Home Estratégia A China está fazendo um jogo de poder militar corajoso

A China está fazendo um jogo de poder militar corajoso

8823
82

Por David Tweed e Adrian Leung

À medida que os legisladores se reúnem esta semana para consolidar o poder de Xi Jinping em casa, o presidente da China também procura aumentar o poder militar do país no exterior.

Ele reformulou as forças armadas da China para desafiar a supremacia dos EUA no Indo-Pacífico, mais visivelmente com um planejamento para colocar meia dúzia de porta-aviões nos oceanos do mundo.

Ainda assim, Xi tem um problema: ele precisa de bases pelo mundo para reabastecer e reparar sua frota global. Até agora, a China tem apenas uma base militar no exterior, em comparação com dezenas dos EUA, que também tem centenas de instalações menores.

Nos últimos anos, a China intensificou os esforços para desafiar a presença militar dos EUA no Mar da China Meridional, desenvolvendo mísseis para impedir os navios de guerra americanos e reclamando terras para construir bases nas ilhas Spratly disputadas.

Também começou a enviar submarinos e fragatas para o Oceano Índico, abriu sua primeira base no exterior em Djibouti e investiu em portos em torno da região que um dia poderia ser usado para fins militares. Isso provocou sinais de alarme entre alguns países da região, levando a uma maior cooperação de segurança entre os EUA, Austrália, Índia e Japão.

Mas a China diz que não há nada com que se preocupar. Diz que a base destina-se a dissuadir a pirataria em uma faixa de transporte principal do Oriente Médio para petroleiros, enquanto os portos fazem parte do impulso de infra-estrutura Belt-and-Road de Xi que abrange três continentes. A China diz que quer prosperidade para todos – e não hegemonia global.

Djibouti é apenas o primeiro passo no que é provável que se torne uma rede de bases chinesas em todo o Oceano Índico.

David Brewster, pesquisador sênior do National Security College da Australian National University.

Orçamentos de Defesa
Enquanto os EUA ainda anulam a China quando se trata de gastos de defesa, a modernização do Exército de Libertação do Povo de Pequim provocou aumentos nos desembolsos militares da Índia para o Japão. A PLA Navy liderou o caminho. Desde 2000, os sete principais estaleiros da China produziram mais submarinos, destróieres, fragatas e corvetas do que a produção coletiva da Coreia do Sul, Japão e Índia, de acordo com o Military Balance de 2018, publicado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos.

Capacidade de porta-aviões
O programa de porta-aviões da China ainda está em sua infância: apenas um, o Liaoning, está atualmente em operação. Dos outros cinco planejados, dois estão atualmente em construção. Dois dos navios são limitados por sistemas que dependem de plataformas “ski-jump” para lançar os aviões no ar, em vez das catapultas a vapor comumente usadas em navios dos EUA.

O terceiro porta-aviões chinês poderá usar um sistema de lançamento eletromagnético que também é usado no USS Gerald Ford, que foi incorporado pela Marinha dos EUA no ano passado. Esse sistema, que reduz o desgaste, é o primeiro de uma frota americana que inclui 10 porta-aviões da classe Nimitz – todos movidos a energia nuclear. Reportagens deste mês disseram que a China também pode estar planejando construir uma embarcação movida a energia nuclear, embora isso não tenha sido confirmado.

Encurralados
Os estrategistas militares chineses se sentiram atraídos pela chamada First Island Chain, uma série de governos na costa alinhados aos Estados Unidos e que se estendem do Japão a Taiwan até as Filipinas. Quando o Liaoning navegou pelo Estreito de Miyako pela primeira vez no final de 2016, o trânsito foi saudado como um marco na China.

Mesmo assim, os EUA e seus aliados ainda poderão acompanhar as idas e vindas de navios chineses através das vias navegáveis ​​da região até que Xi possa basear parte de sua frota em outros lugares do mundo. Os EUA não sofrem tal obstáculo. Sua frota pode sair de San Diego sem ser observada e desaparecer no vasto Oceano Pacífico.

Durante o Congresso Nacional do Povo, os parlamentares da China serão convidados a aprovar os gastos militares do país como parte do orçamento geral. Eles também estão preparados para endossar mudanças na constituição do país que irão abolir os limites do mandato presidencial, estabelecendo Xi como líder potencial pela vida toda. Isso o ajudaria a implementar uma visão que ele descreveu em outubro para transformar a China em uma potência global líder até 2050. Naquela altura, o equilíbrio de poder no Indo-Pacífico poderá parecer muito diferente.

O porta-aviões Liaoning escoltado por um destróier Type 052 e uma fragata Type 054

FONTE: Bloomberg

Subscribe
Notify of
guest
82 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Texto excelente e equilibrado. Contudo, o levantamento à restrição de limites de mandato agora conferida à Xi Jinping pode muito ter significado o começo do fim da ascensão da China ao posto de potência hegemônica afinal cumpre lembrar que tal restrição foi imposta por Deng Xiaoping, um sobrevivente da revolução cultural, para permitir a renovação dos quadros partidários e também para evitar o culto à personalidade que marcou o governo de Mao Tse Tung. E uma vez livre de amarras é natural que o atual mandachuva chinês aumente a repressão e também termine por acirrar os conflitos internos.

João Augusto
João Augusto
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Interessante análise, colega.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
Reply to  João Augusto
2 anos atrás

HMS Tireless, você lembrou muito bem!

Ivan BC
Ivan BC
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

É interessante lembrar que nós costumamos meter “o pau” na democracia, principalmente as externalidades negativas de rotatividade de grupos no poder central, normalmente observamos essa característica como algo negativo em relação a países de governo único (não democráticos), como a China. No entanto, é curioso perceber que a URSS era de governo único, sem oposição, no entanto, caíram antes, inclusive por motivos de conflito interno, das democracias. Nesse sentido, há certo sentido no texto do HMS.

jota ká
jota ká
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

A decisão de Deng de instituir a rotatividade do poder, creio, foi a maior responsável pelo espetacular crescimento da China nestas 3 décadas. Isto, combinado com a meritocracia instituída no interior do PC chinês, permitiu que os mais capazes progredissem e assumissem os cargos importantes do governo e das estatais. Agora, esta decisão revogando a rotatividade, será a maior vulnerabilidade da China comunista daqui em diante. O colapso do sistema (comunista) virá, pode ser daqui a 10, 20 ou 30 anos. Mas virá. E com isto, a instabilidade, como nos últimos anos da URSS. Afinal, são 1,3 bilhões de cidadãos,… Read more »

Gabriel
Gabriel
2 anos atrás

É um projeto ousado! Pode estar beirarando entre a coragem e a loucura….

Herquiles santos
Herquiles santos
2 anos atrás

Não sei porque tanto estardalhaço, a China apenas quer a prosperidade e o progresso de todos os países do mundo combatendo a pirataria e levando a democracia aos povos oprimidos por regimes ditatoriais. Acho que devemos desapegar dos pensamentos mesquinhos e xenófobos, a china apenas quer ampliar sua capacidade bélica para poder realizar intercâmbios culturais e militares e atender demandas humanitárias por todo o globo. A presença de bases militares por todo mundo apenas irá fazer com que haja uma menor tenção entre os países e menos disputas por poder. democratizando assim o acesso dos recursos naturais para todos. Devemos… Read more »

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Herquiles santos
2 anos atrás

Como uma ditadura totalitária de partido único vai levar democracia à algum lugar?

Herquiles santos
Herquiles santos
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Meu caro. Uma pena que meu comentário não foi entendido, apenas para esclarecer meu post está eivado de ironia. Achei que a ultima frase deixaria claro a intenção irônica.

Otto Lima
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

HMS TIRELESS, você não entendeu a ironia do comentário.

Jorge Alberto
Jorge Alberto
Reply to  Herquiles santos
2 anos atrás

Entendi como sarcasmo de tua parte… Nao pode ser um texto serio…

Osmar
Osmar
2 anos atrás

Apenas como provocação ao debate: semelhanças (em termos de intenções) com a corrida de Dreadnougth’s entre Reino Unido e Alemanha Imperial antes de 1914?

Azevedo
Azevedo
2 anos atrás

apenas um filme?
trailer de “Operation Red Sea” (2018)
https://youtu.be/7sOD1Qc0O4M

Ronaldo de souza gonçalves
Ronaldo de souza gonçalves
2 anos atrás

A asia é um barril de pólvora, é um guerra lá representa centenas de milhões de mortos pois os países que rivalizam tem populações imensas e superconcentradas,fazendo uma analogia a china está parecendo o japão da segunda guerra em nível armamentista,só que leva mais vantagem,pois seu poder de fabricação é incrível,tem mais mão de obra, é formam dezenas de milhões de engenheiros a cada ano,tem muito aço e compram matéria prima barato do Brasil é africa.Digo que os Planos deles são ambiciosos,mas perfeitamente executáveis,cabe a coreia do sul ,japão,india, reforçar seus aparatos militares para não serem surpreendidos,e como a Europa… Read more »

Karl Bonfim
Karl Bonfim
2 anos atrás

Como diria Júlio Cesar a Xi Jinping: a sorte está lançada para os chineses!

Zeabelardo
Zeabelardo
2 anos atrás

Passando pelo Japão, Coreia, Taiwan e Filipinas, há ainda uma segunda linha defensiva antes do Índico. Malásia, Cingapura, Austrália e Nova Zelândia tem um tratado de defesa mútua, o Five Power (com Inglaterra). Eles tem uns oito esquadrões de caças modernos. O comando é de um brigadeiro australiano. A superioridade aérea aliada é de 3 contra 1. Fora isso, os indianos não querem eles por lá.

Fora os rebeldes, o problema da China é a falta de aliados. O único com capacidade militar é o Paquistão.

Fellipe Barbieri
Fellipe Barbieri
Reply to  Zeabelardo
2 anos atrás

De fato a China está estrategicamente cercada por “adversários” … Eles não conseguem nem deslocar uma fragata Type 54 sem que alguém veja . Até mesmo seus submarinos tendem a ser encurralados e terem dificuldades de operação . E como lembrado a Índia não tá “deitada eternamente em berço esplêndido” e tão logo irá ter uma esquadra poderosa e capaz de ao menos causar graves problemas a China . Nos dias de hoje é difícil até mesmo para os americanos moverem suas esquadras sem que meio mundo perceba. Mas se fosse para apostar, apostaria que tão logo a China irá… Read more »

romp
romp
2 anos atrás

A China espalhando todas estas bases pela Ásia, parece até que estão jogando aquele jogo de tabuleiro WAR espalhando seu exército por toda a região.

Gabriel Oliveira
Gabriel Oliveira
2 anos atrás

Tem gente que ve a expansão militar chinesa como comum vale lembrar que o Japão como muito menos recursos fez o que fez na Ásia .

Tomcat3.7
Tomcat3.7
Reply to  Gabriel Oliveira
2 anos atrás

E deve ser(Japão) a nação com mais medo da expansão chinesa,pois os chineses ainda devem amargar a invasão japonesa com sangue nos olhos.

Hammer
Hammer
2 anos atrás

Como são as coisas, né? Uma ditadura comunista, logo partido único, comandada por uma oligarquia partidária agora com um ditador de frente em tempo integral e indeterminado. Esses gookies ainda tiveram a pachorra em enviar carta reclamando da Viagem do Deputado Bolsonaro. Se a América não tivesse tambem infestada de boiolas já teria botado esses pagãos no devido lugar deles .

Aerokicker
Aerokicker
Reply to  Hammer
2 anos atrás

Não mistura as coisas. Uma coisa é a China ser tão democrática quanto qualquer outro regime comunista, com a única diferença de o mercado ser “aberto”. Outra é o incidente diplomático onde aquele retardado do Bolsonaro meteu o Brasil e a China por motivos eleitoreiros, com meia dúzia de aduladores batendo palminha. Quanto à sua intolerância latente com homossexuais e seguidores de outras religiões na última frase, só mostra o por quê desse comentário lambendo as botas, senão outra coisa com “L” no lugar do “T”, desse simulacro de deputado que mais falta do que vai na Comissão Militar e… Read more »

BRArmy
BRArmy
2 anos atrás

Falou tudo Hammer…. Os caras tem foco enquanto o Ocidente fica preocupado com perfumaria… Triste decadência da sociedade ocidental…

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

As relações de forças geo-políticas, pela inesgotável energia que acumulam, se comportam como a dinâmica das placas tectônicas, ora se afastando, neste caso com o surgimento de uma nova força de composição, ora se conflitando, neste caso uma força pode se submeter à outra, ou ambas reciprocamente sem se submeterem deslocam-se em sentidos paralelos, nada obstante em todas as hipóteses há suficiente atrito para tremores sociais de proporções cataclísmicas. Nessas possíveis fricções ocorrem de tempos em tempos os terremotos políticos e, em piores situações, os tsunâmis militaristas, variando suas intensidades nas escalas próprias. É evidente que os sinais sísmico-bélicos em… Read more »

romp
romp
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

Os sismógrafos detectaram ondas sísmicas no extremo oriente com epicentro entre a China e o mar da China, as ondas símicas bélicas apontam para um abalo de grande proporções jamais registrado escala Richter que pode abalar todo o Sudoeste Asiático. 🙂

Andrigo
Andrigo
Reply to  romp
2 anos atrás

Possibilidade de um grande “Tsunami” na região, que pode varrer todos os países referidos.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

600 Bilhões de dolares de orçamento e um destemperado no poder.

Não é a toa que a Russia truca com as super armas e a China parece voltar aos velhos e vermelhos tempos.

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
2 anos atrás

Precisamos entender um pouco de história pra analisar essa corrida armamentista chinesa. Foi país mais invadido no mundo por mongóis, portugueses, britânicos, depois várias nações…. Até poucas décadas atrás a China viveu uma ocupação japonesa aonde tiveram um país inteiro destruído, explorado, estiveram nas garras do barbarismo nipônico como saques, estupros, execuções…….isso segundo fontes chinesas e ocidentais, já que os japoneses não reconhecem os excessos. Além disso tem vários litígios com Índia, Japão, Taiwan……….. Portanto vão se armar até os dentes pra isso nunca mais acontecer de novo, mesma coisa da Russia e outros países.

Guilherme Santos.
Guilherme Santos.
Reply to  Rodrigo Tavares
2 anos atrás

Essa evolução armamentista chinês não é só isso, não podemos esquecer que os chineses são tão imperialistas que os EUA. Provavelmente uma nova guerra fria surgirá no futuro, mas entre o EUA e CHINA. E infelizmente nós ficaremos de lado só observando como um anão diplomático e militar.

Tomcat3.7
Tomcat3.7
Reply to  Rodrigo Tavares
2 anos atrás

Fato é que o que se vê,em filmes, onde se mostra a invasão japonesa é que eles foram cruéis em um nível elevadíssimo, maldade pura e gratuita. Mas creio que agora os chineses vão querer se impor mundo afora como ou mais que os EUA.

Rodrigo Tavares
Rodrigo Tavares
Reply to  Tomcat3.7
2 anos atrás

Tomcat3.7

Não apenas nos filmes

Mas em documentários, fotos e filmagens…….os japoneses não reconhecem nada, talvez isso deixe os chineses mais irritados e intrigados.

Barbarismo era tão grande que um secretario nazista em Pequim pediu “moderação” ao General Iwane Matsui e ao Princepe Yasuhiko Asaka

Filme que retrata bem é o “Nanjing! Nanjing! City of life and death”

Control
Reply to  Rodrigo Tavares
2 anos atrás

Srs
Jovem Rodrigo
Historicamente, com maior probabilidade e certamente ganhando da China, a região mais invadida do mundo, é a do Levante, hoje, Líbano, Síria, parte da Turquia e Palestina.
Sds

carvalho2008
2 anos atrás

Quer queira ou não, o aumento da corrida ira exigir um numero maior de NAe de parte a parte. . A assertividade e eficácia dos armamentos atuais acelerou muito a taxa de atrito de forma a não se prever a persistencia mesmo de um Nae a mais de 1 Mês de Batalha. Logo de inicio, cada conceito ou equipamento por qualquer que seja a doutrina, revelará sua prevalencia sobre o adversario em poucos dias. logo de inicio, ou o Nae irá impor uma supremacia absoluta no TO ou logo de inicio, será colocado em xeque mate. . Não somente os… Read more »

romp
romp
Reply to  carvalho2008
2 anos atrás

Olá carvalho muito interessante seus projetos, você poderia me dizer qual seriam as vantagem desse projeto em detrimento dos PAs convencionais ?

Zeabelardo
Zeabelardo
Reply to  carvalho2008
2 anos atrás

Com relação ao double deck, operar aeronaves é uma atividade muito perigosa para ser realizada em ambiente fechado. Se houver um acidente com vazamento de combustível e incêndio… Estruturalmente é um problema também, pois haverá um grande vão embaixo com aeronaves pesadas pousando encima. Há diversas diferenças entre um nae e um porta contêiner. Naes precisam chegar a uns 30 nós para poder lançar aeronaves. São bebedores de combustível, pois precisam de potência para acelerar rápido. Porta contêiner acelera até 20 nós bem devagar. Naes tem instalações internas essenciais (tanque para combustível de aviação por exemplo) que são inúteis em… Read more »

Zeabelardo
Zeabelardo
Reply to  carvalho2008
2 anos atrás

Com relação ao Stobar, apenas aeronaves de auto desempenho podem decolar por esse método e normalmente com limitações. O Su33, o mig 29K e o J15 de forma comprovada. SH, Rafale M… apenas de forma teórica. Vamos somar a esse grupo o pessoal VSTOL (V-22, Harrier e F35B).

A única aeronave para realizar COD e AEW seria o V-22 que é caríssimo. O ASW fica limitado a helicópteros.

Com menos eficiência, pode-se realizar o AEW com helicópteros e o reabastecimento de uma aeronave para outra via Buddy Buddy.

Nonato
Nonato
Reply to  carvalho2008
2 anos atrás

Carvalho não vi o vídeo nem sei quais são suas idéias. Estou sem Wi-Fi. Mas achei interessante sua colocação estratégica. Eu também acredito que as próximas guerras não serão colocados as últimas. Tipo quem tiver superioridade vence logo. Tipo se caças americanos tentarem atacar a China ou conseguem vencer as defesas antiaéreas ou não. Não será mais na base da habilidade de um piloto desviar de mísseis. Ou o equipamento é superior ou não. E isso será descoberto no início. Claro que eventual vitória em guerra convencional pode levar a algum ataque nuclear. O qual também poderá indicar capacidade de… Read more »

carvalho2008
2 anos atrás

Bruno w
2 anos atrás

China esta fazendo hoje o que os Americanos fizeram no passado ,comprando o mundo com dólares….Ai todos agraciados com o investimento Chinês fica rindo atoa ,mas não sabem que estão alugando sua pátria para o Dragão crescer…
Moro numa Região aonde já tem dezenas de fazendas de chineses e americanos , interessante que aqui os americanos ,são parceiros dos chineses ,vendem suas colheitas de soja e algodão tudo para a China…

Nonato
Nonato
Reply to  Bruno w
2 anos atrás

Porque não há guerra declarada.
As empresas americanas, dentro do jogo atual, adoram fabricar barato na China e vender caro no resto do mundo. Ou vender para 500 milhões de consumidores na China.
Ou seja, na conjuntura atual, não é bom para nenhuma empresa ficar de fora da China.
O ocidente não tem plano estratégico.
Estão morrendo economicamente sem capacidade de reagir. Estão caindo no jogo.
Enquanto a China faz tudo sob o manto da economia. Tudo parece bonito…
Rota da Seda, etc.

Augusto L
Augusto L
2 anos atrás

Eu discordo, os porta avioes chineses não são para projetar poder alem da Asia(Mar da china e Mar do norte), mas sim para defender-se de um potencial conflito com a Us navy na região. Pq? Porquê PAs são armas melhores que defesa costeira, apesar de muitos não conseguirem ver isso e acharem que so servem para projetar poder, projetar poder é uma forma de defesa, projetar poder além do Japão e Taiwan para interceptar os PAs americanos, projetar poder na Oceania para os paises la não fecharem os estreitos, e etc.

romp
romp
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

Bom dia Augusto L, eu também acho que os PAs principalmente das grandes marinhas servem como uma forma de mostrar poder, não necessariamente um país vá utilizar para atacar outro, mas só o fato de os possuírem já é uma forma de mostrar poder e influenciar uma região.

Guilherme Santos.
Guilherme Santos.
Reply to  romp
2 anos atrás

Obviamente que PA tbm é uma arma de defesa, mas o seu principal propósito é a projeção de poder.
A capacidade de conseguir levar 80 aeronaves de guerra pra outro lado do continente é algo surreal. É como uma base flutuante e móvel, quase uma extensão do país navegando pelo mar.

Augusto L
Augusto L
2 anos atrás

E mais, é duvidoso se há mesmo uma base Chinesa em Djibuti, o que há é um acordo que permite navios Chineses a atracar lá para reabastecer, isso é longe de ser uma base naval, a MB mesmo tem acordos com outros paises para navios da mesma usarem portos e bases de outros paises quando em tráfico.

Control
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

Srs
Jovem Augusto
A base já foi, digamos, inaugurada e já conta com efetivos militares. Oficialmente ela serve para dar apoio aos navios chineses que operam na região contra a pirataria.
Sds

Otto Lima
2 anos atrás

Os soviéticos usavam o marxismo para tentar destruir o capitalismo. Os chineses usam essa doutrina para moldar o capitalismo aos seus próprios interesses e agora, para financiar o seu projeto de império global.

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Carvalho, . Eu discordo. Os Porta Aviões deveriam ter basicamente, uma só missão: Brigar pelo Controle de uma Área. Não existe espaço para erro. Sem o Controle de uma Área, não se pode fazer nada além de ser derrotado. . As operações anfíbias poderiam ficar a cargo de outros navios. E é nesse meio que deveria existir “criatividade”: . Pra mim, o mix é o seguinte: Porta Aviões e Escoltas: full militar, seguindo os conceitos atuais, que estão estruturados. Meios de apoio em geral, que operam dentro do perímetro de segurança imposto pelo Grupo do Porta Aviões, poderiam ser mais… Read more »

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Outro ponto importante: Ships Taken Up From Trade
.
Os Chineses tem investido em navios de transporte. Alguns são projetados já com operações militares em mente.
Exemplo clássico: RoRo da SinoTrans CSC
comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
2 anos atrás

Mestre Augusto, . Sim e não . Estrategicamente, a China traça caminho correto é consistente. . Primeiro, foca em obter qte e massa crítica consistente com os 3 Nae stobar iniciais. Isto sem dúvida foca em sua defesa de frota. . A partir daí, a coisa começa a mudar de fifigura. . Com novos ctol e acima de tudo nucleares a marinha chinesa passa a desenhar um cenário em que poderia sair das cordas. Nae nuclear sinaliza que não só poderiam atuar de forma a pinçar hipotéticos países insultares adversários que cercam e fecham sua saída oceânica, como também atuar… Read more »

Control
Reply to  Carvalho2008
2 anos atrás

Srs
Jovem Carvalho
Pelas notícias, o terceiro PA chinês já será Catobar com catamulta eletromagnética.
Parece que a previsão é de 2 Stobar, 2 Catobar c/Emals e a partir daí, PA´s Catobar com propulsão nuclear do porte dos Nimitz .
Sds

Control
Reply to  Carvalho2008
2 anos atrás

Srs
Jovem Carvalho
Um adendo
Parece que a previsão de 6 é para 2030, não sendo claro que o número fique em 6 pois o objetivo é a paridade ou superação da USN.
Sds

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Bardini…
.
só como curiosidade, provavelmente você sabe isso, os novos “ESBs” da US Navy, um em serviço, um recém entregue, outro em construção e previsão para um quarto navio, não são “anfíbios”…apesar de poderem prestar apoio à operações anfíbias, não será a principal função deles e deverão ser empregados cada um em um teatro distinto.
.
Um está atualmente na V Frota…o que já foi entregue deverá servir na VI Frota e eventualmente se terá um com a VII Frota também.
abs

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Carvalho…
.
o NAe pode ser nuclear…mas…a escolta não é…então ser nuclear não significa necessariamente
tanta liberdade de ação assim.
abs

Carvalho2008
Carvalho2008
2 anos atrás

Bardini, é apenas uma aposta minha. Difícil de prever o resultado do embate. Mas realmente não tenho dúvidas que o cenário atual seria de mata-mata. Em poucos dias ou o Nae vence ou será afundado. A questão é que não existem números deles suficientes para uma escalada total, mesmo os americanos. Dez ou onze deles é muito pouco e algo que já era demorado de se viabilizar a época da WWII, fica agora impossível de ser substituído em pouco tempo. Realmente acho que entre nações relativamente paritárias ou o Nae de imediato Prevalecerá ou será prevalecido. O combate sequer chegaria… Read more »

Nonato
Nonato
Reply to  Carvalho2008
2 anos atrás

Concordo.

Carvalho2008
Carvalho2008
2 anos atrás

Dalton 12 de Março de 2018 at 10:29
Carvalho…
.
o NAe pode ser nuclear…mas…a escolta não é…então ser nuclear não significa necessariamente
tanta liberdade de ação assim.
abs
:::::::::::;;:;;;;::::::::::::::::::::::

Sim nunca é fácil, mas começa a ter o mesmo grau de liberdade de movimentão que os EUA possuem. E para eles, o TO é muito mais próximo de si do que o é para os americanos. É um início de mudança de pesos

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Carvalho… . acho extremamente difícil, mesmo no futuro distante um embate entre NAes ao menos na forma como se viu entre americanos e japoneses na II Guerra Mundial. . Dos 11 NAes da US Navy por exemplo há previsão de que 6 sejam baseados no Pacífico, isso quando um deles não estiver passando por modernização de meia vida no Atlântico, mais de 4 anos inativo e manutenções de rotina impedem que todos estejam disponíveis e isso vale para a força de LHDs/LHAs, também repartida entre Pacífico e Atlântico, caso você esteja pensando na utilização deles em papeis limitados como NAes… Read more »

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Carvalho…
.
os EUA possuem tanta “liberdade” por conta de inúmeras bases no exterior e não por conta de seus poucos NAes serem de propulsão nuclear…há inclusive quem defenda o retorno à NAes de propulsão convencional, mais baratos, argumentando que não haveria uma diferença muito significativa na geração de surtidas por conta de transportarem mais combustível para às aeronaves, já que um NAe convencional precisa de espaço reservado a bordo para sua
propulsão.

Walfrido Strobel
2 anos atrás

Eu até tiraria a razão dos chineses se os EUA não tivessem tantas bases espalhadas pela Ásia.
A expansão americana justifica todo este investimento.

Nonato
Nonato
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Isso se os EUA não agissem como polícia do mundo e deixasse qualquer ditador ou país imperialista agir como bem entende.
Rússia invadindo Coreia. China idem.
E a China é um país tão bom e pacífico. Os EUA são muito maus…

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Walfrido…
.
não se trata apenas de ter bases e sim contar com a confiança de outras nações que permitem que os EUA estabeleçam bases ou mesmo alianças militares…já os chineses na hora que resolvem construir ilhas artificiais estão desrespeitando outras nações que também se acham no direito de reivindicar território ou restringir à liberdade de navegação criando um “mar territorial”
ao redor de tais ilhas.

BMIKE
BMIKE
2 anos atrás

Penso que quem aposta na China como potencia aposta em uma FURADA! A torneirinh$ começou a ser fechada e em breve veremos o resultado. a Casa Branca hoje tem um gestor pragmatico no comando não um sociopata descuidado.

Control
2 anos atrás

Srs A China tem uma história imperial milenar tendo, na maior parte do tempo dominado e mantido como vassalos os países de sua periferia. Sofreu invasões diversas vezes, particularmente do norte (daí a sua famosa muralha), mas sempre se recuperou, seja expulsando os invasores, seja por integrando-os a sua cultura. Durante séculos, foi o maior e mais desenvolvido país do mundo. No século XV, após uma demonstração de poder com a construção de uma grande esquadra e viagens para mostrar seu poderio, voltou-se para si mesma, entrando numa lenta decadência. No século XIX, foi vítima de revoltas internas que causaram,… Read more »

Leonardo S
Leonardo S
Reply to  Control
2 anos atrás

Obrigado pela aula!

Control
Reply to  Control
2 anos atrás

Srs
Desculpem os erros, mas o diabo do corretor julga entender o que deve ser escrito mais do que a criatura que está a digitar.
Sds

_RR_
_RR_
Reply to  Control
2 anos atrás

Excelente, Control.

Saudações.

romp
romp
Reply to  Control
2 anos atrás

Oi Control, engraçado você mencionou a rota da seda e por coincidência este mês eu tive contato com duas empresas, uma que produzia fiação e linhas de algodão e a outra produzia langeries e peças de roupas. As duas quebraram e faliram, e hoje quando eu estava conversando com um dos funcionários ele me disse que eles tiveram que fechar pois não conseguiram concorrer com a entrada dos produtos têxtil Chineses que empurraram o preço pra muito pra baixo. Os Chineses estão dominando todos os mercados, por isso Tio Trump colocou taxa no aço, acho que o governo Brasileiro deveria… Read more »

Ivan
Ivan
Reply to  Control
2 anos atrás

Ótimo resumo.
Obrigado.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Acho que não veremos mais um conflito direto entre grandes nações, quer seja pelo temor nuclear, quer seja pelos mecanismos de acomodação político/econômicos internacionais. Todos os grandes agirão militarmente apenas contra estados falhados e sob o manto humanitário ou antiterrorista. A capacidade naval chinesa é um trunfo, mas jamais será usado em agressão ostensiva. A grande disputa é entre a hegemonia economica dos EUA, plenamente baseada no tráfego maritimo, e a ascensão da hegemonia econômica da China numa Eurásia integrada e coordenada por terra, em que se pese as diferenças entre ela e os outros atores continentais (Rússia, Irã, Alemanha…).… Read more »

Ivan
Ivan
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Alex, . Início do século XX. A ascendente Alemanha em franco processo de industrialização estava rivalizando como Inglaterra (principalmente) e França por mercados e espaço. Começa um processo de alianças, sendo que Inglaterra e França – após se ajustarem diante dos conflitos passados – formam a Entente Cordial (1904), que resultou na Tríplice Entente quando a Rússia Czarista se juntou aos dois primeiros. Antes disso, no ano de 1882, o Tratado da Tríplice Aliança firmou um acordo de cooperação militar reunindo Alemanha, Áustria e Itália (depois a Itália deixou o grupo). . Havia uma intrincada rede de alianças, que incluíam… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Mestre Ivan certamente conhece a estória do astrólogo que, na véspera da Primeira Grande Guerra, previra, consultando conjunções astrais, que não haveria guerra e publicou sua conclusão em sua coluna num jornal; mas ela foi declarada e, na coluna do dia seguinte, foi estampada a manchete: ‘loucos vão contra as estrelas’. Longe de mim dizer, com tamanha certeza, que não haverá guerra — apenas disse que ela não seria um conflito direto.
Abraço.

Control
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Srs
Jovem Ivan
Em geral, o que deflagra uma guerra é um acontecimento inesperado.
Mesmo quando elas parecem prováveis, o seu início não acontece por uma razão lógica e/ou esperada, até porque a guerra acontece quando o bom senso e a ponderação foram abandonados.
Por isto é que a máxima romana de que se você quer a paz deve se preparar para a guerra é válida até hoje e quem não a considera acaba pego de calças na mão.
Sds

Ivan
Ivan
Reply to  Control
2 anos atrás

“Si vis pacem, para bellum.”

Hernâni
Hernâni
2 anos atrás

“Eles também estão preparados para endossar mudanças na constituição do país que irão abolir os limites do mandato presidencial, estabelecendo Xi como líder potencial pela vida toda.” CORAJOSO? Já lhe ouvi chamar muita coisa… mas essa não lembrava ao diabo mas sim a uma ditadura pseudo – comunista! Depois não critiquem o gordo da Coreia do Norte. Como vocês dizem!? Pimenta no rabo dos outros é refresco…!! Fazer manifestação, escrever e berrar slogans como ladrão, corrupto e outros é fácil no Brasil. Agora experimentem na China ou, até, em Hong Kong, que ainda tem um estatuto transitório… Então o Brasil… Read more »

Control
Reply to  Hernâni
2 anos atrás

Srs Jovem Hernani Os orientais, particularmente, os chineses não seguem o modo de pensar ocidental, moldado pela moral cristã e pelo direito romano. A China foi por muito tempo um império com um governo autocrático e idéias como a de direitos individuais são anômalas em tal cultura. Portanto é até natural o encaminhamento chinês rumo a uma estrutura similar ao que existia nos tempos áureos do império. E a forma de evolução do regime se amolda a tal idéia, pois até o PCC está saindo do padrão dos partidos comunistas e parece que está a se moldar ao estilo da… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Control
2 anos atrás

Que eles façam como quiserem, de acordo com seu espírito roto, brutal e cínico. A nós, ao menos, a mesma liberdade em cumprir os nosso destino que vem sumarizado no gozo temperado de liberdades individuais (liberdade intelectual e comercial). O oriente, velho e petrificado, copia e assimila apenas as coisas e métodos racionais nascidos na liberdade do ocidente, não seu espirito; daí a oposição eterna e insuperável entre nós e eles. Ainda mais agora com o PC chinês se fazendo de nazista e totalitário com seu führer pra vingar o século de humilhação. Pergunte aos Uygures da bacia do Tarim,… Read more »

Hernâni
Hernâni
Reply to  Control
2 anos atrás

Control
concordo completamente! muito bem inserido no contexto histórico. Agora, nós ocidentais herdeiros de tudo aquilo que disse mas também dos direitos individuais saídos da Revolução Francesa, não temos essa tradição chinesa e não nos revemos nela, temos de estar preparados e defender os nossos princípios. Pelos comentários vê-se muita gente com uma grande admiração pelos métodos chineses mas fora de contexto porque não vivem lá…!
O artigo escrito não foge a isso.

Um abraço

Bavaria Lion
2 anos atrás

Eu prefiro uma bipolarização de poder com corrida armamentista dissuasória do que este mundo cheio de terroristas do jeito que está.

É muito mais honroso um inimigo que se mostra, vai pro campo de batalha, e luta com honra, ainda que vença o lado que você está.

MARCELO LEMOS
MARCELO LEMOS
2 anos atrás

Orçamento Militar Tio Sam == 700 Bilhões U$$ China 150 $$ isso é um buraco abissal em gasto militar então essas ilhotas ou plano de construir alguma coisa e piada. Sem falar que os gastos militares para 2019 estão estimados em 850 bilhões U$$ a anos luz do gasto militar chines então não tem comparação.

Ivan
Ivan
Reply to  MARCELO LEMOS
2 anos atrás

Calma Marcelo. . US$700 Bilhões gastos nos Estados Unidos pode produzir menos do que os US$150 Bilhões gastos na China, que paga salários menores, menos bônus à executivos matreiros, não paga royalties, além de copiar o que for do interesse do ‘Exército de Libertação do Povo Chinês’ (comandando pelo PC). . Outro detalhe. Muitas despesas em defesa na China não são contabilizadas no orçamento militar. As tais “ilhotas” que você se referiu, provavelmente está em outro orçamento diferente do destinado ao PLA, possivelmente em infraestrutura ou transporte. Mas sabemos bem qual o seu propósito. . Sds.

Hernâni
Hernâni
2 anos atrás

Alex
Também concordo completamente! Daí a razão de ser do meu post.

Um abraço

Bavaria Lion
2 anos atrás

Se eles cumprirem os prazos que prometeram nos NAes, eles passam a ser “card dealers” nesse jogo.
Vão mostrar capacidade industrial e desenvolvimento, a acepção no primeiro mundo das indústrias de defesa locais, além de que, para o NAe com catapultas, conduzirão a adaptação do flanker a estes aparatos.

Um NAe lançando 30 flankers, armados até os dentes… essa formação impõe respeito em todo o canto.

Saudações.