado: 4,21 m
  • Deslocamento: 2.715 t
  • Velocidade máxima: 25 nós
  • Tripulação: até 136 militares
  • Propulsão: CODAD (4 MCP)
  • Capacidades operativas: ASup/GAA-GE/GAS/AAw/MIO

Chamamento Público para parceria na construção

Em 10 de abril de 2017, a Diretoria de Gestão de Programas da Marinha (DGePM) publicou no Diário Oficial da União (DOU) um Chamamento Público convidando para participar do futuro processo licitatório empresas ou consórcios, nacionais ou estrangeiros, capacitados nos últimos dez anos em construção de navios militares de alta complexidade tecnológica, com deslocamento superior a 2.500 toneladas.

As seguintes empresas/consórcios, por ordem alfabética, apresentaram documentações em atenção ao Aviso de Chamamento Público:

  • BAE Systems Ltd;
  • Chalkins Shipyards S.A.;
  • China Shipbuilding and Offshore Co Ltd;
  • China Shipbuilding Trading CO Ltd;
  • Damen Schelde Naval Shipbuilding B.V.;
  • DCNS do Brasil Serviços Navais Ltda;
  • Ficantieri S.p.A.;
  • German Naval Yards Kiel GmbH;
  • Goa Shipyard Ltd;
  • Mazagon Dock Shipbuilders Ltd;
  • Navantia SA;
  • Poly Technologies Inc;
  • Posco Daewoo do Brasil;
  • Rosoboronexport Joint Stock Company;
  • SAAB AB;
  • Singapore Technologies Marine Ltd;
  • State Research and Design Shipbuilding Centre;
  • Turkish Associated International Shipyards;
  • Thyssenkrupp Marine Systems GmbH;
  • Wuhu Shipyard CO Ltd;
  • e Zentech do Brasil Serviços Técnicos Ltda.

O processo de obtenção das CCT obedecerá às seguintes diretrizes básicas estabelecidas pela MB:

  • prioridade no atendimento às necessidades estratégicas de defesa do País, por meio da obtenção de novos navios militares de superfície, a fim de contribuir para o cumprimento das tarefas constitucionais da Força Naval;
  • necessidade de contar com empresa capacitada em projetar e construir navios militares de alta complexidade, cuja contratação deverá estar associada a um estaleiro nacional e à prática compensatória voltada para a geração de benefícios de natureza industrial, tecnológica e comercial ao Brasil; e
  • reconhecimento da importância estratégica e econômica da participação no processo das empresas nacionais que compõe a base industrial de defesa.

A próxima etapa do projeto prevê a elaboração e divulgação, ainda em 2017, da Solicitação de Proposta (Request for Proposal – RFP). Após o recebimento de propostas dos estaleiros interessados, a previsão é que as três melhores propostas formem a chamada “short list”. Em seguida, esses três ofertantes deverão enviar suas “BAFO” (Best and Final Offer – última e melhor oferta) ainda em 2018, para a seleção final.

141
Deixe um comentário

avatar
123 Comment threads
18 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
56 Comment authors
AiracobraDelfim SobreiraAdriano LuchiariLuiz Floriano AlvesZorann Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
henrique
Visitante
henrique

corveta com preço de contratorpedeiro…………….

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Nunao,

Após o RPG, a MB deverá selecionar as 3 melhores propostas, em uma short list, para que essas 3 empresas apresentem sua melhor proposta, ainda em 2018.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

RFP e não RPG, como o celular insiste em colocar.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Prezado CA Luiz Monteiro, boa noite.

Esta previsto as instalações e a utilização de algum vant de asas rotativas na Tamandaré ? Por exemplo o FT-200 FH…

E por que não há previsão de utilização do sistema Corced nas Tamandaré ? A MB desenvolveu mas não vejo utilização em nenhuma embarcação ainda.

Agradeço

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Henrique, se encontrar um contratorpedeiro que custe entre 350 e 450 milhões de dólares, a preços de hoje, numa fonte confiável, por favor, coloque o link aqui.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

“Luiz Monteiro em 7 de dezembro de 2017 at 19:21”

Obrigado!

William Duarte
Visitante
William Duarte

Boa noite – Uma curiosidade de “bêbado” apaixinado pelo portal e fora fora do tópico – Por que o Forte e o Aéreo é jor.br e o Naval é .com.br?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Porque o PN é mais antigo e foi registrado muito antes.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Falando em valores, colocamos no início da matéria nossa hipótese de que o valor de 500 milhões de reais pode (friso: pode) ser provisão para futuro ” downpayment” ou encomenda inicial (antecipada a um financiamento da parte maior e restante) dos chamados “long lead time materials”, porque é algo bastante comum, e é algo que garante prazos mais curtos para construções. Vale lembrar que, recentemente, publicamos justamente matéria sobre pagamento de long lead time materials para um novo cutter (OPV com porte de fragata) da USCG, no valor de 41,6 milhões de dólares, conforme o link abaixo: http://www.naval.com.br/blog/2017/10/05/guarda-costeira-dos-eua-seleciona-radar-da-saab-para-seu-novo-offshore-patrol-cutter/ Complementando, link… Read more »

William Duarte
Visitante
William Duarte

errata apaixonado – Teclar com álcool não combina

TukhAV
Visitante
TukhAV

Boa noite, tive um comentário moderado no post sobre o Ocean. Se puderem liberar ficarei grato.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

TukhAV, olhei mas não tem nenhum comentário seu preso.

IagoSP
Visitante
IagoSP

William Duarte, dei muita risada com sua pergunta hahahaha

TukhAV
Visitante
TukhAV

A trilogia poderia fazer uma série sobre a previdência militar, que os de farda insistem em dizer que não é previdência. rsrsrs
Com a reforma da mesma poderíamos ter uma marinha do nível da Royal Navy.

Amauri
Visitante
Amauri

Curioso é nenhum estaleiro dos EUA terem demonstrado interesse.

Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

as coretas russas são bem mais baratas e com o poder de fogo muito maior.Vão levar 19anos ou mais para construir essas corvetas vira e mexe terá corte de verba.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Senhores
Muitos esquecem q nossas FFAA tem inúmeras responsabilidades, não só Guerra, em um país continental.
A MB tem suas missões q deve e poderia cumprir, sem substitutos.
Para tanto, deve, obviamente, se preparar.
Alguns comentários dão ideia de comprar uma ou outra coisa, abandonando ideias ou oportunidades.
Mas, é como uma casa cheia de problemas. Não dá pra deixar o banheiro, q é essencial, 100 % e abandonar a cozinha ou o quarto.
Ponderarão, senhores.
Espero, realmente, q as Tamandaré cheguem em mais quantidade e possamos adquirir meios mais nobres, como fragatas.
Sds

William Duarte
Visitante
William Duarte

IagoSP – Na minha cidade é feriado amanhã, estou bebendo umas cervejas e lendo páginas na internet que gosto. Sempre li a trilogia PN, PA e FT. Sou contador e não Expert em assuntos militares ou até sobre domínios de site etc, se isso é motivo de piada me desculpa, mas estou trabalhando nesrtes dias em uma ação de “domínio” em site por uma empresa e fiquei curioso com este detalhe e perguntei por curiosidade, me desculpa por minha ignorância. Na minha terra perguntas são feitas para serem respondidas e não para serem motivos de piadas, pois se assim fossem,… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

TukhAV
Vai estudar, vai.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

William, reitero que de minha parte não fiz piada alguma (apenas pra deixar claro).

Silva
Visitante
Silva

Interessante a lista de empresas com interesse no projeto. Grande e variada. Das 21 empresas interessadas na construção das corvetas, os senhores aqui arriscam apontar qual dessas empresas levará o contrato ou ao menos possuem mais chances de ganhar a concorrência? Será que a Saab e a DCNS saem na vantagem, por já terem contratos com as forças armadas do Brasil?

William Duarte
Visitante
William Duarte

Numão – Com certeza que não foi você, pois é uma pessoa que sempre me pareceu equilibrada e até tolerante com nós que somos apaixonados por estes tópicos porém sem conhecimento. O Fato é que muitas vezes fazemos perguntas idiotas para os que acham especialistas, interessante é que tem muito “especialista” que nem serviu as FFAA, e se acham, verdadeiros consultores do Wikipedia. Tem uns que eu chamo de “puritanos” rsss! que até acham que este portal deveria limitar o acesso aos “leigos” no assunto, mas tenho certeza que eu e no caso a grande maioria de leitores deste portal… Read more »

diego
Visitante
diego

Esse projeto de corveta brasileiro vai ser lento e leve para as necessidades do atlantico sul. Vai ser custoso, se espera gastas 450 milhões por unidade no final deve sair quase o dobro e deve demorar também o dobro nos prazos de entrega…. Capitalizar a EMGEPROM é outro grande erro, aquilo não passa de cabide de empregos de militar aposentados e afins. Enfim, os impostos suados do contribuinte bancando mais um elefante branco.

diego
Visitante
diego

solução, KDX2 DE PRATELEIRA, sem conversa fiada de TOT e sistema de pagamento estilo gripen, fica a dica.

Jeferson
Visitante
Jeferson

Willian eu leio diariamente … Comecei a me interessar por defesa aqui, sou leigo porém tenho uma grande admiração por nossas forças armadas …

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Roberto Bozzo,

Está prevista a adoção de um modelo de vant para operar embarcado nos escoltas e nos NaPaOc. Competem o CAMCOPTER S-100 e o ScanEagle.

O CORCED – Controle Remoto de Conteira, Elevação e Disparo , desenvolvido em conjunto com a ARES poderá ser adotado nas CCT, com metralhadoras 0.50.

Abraços

Ozzy
Visitante
Ozzy

Ou seja, 2018 vai ser um bom ano para a Marinha, deve lançar o primeiro submarino, comprar o Ocean e contratar a Tamandaré.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Prezado Luiz Monteiro, desculpe abusar, mas saberia informar por que o FT-200 FH, nacional, não esta na concorrência ? Não me parece muito lógico…

Quanto ao CORCED, perguntei pois não vi menção alguma no projeto das CCT, mas agradeço o esclarecimento.

Mahan
Visitante
Mahan

Tantos reclamaram da velocidade de algumas unidades. 25 nós não muito lento pra uma escolta?

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Aquela proa da Tamandaré comparada com a da Barroso parece um mau augúrio no que se refere a embarque de água…
Stealth em navio é realmente decisivo? Uma aeronave avançada não poderia detectar o vaso, apenas pelo ângulo de incidência menos rasante do seu radar? Nem aeronave stealth é stealth em todas as direções (e continua perfeitamente visível em IR). Claro que se você puder ver primeiro sem ser visto, você pode atirar primeiro (o que acaba com qualquer discrição), mas não garante um efeito letal ou desabilitante no alvo…
Algum radar 3D seria interessante pra AAW?

Gabriel Barbosa
Visitante
Gabriel Barbosa

Pensando como um bobo !!!! Acho q leio leio este e os demais canais com muita frequencia desde 2010 Talvez até menos…. Respeito todos os posts e aprecio às opiniões de muitos , Galante , Bosco , MO , Ozawa , Bardini , Nunão , Dalton entre outros… Talvez este plano de construção de navios militares poderia até voltar a estruturar o RJ empregando milhares de individuos diretos e indiratemente , ao invés de sempre desacreditarmos neste pais pelos “políticos “ assim como o prosub ja vem fazendo , 2018 vem ai cheio de surpresas e pode ser que tenhamos… Read more »

Nunao
Visitante
Nunao

“Alex Barreto Cypriano 7 de dezembro de 2017 at 22:26
Aquela proa da Tamandaré comparada com a da Barroso parece um mau augúrio no que se refere a embarque de água….”

Por que, Alex?
Se a altura da proa acima da linha d’Água parece ser a mesma e a borda livre onde começa a superestrutura (onde está o passadiço) é maior, não parece fazer sentido a sua colocação…

José Luiz
Visitante
José Luiz

Somente o sistema Sea Ceptor, deve valer uma fortuna, este SAM será o ponto forte do armamento da corveta, ele sim dá uma capacidade significativa de combate, pois a corveta poderá se defender bem de um ataque de dois ou três SSM isso deixa ela muito forte, pois não será atingida facilmente, vale muito mais que um CIWS comum, pela capacidade de engajar múltiplos alvos. Agora o restante não é muita coisa, mas claro é bem caro. A diferença de um OPV para uma corveta não esta só no custo do casco com padrão de estanqueidade militar, com compartimentos herméticos,… Read more »

Danilo José
Visitante
Danilo José

Que venham, em velocidade de dobra (startrek) !

Saudações amigos do blog,

Sequim
Visitante
Sequim

William Duarte, concordo em gênero, número e grau com suas postagens. Eu chamo esse tipo de gente arrogante de “çábios” (com ç mesmo ). Perceba que os verdadeiros entendidos no assunto são generosos, pacientes e didáticos com aqueles que são leigos e querem aprender. Forte abraço.

camargoer
Visitante

Olá Galante. Há cerca de 3 semanas, assisti uma apresentação do Prof. Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, na qual ele mencionou o teste de water spray do KC390. Além do teste real, ele mencionou que a FAPESP apoiou uma estação para simulação computacional de dinâmica de flui onde foram realizadas os cálculos para o teste do KC390. Ele disse que a simulação computacional mostrou exatamente o resultado obtido na pista de Gavião Peixoto (e mostrou as imagens da simulação computacional e as fotos do KC390. Identicas). Então, ele disse que esta estação de simulaçõa está sendo usada para outros… Read more »

Everton Matheus
Visitante
Everton Matheus

Navantia, BAE, DCNS, Saab, … Só sucesso

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Pessoal,

Esse deslocamento informado das CCTs (2.715 mil Ton) se refere ao deslocamento máximo ou padrão?

Nunao
Visitante
Nunao
Nunao
Visitante
Nunao

E na verdade é um pouco maior, segundo o link que passei agora (2790t). De fato, houve mais uma atualização do projeto em relação à tabela que usamos na matéria. E provavelmente mais alguns números mudarão conforme as propostas do concorrente que for selecionado traga mais melhorias ao projeto que sejam consideradas interessantes.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Bom!!!!.Navios Patrulhas Oceânicos, Corvetas(bom!!!), fragatas…Varredura e minagem, manter o Prosub, modernizar os IKls existentes. Muitos meios a serem modernizados ou construídos e espero que a MB consiga se programar. Torcer para tudo sair direito. Só espero que o governo dê condições a MB de garantir seus projetos. Vai dar certo!!! Abraços.

Zé
Visitante

Não é velocidade de dobra. Atente para o comando: “…Sr Sulu, fator dobra…”. Não é espaço por tempo e sim distorção do tecido do espaço-tempo.

Sandro
Visitante
Sandro

Só espero que tenham corrigido no projeto o defeito da proa submarina, pq as inhaumas da para confundir com um submarino quando tem mar bravo. A barroso ja melhoraram mas tambem ainda tinham problemas. Pelo desenho apresentando acho que ingnoram novamente esse fato, bem que poderiam aumentar um pouco a tonelagem e copiar a proa do desenho das lafayete francesas. Quanto ao armamento, em face ao pouco numero de navios que vamos ter, oque todos ja sabemos que se programa para fabricar 10 e nunca passa de tres, acho que deveria ter o canhão principal mais porrada com o Oto… Read more »

Wilson
Visitante
Wilson

Incrível: erraram no projeto das Inhaúma, corrigiram com proa alta e “bochechas” na barroso e agora voltam ao erro no projeto da Tamandaré. Apesar de ser corveta, na nossa Marinha estes navios vão enfrentar mar grosso para realizar funções que deveriam ser para, no mínimo, Fragatas.

Burgos
Visitante
Burgos

Que venham as CCTS !!!
Belo design !!!
Podiam trabalhar agora num projeto inovador de Fragatas também !!!
Mas acho que isso deva ser pra daqui 2 anos
acredito eu !!!
Tem gente aí dizendo que o preço tá alto e que Corveta Russa é mais armada e mais barata.
Ninguém faz nada de graça hoje pra ninguém.
Os russos tem sérios problemas em não transferir a tecnologia deles e de não passar os sobressalentes em estoque necessários para reparos dos equipamentos.
Por isso que fica barato.
Ao meu ver, comprar um equipamento pra depois ficar com ele parado, esse barato acaba ficando caro.

wwolf22
Membro
Active Member
wwolf22

Senhores, poderiam informar se todas as unidades a serem produzidas terão o mesmo conjunto de armas. Todas terão capacidade anti submarina ?? ha intenção em instalar um sonar de reboque ??
Quais armas anti submarino a MB possui ?? Torpedos(lógico)! Carga de profundidade ?? minas ??

Top Gun Sea
Visitante

Para a maioria daqueles que acham que a compra do Ocean vai inviabilizar o projeto de execução das Tamandarés, está ai a respostas, ou seja, verbas de compras de oportunidades não tem nada a ver com verbas para novos projetos

WellingtonRK
Visitante
WellingtonRK

Como navio principal, a MB já teve couraçado, cruzador, contratorpedeiro, fragata e agora o supra-sumo são as corvetas. Logo teremos lanchas.

Humberto
Visitante
Humberto

WellingtonRK 8 de dezembro de 2017 at 7:33
Como navio principal, a MB já teve couraçado, cruzador, contratorpedeiro, fragata e agora o supra-sumo são as corvetas. Logo teremos lanchas.

Forum é um local onde os comentários são livres, mas o seu cai naqueles ridículos. Se não tem o que agregar, perguntar, aprender, compartilhar ou ensinar, nem Boste.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

WellingtonRK.
O senhor esquece , que esta corveta com esta ficha técnica exposta. Tem poder de destruição de alvos inimigos maior que qualquer navio destes que o senhor alocou no seu comentário.

WellingtonRK
Visitante
WellingtonRK

Desculpem-me pela heresia que postei. Eu não duvido da capacidade da nova corveta! A minha dúvida é quanto a classe de navio que se tornou a principal para a MB.

TukhMD
Visitante
TukhMD

COMENTARIO APAGADO. UM JÁ PROVOCOU, OUTRO RESPONDEU PROVOCAÇÃO E AGORA JÁ COMEÇOU A BRIGA. O ESPAÇO NÃO É PRA BRIGAS PESSOAIS, RESPEITEM OS DEMAIS.