Home Asa fixa Aviação Naval Francesa treinará com Marinha dos EUA

Aviação Naval Francesa treinará com Marinha dos EUA

5269
39
         PA Charles de Gaulle (clicar na imagem para ampliar)

NORFOLK, Virginia – Aproximadamente 350 aviadores da Marinha Francesa e pessoal de apoio irão treinar com os aviadores da Marinha dos EUA para aprimorar suas qualificações de porta-aviões.

O treinamento será realizado do início de abril até meados de maio e terá o apoio e a organização da Carrier Air Wing 8.

A Marinha diz que 27 pilotos chegarão com 12 caças multifuncionais Rafale-M da Marine Nationale e um E-2C Hawkeye, aeronave de comando e controle embarcada para conduzir treinamento ar-ar e ar-solo na Naval Air Station Oceana, Estação Naval de Norfolk, e Field Carrier Landing Practice (FCLP) no Naval Auxiliary Landing Field (NALF) Fentress.

Após o treinamento, os esquadrões embarcarão no USS George H.W. Bush (CVN 77) por aproximadamente duas semanas de operações de voo diurno e noturno. O treinamento será realizado a bordo do USS George H.W. Bush, porque o único porta-aviões da França, o PA Charles De Gaulle, está passando por uma reforma de meia-idade. Os porta-aviões dos EUA e da França têm sistemas de de catapulta e de retenção semelhantes.

“Esta integração é possível graças ao vínculo extraordinariamente forte e duradouro que estabelecemos com os Estados Unidos, nosso parceiro privilegiado”, disse o contra-almirante Guillaume Goutay, Comandante da Força da Aviação Naval Francesa. “Como nas operações, esse desdobramento contribuirá para aprimorar ainda mais nossa interoperabilidade com a Marinha dos Estados Unidos. Sou grato por esse sinal de confiança e pelo apoio proporcionado a esse desdobramento de escala sem precedentes ”.

A bordo do Bush, as tripulações executarão operações de voo ar-ar e ar-solo, envolvendo lançamentos de catapultas e pousos enganchados, enquanto o pessoal de manutenção aperfeiçoará suas habilidades operando em um porta-aviões no mar.

Rafale M

FONTEwtkr.com

Subscribe
Notify of
guest
39 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fernandes
Fernandes
2 anos atrás

Primeiro Mundo, só para acentuar nosso complexo de vira-latas.

Cronauer
Cronauer
Reply to  Fernandes
2 anos atrás

Colega eu discordo! . No “Brazil” se o cara for crítico (ou justo), contrário ao “ufanismo popular barato” e tiver ainda a personalidade para reconhecer que somos (sim!) subdesenvolvidos (desorganizados em tudo), já é em modo automático tachado por esse tal “complexo de vira-latas”. . “O brasileiro não está preparado para ser o maior do mundo em coisa nenhuma. Ser o maior do mundo em qualquer coisa, mesmo em cuspe à distância, implica uma grave, pesada e sufocante responsabilidade.” (Nelson Rodrigues) . Ter Fé no Brasil desejando melhores dias, uma melhor gente para termos um dia – quem sabe? –,… Read more »

Gustavo
Gustavo
2 anos atrás

Se a MB, um dia, comprar o projeto da ex DCNS do CDG, a MB poderia fazer algo semelhante, comprar caças para serem embarcados e irem operando a partir do CDG e (ou) dos NAe americanos.

Guizmo
Guizmo
2 anos atrás

Essa foto do CDG com 24 Rafales no convoo é coisa de gente grande. Gostava também do Foch e Clemenceau com o misto de Crusaders e Super Etendards….call me old school

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

Eu gosto de fotos do A-5 Vigilante embarcado… Aquele avião era enorme para um PA.
E aquele misto de Crusaders, Phantoms, Vigilantes, Skyhawks…. aquilo sim era lindo de ver…
Tipo isso:

comment image

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Rui Chapéu
2 anos atrás

Rui, me passaram esse vídeo ontem:

https://www.youtube.com/watch?v=d7xywId-cfQ

Assista e seja feliz hehehe

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Leandro Costa
2 anos atrás

Obrigado!

Adorei! Olha o tamanho dessa coisa decolando!!!

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Rui Chapéu
2 anos atrás

Não sei se só eu que ao ver o Vigilante tenho a impressão de estar vendo um antepassado do F-15, se botar uma deriva dupla então …
Também o acho muito interessante e surgiu como bombardeiro nuclear supersônico ( Mach 2 ) c/ raio de ação de quase 2.000 km, capaz de operar a partir de porta-aviões c/ um projeto que começou em meados dos anos 1950!

Gustavo
Gustavo
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

No A-12, lembro de uma foto com 6 A-4 embarcados, 2 S-2 Tracker argentinos e 3 ou 4 Super Étendard também da Argentina embarcados, alguns UH-12. Foi o máximo que chegamos, aquilo foi bonito de ver.

Se um dia pudermos embarcar mais de 12 caças em um NAe, já seria o sonho realizado. E o desenho do CDG é um dos mais belos da história. Adoro esse NAe.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
Reply to  Gustavo
2 anos atrás

Também acho o CDG muito bonito! Parece ser compacto, mas ao mesmo tempo muito capaz.
Quem sabe a MB não encomenda 1-2 Naes da Naval Group baseados nesse desenho, seria um sonho.

Lucas
Lucas
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

Nessa primeira foto na catapulta mais a direita tem um rafale prestes a decolar e tem um helicóptero mais a frente. Ta certo isso? Parece que vai da problema aquilo ali. No mais a foto é belíssima mesmo.

Washington Menezes
Washington Menezes
2 anos atrás

Bom treinamento para os Frances, muito legal.

Marcelo
Marcelo
2 anos atrás

Belissima foto, a 1a com os 24 Rafales.

Tallguiese
Tallguiese
2 anos atrás

É o São Paulo? Quando ele vai deixar de ocupar espaço e ser desmontado na Índia? Tem muito metal ali bom pra ser reciclado.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Tallguiese
2 anos atrás

Passei por cima dele na final do Santos Dumont, deu para perceber que ele já esta sendo depenado, não deve ter mais nada importante (de valor) dentro do navio.

Walfrido Strobel
Reply to  Tallguiese
2 anos atrás

Ele não pode ser depenado na India pelo amianto em alguns compartimentos, tem que ser desmantelado por empresas especializadas, como o seu irmão.

Dalton
Dalton
2 anos atrás

Depois desse treinamento com os franceses uma doca seca espera o USS George Bush para
um período de manutenção depois do mesmo ter permanecido durante cerca de 7 meses como
o NAe de prontidão da costa leste subsequentemente a uma missão de 7 meses de janeiro à
agosto de 2017.

Felipe Morais
Felipe Morais
2 anos atrás

Que privilégio deve ser passar uma temporada embarcado num monstro desses. Fazendo alguns voos no Rafale M então.

É dureza chegar onde esses caras chegam…é para poucos. Mas poder colocar um sonho de criança em prática, não tem preço.
Ah se eu não tivesse optado por outro caminho…rs

Gabriel Oliveira
Gabriel Oliveira
2 anos atrás

O De Gaulle se parece muito com o finado Nae São Paulo.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Gabriel Oliveira
2 anos atrás

Nessa foto se parece muito por conta dos indicativos da pista, identico ao A-12

Mercenário
Mercenário
2 anos atrás

Quem tem um, às vezes não tem nenhum. Velho ditado.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

Passei por cima dele na final do Santos Dumont, deu para perceber que ele já esta sendo depenado, não deve ter mais nada importante (de valor) dentro do navio.

Mattos
Mattos
2 anos atrás

Esta provado que quem tem um não tem nenhum. Aqui no reino de avilan borrado, não temos nada porque mal conseguimos ter um.

Dalton
Dalton
2 anos atrás

O que está provado é que quem tem um ás vezes não tem nenhum e é muito melhor ter um que nenhum !
.
O “Charles De Gaulle” já precisou ser aprontado para uma missão não planejada de cerca de 5 meses em menos de 3 dias , sendo que havia retornado de uma missão de 4 meses menos de um mês antes.

Guizmo
Guizmo
Reply to  Dalton
2 anos atrás

Pois é Dalton, essa história de “ter um igual a zero” é uma falácia apregoada certa vez por algum “decano” aqui do PN, e repetida à exaustão pelo moçada. Mas no meu entendimento só se faz verdadeiro num cenário de guerra total. Em conflitos de baixa ou média intensidade, é melhor 1 do que 0

Agnelo
Agnelo
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

Infelizmente, não é falácia. Sem duvida, ter um é melhor Q nada, mas o mínimo de dois é primordial.
Cabe salientar, Q esta expressão é muito utilizada em todas as FFAA com o mínimo de profissionalismo pelo mundo.
O Q Dalton falou sobre o De Gaulle é real, mas custou caro. Além disso, o apoio Q deveria ter dado poderia resultar em incertezas, já Q o inimigo é dono da vontade dele, e a saída repentina de um MEM importante de uma operação, reduz capacidades Q podem ser vitais para o sucesso dela.
Sds

Chico Novato
Chico Novato
2 anos atrás

Essas notícias me dão uma tristeza. Ver a França opera do um porta aviões e o Reino Unido dois me faz crer que o Brasil realmente não tem condições (financeiras) de ter um.

Adoraria ver uma foto dessas com a bandeira brasileira e deck transbordando de Gripens.

Chico Novato
Chico Novato
Reply to  Chico Novato
2 anos atrás

*operando

Nilson
Nilson
Reply to  Chico Novato
2 anos atrás

Meu caro Chico Novato, França e Inglaterra são países muito mais ricos do que o Brasil, tem toda a infraestrutura pronta (transporte, saneamento, etc, etc), o nível educacional é muito mais alto, a sua tecnologia acumulada supera a nossa em praticamente todos os campos, o capital acumulado das suas empresas e famílias é muito superior ao nosso. Não seria um porta-aviões que nos colocaria em condições de igualdade com eles, por aqui ainda há muito a fazer, um país inteiro para construir e reconstruir …

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

Como eu sempre falo, os presidentes europeus fazem uma choradeira por causa do Trump, vivem questionando tudo e achando que estão certo em tudo(mesmo estando atolados em problemas), mas não vivem sem o poder militar dos EUA. Se tivessem 2 porta-avioes, em vez de gastar com fralda de árabe, não precisavam pedir “ajuda”.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Offtopic: estão fulos da vida os franceses pela perda de autonomia/soberania na produção de itens da propulsão nuclear de submarinos devido a aquisição da Alstom pela GE. Bem, ninguém vende submarino nuclear, mas agora a França, se quisesse fazê-lo, precisaria de autorização do tio Sam.

Jean-Marc Jardino
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Epa epa, nao fale besteira, a GE so comprou a parte da hidro, ou seja, que mexe com turbinas para barragens, essa parte que mexe com energia nuclear nao, o governo nao deixa, e alem disso, quem faz os reatores nucleares na Franca, nao eh a Alston e sim a Areva.

Jean-Marc Jardino
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Alem disso, a Alston continua 100% francesa, pois ela eh quem fabrica os trens TGV na Franca. Energia nuclear nao tem nada a ver com a Alston, toda essa parte de energia nuclear dentro da Fanca, quem toma conta eh a Areva, alem do que, isso eh assunto estrategico do governo frances, e os projetos que usam tecnologia nuclear, estao em vento e poupa, onde ate 2025 serao lancados 4 submarinos nucleares classe Barracuda, de um total de 6 a serem entregues. Esse mes inicia o estudo de um segundo porta avioes nuclear para marinha, que no futuro ira substituir… Read more »

Jean-Marc Jardino
Reply to  Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Se informe melhor antes de postar informacao errada.

Antunes Neto
Antunes Neto
2 anos atrás

Imagino que autorização não, mas gastariam mais dinheiro caso role um veto americano. . Ex.: O super Tucano é de propriedade intelectual da FAB e fabricado pela Embraer. Todo o processo de fabricação, ferramental e profissionais já estão maturados na Embraer. A cada super-tucano vendido cai $$ para FAB, isto se o governo não abrir mão de recebe-lo em alguma negociação. Imagino que se houvesse necessidade de uma produção paralela o governo feira de investir bastante para produção em outro polo, porém seria possível. . Ainda que uma empresa privada compartilhe da PI o governo investidor marjoritario em projetos de… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
2 anos atrás

Nem os ‘seus’ Rafale podem vender sem autorização. Que pancada no (enorme) orgulho nacional francês…

ROBINSON CASAL
2 anos atrás

Somente nos porta aviões da US Navy é possível tomar café da Starbucks em pleno Oceano Índico!