Home Indústria Naval FREMM italiana Alpino inicia campanha naval na América do Norte

FREMM italiana Alpino inicia campanha naval na América do Norte

6540
77
FREMM Alpino, da Marinha Italiana
FREMM Alpino, da Marinha Italiana

No dia 2 de maio, a fragata europeia multimissão (FREMM) Alpino, da Marinha Italiana, partiu da base naval de Mar Grande, em Taranto, para uma campanha naval que a levará à América do Norte pelos próximos dois meses.

A Alpino é o quinto navio FREMM entregue à Marinha Italiana em 30 de setembro de 2016, o quarto na versão “antissubmarino” e equipado com sistemas tecnológicos de última geração.

Esta campanha no exterior – a travessia do Oceano Atlântico em direção ao continente americano, o treinamento com marinhas amigas e aliadas – constitui uma valiosa oportunidade de treinamento, para manter altos níveis de prontidão e para fortalecer as relações com as forças aliadas. autoridades regionais. A FREMM Alpino retornará à Itália após cerca de dois meses.

Uma campanha naval que pode ser considerada estratégica tanto pela possibilidade de projetar no exterior a imagem da Marinha Italiana, das Forças Armadas e do sistema nacional, quanto pelo apoio prestado à competitividade internacional de importantes entidades nacionais.

A FREMM Alpino será uma presença qualificada e tecnologicamente relevante em vários países com os quais a Itália mantém importantes relações político-diplomáticas. As atividades de cooperação econômica e militar, e as atividades que serão executadas, são mais geralmente parte das tarefas institucionais que a Marinha fornece para nosso país e nossa comunidade, sem interrupção, em todas as áreas de nosso interesse estratégico, assegurando assim uma força naval permanente. Presença destinada ao controle do mar, à segurança das linhas de comunicação marítimas

(SLOC), à supervisão das atividades marítimas nacionais, à dissuasão e ao combate às atividades ilícitas no alto mar, à cooperação internacional e à formação de pessoal.

FREMM Alpino, da Marinha Italiana
FREMM Alpino, da Marinha Italiana

Neste contexto, há também a importante atividade destinada a mostrar e dar a conhecer as capacidades operacionais da unidade naval a delegações compostas por membros do Congresso dos Estados Unidos e oficiais da Marinha dos EUA como parte do processo de informação para a definição pela Marinha dos EUA de uma nova classe de fragatas (programa de aquisição dos EUA chamado Future Frigate Program FFG (X)) projetada para preencher a lacuna de capacidade entre o Littoral Combat Ship (LCS) e os DDGs da classe Arleigh Burke.

Esta iniciativa de projeção marítima e diplomacia naval é parte do projeto mais amplo que visa “fazer sistema”, integrando as capacidades operacionais da tripulação com modernos sistemas de fabricação italianos embarcados na FREMM Alpino, construído pelo grupo de estaleiros Fincantieri, que é o único patrocinador e parceiro desta campanha.

A presença no exterior também é uma oportunidade para conhecer as numerosas comunidades italianas que residem no exterior e inclui a organização de eventos culturais e a promoção da imagem da Itália e sua excelência.

Assista no vídeo abaixo outra fragata FREMM italiana, a Carabiniere, quando visitou a Austrália

FONTE: Marina Militare Italiana

77
Deixe um comentário

avatar
34 Comment threads
43 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
43 Comment authors
Marcelo BrandãoBrunoFNNonatoRoberto BozzoHélio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

Top, equipamento de padrão!

Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

#Patrão

Marcos
Visitante
Marcos

F.D.P. de navio bonito!

Flanker
Visitante
Flanker

E o Brasil, com mais de 7 mil km de costa, com uma economia entre as 10 maiores do mundo, cujo 95% do comércio internacional é escoado via marítima, se debate para conseguir obter 4 escoltas novas e 4 subs convencionais. Nem falo no subnuc. Menos ainda a comentar sobre o estado de sucateamento em bloco da esquadra.

Control
Visitante

Srs Repetindo um mantra antigo, a Itália representa uma oportunidade para a MB, pois é um país que poderia fornecer tanto as escoltas necessárias (as FREEMs) como navios auxiliares e até PA’s (versão modificada do Cavour). E até fornecer uns navios usados tampões para resolver o sufoco atual (Maestrales e os La Penne). É claro que seria preciso negociações difíceis entre os países, pois todo o acordo precisaria estar embasado num financiamento como o feito com a SAAB no caso do FX2 (começar a pagar após as entregas), porém a Itália tem necessidade de manter sua indústria naval e vem… Read more »

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Há um crescimento na política italiana de figuras que representam aversão à globalização, multinacionais, exportações de postos de trabalho, etc. Com exceção de alguns nichos – entre eles o naval – a competitividade da industria na Itália tem decaído nos últimos anos.

Infelizmente, suas empresas mais rentáveis poderão se tornar alvos do populismo de alguns administradores públicos, o que, talvez, prejudique uma cooperação em escala maior, envolvendo transferência de produção.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Rafael, sua leitura está errada. Não é aversão a liberdade econômica, mas sim aversão a uma agenda de “ideologias progressistas”, muito semelhantes a agenda imposta no Brasil desde 90 e que muitos nem percebem. O países da Europa estão sofrendo muito com grupos de esquerda e liberais que financiam de todas as formas o envio de imigrantes árabes e africanos para a Europa. Tudo isso está gerando problemas sociais jamais vistos na Europa, ataques racistas de todas as formas, estupros, assaltos, mendigos, ataques terroristas de todos os níveis, agressões físicas nas ruas, briga generalizada. No último ano novo em Paris… Read more »

Leonardo
Visitante
Leonardo

Ivan BC, concordo com cada letra e vírgula que você escreveu, sem tirar nem por.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Assino embaixo, Ivan.
Se me permite a ousadia, recomendo a leitura do Anos Decisivos (tradução do alemão pro espanhol que pode ser encontrada na internet), capitulos La Revolucion Mundial Blanca e La Revolucion Mundial de Color, de Oswald Spengler. Você vai se espantar com a antiguidade do ataque…

Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

Liberais? Acho que você se enganou amiguinho, nunca vi um liberal defender subsídios para imigração.

Hélio
Visitante
Hélio

É impressionante como as pessoas não fazem ideia do que significa populismo e usam essa palavra para qualquer coisa que contrarie os interesses do establishment, ~populismo~ é o novo ~faxista~. No mais, seu conceito é inverso, alias, você leu o que disse? Ser contra a ~globalização~, ~exportação de postos de trabalho~ etc… Não prejudica em nada a indústria de um país, muito pelo contrário, é a política ~globalizada~ que destrói a indústria dos países, os únicos que ganham com isso são os chineses, veja o caso dos EUA e o imenso contraste entre a política industrial de Obama e trump,… Read more »

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Olha, você simplesmente não entendeu o que escrevi, só falo isso.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Ivan BC, parabéns pela explanação….diz muito do que está acontecendo na Europa e no Brasil nestas últimas décadas.

filipe
Visitante
filipe

Esses Navios nunca estiveram numa Guerra, já os Franceses testaram as suas FREMMs na Siria.

Mk48
Visitante
Mk48

O que é “estar numa guerra” hoje em dia ? É lançar mísseis a 400km, 300km do alvo ? Fora do alcançe das baterias do inimigo ? É isso que hoje em dia é classificado como provado em combate ?

Se for esse o conceito, esqueçe.

Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

Os franceses lançaram uns misseis de longe, guerra eu considero mesmo é quando eles são também ameaçados e atacados, como aconteceu com a Inglaterra nas Malvinas, que só não perdeu mais navios por incompetência argentina, as vezes penso: Que navio poderoso, mas será que aguenta o ataque de 3 caças com misseis antinavios atacando ao mesmo tempo?Creio que uma força naval mediana ,que não tenha na sua composição um NAe , não faz frente a um país com uma força relativamente moderna e bem equipada, exemplo uma forca composta por 5 ou 10 combatentes de superfície não faz frente a… Read more »

Mercenário
Visitante
Mercenário

Nunes-Neto, Os franceses lançaram mísseis de cruzeiro navais, salvo engano, pela primeira vez, mas suas forças armadas estão frequentemente participando de missões nos mais variados cenários. Já a Itália sequer poderia lançar estes mísseis de seus navios. Lembrando que as FREMM italianas têm apenas 16 células VLS (embora com espaço para mais). Essa campanha da FREMM Alpino tem nítido viés “publicitário”. Quanto às Falklands, uma força deve ser capaz de suportar perdas em uma guerra. Destaca-se, ainda, que pouquíssimas forças armadas têm a capacidade expedicionária necessária para lutar a milhares de Km de seu território, como foi o caso dos… Read more »

Nunes-Neto
Visitante
Nunes-Neto

Claro que as grandes potências utilizam misseis de cruzeiro nesses navios o que muda a situação, já que podem bombardear as bases e pontos estratégicos praticamente fora do alcance de uma letaliação do inimigo, coisa que a MB , Chile, Peru, Argentina etc..não têm e dificilmente terão!

wwolf22
Membro
Noble Member
wwolf22

A proa do navio “nao eh muito baixa”??
oque aconteceria num mar revolto??

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Aparenta ser baixa se comparada ao tamanho geral do navio, que é bem grande na verdade, mas acredito não ser problema pois a proa parece ter o design fechado não tendo problema de acumular água em excesso.

Mk48
Visitante
Mk48

Assistindo o video fiquei surpreso com o caturro do navio num mar tão pequeno. Fico aqui imaginando como ele se comportará num mar grosso. Não deve ser muito estável. Me lembrei das nossas corvetas………….

BILL27
Visitante
BILL27

Pensei a mesma coisa ,como afunda com facilidade …Não entendo se isso é normal ou não .

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Aparenta ser muito pesada do meio para frente, e olha que essa versão esta com o SR 76mm, imagina se fosse com o LW127mm que pesa cerca de 33 toneladas…
Acho essa versão da FREEM muito alta , o que contribui para sensação de excesso de peso na proporção dianteira.

Top Gun Sea
Visitante

Li Vedeti Prosuper um dia [….]

Burgos
Visitante
Burgos

Puro Marketing !!!
Os “Yankees” tão abrindo concorrência para uma nova classe de Fragatas Muiltimissão e os Italianos
Que não são bobo nem nada já correram pra mostrar para eles o vistoso Navio de Guerra que tem.
Eu faria a mesma coisa, pq a propaganda é “Alma” do negócio !!!
Se vc não mostrar e não divulgar, vc não vende !!!

Augusto
Visitante
Augusto

É com isso que a Marinha do Brasil deveria sonhar, se ocupar e se planejar, ao invés de perder tempo e dinheiro com a ilusão de um navio aeródromo. Olha essa FREMM italiana, Almirantado!

Bardini
Visitante
Bardini

A Marina Militare não abdicou do Porta Aviões e dos Caças Navais para ter suas FREMM.

Augusto
Visitante
Augusto

Para quem sempre teve o principal (boas escoltas), ter NAe pode ser um caminho natural. Agora, para quem está completamente sucateado (Marinha do Brasil), cogitar NAe é uma extravagância injustificável. A Marinha do Brasil está querendo inverter as coisas para fazer o poste mijar no cachorro!

Bardini
Visitante
Bardini

A MB não está invertendo nada! Guerra Naval se faz tanto nos céus sobre o mar, como sobre a superfície e abaixo dela. Veja as três prioridades da MB: 1) Meios para atuação abaixo da Superfície (PROSUB), 2) Meios para atuação na Superfície (Classe Tamandaré), 3) Meios para prover atuação nos Céus, sobre o mar (Navios Aeródromo). . O problema é que aqui não existiu uma renovação gradual, como lá na Itália. Não é questão de ter favorecido esse ou aquele tipo de navio. Isso não existe… Postergaram a conta e hoje, não precisamos renovar esse ou aquele meio, precisamos… Read more »

Augusto
Visitante
Augusto

Não houve planejamento minimamente decente e por isso agora não há dinheiro para escoltas, mas vamos planejar NAe… tá certo.

Bardini
Visitante
Bardini

Olha. Quanto foi gasto com o NAe São Paulo, durante sua vida na MB? R: Uma merreca. Não compraria uma única FREMM. Nem modernizaram o navio como se pretendia, fora que passou-se um longo período sem navegar, então não gastaram muito dinheiro ali. Um novo NAe é coisa está sendo estudada hoje e não se sabe o que vai ser, logo, vira crítica pela crítica, coisa sem base e fundamento. Se existir, certamente é coisa que estão planejando para depois de 2030. Logo, ficar achando que o NAe é o responsável pelos problemas da MB, que o NAe é o… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Exatamente, Bardini.
E, ao mesmo tempo, na minha opinião houve um descompasso entre a ordem de prioridades de novas construções/ aquisições, com novos submarinos à frente de novas fragatas e corvetas, ditada por justificativas estratégicas, e a ordem ditada pela obsolescência e desgaste, em que as fragatas, muito mais velhas, estavam à frente na necessidade de substituição do que os submarinos, bem mais novos. Isso a meu ver agravou o problema, que hoje aponta para necessidades de reequipamento praticamente em bloco.

Augusto
Visitante
Augusto

Almeida, você resumiu a situação. Infelizmente, ainda que vejam a situação de sucateamento da Marinha e as reais necessidades prementes, há quem siga alucinando com Navio Aeródromo.

Blind Man's Bluff
Visitante
Blind Man's Bluff

No ponto dos submarinos, devo discordar, embora por ordem de idade a prioridade de substituição seria das fragatas, vemos com o terrível exemplo do ARA San Juan o que poderia nos acontecer em alguns anos caso os Scorpenes não estivessem hoje sendo construídos. Sem falar que hoje em dia existem marinhas sem navios, mas não se faz uma marinha sem submarinos: claro exemplo da corrida armamentista asiática; além do mais, fragatas usadas, de compras de oportunidade, são sempre um melhor negócio que submarinos de segunda mão.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Blind Man’s Bluff, Uma coisa é problema de manutenção, como parece ter sido o caso do ARA San Juan, e outra é passar dos limites aceitáveis de idade e desgaste. Quando o Prosub foi assinado, em 2008, a maioria dos cinco submarinos em operação havia sido comissionada ao longo da década anterior, com mais duas décadas pela frente de utilização para os mais novos. E eram quase todos bem novos. Mas a maioria das fragatas havia sido comissionada (seja no Brasil, seja no país de origem no caso das usadas) três décadas antes, ou até mais no caso da classe… Read more »

Rui Chapéu
Visitante
Rui Chapéu

Quanto custou o NAe , os A-4 e a reforma dos mesmos?

Almeida
Visitante
Almeida

A aquisição do Foch, seus vários consertos/reformas, mais os A4 e Tracker, mais o pessoal e treinamento, pode não ter custado uma FREMM…

…mas quantos dias de mar ele proporcionou pra esquadra mesmo?

Pois é…

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Almeida, Quando visitei o navio em novembro de 2011, em sua última visita a Santos – SP (que também foi uma das últimas saídas do navio) encontrei no passadiço a informação de que, até a comissão anterior realizada em setembro daquele ano, ele somava 180 dias de mar ao longo de seus anos de serviço na MB, e pouco mais de 51 mil milhas navegadas. (Apenas a título de comparação, pois são navios de empregos e históricos de operação e modernização totalmente diferentes, o monitor Parnaíba, octogenário e tão injustamente vilipendiado por críticos azedos, faz quase isso de dias de… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini
BILL27
Visitante
BILL27

Esta lógica do poste e cachorro se estende a muitas outras areas do nosso país ,infelizmente

Juvenal Santos
Visitante
Juvenal Santos

Belíssimo navio, poderoso e majestoso, parabéns aos italianos, essa belonave eu queria ver na MB, mas infelizmente a MB é a pior das forças militares, precisa de gente nova, com idéias progressistas, para mudar o atual quadro desolador, nem a classe Tamanduá vai mudar alguma coisa, isso se vingar…

Bardini
Visitante
Bardini

A MB não tem o saldão americano de equipamento de segunda mão para se equipar, tudo podendo ser financiado a perder de vista…

Bardini
Visitante
Bardini

Se… Tivesse assinado o contrato do PROSUPER lá atrás, hoje, aos trancos e barrancos, poderíamos já ter algumas dessas por aqui, e mais, pois por coisa na faixa de U$ 5,0 bi teríamos 5 NaPOc + 5 Fragatas + 1 NApLog. . Mas foi uma atitude muito “inteligente”, em não se fazer aquela dívida para adquirir novos meios… Adiaram uma coisa que vai ter de ser feita de qualquer forma. Grande vantagem… . A conta do reaparelhamento da MB, só aumenta. Virou ao longo do tempo e do descaso, conta de aquisição de uma Nova Marinha. Enquanto isso, lá na… Read more »

Thom
Visitante
Thom

Cara, tú vai deixar as pessoas mais “revoltadas” com o almirantado. kkkkkk
Que raivinha viu. hahahahahahahahaha
Como estamos servido de navios tanques e logísticos? Estimativas?

Bardini
Visitante
Bardini

Não é o Almirantado que autoriza compras como essas!
A MB não consegue comprar nada com o orçamento que tem. E não é particularidade dela. Outras Marinhas do mundo dependem do Governo para adquirir meios, não é coisa de outro mundo.
.
Como estamos de NT e NApLog? NT, muito mal. NApLog, nem existe. Estimativa? Talvez um classe Wave, na oportunidade. Mas é puro chute.

Thom
Visitante
Thom

Não tem um navio logístico britânico que poderia estar na lista de vendas, além das fragatas?

Existe FMS de Navios?

Thom
Visitante
Thom

USNS Bridge e USNS Laramie!

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Se… Tivesse assinado o contrato do PROSUPER lá atrás, hoje, aos trancos e barrancos, poderíamos já ter algumas dessas por aqui, e mais, pois por coisa na faixa de U$ 5,0 bi teríamos 5 NaPOc + 5 Fragatas + 1 NApLog.” Bardini, A fase de entrega de propostas do Prosuper e chegada à fase de decisão por parte do governo (quando passou a ser adiada) não é tão distante assim no tempo e esses onze navios somados não custariam nem em sonho 5 bilhões de dólares eventualmente estimados no início do processo. Só o preço de cinco fragatas, hoje em… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Eu não acredito que uma FREMM, lá atrás, custaria muito mais que 750 milhões. O que já é um valor bem razoável ainda hoje, pelo navio que é. O NApLog dificilmente custaria mais que 500 milhões, sendo esse um valor bem salgado. Os NaPOc não acredito que ultrapassariam em muitos os 150 milhões a unidade, pela simplicidade. . Somando isso, dá coisa de 5,0 bilhões de dólares, talvez varie pra mais, mas não acho que seja muito. Não é algo fora da realidade da época. É claro que certamente existiam propostas mais caras que essa. Os navios Espanhóis e Holandeses… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Bardini, meu ponto é que o “lá atrás”, com o tempo da concorrência se estendendo, propostas se desatualizando, por não haver decisão do governo, não é tão lá atrás assim. É 2014-2015, coisa de três ou quatro anos atrás, diferente do início da seleção do Prosuper, com estimativas iniciais. E 2014-15 é praticamente a mesma época em que o programa da classe Tamandaré precisou encarado como alternativa devido à impossibilidade de viabilizar os custos do PROSUPER. Na minha opinião, não dá pra comparar estimativas iniciais do programa, ainda mais levando em conta os custos que precisam ser adicionados, relacionados a… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

Eu errei… Lendo matérias do passado, estimavam que seriam 5,0 bilhões de Euros necessarios ao PROSUPER. Dá uma diferença considerável, comparado ao dólar.
.
Mas a novela do ROSUPER é mais antiga. Em 2011 já se discutia a falta de decisão do Governo no projeto.
http://www.naval.com.br/blog/2011/02/01/marinha-renovara-frota-sob-pressao-estrategica/

Bueno
Visitante
Bueno

Que Fragata Linda!!
Torcendo para a Gloriosa Marinha adquirir navios na altura da sua responsabilidade constitucional em concordância com a importância do mar para o Brasil ….

Gustavo
Visitante
Gustavo

A MB vai ter que fazer uma marinha de guerra praticamente do zero em alguns anos… Tirando os 4 submarinos que foram encomendados, a barroso, o ex-HMS ocean, o Bahia e as 3 patrulhas oceânicas da classe amazonas, o resto está sucumbindo.
o pior de tudo isso é que quando a MB for para o shopping, vai ter que gastar muito.
Fragatas, Corvetas, mais patrulhas oceânicas e apoio logístico… Deixaram acumular, agora aguenta a gastança.

Ozawa
Visitante
Ozawa

Ma che bella!

Nessa eloquente beleza estética e poderio técnico o indicativo desvanecido destoa completamente. Esse costado merecia uma imponente numeração sombreada em alto-relevo.

Mas se nossos problemas navais fossem somente o baixo alto-relevo e não a baixa auto-estima.

marcus
Visitante
marcus

Mercenário, se Argentina estivesse com a manutenção dos 3 submarinos em ordem durante as guerra das Malvinas,e com torpedos adequados, a perdas da marinha do Reino Unido seriam muito maiores.

Mercenário
Visitante
Mercenário

Marcus,

Com todo o respeito, seu comentário está baseado em suposição.

O “se” não joga. Se a RN não tivesse descomissionado anos antes o HMS Ark Royal os argentinos teriam sofrido mais.

Humberto
Visitante
Humberto

marcus 4 de Maio de 2018 at 13:45 Marcus, não dá para cravar que seriam muito maiores, poderia seria uma palavra mais apropriada. No mais, existe pesos e contra pesos, de repente a RN teria tido mais dificuldade, de repente, a perda de outros navios da RN poderia ter gerado uma ofensiva mais violenta por parte da Inglaterra (como por exemplo bombardeio da própria Argentina), mas são especulações. A Inglaterra e a RN lutam séculos no mar, quando partiram para retomar as ilhas, tinham uma ideia do que poderia ser perdido, por exemplo o afundamento do sheffield era uma perda… Read more »

_RR_
Visitante
_RR_

Amigos, O PROSUPER, tal como foi originalmente pretendido, é por hoje algo irrealizável. Ponto. E o é por dois motivos: 1º – Orçamento comprometido. Enquanto os submarinos convencionais do PROSUB não forem entregues, dificilmente se poderá proceder a construção de qualquer vaso na casa do bilhão de dólares. Daí, aliás, nasce a necessidade de um projeto como a ‘Tamandaré’, que visa um tipo intermediário e mais em conta, mas ainda capaz de prover a Esquadra de algo que lhe entregue um mínimo crível de operacionalidade e modernidade. 2º – A proposta, penso, já está começando a ficar desatualizada… Novos vasos… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

Vou deixar os meus achos. A compra do São Paulo foi uma compra de oportunidade, a MB precisava de um PA maior e a França tinha uma disponível, temos que lembrar que a aviação naval com asas fixas era um desejo de décadas da MB. Não acho que fomos enganados, o almirantado sabia que o PA podeira ter problemas MAS acreditaram que o pais iria decolar e que não iria faltar dinheiro para a modernização. Foi uma aposta que não deu certo, sinceramente não credito a falta de recursos para as fragatas por causa do PA. O Prosuper não rolou… Read more »

Thom
Visitante
Thom

Creio que não seja um problema a MB operar navios americanos, visto o nível de tecnologia vai aumentando e diminui o custo operacional e pessoal no navio.
O problema deve ser o custo de um navio “zero” americano, não sei se posso dizer o mesmo dos descomissionados na década passada e estão na reserva.

Dalton
Visitante
Dalton

Thom… . com exceção de algumas fragatas classe “Oliver Perry” que foram disponibilizadas para venda e na US Navy são classificadas como “pequenos combatentes de superfície” a marinha brasileira não tem condições de operar os “grandes combatentes” de lá… os destroyers da classe “Arleigh Burke” ainda exigem uma tripulação de bem mais de 300 pessoas , então para nós, e para eles também ainda é considerado muita gente. . Independente do tamanho da tripulação e outros fatores , destaco o fato que tais navios enormes deslocando mais de 9000 toneladas totalmente carregados possuem nada mais nada menos que 96 silos… Read more »

Nonato
Visitante
Nonato

Um tipo de navio desses seria ótimo para ficar mais parado no caso de uma guerra. Eu gosto dessa ideia de ter alguns equipamentos de ponta e usar pouco para economizar.
Não adianta vc usar até o osso e na hora de uma guerra estar “em manutenção”.
Seria tipo você ter alguns F35 ou Rafale. Se a hora de vôo é cara deixa eles parados a maior parte do tempo. Vez por outra usa, mas muito pouco. Seria mais para ter equipamento de ponta na hora da necessidade.

Mk48
Visitante
Mk48

Nonato….

Você defende a idéia de manter um ativo caríssimo como uma corveta, fragata, etc, parado ??????!!!

É sério isso ?

Humberto
Visitante
Humberto

Dalton 5 de Maio de 2018 at 10:14
Como sempre perfeito nas colocações.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Isto é Navio com N maiúsculo.

6 dessas mais as Tamandarés e os Subs , fora os navios de apoio Log, além do Atlântico, já estava bom pra começar!!!

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Tô menos preocupado com a pindaíba da MB do que com o programa FFG(X). O que não tem remédio, remediado está, mas homo faber faz rerum novarum e elas é que importam. Na minha opinião.

willhorv
Visitante
willhorv

Com nossa economia e um pouco de seriedade, teríamos a marinha dos sonhos!!
Mas para isso, o aumirantado precisa bater o martelo! Pensão e aposentadoria não se faz com verbas destinadas a defesa!
Recursos da defesa saem do PIB e de programas de participação, como o pré sal.
E com toda esta incopetência e arrogância, pra lá nós vamos….com apenas 5 escoltas em 2020! E daquele jeito….se chover de mais, afunda!
Lamentável, vergonhoso e cético! Assim que me sinto!

Wellington
Visitante
Wellington

Porque que o Brasil sempre tem que estar atrás dos outros? vejo Alemanha, Itália, Japão devastada na segunda guerra. Eu pensava nós brasileiro seremos melhores que eles. Mas é uma luta construí umas fragatas , submarino que se arrasta a anos . Com um orçamento gigantesco e não dá conta, e não que se diminua os efetivos , o que adianta de 50 mil militares da Marinha se não tem navio modernos e descentes? O que faz um NAE São Paulo desativado lá Bahia de Guanabara? Da por um fim , pelo menos afunda em lugares que não te arrecifes… Read more »

Marcio
Visitante
Marcio

US Navy reativa segunda frota nos Estados Unidos.
https://news.usni.org/
Enquanto isso aqui no Brasil a MB esta o caos.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Linda

Rubio
Visitante
Rubio
Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

Que obra prima de engenharia essas FREMMs. Já imaginaram umas 6 delas operando no Brasil? Quando isso acontecer os EUA e a UE já estarão explorando Marte…

Dalton
Visitante
Dalton

Falando em “Marte” horas atrás os EUA enviaram nova missão à Marte, só que dessa
vez o objetivo será escavar o solo marciano para estudo.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Eu gosto muito desses navios…tanto o modelo francês quanto o italiano. Só o preço que é complicado no momento.

BrunoFN
Visitante
BrunoFN

Belíssimo navio , mas com o EURO quase a 4 reais . fica difícil sonhar com algo do tipo pra MB .. uma pena ….perdemos a janela de oportunidade da compra onde preço e câmbio nos eram favoráveis .. isso foi em 2010 .. ja era

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

6900 Ton
Bruta

Marcelo Brandão
Visitante
Marcelo Brandão

Que fragata linda… a bicha não mergulha… vem fatiando bonito que só ela!! Seis dessas e mais dez de porte menor no padrão das Tamanduás urgente por favor!!!