Home Indústria de Defesa Saab oferece radar Sea Giraffe 4A com antenas fixas

Saab oferece radar Sea Giraffe 4A com antenas fixas

4579
31
Sea Giraffe 4A

A empresa de defesa e segurança Saab apresentou o radar Sea Giraffe 4A Fixed Face (FF), uma configuração de antena fixa de matriz eletronicamente ativa, AESA, da família Saab.

O radar é um derivado da bem-comprovada família de sistemas de radar AESA S-band rotativo da Saab. Além do desempenho do radar, o baixo peso superior do sensor adiciona flexibilidade, o que significa que o radar pode ser instalado em muitas novas plataformas navais.

“Muitos clientes navais exigem radares de vigilância em uma configuração de antena fixa, principalmente para seus principais combatentes de superfície. Com a nova configuração Sea Giraffe 4A Fixed Face, complementamos nossa oferta existente para atender a esses requisitos. Nosso objetivo é garantir um resultado bem-sucedido de qualquer missão”, diz Anders Linder, chefe da unidade de negócios da Saab Surface Radar Solutions.

A Saab possui várias décadas de experiência na concepção e operação de radares para ambientes navais complexos e congestionados. O Sea Giraffe 4A FF complementa o portfólio de radar naval existente da Saab com um sensor criado para melhorar a vigilância a bordo dos principais combatentes de superfície do mundo.

DIVULGAÇÃO: Saab

31
Deixe um comentário

avatar
31 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
15 Comment authors
Manuel FlávioNunãoÁdsonFernando "Nunão" De MartiniFernandes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Robsonmkt
Visitante

Seria uma opção viável para a futura classe Tamandaré?

Bardini
Visitante
Bardini

SAAB não tem tradição em fazer navio… Mas no tocante aos sistemas, eles tem muita coisa boa.

Leo Barreiro
Visitante
Leo Barreiro

Robsonmkt já ia perguntar isso!

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Esse deve ser TOP demais.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Numa pesquisa rápida não achei dados do 4A FF, acredito que sejam os mesmo do da versão giratória:

https://saab.com/region/north-america/USA/naval/surface-radar/sea-giraffe-4a/

A princípio, por tudo que a MB já publicou da Tamandaré será uma versão do Artisan 3D, de preferência desenvolvida aqui em conjunto com a BAE, mas posso estar enganado e/ou mudaram as informações desde a divulgação inicial das CCT.
Alguém com mais conhecimento poderia elucidar, mas acho que uma versão naval do Saber 200 seria muito parecida com esta versão da Saab.

RSmith
Visitante
RSmith

“Bardini 30 de dezembro de 2017 at 19:53
SAAB não tem tradição em fazer navio… Mas no tocante aos sistemas, eles tem muita coisa boa.”

Sr. Bardini, me permita, sem querer ofender, um pequeno comentario… A SAAB como empresa pode não ter essa tradição, mas os Suecos têm centenas de anos de tradição em produção de todos os tipos de armas inclusive navios. A Suécia não compra armamentos… tudo o que eles usam é desenvolvido e produzido pela indústria local! Gostemos ou não… Isso sim é um pais independente !

Nonato
Visitante
Nonato

Inclusive submarinos…

Gustavo
Visitante
Gustavo

SAAB faz uma ótima corveta e um dos submarinos convencionais mais modernos…

diego
Visitante
diego

Bardini 30 de dezembro de 2017 at 19:53

Mais uma bardiNADA! Vai estudar meu caro.

Airacobra
Visitante
Airacobra

Diego parece que você não leu o RFP da CCT, há duas opçôes para os estaleiros, 1 apresentar uma proposta pra construir a Tamandaré e 2 apresentar uma proposta de um navio baseado em um já em uso e testado com deslocamento acima de 2500ton, coisa que a SAAB não construiu até hoje, só navios de pequena ton, então só resta a SAAB apresentar a proposta nr 1

Bardini
Visitante
Bardini

Essa é boa. Agora a SAAB é dona de um estaleiro tradicional, que bate de frente com Naval Group, Fincantieri, BAE, e Cia…
.
Os caras entendem muito de sistemas e de barco. De navio… Só coisa pequena ou especifica.
.
Mas se alguém perceber, isso não é demérito pros caras. No nosso caso, na CCT, poderíamos entrar com a parte fácil, que é o casco e eles com a parte difícil, os componentes que não temos. Poderia ser uma boa parceria.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Inclusive a SAAB poderia fazer toda a superestrutura das CCT em material composto, reduzindo o peso das embarcações e, assim, economizando em combustível, em manutenção, etc…

Nelson Fernandes
Visitante
Nelson Fernandes

A coveta sueca steath Visby não seria interessante para a MB? É rápida, moderna, com custo ao redor de US$200.000.000. O que voces acham?

Nunão
Visitante
Nunão

Sim, Roberto. Se essa opção for viável é interessante para a MB, a redução do peso na superestrutura (desde que não comprometa a resistência a danos, fogo e a durabilidade especificadas) pode ser muito positiva em outros aspectos que não apenas a economia: mais reserva de estabilidade para instalação de sensores mais pesados, volumosos e altos, por exemplo, ou para mais mísseis etc, desde que dentro das possibilidades de volume interno disponível.

Nunão
Visitante
Nunão

Ops, “viável e interessante”
Complementando, a redução de peso pode também não ser compensada por acréscimo em equipamentos etc hoje, mas simplesmente ser uma reserva alocada para futuras modernizações, que quase sempre representam aumento de peso. Ou seja, para elevar o chamado potencial de crescimento do navio.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Inclusive este sistema (de superestrutura em material composto) é utilizado pela India (INS Kiltan e INS Kavaratti) e pela Malásia (LMV Independence), seria interessante saber o que estas marinhas estão achando do uso de material composto na superestrutura.

Ádson
Visitante
Ádson

Vê se dá para entender os foristas!? Talvez este, radar da SAAB p MB, seja o tópico mais importante da semana, e os caras já estão com quase sessenta posts sobre esgoto no outro tópico. Vai entender.

Nunão
Visitante
Nunão

Pois é, Adson. Não sei se é a matéria mais importante, mas de fato merecia uma bia discussão.

Mas só um aparte: não há nada de “radar Saab p MB” na matéria. Depende da Saab colocar isso na sua proposta para as corvetas, mas não há nada na matéria sobre isso.

Nunão
Visitante
Nunão

Ops, bia = boa

Bardini
Visitante
Bardini

O Sea Ceptor foi feito para não depender tanto de um radar caro deste tipo. Então como o Míssil tem que ser da MBDA, não tem lá muito o que se discutir. . Esse tipo de radar ficaria show em uma Fragata de 4.500t, equipada com 32x ESSM. O que não vem ao nosso caso 🙁 . Antigamente, a intensão da MB parecia ser a dotar as novas corvetas de um radar de painéis fixos. Tem até desenho das Corvetas com o I-Mast da Thales. Mas passou muita água debaixo da ponte, o lobby pelo Artisan 3D parece que pesou… Read more »

Fernandes
Visitante
Fernandes

Baseado no último parágrafo do post acima do colega Bardini, insisto:_ Não seria melhor partirmos para a corveta sueca stealth Visby para equipar a MB??

Ádson
Visitante
Ádson

“Nunão 3 de Janeiro de 2018 at 20:19”
Me expressei mal. “Talvez este, radar da SAAB p MB” leia-se, Talvez a discussão sobre a utilização deste radar da SAAB na Tamandaré”. Por falar nisso vamos lá. Um radar como este de antena fixa e baixo peso não seria o ideal para um navio de dimensões já no limite para um Atlântico Sul? Influenciaria no balanço.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Fernandes, A Visby é muito pequena para as funções de um navio escolta da MB, pois é focada em operações no Báltico. Tem pouco raio de ação e não foi pensada para operações em mares de ondas mais altas. Tem menos da metade do deslocamento de uma corveta classe Inhaúma, que já se mostrou insuficiente (tanto que a classe Tamandaré terá mais de 700t de deslocamento adicional em relação à Inhaúma, praticamente uma Visby de diferença. Não é à toa que a Saab tem agora um projeto de corveta na faixa de 2500t visando clientes externos. Tem imagem desse novo… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Ádson, poderia sim ser interessante, mas precisa colocar em questão o que a empresa entende com redução de peso, em relação a que tipo, tamanho e capacidade de radar rotativo há essa redução de peso. Por exemplo, o conjunto de quatro antenas fixas pode ter um peso 2X, sendo mais leve que uma só antena rotativa com peso 3X que eventualmente tenha capacidade (e peso) superior a um modelo mais leve, de peso X (e que já se considere adequado) previsto para o projeto da classe Tamandaré. Sem saber exatamente os pesos de cada modelo e comparado a que radares… Read more »

Ádson
Visitante
Ádson

Nunão, no caso da superestrutura vem a mente Malvinas. Será que esta superestrutura não comprometeria a sobrevivência do navio em combate? Outra, ficando ainda pra saber capacidade e peso, o radar de antenas fixas poderia ainda assumir a função de DT.

Nunão
Visitante
Nunão

Ádson, nesse caso uma eventual proposta que inclua superestrutura em fibra de carbono tem que provar (resultado de testes, por exemplo) que o uso do material traria mais vantagens em todos os aspectos (menor peso, resistência estrutural igual ou superior, durabilidade quanto a fadiga e corrosão, resistência a danos e ao fogo igual ou superior, custos de reparo etc) do que o aço. Se não for vantajoso, não se usa, simples assim.

Fernandes
Visitante
Fernandes

Esclarecido, Nunão. Muito clara sua resposta. Pesquisei o site da SAAB e aprendi mais um pouco. Devagar a gente vai chegando lá…

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Nunão, boa noite.

Acredito que a SAAB AB possa contribuir com sistemas, porque pelo o que foi divulgado sobre o RFP, o construtor:

“deverá comprovar vasta experiência na construção de navio militares com mais de 2.500ton nos últimos dez anos.”

Pelo o que eu saiba, o grupo SAAB AB não tem essa experiência.

Nunão
Visitante
Nunão

Manuel, se não comprovar, estará em desvantagem nesse quesito. De fato, o maior navio (um opv/mineiro de mais de 3000t de 1982) que conheço da história “recente” do grupo já tem bem mais de 10 anos, os que tem menos de 10 anos são de menos de 1000t.

O que eles têm para comprovar de experiência é basicamente o que já foi apresentado aqui na última Laad:

https://saabgroup.com/globalassets/corporate/media-news-press-stories/event-press-kits/zip-folders/laad-2017/saabnavalsolutions_brief_laad_eng.pdf

Nunão
Visitante
Nunão

PS – falo de construção própria na Suécia, mas se forem consideradas parcerias com outros estaleiros, com transferência de tecnologia para o cliente, tem casos mencionados na apresentação do link acima, como navios de combate litorâneos para Singapura e corvetas para a Índia com superestruturas em material composto fornecidas pelos suecos, então haveria experiência comprovada (se isso for considerado).

Manuel Flávio
Visitante
Manuel Flávio

Obrigado Nunão pelos esclarecimentos.