Home Indústria Naval Conselho do FMM prioriza R$ 960 milhões para novos projetos

Conselho do FMM prioriza R$ 960 milhões para novos projetos

8696
30

O Conselho Diretor do Fundo da Marinha Mercante aprovou R$ 3,8 bilhões em prioridades para financiamento de projetos do setor naval. Desse total, R$ 2,9 bilhões são destinados a projetos já aprovados pelo conselho em outras ocasiões e que obtiveram novo prazo para contratação. Outros R$ 960 milhões são referentes a novos projetos. A decisão foi tomada durante a 38ª reunião ordinária do CDFMM, realizada na última quinta-feira (5), em Brasília. Na pauta, estava prevista análise de sete novos projetos, além de oito reapresentações, uma alteração de projeto (sem alteração de valor) e cancelamento de prioridades.

A diretora do Departamento da Marinha Mercante e conselheira do CDFMM, Karênina Dian, destacou que parte significativa da indústria naval brasileira tem passado por um momento desafiador, em função das oscilações no mercado de petróleo e gás. “Tivemos um valor maior de novos projetos, principalmente voltados para reparo e para o escoamento da produção do Arco Norte, que indicam mercados e negócios que podem ser promissores para essa indústria, utilizando o incentivo do FMM”, disse Karênina. O detalhamento dos projetos que obtiveram prioridade nessa reunião será publicado no Diário Oficial da União nos próximos dias.

A próxima reunião ordinária do CDFMM está prevista para 29 de novembro de 2018. Os interessados têm até o dia 1º de outubro para apresentarem os projetos para obtenção de prioridade para financiamento com recursos do FMM, administrado pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. O FMM pode financiar até 90% do valor dos projetos pleiteados. O percentual de financiamento dependerá do conteúdo nacional e do tipo de embarcação

Confira abaixo o resumo da 38ª reunião do CDFMM:

FONTE: MTPA/Portos e Navios

30 COMMENTS

    • John Paul Jones,
      Você deve estar se referindo a Medida Provisória para uso de uma porcentagem do FMM, certo?

      Capitalização da Emgepron é outra coisa, com finalidade específica (construção das corvetas classe Tamandaré) conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias 2018.

  1. Mais da metade, R$ 2,153 bilhões, para construir um novo estaleiro.
    Está faltando estaleiro no Brasil (ironia).
    Esses R$ 2 bi seriam suficientes para financiar a construção de dezenas de navios e dar algum fôlego para alguns estaleiros brasileiros.
    Mas vamos financiar mais um estaleiro, claro.
    Por isso que quanto menos intervenção estatal houver, melhor. Melhor não ter esse fundo do que tê-lo para usar desse jeito.

    • Esse estaleiro é para manutenção (seja corretiva ou preventiva) e fica no Paraná que tem o 3° maior porto do país e no nordeste só a mais 2(3?) locais para reparos o EAS, um na Bahia e talvez o VARD (não sei se o seu dique seco tem mais de 300m). Ele sendo só para reparos torna mais difícil ter capacidade ociosa já que não vai competir com estaleiros asiáticos. Só lembrando que um estaleiro que construir é bem mais caro

      • Flávio,
        A questão é: isso é uma prioridade no momento? A demanda é maior que a oferta dos estaleiros nacionais?
        Não sou especialista no assunto, mas parece-me que a resposta é “não” para essas duas perguntas.

  2. Pessoal,

    Tem notícia publicada aqui de apenas duas semanas atrás sobre a MP para destinar 10% do FMM pra construção de novos meios pra MB.

    https://www.naval.com.br/blog/2018/06/19/definicao-sobre-10-do-fmm-para-navios-militares-esperada-ate-agosto/

    Se ainda fosse notícia do ano passado, vá lá, mas ainda é recente…

    Depois, quando eu sugiro ao pessoal dar uma procurada de dois minutos em matérias já publicadas, ficam de mimimi, magoados com a sugestão. Custa tanto assim dar uma busca?

  3. O novo estaleiro, como o Flavio acima colocou, destina-se a reparos em navios de grande porte. Os navios devem preferencialmente serem reparados perto do porto de destino ou de origem, visto que apenas se deslocar muitos quilómetros sem outra finalidade do que entrar em reparo não é muito econômico. Alguns reparos são muito simples mas requerem instalações de grande porte. No Brasil há vários estaleiros que possibilitam estes reparos/manutenções, mas o do PR estará junto a um dos dois portos mais movimentados do país. Parece que o critério aqui foi adequado do ponto de vista técnico/econômico/estratégico. É simples assim.

  4. Off topic…
    Acabei de ouvir que a Nova Zelândia acabou de assinar a compra de 4 P-8A Poseidons. Aí está uma oportunidade para a MB adquirir os P-3 Orions que serão encostados…

  5. “Flávio Henrique 9 de julho de 2018 at 23:37
    Esse estaleiro é para manutenção (seja corretiva ou preventiva) e fica no Paraná que tem o 3° maior porto do país e no nordeste só a mais 2(3?) locais para reparos o EAS, um na Bahia e talvez o VARD (não sei se o seu dique seco tem mais de 300m). Ele sendo só para reparos torna mais difícil ter capacidade ociosa já que não vai competir com estaleiros asiáticos. Só lembrando que um estaleiro que construir é bem mais caro”

    Está desinformado.

    Conhece os Estaleiros do RJ, RS, SC, BA, CE …. ?

    Divirta-se:

    http://www.portalnaval.com.br/estaleiros/estaleiros-brasil/

    Região Sul
    EBR – Estaleiro do Brasil
    Estaleiro Detroit Brasil
    Estaleiro Fibrafort
    Estaleiro Itajaí
    Estaleiro Keppel Singmarine Brasil
    Estaleiro Navishp
    Estaleiro Oceana
    Rio Grande – ERG *
    _______________________________________________________

    Aliança
    Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro *
    Brasfels S.A. *
    EISA *
    EJA – Estaleiro Jurong Aracruz *
    Equipemar
    Estaleiro Angra dos Reis
    Estaleiro Barra do Furado
    Estaleiro Brasa
    Estaleiro Cassinú
    Estaleiro Guarujá
    Estaleiro Mauá – Ponta D’Areia *
    Estaleiro Rio Tietê
    Inhaúma *
    Mac Laren Oil *
    Navegação São Miguel
    Renave e Enavi
    UTC Engenharia
    Vard Niterói *
    Vellroy
    ______________________________

    Região Nordeste
    Construção e Montagem Offshore – CMO
    Enseada Indústria Naval – Unidade Paraguaçu *
    Estaleiro Atlântico Sul *
    INACE *
    Vard Promar *
    ______________________________________

    Região Norte
    ERIN – Estaleiros Rio Negro
    Estaleiro Rio Maguari

    Os com asterisco eu conheço e não são fundo de quintal.

    Nao sei no quê deu a massa falida do Caneco.

    Melhor seria usar esse dinheiro no AMRJ, mas ai ….. também complica.

    O lance dos Koreas já faz anos e perdemos.

    Vou dar uma dica:

    Quem foi ou é do meio de forma direta ou indireta, tem conhecimento e discernimento sabe o que se tem para fazer, conhece as soluções.

    discernimento
    substantivo masculino
    1.
    capacidade de compreender situações, de separar o certo do errado.
    “por falta de d., meteram-se em apuros”
    2.
    capacidade de avaliar as coisas com bom senso e clareza; juízo, tino.
    “apesar de jovem, tem d. para gerir os negócios”

    No link postado verás todos Estaleiros e suas capacidades.

    Pct de final do final …. $$$$$

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here