Home Indústria Naval Israel espera novas corvetas Sa’ar 6 operacionais até 2022

Israel espera novas corvetas Sa’ar 6 operacionais até 2022

6914
75
Modelo em 3D da Saar 6

A Marinha Israelense espera que suas corvetas classe Sa’ar 6 entrem em serviço entre 2020 e 2022, meta divulgada durante a cerimônia de 7 de fevereiro marcando o início da construção pela empresa alemã ThyssenKrupp Marine Systems (TKMS).

De acordo com as estimativas de planejamento da Marinha, a TKMS deverá ter concluído a quarta unidade até o final de 2020 para que suas armas e sistemas possam ser instalados em Israel até meados de 2021. O custo total dos 4 navios é estimado em torno de US$ 3 bilhões.

A tarefa principal dos navios será defender as plataformas de gás no Mediterrâneo de ameaças como mísseis balísticos e de cruzeiro, ataques suicidas e mergulhadores.

As Saar 6 deverão ser equipadas com o radar multi-função IA-EL/EL-M-2248 MF-STAR usado com o sistema de defesa aérea Barak-8, uma combinação que já foi instalada em pelo menos uma das corvetas Sa’ar 5.

Os navios também serão equipados com o sistema de defesa aérea Rafael C-Dome, uma versão naval do famoso Iron Dome. A Marinha anunciou em maio de 2016 que o C-Dome foi testado com sucesso a bordo de uma Sa’ar 5 com um lançador terrestre montado no convoo (assistir o vídeo abaixo).

A classe Sa’ar 6 foi desenvolvida a partir do projeto alemão MEKO A100 e terão um deslocamento superior a 2.000 toneladas e um comprimento de 90 metros. A boca é de 13,5 metros e o calado de 4 metros . Sua velocidade máxima será de 26 nós, graças à sua propulsão a diesel e ao arranjo de dois eixos. A tripulação será de cerca de 70 militares.

As corvetas da classe Sa’ar 6 serão fortemente armadas para o seu porte:

  • 32 células VLS para sistema de mísseis superfície-ar Barak 8 da Israel Aerospace Industries (IAI)
  • 1 sistema VLS de defesa do ponto naval C-DOME da Rafael para até 40 mísseis Tamir
  • 16 mísseis antinavio (Boeing Harpoon Block 2 ou IAI de Israel Gabriel Mk 5)
  • 1 canhão de 76mm Oto Melara Super Rapid como armamento de tubo principal
  • 2 estações de armas remotas Typhoon 25mm da Rafael (provavelmente capaz de lançar mísseis Spike-ER também)
  • 2 tubos lança-torpedos de 324mm para torpedos antissubmarino MK54 da Raytheon
  • 1 helicóptero embarcado de porte médio como H-60 Seahawk
Mock-up do Rafael C-Dome em lançador naval

75
Deixe um comentário

avatar
70 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
38 Comment authors
Karl BonfimOtto LimaDelfim SobreiraXORonaldo de souza gonçalves Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Guizmo
Visitante
Guizmo

Pesadamente armada, incrível. Warship na acepção da palavra

Mercenário
Visitante
Mercenário

Guizmo,

Armamento proporcional ao investimento. São corvetas de US$ 750 milhões cada.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Bosco

Suas considerações das armas dessa Corveta.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Para algo entre 2 e 3 mil toneladas os navios são muito bem armados. Faz todo o sentido a configuração dos navios para a situação onde Israel está inserida.

ADRIANO M.
Visitante
ADRIANO M.

Com certeza haverá subsídio alemão…

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

ADRIANO M. 14 de Fevereiro de 2018 at 18:17
Será? O navio está bem caro para apenas 2-3 mil toneladas…esse navio tem preço próximo de uma FREMM italiana de 6 mil toneladas e bem armada.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Pra defender plataforma de gás contra misseis balísticos ou de cruzeiro, ataques suicidas e mergulhadores. Hummm, acho que tem uma outra marinha com uma missão semelhante…

Kornet
Visitante
Kornet

Qual o melhor o Barack 8 ou o Sea Ceptor ?
Bombadona essas Sa’ar.

Bosco
Visitante
Bosco

Kornet,
A comparação tá mais pra Sea Ceptor ou C-Dome. O Barak 8 é de outro nível, sendo de defesa de área.

Bosco
Visitante
Bosco

Carlos,
As considerações são as melhores possíveis. rrsrss
Não tem nem o que falar! É perfeita!!

Bardini
Visitante
Bardini

32x Barak 8
40x C-Dome
MF-STAR…
.
Como eu adoraria ver a nossa MB projetando uma Fragata de 4.500t, nessa configuração, para ser o navio padrão da Esquadra.

Bosco
Visitante
Bosco

Kornet,
O Sea Ceptor e o Tamir (C-DOME) têm mais ou menos a mesma massa e são guiados por radar ativo com atualização constante via data link. A diferença mais significativa está no alcance divulgado do Sea Ceptor de 25 km e a do Tamir de 17 km.
Só que esse alcance do Tamir é contra alvos balísticos (foguetes, morteiros e obuses), podendo ser maior contra alvos aerodinâmicos.
O Tamir tem a seu favor já ter sido comprovada sua precisão e sua confiabilidade em mais de 1000 interceptações em situações de ameaças reais.

Mercenário
Visitante
Mercenário

Ivan BC,

Essas corvetas israelenses em muitos aspectos são mais bem armadas do que as FREMM italianas (de modo geral, já que são duas variantes).

Bosco
Visitante
Bosco

A grande quantidade de mísseis Harpoon Block 2 possibilita que eles sejam empregados contra alvos em terra sem prejuízo de sua função antinavio.
Quanto às torretas Typhoon serem capaz de lançar o Spike ER, é possível mas improvável. Num navio com um canhão do nível do SR 76 mm não há muita necessidade desse tipo de míssil. Claro, não faria mal manter essa capacidade para uma eventualidade mas o mais comum é que esse míssil esteja integrado a navios que não têm um canhão de médio calibre.

Luiz Floriano Alves
Visitante
Luiz Floriano Alves

La no cenário do Oriente Médio, Classe River, nem pensar. Não existe o cenário policial para navios brancos e com faixas vermelhas. Todos são rápidos no gatilho. Não da tempo de chamar o irmão mais velho (e forte) para resolver a parada. Tem que remover as ameaças, custe o que custar.
Dai o armamento “bombado” como foi classificado. Para projeto baseado em uma MEKO 100, tem dentes bem afiados.

Fresney
Visitante
Fresney

ONde eles arrumar grana para comprar e manter toda sua FAAS !!!!!

Bardini
Visitante
Bardini

“Essas corvetas israelenses em muitos aspectos são mais bem armadas do que as FREMM italianas (de modo geral, já que são duas variantes).”
.
16x Aster 15 ou 30
Dois canhões OTO Melara 76mm, equipados com sistema STRALES
E assim por diante… Não é pouca coisa. E em questão de ASW, a FREMM é top de linha.
.
Se precisa de mais poder de fogo, aí pode ter certeza que vai ter Cavour, Andrea Doria e Caio Duilio envolvido…

Mercenário
Visitante
Mercenário

Bardini,

Você confirmou que, em muitos aspectos, as corvetas israelenses têm uma maior disponibilidade de armas do que as FREMM italianas. A FREMM variante ASW logicamente é bem equipada para este tipo de missão.

Andrea Doria e Caio Duilio na mesma missão é improvável, ademais, eu não estava comparando os meios navais disponíveis para cada marinha, mas uma simples afirmação de outro forista a respeito do preço da corveta em comparação com a fragata italiana.

Bavaria Lion
Visitante

O mini-destroyer israelense é poderosíssimo. O vaso é perfeito, é um navio de guerra impressionante.

BMIKE
Visitante
BMIKE

Velocidade de 26 knts com motores a diesel e sem turbinas ?? A configuração sem turbinas a gás me parece mais vantajosa e menos custosa…

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Velocidade de 26 knts com motores a diesel e sem turbinas ??”

BMIKE,
Há vários exemplos, até mesmo de navios de guerra maiores, com velocidade de 26 nós ou superior com motores diesel. E não é de hoje. Um exemplo é a classe “Cassard” francesa de fragatas antiaéreas, ainda em operação. Têm quatro potentes motores diesel e chegam a 29 nós.

Alessandro H.
Visitante
Alessandro H.

Alguém poderia explicar por que Israel opera navios de “porte menor” e super-armados em detrimento de navios maiores como uma Fremm?

Burgos
Visitante
Burgos

Andaram dizendo ai em posts anteriores que a TKMS Tava falida !!!
Não vejo falência alguma !!!
Tão unindo o útil ao agradável pois os Israelenses não devem nada em relação ao desenvolvimento de novas tecnologias !!!
Parabéns Alemanha e Israel que essa fusão de tecnologias prosperem !!!

Bardini
Visitante
Bardini

Israel não os compromissos com a OTAN que a Itália tem. Eles tem que cuidar do seu quintal, que não é lá muito grande e espaçoso.
A vizinhança não é das melhores…
comment image
.
Os italianos tem suas obrigações. Precisam de um navio grande, para operar longe de casa e cumprir seus compromissos.

Miguel Carvalho
Visitante
Miguel Carvalho

Não são projetadas para guerra anti-submarina, por isso podem ser tão bem armadas para guerra de superficie.

Se tivessem que fazer este tipo de missão iam precisar de pelo menos algo parecido como as A200 Argelinas.

Jr
Visitante
Jr

Alessandro H. porque a marinha Israelense não tem a menor pretensão de ser uma marinha de águas azuis, o teatro de operação dela é em sua costa no mar mediterrâneo, costa da faixa de gaza e agora nos depósitos de gás entre Chipre e sua costa, eventualmente ela pode operar no mar vermelho. Para tarefas mais distantes ela usa os seus submarinos

AL
Visitante
AL

Alessandro H., simples, o litoral Israelense é minúsculo! Fragatas são para quem precisa patrulhar e defender áreas maiores, o que não é o caso de Israel. Quanto ao armamento, o tamanho do litoral explica, o tempo de reação é minúsculo, países assim, como Israel, Cingapura, Coréia do Sul, Suécia e outros os navios e as Forças Armadas em geral delas tem poucos minutos para matar ou morrer, então tem de ser bem armadas pois dificilmente terão uma segunda chance…

Jr
Visitante
Jr

Burgos, a TKMS não esta falida, o que ela esta tendo são dificuldades técnicas e financeiras devido ao baixo investimento que seus donos fizeram no passado, ela não esta tendo problema de conseguir contratos, o problema dela é fazer com que esses contratos sejam rentáveis, ela simplesmente não esta conseguindo entregar submarinos e embarcações de superfície nos prazos definidos em contratos, obrigando assim que a mesma pague multas pesadas a seus clientes.

Kornet
Visitante
Kornet

Muito obrigado pelas explicações Bosco.
Mas que esses Barack chamam a atenção chamam,espero que da MB tb.

Thom
Visitante
Thom

Iron Dome uns dos melhores sistemas. Não sabia da versão naval.
Espetacular. O Brasil deveria se aproximar de Israel para ver se consegui trazer algum desses dois. Ponto pros indianos.

José Luiz
Visitante
José Luiz

Permitam um comentário, se fosse a minha pessoa a responsável por planejar a organização de uma marinha árabe como a do Egito por exemplo (provável adversário de Israel no mar junto com os turcos) eu investiria pesado na arma submarina, tanto nos modelos oceânicos como nos menores do tipo costeiro com os com o porte dos antigos Type 206 alemães e dos Enrico Toti italianos adequados para operações em águas mais rasas. A maior vulnerabilidade desta corveta é contra submarinos. Mais paradoxalmente são nos submarinos que Israel tem a sua melhor arma naval. Agora com relação a esta corveta, realmente… Read more »

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

Alguém aí ainda quer falar na tal ‘Classe Tamandaré’?

Mauricio R.
Visitante

Qual a suite ASW, a mesma da K-130???? Fiz uma rápida pesquisa e não achei nada concreto.

Matheus
Visitante
Matheus

Bardini 14 de Fevereiro de 2018 at 20:14

Caramba, não sabia que Egito tinha uma força naval deste porte. Interessante a foto, deu para ter uma noção do poderio naval da região.

Bosco
Visitante
Bosco

Kornet, Em relação a um míssil de defesa de ponto/área curta, estamos bem com o Sea Ceptor, mas o Barak 8 é um candidato natural para um futuro míssil de defesa de área. – Em relação à utilização de mísseis antitanques em “navios” só os que não têm canhões médios (calibre acima de 40 mm) é que os adotam, de forma a provir uma arma de maior alcance, além dos usuais 2 a 3 km que os canhões de pequeno calibre suportam. Claro que a utilização desse tipo de míssil está restrita em geral a embarcações que não possuem canhão… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Só de curiosidade, todos esses mísseis são oferecidos para serem instalados em embarcações:

Hellfire Longbow (EUA)
Javelin (EUA)
Hellfire II (EUA)
APKWS (EUA)
DAGR (EUA)
Griffin B (EUA)
Spike ER (Israel)
Spike NLOS (Israel)
LMM (RU)
Brimstone (RU)
Spiral (Rússia)

Gustavo
Visitante
Gustavo

não sei o quanto superior aos 2.000 toneladas o texto se refere, mas corveta é só no nome e no possível deslocamento, porque o armamento está mais para fragata leve, não?

Bosco
Visitante
Bosco

provir = prover

jORGE KNOLL
Visitante

E essas corvetas de U$ 750 milhões de dollares seriam apropriadas para enfrentar o mar agitado do Atlântico? Não teriam que ter o convés mais alto, e mais calado? Quanto mede? Qual a tripulação necessária? Seu projeto seria adequado à Marinha do Brasil? Mesmo que não se enquadre dentro da previsão orçamentária reservada pela MB ao projeto de fdabricaçãoe aquisição de corvetas recém lançado?

Luiz Floriano Alves
Visitante
Luiz Floriano Alves

Em video divulgado tempos atras vemos os barcos israelenses protegidos dentro de cavernas. Tal como fizeram os alemães com seus submarinos. Acho que para utilizar esses abrigos os barcos de maior porte não seriam apropriados. Dai o porte dos barcos Israelenses ficarem restritos as dimensões dos abrigos existentes.

Alessandro H.
Visitante
Alessandro H.

Alguém tem uma explicação plausível do ponto de vista estratégico de qual a razão o Egito tem para operar dois Mistral Class?
Ou não teve estratégia e sim pura “oportunidade”
Olhando o mapa, fica claro que os dois navios se dissociam em comparação com as demais marinhas do Mediterrâneo…

Oráculo
Visitante
Oráculo

A Marinha de Israel tem uma função 100% defensiva.
Por isso essa Corveta é “porradeira” desse jeito.
Pra quem pensar em atacar saber que o “couro vai comer”.

E no caso de problemas mais sérios, tem a 6ª Frota logo ali, estacionada na Grécia, Espanha e Itália, pronta pra dar “aquela força” caso se faça necessário. Tio Jacob e Tio Sam são irmãos.

O que sempre me chama a atenção na Marinha de israel é a fabricação alemã de seus navios e submarinos. Aposto que rola “aquele” financiamento camarada dos alemães, naquela de se arrepender por causa do holocausto…

_RR_
Visitante
_RR_

Oráculo ( 15 de Fevereiro de 2018 at 10:26 ), “…naquela de se arrepender por causa do holocausto…” Interessante ter notado isso, pois é exatamente o que ocorre. E não é de hoje. Desde os anos 50 que a então Alemanha Ocidental vinha financiando o Estado de Israel via a transferência de indenizações através do ‘Acordo de Reparação’, cujo último montante foi pago em 1965. Até os anos 70, era comum jovens alemães passarem temporadas em Kibutz; e a Alemanha é hoje um dos principais destinos de jovens israelenses, quer seja para turismo ou trabalho. Tamanha é a relação, que… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Quem pode, pode. A Alemanha se arrependeu do Holocausto mas pelo visto o Holodomor não causou nenhum arrependimento na Rússia que quer continuar com sua bota pisando no pescoço do seu vassalo.

Bardini
Visitante
Bardini

“Muito mais sábio seria gastar menos por navio, distribuir as armas por mais de um casco e ao invés de se ter 04 super corvetas, ter 08 navios mais equilibrados em porte e armas. Afinal um navio não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo, dois navios valem mais do que um sempre. Além do que navios precisam de manutenção e ficam em estaleiros por muito tempo desde serviços como uma limpeza de casco até os grandes reparos.” . Essas 04 Corvetas vão mais que dobrar a força de superfície de Israel, tirando da conta as embarcações de ataque.… Read more »

Wellington
Visitante
Wellington

A corveta Tamandaré será inferior as Israelenses? Soube que uma Tamandaré tera o custo inicial de 700 milhões de dólares. Seria interessante a MB comprar umas 3 corretas dessas de Israel e com mais tranquilidade vinha moldando a construção da Tamandaré. Me desculpa pela mim ignorância. Fazendo uma analogia seria aquele pessoa que ao invés de esperar e ficar 3 anos juntando uma grana para comprar um carro a vista .Ela logo dava uma entrada ficava com carro para atender logo as necessidades e sem preocupação para comprar outro . O Meu receio é um maluco como maduro resolva atacar… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Wellington em 15/02/2018 às 13:11Soube que uma Tamandaré tera o custo inicial de 700 milhões de dólares.”

Wellington,
Onde você soube disso?
As estimativas desejadas pela Marinha para a corveta classe Tamandaré estão entre 350 e 450 milhões de dólares.

Wellington
Visitante
Wellington

Correção “corvetas”.

Rennany Gomes
Visitante
Rennany Gomes

Wellington 15 de Fevereiro de 2018 at 13:11
A corveta Tamandaré será inferior as Israelenses?

As corvetas israelenses servem bem as necessidades de Israel e sua pequena ZEE, muito bem armadas a despeito do seu tamanho reduzido, não serviriam as nossas necessidades de escolta pra nosso imenso litoral e missões de paz no exterior. Então respondendo a sua pergunta, não é questão de melhor ou pior mas sim do que é mais adequado, pode-se até usar um alicate para rosquear um parafuso. mas o ideal é ter a ferramenta apropriada a mão para a função.

Art
Visitante
Art

Infelizmente nada de Jacob pro Brasil somos amigos do Irã, CoreiadoNorte etc infelizmente a política externa terceiro mundista impede, mas esse projeto MEKO A-100 é interessante assim como a A-200.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Gente, o pessoal cisma em fazer comparações entre nossos navios e os de israel!!

TO`s diferentes, lá, como já disseram, a chapa está sempre quente, Israel é cercado de inimigos por cima e pelos lados!!

Interessante que eles não desenvolveram uma industria naval de porte, somente para lanchas rápidas de patrulha. Preferindo comprar no exterior. Até porque, como disseram aqui, o litoral é minusculo mesmo!!

Wellington
Visitante
Wellington

Rennany, vendo as armas dessas corvetas israelenses eu achava que seriam adequadas as nossas necessidades, não pelo tamanho da nossa ZEE , mas pelo que ela representa.
Uma corveta israelense é altamente tecnológica.
Obrigado pela resposta.