Home Indústria de Defesa Rússia começa a testar torpedo nuclear do ‘Juízo Final’

Rússia começa a testar torpedo nuclear do ‘Juízo Final’

10432
162

A mais recente arma da Rússia foi projetada para criar uma onda tsunami radioativa que engolfaria cidades litorâneas inteiras

A Rússia teria iniciado testes no mar de sua arma definitiva, um veículo subaquático com capacidade nuclear (UUV – Unmanned Underwater Vehicle), apelidado de “Poseidon”, supostamente projetado para entregar uma ogiva nuclear de 2 megatons para destruir bases navais, grupos de ataque de porta-aviões e cidades litorâneas inteiras, desencadeando uma onda tsunami radioativa.

Os testes no mar do “Poseidon” começaram em meados de julho e estão focados principalmente no sistema de orientação do UUV e nas operações subaquáticas no modo autônomo. O trabalho no “Poseidon” está progredindo de acordo com o cronograma, disse o Ministério da Defesa (MoD) da Rússia em 19 de julho.

O “Poseidon”, também conhecido pelo Ocean Multipurpose System Status-6 ou “Kanyon” pela comunidade de inteligência dos EUA, “é um novo torpedo autônomo intercontinental de propulsão nuclear, armado nuclearmente”, de acordo com a Revisão Nuclear Postural dos EUA de 2018. Acredita-se que o UUV tenha sido desenvolvido em reação à crescente sofisticação dos sistemas de defesa de mísseis balísticos dos EUA.

Parece ser uma arma de último recurso para fortalecer a postura de dissuasão nuclear da Rússia vis-à-vis os Estados Unidos e a OTAN. Torpedos equipados com um sistema de propulsão nuclear e equipados com uma ogiva nuclear para uso em longas distâncias foram inicialmente concebidos na União Soviética na década de 1950.

Muitas especulações, muitas delas quase certamente exageradas, ocorreram sobre as capacidades precisas do UUV “Poseidon”. De acordo com uma fonte da indústria de defesa russa citada pela agência de notícias TASS, “será possível montar várias cargas nucleares no torpedo do sistema polivalente Poseidon, com a ogiva termonuclear única semelhante à carga ‘Avangard’ para ter a capacidade máxima de até 2 megatons em equivalente TNT.”

O UUV, que tem capacidade nuclear, “é projetado principalmente para destruir as bases navais reforçadas de um inimigo em potencial”, acrescentou a fonte em maio deste ano. Apesar de ter sido oficialmente revelado ao público em março, o MoD russo até agora não comentou publicamente sobre a carga nuclear do UUV.

No início da semana passada, o MoD disse em um comunicado que considera o “Poseidon” 100 por cento invulnerável a qualquer contramedida. As capacidades exclusivas do drone permitirão que a Marinha Russa lute contra grupos de ataque de porta-aviões e de superfície (…) e ataque instalações de infraestrutura costeira a uma distância intercontinental.”

Embora o Ministério da Defesa não tenha revelado detalhes sobre os testes de mar do UUV, é provável que o “Poseidon” seja lançado de um submarino diesel-elétrico B-90 Sarov classe Projeto 20120 – o único submarino de sua classe atualmente em serviço com o russo Marinha projetada especificamente para servir como uma plataforma de testes para novos equipamentos militares.

B-90 Sarov classe Project 20120
B-90 Sarov classe Project 20120

A existência do programa Poseidon foi revelada pela primeira vez pela mídia ocidental em setembro de 2015. Uma emissora de televisão estatal russa exibiu imagens de um slide secreto de apresentação do UUV de longo alcance com capacidade nuclear em novembro do mesmo ano. Como relatado na época:

(O slide se referia ao torpedo como “veículo submarino autopropelido” com um alcance de “até 10.000 km” (6.200 milhas), capaz de operar em profundidades “de até 1.000 m” (3.300 pés). De acordo com relatos da mídia russa citados pela BBC, o torpedo pode viajar a 100 nós (185 km/h) evitando todos os “dispositivos de rastreamento acústico e outras armadilhas”.

O “mini-submarino robótico” (ou torpedo) aparentemente seria lançado por um submarino Project 09852 baseado na classe Oscar 949A – ou um submarino Projeto 09851, estabelecido em dezembro de 2012 e Julho de 2014, respectivamente, e com datas de conclusão desconhecidas.

Uma vez completados, ambos os submarinos terão a capacidade de transportar UUVs: O submarino do Project 09852 poderá carregar até seis torpedos, enquanto um Project 09851 será capaz de acomodar até quatro UUVs.

Com base nas informações do slide, a nova arma poderia ser equipada com uma ogiva termonuclear com uma camada de cobalto-59, “que na detonação seria transmutada em cobalto-60 altamente radioativo com uma meia-vida mais longa que cinco anos”, reportou a BBC. Um protótipo está programado para ser construído em 2019, com os primeiros testes ocorrendo por volta de 2019-2020, de acordo com o jornal.

Aparentemente, os testes no mar foram iniciados antes do previsto, embora ainda não esteja claro até que ponto o UUV será capaz de operações autônomas em distâncias intercontinentais, devido à multiplicidade de desafios técnicos que provavelmente ainda precisarão ser superados. Vários analistas especularam que o “Poseidon” UUV não passará da fase de protótipo, pois foi projetado principalmente para fins políticos, a fim de iniciar conversas sobre defesas antimísseis balísticos com os Estados Unidos.

Observar o tamanho do “monstro” no vídeo abaixo.

FONTE: The Diplomat

162 COMMENTS

  1. Um submarino tripulado pra permanecer oculto tem que navegar a menos de 10 nós. Como é que esse troço vai ficar oculto a 100 nós?
    E a 100 nós, como é que ele vai ter sensores capazes de reagir sendo que submarinos tripulados para poderem usar o sonar têm que estar em baixa velocidade, geralmente abaixo de 15 nós?
    Ou será que ele vai seguir só o sistema inercial? Por 10.000 quilômetros submerso?
    Pode isso Arnaldo??
    Tem tecnologia que sustenta isso?
    Ele vai seguir o leito submarino? No alto mar vai ficar a 1000 metros de profundidade e quando chegar na plataforma continental vai subir e acompanhar o leito marinho só de “memória”, porque não vai estar podendo usar o sonar a 100 nós. Se é que terá sonar, já que seu objetivo é causar um tsunami e matar milhões de civis.
    Pode isso Arnaldo?
    Estamos vendo um retrocesso na relação das potências nucleares. Antes havia armas nucleares de dezenas de megatons. Os americanos tinham bombas de 25 Mt e ogivas de 15 Mt. Hoje, com mísseis mais precisos e com a alegação de que civis não são mais alvos, o Ocidente não tem mais nenhuma arma nuclear operacional com mais de 500 Kt.
    Mas com esse torpedo foi dada largada para que novamente cidades sejam alvos. Os americanos devem tirar da “geladeira” suas bombas B-83 de 1,2 Mt e deve novamente armar seus Minuteman III com 3 ogivas de 300 Kt. Também os Tridents devem voltar a levar 8 ogivas de 475 Kt ou 14 de 100 Kt.
    A ordem agora é destruir cidades com bombas sujas e tsunamis.
    Os caras estão “putin” com os americanos por conta deles estarem desenvolvendo um sistema defensivo e em vez de fazerem o mesmo eles inventam de ameaçar as cidades americanas, comportando-se como os iranianos e norte-coreanos. rsrss
    Seria cômico se não fosse trágico.
    Eu ainda espero que isso tudo não passe de devaneio do líder Putin e que essa _____________ não passe de uma imensa maquete e que eles cheguem à conclusão que esse método é completamente ineficiente, irreal, deselegante e desnecessário.
    Que fiquem só com os métodos mais elegantes como suas armas hipersônicas e deixem de lado esse torpedo ridículo e aquela outra ______________ na forma de um míssil cruise com 100.000 km de alcance. Usem essa tecnologia pra desenvolver algo como um bombardeiro nuclear stealth, capaz de atacar de qualquer direção e de lançar uma dúzia de mísseis contra alvos militares. Isso sim seria algo respeitável.
    Russos e suas russices!! https://www.youtube.com/watch?v=iILqcuNIO-0

    COMENTÁRIO EDITADO. MODERE O LINGUAJAR.

    • Pois é Bosco.

      Na teoria é uma arma capaz de superar todos os desafios tecnológicos, como você bem colocou, mas na prática sabemos que fantástico mesmo é a máquina de propaganda russa, onde tudo o que desenvolvem e testam sempre está tudo dentro do cronograma ou foi concluído com sucesso.

      Também concordo com o seu comentário.

    • Neste caso os 2 lados estão errados, e lembre-se foi a OTAN que começou a brigar primeiro com a entrada dos países que antes faziam parte do Pacto de Varsóvia e não honrou os tratados anti misseis do passado, agora vc acha que os russos iam ficar quietos sem reagir ?

      Com seus cruzadores e destróier os EUA já cercam a Russia com sistemas anti misseis, praticamente só restaria uma janela na Europa que já esta sendo coberta pela Polônia, no Japão e Coreia do Sul eles já tem esses sistemas, outra coisa os EUA firmaram com a antiga URSS um tratado para misseis cruize em terra mas o que ocorre é que no atual momento os EUA tem um enorme estoque de misseis cruize em seus navios e subs sendo que a Russia também não tem capacidade econômica para manter um grande numero de navios, a Russia diante de uma situação dessas vai querer reagir como podem com certeza.

      Os EUA não estão de brincadeira não, o seu projeto é de superioridade total, eles estão colados nas fronteiras russas com um grande estoque de misseis cruize e anti misseis em seus navios.

      • Mais da metade da US Navy encontra-se no Pacífico…no caso dos 22 cruzadores, 12
        estão baseados no Pacífico e dos 10 baseados no Atlântico quando muito um terço está disponível em virtude de manutenções, modernizações, treinamentos, sei porque acompanho com interesse tudo o que sai a respeito.
        .
        Então, quando muito um cruzador encontra-se em missão “independente” com a VI Frota e dois ou três destroyers…há 4 baseados na Espanha, mas, quando muito dois estão em missão, então não dá para cercar a Rússia com 4 ou cinco combatentes de superfície.

        • Neste caso não se trata dos navios que se encontram numa disponibilidade imediata, mas sim o que pode ser disponibilizado num curto intervalo de tempo, alem do que o F 35 com sua rede de dados + DAS vai fazer parte do sistema anti misseis, fora que eu li num artigo passado a intenção de converter os misseis Patriot para serem lançados de caças.

          Alem do que quando se fala em EUA pode colocar junto a Inglaterra e Japão, supondo que numa eventual crise eles devem colocar uns 40 navios perto da Russia, com cada navio transportando uma media de 90 misseis só ai temos 1.800 misseis cruize mais 1.800 misseis anti misseis, some a isto os misseis cruize em submarinos e aviões e os misseis de interceptação em terra (incluindo ai os baseados no Japão e Coreia) .

          Calcule ai quantos misseis balísticos intercontinentais a Russia possui e vera que eles tem uma media de 3 misseis anti misseis para cada míssil russo, isso ainda fazendo um calculo favorável com os EUA deslocando menos de 50% de sua frota perto das fronteiras russas.

          • Munhoz…
            .
            evidente que em caso de guerra muita coisa muda, mas, hoje em dia não há muito que os russos precisem temer de uns poucos navios capazes de fazer defesa contra mísseis balísticos e mesmo em caso de guerra não se teria 40 mesmo com Inglaterra e Japão…os britânicos possuem apenas 6 “destroyers” que não possuem capacidade “BDM” e o Japão passará a ter 8 navios com tal capacidade no início da próxima década e nem todos poderão estar sempre no mar, além de muitos outros compromissos que a US Navy possui.
            .
            Você simplesmente multiplicou 40 navios por 90 silos…como se todos os 40 navios tivessem 90 silos e 40 estivessem disponíveis para atacar a Rússia num dado momento para conseguir 3600 silos e colocou 1800 “Tomahawks” e 1800 ‘Standards” neles, não é assim que funciona.

          • Eu não me expressei bem, estou me referindo aos programas em andamento dos EUA com os F 35 + rede de dados + DAS os misseis SM 3 A II poderiam ser orientados de outra forma alem do navio lançador e os EUA com os recursos que tem e o plano do Trump de 350 navios.

    • Boa tarde Bosco, você citou que um submarino tripulado para ficar oculto tem ficar navegar a 10 nós. Só que eu imagino que um submarino deve ser umas 100x o tamanho desse torpedão. Então imagino que o nível de ruido que este torpedo gere seja bem menor que um submarino comum e não precise navegar a 10 nós para ficar oculto. Porém eu também não sei o nível de ruido que um torpedo gera,mas, certamente deve ser mais difícil detectar este torpedo do que um submarino não acha?

    • Caro Bosco,

      Faz sentido a sua analise. Essas “hyper-armas Putinianas” fazem lembrar do super heavy tanque Maus Alemão, do projeto do E-100, do morteiro Thor e outras “hyper-armas Hitlerianas”… muita espuma para pouca aplicabilidade.

      Lá vão os EUA reativar/melhorar/ampliar o sistema SOSUS. Quando perceberem um “menino” desses sendo lançado fica mais fácil retaliar por misseis intercontinentais e vaporizar algumas cidades Russas. Tenho certeza que os Russos já estarão contando o numero de civis mortos antes da explosão do torpedo travesso putiniano.

  2. Isso é pura propaganda fake, sabe o que acontece se detonar uma bomba nuclear de 2 megatons debaixo do mar? Nada. Nem uma de 100 megatons causaria uma tsunami de 100 metros que estão alardeando.

    • Concordo, o sujeito até sabe que vai apanhar mas fica garganteando que tem o “torpedo grande”.

      Esse Putin é o novo Czar da Russia. Noticia mais para Russo do que para o resto do mundo.

      De vez em quando Ele me lembra o Galtiere com a sua estratégia de uma “Argentina Grande”. Até hoje tem muito Argentino que não sabe de onde vieram os tiros Ingleses.

      • A culpa da Argentina ter perdido em 1982 foi do Chile, da França ,do Brasil e até dia rua que não os apoiou em suas loucuras …menos é claro deles próprios.

        • Leonardo,

          Os Ingleses atravessaram o Atlantico, enfrentaram “mar grosso” do primeiro ao ultimo dia de combate, deram uma palmadas na bunda do Galtiere e de seu bando de generais e apenas restabeleceram a ordem nas Ilhas.

          O Brasil ajudou a Argentina mais do que devia (acredito que nunca ressarciram o material que foi repassado para Eles).

          Quanto o Chile… bem, são apenas “inimigos na encolha”, dali não virá ajuda nem em uma invasão alienigina. Sobre a França, ninguém pode reclamar que os EXOCET não fizeram o serviços, nem que os Mirages deixaram de voar e que os Super Etandard foram o terror da frota britânica, mas daí a querer que a França (Aliada da Inglaterra na OTAN) enviasse novo carregamento de mísseis já é demais.

  3. “Os testes no mar do “Poseidon” começaram em meados de julho e estão focados principalmente no sistema de orientação do UUV e nas operações subaquáticas no modo autônomo.”

    Se ele tem uma ogiva de 100 ou 1000 não importa ,isso não é impossível… Mas a minha maior curiosidade é está acima que copiei, como esse “bicho” vai ser guiado até o alvo? Quem vai ser o controlador dele após ser lançado ? O submarino portador? Alguma embarcação de apoio? Pessoas em terra ? Ou seria autônomo com mapas dos locais inserido em sua memória? E redes submarinas não pegaria um bicho desses ,caso estas fosse colocado no fundo dos oceanos ?
    Aos que entende do assunto….

  4. Os Russos são muito espertos…
    O E.U.A. cada vez mais se apoderando de redes de satélites para criar a tão propalada “guerra nas estrelas” aí o Sr. Putin, faz o contrário investe em armas subaquáticas. Isso tornará nula a eficácia da rede de satélites dos E.U.A. pois não conseguirão detectar esse torpedo do juízo final. Na minha modesta opinião e conhecimento, diria que essa é uma arma de potencial e poderio aterrador. O dia do juízo final, do jeito que Estados Unidos, Rússia, França, Reino Unido, Índia, Paquistão, China, Israel e Coreia do Norte estão fazendo…
    A pergunta que fica é:
    – Quem apertará o botão primeiro ?

    • Roger,
      Mas no caso a “rede” de navios e submarinos americana é maior que a rede de satélites.
      E quanto a ser uma arma do “Juízo Final”, não faz sentido em pleno Século XXI. Teria sentido se tivesse sido desenvolvida na Guerra Fria. Hoje, é uma arma completamente ultrapassada que visa alvos civis, que já está fora de moda há muito tempo e colocaria gasolina na fogueira e teria o potencial de colocar a Rússia no rol dos países párias da comunidade internacional, que fica ameaçando os outros de destruição total, como gostam de fazer a CN e o Irã.
      Para uma nação como a Rússia isso é simplesmente inadmissível , independente de ser tecnicamente possível ou não. Como os russos vão poder reclamar que os EUA se retirou de tratados do meio ambiente e aquecimento global se eles têm armas para fazer tsunami (rrsrsss chega a ser engraçado de tão surreal) e deixar tudo radioativo propositadamente?
      Com essa atitude o Putin se diminui a ponto de se parecer com vilão de filme de super-herói.
      E ainda corri-se o risco de quando a guerra começar e esses torpedos forem lançados dos próprios russos não verem o resultado tendo em vista que a resposta virá de mísseis balísticos que chegam à Rússia em menos de 30 minutos enquanto esse torpedo leva dia para chegar ao alvo. Nesse meio tempo a Rússia já terá virado cinzas.

      • Concordo com você Bosco que isso seria mais usual na época da guerra fria, mas como os ânimos continuam exaltados e só recentemente que as ameaças entre EUA vs CN cessaram. Mas agora surgiu outra no oriente médio (Irã), ou seja sempre irão surgir estopins de um canto ou de outro. Já quanto a detalhes desse novo torpedo “teleguiado” achei impressionante sua velocidade, o torpedo poder viajar a 100 nós (185 km/h) Isso “DEBAIXO D’AGUA” poderia ser comparado (nas devidas proporções e meios) a velocidade de um avião caça no ar.

      • Bosco, o desejo americano é de uma Rússia a la Yeltsin ou seja, graça e controlável. A Rússia tem atitudes condenáveis é verdade, porém, a expansão da OTAN é vista até mesmo por americanos ( vide diversas matérias na The National Interest) como um ponto incontornável na relação com Moscou. O sistema anti mísseis que supostamente é para conter ataques de ICBM’s iranianos ou norte coreanos é simplesmente uma piada! É óbvio que esse sistema visa a Rússia e ainda que não tenha a total capacidade de neutralizar o poder nuclear russo, pode sim limita-lo em determinadas situações. Essa balela de que os países são soberanos e que se querem entrar na OTAN ninguém pode impedir é ridícula, veja que existia a opção do PFP onde países poderiam se aproximar da estrutura da aliança mas não seriam membros plenos ( vide Suécia e Finlândia). Os países ex pacto de Varsóvia deveriam ser aceitos no PFP e não como membros plenos da aliança e se isso tivesse sido feito muito do atrito com Moscou teria sido evitado. Existe um 100 números de problemas na relação Rússia x Ocidente mas dizer que a culpa é exclusivamente da Rússia não é sensato principalmente para uma pessoa como você. Essas super armas são na maioria vitrines para que a Rússia obtenha concessões do Ocidente, duvido que com a economia russa de hoje seja possível vencer os desafios tecnológicos para essas super armas ( salvo os mísseis hiper sonicos e o ICBM Sarmat que devem realmente entrar em operação). Sendo assim, o MAD continua valendo e um confronto nuclear entre Rússia x EUA terminaria em aniquilação de infraestrutura militar e civil com a destruição de ambos os países e dessa forma, sim as cidades russas são alvos militares tanto quanto as cidades americanas.

        • Copie e cole a parte que eu digo que a culpa (??) é exclusivamente russa? Eu não penso assim em nada e muito menos em relação à Rússia, tendo em vista que quem geralmente tem ideias maniqueístas são os antiocidentais. Eu não?

        • Ypojucan,
          Eu não acho que o descontentamento russo com a OTAN relativos aos ex membros da URSS seja errado. Muito pelo contrário!
          Na minha modesta “análise” eu não faço juízo de valores. Só considero o modo equivocado. Humildemente, devo salientar, já que minhas opiniões não têm potencial de mudar a cabeça do Putin ou de quem quer que seja. rsrss
          Vale salientar que se num futuro distante os EUA venha a ter real capacidade de deter um ataque nuclear russo em larga escala não é “ponto pacificado pelos doutrinadores” (rsrsss) que a resposta americana seria a completa destruição nuclear da Rússia, como muitos aqui apregoam. Muito pelo contrário. Há muito tempo que a Terra é entendida como um sistema fechado de recursos limitados e não interessa a ninguém a destruição nuclear em larga escala.
          O que muitos acreditam é que a partir que um país detenha a capacidade de se defender de um ataque nuclear ele não precisará ter armas nucleares e poderá responder de forma convencional. E nem é porque o país em questão é bonzinho não, é porque manter um arsenal nuclear custa caro.
          Desse modo os americanos envidam esforços para a redução das armas nucleares ao mesmo tempo em que procuram meios de defesa.
          Claro, os países que hoje detém armas nucleares muito dificilmente abdicarão delas no futuro, mas mesmo os EUA aposta que num futuro distante não mais que 200 “armas” seriam necessárias. O que é muito pouco para quem já teve quase 50 mil operacionais num determinado momento. Sem falar que algumas chegavam a 25 megatons.
          Hoje, o arsenal nuclear americano operacional (tirando as em reserva) não passa de 1500 armas e nenhuma com rendimento maior que 500 quilotons.
          Quantidade igual têm os russos.
          Voltando ao raciocínio, há os arautos do Apocalipse que acham que um EUA defendido pelo seu ‘”escudo mágico” iria destruir seus inimigos com o fogo nuclear (coisa que não fez nos 10 anos em que só ele detinha armas nucleares) para reinar num mundo de cinzas e por outro lado há o grupo dos otimistas, que defendem que em havendo um “escudo mágico” os riscos de um primeiro ataque nuclear ou de um contra-ataque nuclear são reduzidos e apostam os mais otimistas até na completa obsolescência das armas nucleares para um futuro distante.
          Vale salientar que hoje não há como nenhum país do mundo ter capacidade de projeção de poder global “instantâneo” sem ser por meio de armas nucleares, notadamente de mísseis ICBMs em terra ou no mar (SLBMs).
          Não há como um país no Continente X atingir o Continente Y em menos de 40 minutos sem que seja com ogivas nucleares.
          Mas a tecnologia avançou e isso hoje é plenamente possível, como atestam os veículos de reentrada manobráveis, os deslizadores hipersônicos e o desenvolvimento da tecnologia scramjet (dentre outras, como por exemplo a propulsão tipo turbofoguete), que poderá redundar no futuro em um bombardeiro subespacial de alcance global, capaz de atingir qualquer objetivo na Terra em menos de 1 hora. Além de mísseis hipersônicos lançáveis por bombardeiros, caças, submarinos ou navios com alcance de mais de 2000 ou 3000 km (como por exemplo o Kinzhal, que usa um propulsor a base de foguete sólido).
          Todo esse aparato tecnológico (escudo antimíssil + meios de ataque global não nucleares) tem o potencial de reduzir a possibilidade de um hecatombe nuclear no futuro, principalmente se ambos os lados de um hipotético conflito tiverem meios semelhantes.
          Antes de pensar em torrar seus inimigos um país que se sinta efetivamente protegido e dotado de meios de decapitação convencionais pode abdicar unilateralmente de seu arsenal nuclear ou pelo menos reduzi-lo substancialmente.
          Se a URSS conseguiu acesso às armas nucleares 10 anos depois dos EUA com certeza agora não é diferente e ela pode atingir o objetivo de também construir um escudo que inviabilize ser vítima de ogivas inimigas.

      • Bosco,
        Nem tudo que parece é. Os americanos não estão dando conta nem de navegar sem que bata em alguem.
        Fora os acidentes que sempre acontece no mar, esses tempos atrás um porta avião quase se chocou contra uma ilha enorme no pacifico.
        Os EUA sâo mestres em utilizar tatica diversiva e mestres em propaganda..

        • Fox,
          Emblematicamente para os que adotam a retórica antiocidental o fato de navios de guerra americanos eventualmente “trombarem” em alto mar pode ser relevante.
          Eu não levo esses fatos “isolados” (apesar de próximos na linha do tempo) em consideração para avaliar o potencial americano e seu nível de proficiência e prontidão e determinar sua fragilidade ou fortaleza, e sim o fato deles terem 11 porta-aviões nucleares, uns 70 submarinos nucleares , uns 100 destróieres e cruzadores, umas 1500 armas nucleares, uns 150 bombardeiros, uns 3000 caças, uns 40 navios de desembarque, uns 700 ICBMs/SLBMs, uns 200 satélites militares, uns 3000 tanques Abrams, uns 4000 Tomahawks, etc.

  5. A informação mais relevante é a da última sentença: “Vários analistas especularam que o ‘Poseidon’ UUV não passará da fase de protótipo, pois foi projetado principalmente para fins políticos, a fim de iniciar conversas sobre defesas antimísseis balísticos com os Estados Unidos.”

  6. Mas uma vez vemos a propaganda russa em ação. Eles gostam de dizer que vão fazer algo impossível só para os EUA gastarem montantes de dinheiro para criar defesas atoa… Essa é a diversão da Rússia 😂😂

    • E os americanos trouxas acreditam, mas por quê será que a Rússia não sofreu mais nenhuma invasão depois de Barbarossa? Motivos para a invasão não faltaram….🤔

      • Não invadiram pois não vale a pena financeiramente. É preferível como sempre fizeram, os Russos falam que o Mundo será destruído por Eles e as empresas dos EUA são empregadas na fabricação de contra medidas caras, sofisticadas e extremamente rentáveis para elas e para uma infinidade de outros interessados. Isso movimenta a economia americana, gerando tributos para o governo e renda para as centenas de milhares de pessoas envolvidas na cadeia produtiva da industria militar americana (se não me engano a maior do Mundo) e bilhões em lucro para uns poucos.

        Depois de tudo isso quem explica o porque de atacar a Russia? Matar a “galinha dos ovos de ouro”???? Isso só em filme. O território não vale nada, o que vale é quanta grana se pode lucrar com tudo isso.

        • Só em teus sonhos que torrar trilhões de dinheiro público em armas é altamente lucrativo. Como foi que os EUA saíram do Iraque e do Afeganistão na década passada mesmo? Ah sim, maior crise econômica da história depois de 29… Pode crer abiguinho, torrar trilhões em armas para brincar de polícia do mundo é bem saudável. Pode até ser para as indústrias de armas e para os políticos, mas para quem paga a conta é um péssimo negócio.

        • “Ricardo Bigliazzi 4 de agosto de 2018 at 18:26
          Não invadiram pois não vale a pena financeiramente.”

          hahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

      • Defensor da Liberdade.
        Eles não sofreram nenhuma invasão simplesmente porque não são o Iraque , a Líbia e a Siria. E o Putin não é o Sadam nem o kadaf. Simples assim.

    • Caro Aldo,

      Você viu o alcance do torpedo? Você viu o torpedo seria lançado por um submarino? Como é que um tsunami vai afetar um submarino? O tsunami é um poblema quando chega na costa, nas praias. Em alto mar não faz nada. Procure ler sobre os relatos dos barcos que estavam no caminho dos últimos tsunamis em alto mar. A maioria, mal percebeu uma ligeira ondulação na embarcação. abs.

  7. Para destruir bases navais seria muito mais lógico colocar uma carga nuclear no seu torpedo Type 65 (100 km de alcance) ou lançar uma salva de mísseis cruise nucleares.
    Vale salientar que o torpedo Type 65 leva uma carga de mais de 500 kg e se fosse instalado uma ogiva nuclear sobraria espaço para mais combustível que poderia até dobrar o alcance. Um submarino lançador ficaria a 200 km de uma base naval inimiga e lançaria um torpedo nuclear com 1 Mt.
    Isso seria algo razoável!

    • Bosco,

      Não há como discordar, simples e eficiente.

      Esse Putin é muito “bom”, joga para a “galera” com maestria, esse cara não vai “largar o osso” que é Governar a Russia por um bom par de anos, esse cara pretende ser o novo Czar da Russia.

      Quem foi para a Russia na Copa voltou fascinado pela “Coxinizada Mãe Russia”, o povo Russo é tudo, menos o Povo que surpreendeu o Mundo com a Revolução de 1917. A turma está muito mais preocupada com os buracos da rua de suas casas do que com o resto do mundo e muito menos com os EUA.

  8. Os russos já se retiraram do tratado INF que limita os mísseis na Europa de alcance superior a 500km e inferior a 5500 km, e agora chutam o politicamente correto voltam a investir em armas de destruição maciça e voltada à alvos eminentemente civis.
    A resposta já está vindo. Chamaram o Tio Sam pra dançar e ele aceitou. Tô saindo agora mas mais tarde volto para contar a reação americana à estratégia putinesca.

    • O que ocorre é uma reação logica a situação presente, os EUA não diminuíram o seu poder militar pós guerra fria, muito pelo contrario aumentaram e muito ainda, com lançadores verticais em seus navios eles tem um enorme estoque de misseis cruize na porta dos russos, que por sua vez não tem condições econômicas para uma grande frota de navios, fora os subs dos EUA que também possuem misseis cruize.

      Ou seja os EUA podem varrer a Russia com uns 5.000 misseis cruize, com pelo menos metade com ogivas nucleares táticas, e depois aguentar o tranco com os anti misseis, sendo que a Russia conseguiria lançar no máximo uns 200 misseis cruize contra o território dos EUA e Europa na melhor das hipóteses .

      Outra coisa os EUA contam com bombardeiros stealth como o B 2, uma frota de B 1 e B 52 com misseis cruize também stealth, fora a frota de F 35 na Europa com as bombas B 61, se vc levar em conta tudo isto vera que os EUA podem atacar a Russia de surpresa com uma grande capacidade e ainda contam com uma grande capacidade de defesa .

      O que os Russos estão fazendo é uma luta pela sua sobrevivência em caso de guerra.

      Esses acordo foram feitos em outra época e com uma outra situação, para a Russia atual esses acordos são um desastre e outra coisa os EUA se retiraram do acordo ABM também.

      • Todo mundo inclusive os EUA diminuíram e muito sua capacidade militar com o fim da guerra fria…no fim da mesma por exemplo, a US Navy contava com 15 NAes, 13 Alas Aéreas, mais de 200 combatentes de superfície e uma centena de submarinos de ataque , enquanto hoje se tem 11 NAes um dos quais, o mais novo, nem perto de estar certificado para missão, apenas 9 Alas Aéreas e metade do número de combatentes e submarinos e mais da metade encontra-se no Pacífico.
        .
        Acrescente a isso o efeito danoso que o “sequestration” causou quanto à disponibilidade de navios e aeronaves e o quadro fica anda mais sombrio…verdade
        que os russos estão em pior situação com atrasos ainda maiores na entrega de navios novos ou em manutenção…mas, a verdade é que não está fácil para ninguém.

  9. Quem chutou os tratados nucleares na Europa foram os americanos com os sistemas anti-misseis. O equilíbrio de forças e manutenção da paz era conseguido com a certeza da destruição mutua. Quando os EUA levaram os sistemas anti-misseis para a Europa, toda a doutrina dos tratados relacionados a armas nucleares foi jogada no lixo. Além disso, com o fim da URSS, havia um acordo tácito de que a OTAN não se aproximaria das fronteiras russas. O que temos visto nas últimas décadas é o contrário.
    Não sou comunista, muito pelo contrário!! Mas neste caso os russos estão com toda a razão. Precisam tomar medidas para garantir sua defesa. Os americanos estão provocando.

    • Não houve acordo algum, na verdade o Bush pai só falou que não ia expandir a Otan, para o leste europeu, para que os soviéticos saissem da Alemanha oriental e ela se unifica-se com a Ocidental, e fizesse parte da OTAN.
      Unico acordo mesmo por escrito, foi um no final dos anos 90 onde a OTAN se comprometeria a não levar mais do que 5 mil tropas em treinamento no leste europeu e nem ter forças fixas, o que eles cumpriram.
      Alem do mais os paises do leste europeu que pediram para ingressar na OTAN, com o apoio total da UE, a OTAN praticamente assegura a UE no leste europeu, se os ucranianos fizessem parte da OTAN, hoje estariam tranquilos na UE.
      Alem do mais a OTAN não representa perigo a Rússia, à não ser, que a mesma tenha planos de fazer o leste europeu ficar sobre seu domínio de novo. O que é bem provável.

    • Os americanos se retiraram do tratado conforme mandava as regras do tratado. Diferente do que os russos fizeram relativo ao tratado INF.

  10. E se o Putin tá fazendo isso só pra desviar verbas?
    Colocando um projeta megalomaníaco pra tirar $$ do governo e encher o bolso junto com o alto clero enquanto a população aplaude?

    Sempre há essa possibilidade.

    • Não digo verbas, digo se perpetuar no poder.

      Esse cidadão está provendo o seu povo de segurança, comida e circo. Porque mudar? A “grana” vem com o tempo (no caso dele a palavra “tempo” quer dizer “para sempre”).

      • Alguém buscou saber como era a Rússia antes de Putin? 70 milhões de miseráveis, 70 mil fábricas falidas, PIB metade do Brasil, 46 mil assassinatos por ano e país mundialmente ridicularizado por um alcoolatra chamado Boris Yelsin. Hoje todos os tados socieconomicos russos batem facilmente os do Brasil, graças a Putin, que pode ser muita coisa, mas é um nacionalista fervoroso, coisa que nunca vimos no Brasil. Se ele estivesse atrás de dinheiro seria muito fácil para os EUA comprar ele, como próprio diretor da CIA disse com todas as letras que os EUA já comparam vários políticos e lideres mundiais!

        • Caro Xara,

          Para mim, Ele quer apenas o poder. Para Ele isso basta.

          O cara é o “manda-chuva” da Russia, Uma das vinte maiores economias do Mundo, com milhares de ogivas nucleares na mão, com influencia e poder, o cara fica alucinado.

          Moro em São Bernardo do Campo, cansei de ver os “Cortejos Presidenciais” por aqui por pelo menos uns oito anos, quando Você vê toda a estrutura a disposição do cidadão, domingo, às 8 horas da manhã, quando 80% da cidade esta dormindo, sem transito, tudo na calmaria… não há como não pensar: “Eu não queria largar esse osso nunca mais… esse pessoal vai fazer de tudo para se manter na crista da onda!.

          O Poder é uma das “drogas” mais fortes que o ser humano tem que domar, não consigo ver o Putin como um nacionalista, só consigo vê-lo como o mandatário da Russia, que ainda veremos por muito anos e anos lá no Kremlin, se bobear até o dia de sua morte.

          • Ricardo Bigliazzi.
            Eu acho que não existe parâmetro de comparação entre o Putin que pegou a Rússia na pior crise. Com este delinquente que está preso, e seus ratos magros do PT.
            Acho que ele esta fazendo bem e defendendo os interesses do seu país muito bem. Como deve ser qualquer lider mundial. Como tem sido repetido diversas vezes aqui na trilogia. Os países não tem amigos e sim interesses. Cada um se defenda como puder.

  11. Talvez se os EUA não estivessem dispostos a espalhar e expandir sua rede de defesa contra mísseis balísticos ao redor do mundo, inclusive às portas da própria Russia, os russos não se disporiam a desenvolver armas como essa

  12. “Poseidon”, também conhecido pelo Ocean Multipurpose System Status-6 ou “Kanyon” pela comunidade de inteligência dos EUA, “é um novo torpedo autônomo intercontinental de propulsão nuclear, armado nuclearmente”, de acordo com a Revisão Nuclear Postural dos EUA de 2018.

    Eis a questao: a propria comunidade de inteligencia dos EUA reconhece a “existencia” e o “desenvolvimento” do torpedo. Se ele vai cumprir a missao, isso ainda nao se sabe.

    Se nao fosse esse paragrafo especifico eu trataria a noticia como sendo mais uma ficcao cientifica do Sputinik, mas se o servico de Inteligencia dos EUA reconhece, entao algo real deve estar em andamento.

  13. O anúncio dessa arma já provocou o que realmente Putin, com seu despotismo ardiloso forjado no serviço de informações, almeja dela: um “tsunami midiático”. É enfadonhamente notório que um confronto entre potências atômicas resultará somente perdedores, desimportando quem e como inicie o embate, daí porque apenas a clarividência é encoberta pelas ondas gigantescas provocadas pela explosão dessa notícia.

    • Propaganda de um lado, propaganda de outro lado. A verdade é que cada vez que um deles começa a alardear uma nova super arma, o mundo fica de cabelo em pé e as indústrias bélicas sorriem de orelha a orelha, pois a essa altura o congresso americano já está estudando a liberação de verba para o desenvolvimento de um antídoto para o novo veneno dos russos malvados. Os aliados americanos ficam aguardando, ávidos a adquirir este antídoto. Pra encurtar a história, os americanos vão vender mais armas, logo os russos também venderão mais para seus clientes e bilhões de dólares, que poderiam ser investidos em coisas muito mais importantes, serão torrados em equipamentos militares.

  14. A Rússia ao meu ver acerta em investir em armas cada vez mais poderosas já que não tem o mesmo fôlego para acompanhar em armas convencionais !! Não aceito o argumento de que por limitar a potência de suas ogivas nucleares os EUA e o Ocidente estejam preocupados com as populações civis dos outros países pois tanto faz uma bomba de 20 KT quanto de 2 MT ao atingir uma cidade fará muitas vítimas de imediato e mais ainda com os efeitos da radiação !! Só fico curioso em saber qual seria a dimensão de uma onda gerada por uma explosão desse quilate !!

  15. “O ‘Poseidon’, também conhecido pelo Ocean Multipurpose System Status-6 ou ‘Kanyon’ pela comunidade de inteligência dos EUA” […]

    .

    Eu sei que informações vazam, mas é muito relativammente comum vermos na midia especializada ou nao os nomes que os serviços de inteligência ocidentais dão aos armamentos russos. Essas denominações nao sao secretas? Não é um desserviço permitir ao adversário saber como os armamentos dele são classificados/denominados?

  16. Bosco
    Essa por…. se funcionar, é pra Chineses,
    III guerra mundial começará entre o Urso e o Dragão.

    É isso Arnaldo ?

  17. Esse UUV intercontinental é piada, assim como era o projeto guerra nas estrelas, com satélites com lasers, kkkk.
    Agora acredito que estão desenvolvendo UUV, mas talvez não seja tão inconvencional e extraordinário como os russos falam.
    Assim como o Khinzal quando foi anunciado, foi a mesma coisa, depois descobrimos que era um missil do sistema Iskander lancado do ar, nada extraordinário e hipermegapower.
    E a US navy ja está desenvolvendo UUV, inclusive à matérias aqui no naval, que eu me lembre, sobre isso, de uns 5 anos atrás.

  18. É apenas uma piada…
    Uma explosão dessas debaixo da água é irrelevante…
    Não é necessário preocupação quanto a isso…
    Pura propaganda do Putin…
    .
    Tá bom.
    .
    Queria saber se os comandantes da US Navy, que dominam atualmente os Mares e temem desde 1946 o uso de armas nucleares contra sua Marinha, compartilham das mesmas opiniões que nós, achistas.
    .
    Testes de 1946:
    https://nsarchive.gwu.edu/briefing-book/environmental-diplomacy-nuclear-vault/2016-07-22/bikini-bomb-tests-july-1946

    • Imagino que os engenheiros e cientistas russos devem ter conhecimento desse fato elementar…

      Provavelmente na fase final a arma deve emergir à superfície.

    • Segundo esta analise se grandes grupos de navios atacados por torpedos com armas nucleares táticas seriam destruídos, ou seja um único submarino conseguiria destruir fácil um grupo.

  19. Algumas pessoas dizem “os EUA varreria a Rússia do mapa com nukes” …
    Gente um ataque nuclear a parte européia da Rússia contaminaria todo leste europeu ,dezenas de países do leste como também parte de Bélgica , Holanda,Alemanha, Suécia e Noruega se tornaria inabitáveis ….O acidente de Chernobyl de menor proporções na Ucrânia,levou radiação até às planícies Belgas e Holandesas ,a pouco tempo cientistas acharam matéria radiativa no leite ,pois as vacas comeram capim contaminado , e estes níveis eram alarmante…..agora imagina o que uma Bomba nuclear de uma boa capacidade faria…..
    Ogiva nuclear não é Granada de mão….
    O dia em que o ser humano testemunhar um ataque nuclear nesta terra ,com mísseis ou bombas de um país contra o outro , é por que este dia será um dos últimos para toda a humanidade…
    Alguns podem dizer ataque nuclear tático…mas quem garante que ficará só nisso…..

    • Bruno w Basillio 4 de agosto de 2018 at 16:16

      Bruno…
      Alguns comentaristas aqui no blog se destacam pela cegueira ideologica e falta de imparcialidade.
      Sao os fanboys pro-EUA-Israel e os fanboys pro-Russia-China, onde um lado quer ter mais razao que o outro e nisso ficam tao cegos que nao percebem os absurdos que escrevem

      Igual vc disse: “ogiva nuclear nao é granada de mao”, um simples vazamento em Chernobyl ja paralisou a Europa, quem dirá uma guerra nuclear entre EUA e Russia. Extinçao garantida.

      Mas parece que tem gente louca de ambos os lados aqui no blog torcendo para que aconteça uma guerra EUA x RUSSIA so para “provar” seu ponto de vista.

      O problema é que se isso acontecer na vida real entao nao vai ter o que comentar ja que o mundo inteiro vai se ferrar.

  20. Arma Nuclear é tudo de bom. Só os “bobão” que não tem. O País que as possui, tem garantida sua independência, ou o juizo final. Ou vocês acham que os EUA, China ou Russia, se estivessem na iminência de perder uma guerra, com topas inimigas em seu território, deixariam de usar armas nucleares “pensando no bem da humanidade”? Que se dane a humanidade, não vou ser subjulgado, não vou ser dominado e retirado do poder…vou sentar o dedo neste botão e acabar com tudo.
    .
    É bem assim. E estão certos. Os errados somos nós que não temos armas nucleares. Não existe esta de “país bonzinho”. Oque existe são os “espertos”… e os “bobão”.

    • Zorann.
      Sou obrigado a concordar contigo.
      Qualquer general, almirante e brigadeiro vai cumprir o seu papel de causar o maior estrago no inimigo. Toda ação provoca uma reação.

    • Exatamente, mas é um país milenar que já sofreu várias tentativas de dominio pelo ocidente. Sabem muito bem com que estão lidando.

  21. A Russia está sendo apenas a Russia, desde 1945 que vivemos nesse terror, vivemos ainda, até um dia que um louco emergir na Russia ou EUA e apertar o botão para começar a MAD, o Armagedon, o Hades, enfim o fim de tudo o que conhecemos, Russia e EUA com as duas 450 milhões de populções (150 Milhões de Russos e 300 Milhões de Americanos) querendo destruir um mundo com 7 Bilhões de Habitantes, é muito poder na mão de tão poucos, tudo porque são nações que no passado derrotaram a Alemanha, a Alemanha é o país que possuía inicialmente a tecnologia nuclear, somente não teve condições de desenvolver como a Russia e o EUA, e ficou pelo caminho, espero que tenham Juízo, e não aterrorizem o mundo e toda a Humanidade com o Juízo Final, Espero que o Brasil desenvolva a seu programa nuclear completo, sem medo de nada e de ninguém, tal como fizeram os franceses e chineses, sem alinhamentos, apenas querendo garantir a nossa soberania e existência enquanto nação, devemos revogar a nossa assinatura ao TPN, construir uma frota de submarinos nucleares, e desenvolver misseis balísticos com o programa VLS em Alcantra, sem medo dos EUA , sem medo da Russia, sem medo da China, contando com a ajuda Francesa.

  22. Putin sabe muito bem que é um sonho dos EUA acabar com a paridade nuclear com a Rússia (um país com poder econômico e militar convencional muito menor que os EUA). Essas armas garantiram essa paridade por década e impediram que algum aventureiro em Washington se meta com os russos. Putin é muito pragmático e é certo que essas armas não demoraram a entrar em operação. Ele avisou com anos de antecedência sobre a Geórgia e a Ucrânia, foi ignorado e deu no que deu. É sem dúvida um dos maiores estadistas da atualidade, se não, o maior, como a TIME repetidamente o cita como homem mais poderoso do planeta. Por fim, a Rússia não é ocidente, segue seu próprio caminho e é poderosa demais para estar na esfera de influência de qualquer país, creio que para o brasileiro comum (que é completamente dominado culturalmente pelos EUA) é muito difícil compreender a lógica russa!

    • Ricardo 4 de agosto de 2018 at 19:23

      “… creio que para o brasileiro comum (que é completamente dominado culturalmente pelos EUA) é muito difícil compreender a lógica russa!”

      Ricardo…
      Comentario perfeito!
      Matou a pau, explicou tudo em poucas palavras.

      O pessoal se deixa levar por baboseiras ideologicas pro-EUA-Israel e pro-Russia-China onde um lado quer ter mais razao do que o outro e por isso nao analisam os fatos com imparcialidade. Fica essa briguinha de torcida aqui no blog.

      Igual vc escreveu, para o brasileiro dominado culturalmente pelos EUA fica dificil entender a logica geopolitica e estrategica russa, chinesa ou de qualquer país nao-alinhado ao Ocidente, seja na Europa Oriental, Republicas do Caucaso, Oriente Medio, Africa ou Asia.

      Cada país tem seus proprios interesses geopoliticos e estrategicos.

      Aqui no Brasil nós deveriamos estar voltados para a Uniao Estrategica do Cone Sul, Costa da Africa e dos Países de Lingua Portuguesa. E nesse caso o Brasil bateria de frente tanto com EUA (Atlantico Sul), com RU (Falklands) e China (Angola, Moçambique) e nem por isso nós seriamos “pro-Russia”, so estariamos aplicando a nossa estrategia geopolitica de acordo com nossos interesses.

    • Maduro ja esta pra la de podre e quem sofre é o povo venezuelano com essa politica populista falida.
      Ja passou da hora do Maduro cair, ou cair de Maduro.

  23. Olha… já vi muitos russólifos, mas até hoje não vi nenhum que se compare ao ‘americanófilo’ Bosco… Mas repare, não estou dizendo que isto é bom ou ruim, é apenas uma constatação dos fatos…
    .
    Sds…

    • Num é, até parece que nas dezenas de guerras em que os EUA se meteram, nenhum civil foi morto por eles, nenhuma infraestruturada vital para a população civil foi danificada. Essa gente vive num mundo de fantasias pior que os anti-ocidente.

      • Defensor,
        Um monte de civis morrem em guerras com ou sem a presença americana. Nas que eles estão presentes sem dúvida morrem muitos inocentes. Aliás, as mortes causadas pelos americanos no exterior só têm paralelo nas mortes de cidadãos causadas pelos comunistas em seus próprios países no afã de levar o paraíso do proletariado aos seus conterrâneos.
        Mas a questão que você parece não ter entendido relativo à postura nuclear dos EUA e URSS/Rússia, é que ambos os países estavam num processo de reduzir a capacidade destrutiva de ambas as nações graças à redução da capacidade das armas nucleares possível pelo aumento de precisão combinado com uma redução significativa da quantidade de ogivas e pela adoção de uma postura de que as armas nucleares se chegasse a ser utilizadas seria visando exclusivamente alvos militares.
        Não é questão dos EUA ser bonzinho ou não, ou de não morrer inocentes em guerra. É questão de política que estava sendo adotada há mais de 30 anos. Aliás, antes mesmo do fim da Guerra Fria já havia um movimento nesse sentido.
        E não é porque URSS e EUA eram bonzinhos não. Era porque o custo de manter um arsenal de cerca de 100.000 armas nucleares era estrondoso e se fazia urgente que os envolvidos acordassem uma redução de seus arsenais.
        Sei que é difícil de entender já que é assunto complexo demais e eu respeitosamente compreendo sua ignorância no assunto.

        • Caro Bosco,

          Eu realmente sou leigo no assunto, a Rússia neste exato momento está cercada por ambos os lados por um poderoso arsenal de guerra mantidos pela OTAN e pelos EUA, inclusive armas nucleares, bombas cluster e termobáricas. A Rússia não tem a economia forte como a maioria dos países europeus, logo não pode se dar ao luxo de ficar medindo força com armas convencionais que apenas têm efeito marginal. Me parece ser o mesmo caso de Israel no OM contra seus rivais árabes que você defende, mas critica a mesma atitude por parte da Rússia. Não sei por que você insiste neste blá, blá, blá de apontar mortes por regimes comunistas. Eu não estou neste lado aí, portanto não vejo razões para citar estas mortes. Muita gente também foi morta pelo imperialismo ou pelo colonialismo mercantilista praticado pelos países da Europa e Ásia, se é para citar genocídios feitos em nome do comunismo ou do imperialismo/colonialismo/mercantilismo, vamos passar semanas aqui citando, mas uma coisa é certa: não importa de qual lado venha, matar pessoas inocentes em causa de certos interesses não é correto, os fins jamais devem justificar os meios.

          • Defensor,
            Realmente temos sintonias neuroquímicas diversas e você não entende o meu ponto de vista, mas como estou com tempo e é intervalo no UFC (o Marreta ganhou) eu posso tentar mais uma vez.
            Não vejo problema algum na Rússia manter uma capacidade de dissuasão nuclear. Nunca disse nada sobre esse tema. Minha posição é simplesmente que os russos estão desenvolvendo uma arma completamente inútil para a função que se destina e que é incapaz de evitar uma guerra nuclear com os EUA se um dia isso possa vir a ocorrer.
            Os EUA jamais deixarão de atacar a Rússia por conta dela ter meia dúzia de submarinos nucleares não tripulados kamikases. O Putin sabe disso mais do que eu e se ele insiste com isso é só pra propaganda interna. Primeiro, duvido que o desenvolvimento dessa arma se complete. Segundo, se completar, será numa quantidade irrisória. Terceiro, não será efetiva naquilo que deveria sê-lo, que é dissuadir um ataque nuclear.
            Russos não precisam de um “submarino nuclear não tripulado kamikase” sendo que eles têm submarinos nucleares de ataque armados com mísseis de cruzeiro e torpedos (inclusive nucleares) e submarinos de mísseis balísticos que já são dissuasão mais que efetiva. E sem falar nos ICBMs fixos e móveis e nos bombardeiros com mísseis cruise e hipersônicos.
            A dissuasão russa não precisa invetar esse negócio horrível que qualquer entusiasta de armas sabe que é um troço completamente inútil.
            Os russos não estão desenvolvendo o S-500? É só desenvolverem algum outro “S” com capacidade de interceptar ICBMs, apostar na tecnologia steath para seus mísseis e bombardeiros, continuar apostando na tecnologia hipersônica. Todas soluções inteligentes sem precisar apelar pra essa coisa inútil de submarino nuclear descartável.

          • Bosco,

            Se é efetiva eu não sei, mas não custa lembrar que a maioria da população norte-americana, bem como as cidades mais importantes dos EUA estão concentradas na zonas litorâneas por motivos óbvios, que é a facilidade de logística para com o resto do mundo. Logo uma arma capaz de causar Tsunamis não parece ser má ideia, ou seja, pode sim ser mais uma forma de dissuasão. Por mais que seja uma propaganda, ela pode ser sim efetiva, qualquer um que entenda o mínimo de marketing sabe disso, pode ser mais efetiva do que a arma em si, à exemplo do Mig 25 que fez os EUA repensarem seus projetos de bombardeiros, e até mesmo o desenvolvimento do F-15, até descobrirem o trambolho ineficaz que era o Mig 25. É tudo uma questão de perspectiva.

          • Defensor,
            Eu não estou dizendo que um torpedo nuclear detonando numa cidade costeira não causa destruição. rsrss Isso é inegável.
            A questão que eu coloco é o que agrega isso ser feito por um submarino nuclear kamikase?
            Isso pode ser feito de “n” maneiras e essa maneira pode ser efetiva em destruir cidades e matar pessoas mas não é efetiva como estratégia de dissuasão.
            Mas tá bom pra mim. Você deve estar certo já que os russos estão fazendo então é porque presta e devemos ver a moda pegar e provavelmente americanos, chineses, franceses, britânicos, israelenses, etc. , todos terão seus submarinos nucleares não tripulados kamikases no futuro. Já que é bom com certeza a moda vai pegar e todos terão e vemos com certeza o fim dos mísseis balísticos, bombardeiros, mísseis cruise, etc.
            Pra mim tá bom!
            Um abraço e boa noite.

          • Na verdade só faria uma sugestão aos russos: que instalem uma ogiva de pelo menos 25 Mt. É um absurdo usar um submarino nuclear kamikase pra fazer explodir uma ogiva de 2 Mt que pesa menos de 1 t.

      • Eu até não acharia tão horrível esse submarino nuclear kamikase se ele não fosse “kamikase”. Se fosse um submarino nuclear não tripulado capaz de lançar torpedos nucleares ou capas de lançar mísseis tipo Iskander nucleares eu até acharia a solução interessante e elegante. Mas o fato de ser um submarino nuclear kamikase provocador de tsunamis realmente não me entra.
        Também já adianto que não acho interessante o tal do míssil cruise com propulsão nuclear. Pra mim seria mais interessante um UAV stealth com propulsão nuclear, reutilizável, capaz de lançar mísseis cruise ou bombas nucleares.
        Acho essas ideias russas meio que parecidas com aqueles gigantescos ekranoplanos que até hoje ninguém sabe pra que servia e que não tiveram continuidade por simplesmente não terem sido uma boa ideia.
        Porque não falo mal das armas americanas? Simples! Por que não acho que eles estejam desenvolvendo nada que seja “horroroso”. O dia que eles quiserem reinventar a roda e desenvolverem coisas exóticas eu vou fazer minhas críticas.

    • Lewandowski,
      O que tem de “americanófilia” em dizer que acho “horrorível” a opção russa por um “minisubmarino nuclear kamikase descartável” que tem como proposta destruir cidades beira mar com um tsunami? Gosto é gosto!!!

    • Francisco,
      A reação americana a que me referi é relativo ao retorno dos esforços no sentido de se adequar à guerra convencional e nuclear contra grandes potências altamente armadas e preparadas em detrimento da tal guerra ao Terror que dura 17 anos
      No plano naval se fala que a USN estaria prestes a colocar em ação um míssil antinavio “secreto” denominado de modo geral como “Sea Dragon”. Não se sabe ao certo como ele é, podendo ser uma versão do Sub-Harpoon, do Tomahawk Block IV MST, do LRASM ou um míssil completamente novo baseado no supersônico LRASM B ou no projeto RATTLRS.
      Diretamente em resposta à essas nova armas extravagantes russas (submarino nuclear descartável e míssil de cruzeiro com propulsão nuclear) os americanos irão novamente colocar em operação mísseis de cruzeiro nuclear lançados de submarinos, que ao meu ver tem o mesmo potencial de um “submarino nuclear descartável kamikase”, com a diferença que ele poderá ser usado várias vezes, serve para várias funções e pode atacar vários alvos.

    • Me perdoe, mas vc teve um parente chamado Rubens Militar da Marinha? que serviu tb em Rio Grande? Falecido no início da década de 1990? abraços st4

  24. O pessoal fica procurando cabelo em ovo é impressionante ! Qual o diferença dessa suposta nova arma russa dos atuais ICBM ?
    Agora vão me dizer que os ICBM são feitos para atacarem exclusivamente os meios militares de um suposto inimigo? Os ICBM são pensados para explodirem bem no meio das principais cidades “inimigas” , EUA e Rússia estão se lixando para a tal população civil.

  25. Para que desenvolver um monstro desses? Pura e simples propaganda. Os russos possuem um arsenal nuclear considerável e podem obter resultados em maior escala com mísseis de cruzeiro. isto é gastar tempo e rublos desnecessários. ( a mesma megalomania que Hitler ao querer construir um tank de 100 toneladas). O poder dissuasório russo já é satisfatório. Opinião: não haverá guerra entre potências nucleares. quem sairá ganhando ou perdendo? Quer aniquilação: destrua as usinas nucleares, as instalações de energia, os campos petrolíferos, refinarias, etc. Tudo pode ser feito com pequenos mísseis de cruzeiro com “n” kilotons. A Rússia deveria se preocupar com suas fronteiras junto à China. Bem! É uma opinião. Concordo com o Sr. Bosco.

  26. Conheço uma cidade costeira que abriga uma importante base militar e que estaria extremamente mal protegida contra um artefato dessa complexidade vindo do nada, até superfície para explodir nas coordenadas em que foi programado e lançar a sua mortal onda de choque e radiação sobre uma importante região costeira.
    .
    Mapa famosinho, pra talvez dar uma ideia e ajudar a ilustrar o tamanho da encrenca:
    http://nuclearsecrecy.com/nukemap/?&kt=2000&lat=-22.9000472&lng=-43.155902&airburst=0&hob_ft=0&casualties=1&fallout=1&ff=50&psi=20,5,1&fatalities=183100&injuries=736761&psi_1=2313710&zm=10

  27. Para que desenvolver este monstro que gastará milhões de rublos? a Rússia possui um poder de dissuasão considerável e não haverá guerra entre potências nucleares. Quer aniquilar com tudo: mísseis de cruzeiro atingindo refinarias, usinas nucleares, sistemas de energia, etc. Mísseis de cruzeiro com “n” quilotons lançados por naus ou aeronaves podem fazer o serviço. Isto de “torpedo do juízo final” é propaganda megalomaníaca(opinião) para que haja canais diplomáticos, políticos e econômicos para futuras negociações. Os russos no meu entender deveriam se preocupar com suas fronteiras junto à China ou com suas províncias como Chechênia. Grande abraço. Concordo com o Sr. Bosco.

  28. Enquanto as forças armadas da era soviética foram drasticamente encolhendo , a Rússia segurou tenazmente o coração de sua dissuasão nuclear estratégica. Algo que impediu a Washington de obter a absoluta supremacia nuclear. A Rússia contínua firme buscando cooperação militar e económica com os seus parceiros da Ásia Central na Organização de Cooperação de Xangai, especialmente com a China, contra o qual Washington tem feito tudo para frustrar esse eixo. Essa cooperação estratégica está se tornando cada vez mais uma questão de vida ou morte para a China e a Rússia. O arsenal nuclear da China ainda não é tão estratégico quanto o da Rússia.
    O que o Pentágono está fazendo é o que sonhava desde que os soviéticos desenvolveram mísseis balísticos intercontinentais durante a década de 1950: supremacia nuclear. Traduzido significa que, se um dos dois inimigos nucleares perfeitamente equilibrados, implementa um sistema de defesa anti-mísseis balísticos, pode danificar seriamente a capacidade do outro a revidar um ataque nuclear , enquanto ele lança uma barreira nuclear real contra esse inimigo, vencendo a guerra nuclear.
    O lado escuro da moeda da supremacia nuclear é que o oponente sem compensação adequada nas defesas anti-mísseis, enquanto observa desaparecer a sua segurança nacional com a instalação de cada novo míssil e radar BMD, é submetido à crescente pressão para lançar um ataque nuclear preventivo ou outros ataques devastadores, antes que a janela se feche. Em termos simples, isso significa que, longe de ser “defensiva”, como Washington argumenta, é ofensiva e desestabilizadora ao extremo. Além disso, essas nações como a Polônia que alegremente estão iludindose que com a concessão ao Pentágono para instalar a infra-estrutura do BMD, estão comprando o guarda-chuva das poderosas Forças Armadas dos EUA vão descobrir permitiriam ao próprio território se tornar um potencial campo de batalha nuclear, em um confronto cada entre Washington e Moscou.
    Durante a Guerra Fria, a capacidade de ambos os lados de se aniquilarem mutuamente, levou a um impasses nomeada MAD – Mutually Assured Destruction. Foi assustador, mas, de uma maneira bizarra, mas foi mais estável do que Washington inexoravelmente persegue com sua ” defesa “contra mísseis balísticos na Europa, Ásia e globalmente, na busca unilateral pela supremacia nuclear dos EUA. O MAD baseou-se na perspectiva de destruição nuclear mútua, sem qualquer vantagem decisiva para ambas as partes, mas levou a um mundo em que a guerra nuclear se tornaria “impensável”. Agora, os Estados Unidos estão buscando a possibilidade de uma “possível” guerra nuclear é sair vencedor.
    O fato é que Washington está se escondendo atrás da fachada da OTAN, com o desdobramento de sua BMD européia, mantendo o controle absoluto sobre ela. A realidade é os membros europeus da OTAN não terão nem um botão para pressionar nem um dedo para pressioná-lo.

  29. Vale lembrar que a ausência de um sistema de escudo foi o que garantiu a Destruição Mútua Assegurada e, de certo modo, congelou a tensão entre os dois. Apesar do clima contínuo de terror, nenhum dos dois poderia enfrentar o outro sem sofrer danos significativos. Não por nada o tratado de 68 incluía os mísseis anti balísticos. O sistema, patrocinado pelos Estados Unidos, recebeu numerosas críticas particularmente pelos soviéticos porque foi considerado contrário ao Tratado ABM assinado em 1968.
    Em 2002, no entanto, o presidente George W. Bush denunciou o Tratado de Mísseis Antibalísticos de 1968 e pressionou novamente continuando nesse caminho de por o oponente sem saída.
    A possível conclusão do escudo em torno do mundo ocidental e a contenção do mundo eurasiano, garantiria que os EUA pudessem potencialmente lançar qualquer ataque sem medo do First strike do inimigo.Do ponto de vista nuclear, tal vantagem garantiria a uma potência como a dos Estados Unidos poder vencer em 100% dos casos.
    Essa situação nunca ocorreu no equilíbrio de poder e é o que os teóricos do MAD haviam imaginado para evitar o risco de um ataque unilateral de uma superpotência. Nos resta apenas entender se os Estados Unidos estiverem em condição de perene vantagem cairão na tentação? tentarão empregar essa hegemonia nuclear como já fizeram?

  30. Não há sérias defesas contra ICBMs e SLBMs russos …até porque não há navios e mísseis interceptores em grande quantidade. Os 4 destroyers da classe “Arleigh Burke” baseados na Espanha estão lá principalmente para tentar conter IRBMs do tipo que o Irã possui e como divulgado anos atrás, com o envio desses 4 navios para à Europa se economizaria com as viagens de ida e volta permitindo que mais destroyers fossem liberados para o Pacífico que é de fato a maior preocupação dos EUA.
    .
    Do mesmo modo há alguns destroyers baseados no Japão com capacidade semelhante aos baseados na Espanha ou seja “BMD”, defesa contra mísseis balísticos, igualmente do tipo “intermediário” “IRBMs” utilizados pela Coreia do Norte.
    .
    Apenas cerca da metade dos 66 “Arleigh Burkes” e apenas 5 dos dos 22 “Ticonderogas” estão
    capacitados para tarefas “BMD” e mesmo assim a maioria desses não conta com a capacidade mais avançada, isso exigiria verbas adicionais para converter todos para o último padrão e não há dinheiro para tudo.
    .
    Espera-se que o número de navios capacitados para “BMD” aumente nos próximos anos com os novos “destroyers” saindo de fábrica já capacitados e atualizando os mais antigos e mesmo prolongando a vida útil para além dos 35 anos previstos, o mais antigo o próprio USS Arleigh
    Burke já foi atualizado, mas, muitos outros não foram nem serão.
    .
    É preciso levar em conta que para cada navio certificado para “BMD” outro estará em manutenção e outro em treinamento então há um grande exagero nessa grande capacidade dos EUA de poderem lidar com mísseis balísticos russos e isso não irá mudar se é que irá mudar a médio prazo.
    .
    Armas como esse “torpedo” são relativamente baratas, diante de um cenário econômico não muito benigno para à Rússia e uma eficiente propaganda, se de fato for implantado.

  31. Pois é. Custo.

    Quanto custa destruir o inimigo?

    Até a primeira guerra custava vidas militares. Quase 800 mil em 30 km quadrados de Verdun. Exércitos contra exércitos. Uma fortuna impensável hoje em dia.
    De 250 mil a 500 mil, não se sabe, porque 300 mil viraram cinzas em 39 km quadrados de Dresden.
    Aviões contra civis. Um fortuna em aviões e bombas.

    Houve guerra no chão, guerra no ar e guerra no mar. Pelo preço das Tamandarés e dos meios que os estaleiros freneticamente oferecem guerras incluindo o que os americanos chamam de Zumwalt, um dos navios mais horrorosos dos últimos tempos, bilhões de dólares, os russos até que mandam bem.

    Dispara um torpedo nuclear contra uma cidade indefesa como o Rio de Janeiro. Mata milhões em vida marinha, contamina água, ar e terra por séculos e pulveriza 500 mil pessos.

    Custa pouco. Um torpedo. Não há escudo. Com a velocidade que vai também não há torpedo contra, nem redes.

    A guerra tá voltando pro mar ou melhor a guerra tá indo pro fundo do mar. Porque pelo fundo a guerra é barata. Existe guerra barata. Os russos estão provando que existe.

  32. Os russos não estão provando que “existe guerra barata”…e sim que não estão em condições
    agora de construir grandes e numerosos navios e deveremos portanto continuar vendo modernizações, revitalizações de seus grandes navios ainda da era soviética e mesmo para padrões russos a nova classe de submarinos conhecida como “Yasen”é extremamente cara, e continuam renovando seus mísseis balísticos de alcance intercontinental, igualmente caros.
    .
    São situações diferentes…os EUA geograficamente estão longe de tudo, então necessitam de
    uma marinha minimamente capaz de atender às necessidades, transportar pessoal e equipamento através de oceanos, apoiar aliados e também de tentar permanecer na vanguarda tecnológica…o “Zumwalt” pode ser “horroroso”, mas, poderá vir a oferecer respostas a novas armas sendo agora planejadas e mesmo servir de base para um futuro grande combatente de superfície.
    .
    Os russos não estão por exemplo abdicando de seus SSBNs por conta de “torpedos do juízo final”…pelo contrário, estão substituindo seus “Deltas” pelos “Boreis” e os mísseis “Sineva” pelos “Bulava” e isso mesmo para padrões russos está longe de ser “barato”.

  33. Boa tarde amigos, acompanho o PN há um bom tempo. Gosto muito, apesar de ser café com leite, no assunto. Mas acho interessante e aprendo um pouco. Porém vejo que existe um enorme partidarismo por aqui. Uns amam os EUA, outros a Rússia….fico rindo da situação. Mas sobre esse suposto mega-ultra-super torpedo…não tem um país soberano o direito de fazer o que quiser? E também, tem o direito o país que se sinta ameaçado, tomas a medidas preventivas necessárias para manter-se seguro? E os pequenos também não tem a liberdade de associar-se a quem quiser? Fico triste mesmo é saber que os nossos políticos não levam as FA’s a sério…deveriam é investir pesado em nossa segurança. Um abraço a todos.

  34. Vou botar os marinheiros de castigo. Assistirão Dr. Fantástico. Três sessões.

    How I Learned to Stop Worring and Love The Bomb.

    Se os russos não estão em condições de competir agora (quando estiveram?) e anunciam com todo o estardalhaço o torpedo do juízo final, só pode ser para continuar mostrando os dentes do urso.

    Tem que manter um certo equilíbrio. Se eles, os russos, não estão à frente em tecnologia, ao menos em poder e no MAD façam suas apostas.

    Eu sou a morte. O destruidor de mundos. Shiva.

  35. Amigos,

    Quanto a orientação dessa arma, podemos muito bem estar falando de sistemas inerciais com giroscópios de anel laser ou de fibra óptica, muito mais precisos que os modelos mecânicos. É quase certo que a adoção desse tipo de instrumento pode permitir uma margem de erro de menos de 1km em relação a rota e ao ponto pretendido; o que, para uma arma nuclear, não significa muito…

    Há também a possibilidade do artefato vir para próximo da superfície na fase terminal, e estando teoricamente em condições de receber transmissões e orientar-se por GLONASS, além de, como já mencionado acima, se minimizar o risco do petardo chocar-se com formações subaquáticas e aumentar o potencial destrutivo em si…

    Quanto a profundidade, ele pode tomar por referência aquela que estiver no momento do lançamento e, utilizando-se de uma carta náutica digitalizada, controlar a profundidade teórica de onde estará.

    Também é desconhecido se esse UUV pode controlar sua velocidade. Imaginando ser um motor elétrico impulsionado por baterias nucleares, ele pode vir a baixa velocidade até a fase intermediária ( mantendo-se com baixíssima emissão de som ) e acelerando somente ao final.

    • _RR_ 5 de agosto de 2018 at 14:40

      Saudaçoes RR
      Ate que enfim uma analise tecnica com fundamento e sem focar em baboseiras ideologicas de EUA x RUSSIA.

      A possibilidade que vc aventou é totalmente plausivel.

      Igual eu disse em um comentario acima, se os proprios servicos de inteligencia dos EUA ja tem conhecimento da arma, entao algo real esta sendo implementado.

      Se nao fossem citados os servicos de espionagem americanos nessa parte da noticia entao eu ia considerar o texto como sendo mais uma invencionisse de ficcao cientifica do Sputinik.

      • MGNVS,

        Apenas complementando…

        Os americanos também já testam com sucesso artefatos similares; isso desde o início da década. Podemos dizer, portanto, que já se trata de uma corrida… Mas não há dúvidas de que os russos se mostram muito mais ambiciosos com o ‘Kanyon’. Até aqui, não li nada acerca de algo realmente igual que se esteja projetando no Ocidente…

        • RR
          Saudaçoes

          Sim… igual a vc eu tbm percebo que os russos pensam de forma diferente, estrategicamente eles focam na defesa e na criaçao de armas diferenciadas para contra-atacar o Ocidente no caso de uma agressao. Por isso algumas noticias parecem saidas de sites de ficcao cientifica, mas como a materia cita o servicos de inteligencia dos EUA entao esse torpedo com certeza esta sendo pelo menos “testado”.

          E a sua resposta para o Augusto L. tbm foi perfeita, extremamente plausivel e logica e sem se deixar levar por ideologismos.

          • MGNVS,

            Boa noite.

            Nada como a falta de recursos para aguçar a criatividade… E os russos não tem muita escolha. No mar, nunca poderão equivaler materialmente ao Ocidente e a outros adversários em potencial, posto que, pela sua geografia, devem dedicar o grosso de recursos ao solo e ao ar, deixando o mar em posição secundária. Logo, precisam de táticas, armas e equipamentos que causem o maior impacto o possível.

            A idéia aí é claramente elevar o nível de dissuasão para uma área que vinha sendo pouco explorada, que é a das armas nucleares submarinas.

            Saudações.

    • So que a velocidade não é o unico fazedor de ruído, tem q ter muito maquinário silencioso, ser uma bateria movida por energia nuclear pequena não quer dizer que ela não faz barulho.
      Seria tão caro construir um torpedo desses silenciosos como um submarino moderno. Seria melhor construir submarinos modernos como a classe Yasen, que podem ser dotados de vários torpedos e misseis de cruzeiro que podem levar armas nucleares.

      E explodir mais próximo superfície não ira fazer uma onda de tsunami devastadora, explosões atômicas assim não criam essas ondas viajando para o interior do continente. Mas de qualquer modo o fallout radiotiva seria desastroso para cidade atingida.
      E com certeza após explodida em uma cidade portuária de um pais da OTAN, um B-2 com uma 61 mod 12 estaria em rumo para contra atacar as bases navais russas.

      • Algusto L,

        Não penso que a idéia seja fazer uma tsunami… Por desnecessário…! Se ele chegar próximo a praia e for para a superfície, a onda de choque da explosão nuclear em si arrasa qualquer grande cidade litorânea; fora a radiação, que contaminará tudo por onde passar. Simples assim… E é 1,5 MT. Não esqueça isso!

        Quanto a propulsão, podem muito bem dotá-lo de um pumpjet. Isso, por si só, já o fará extremamente silencioso. E some a isso motores elétricos e as baterias ( menos partes móveis como um todo ), e tem-se o arranjo mais silencioso o possível.

        Não vejo como um UUV destes, equipado com baterias nucleares e motor elétrico, poderia ser mais caro que um submarino nuclear dotado de custosos reatores. Se por na ponta do lapis o submarino em si, somando tripulação, os mísseis balísticos ou de cruzeiro, entre outros itens, resta claro que o submarino é mais caro. Ademais, dadas as distâncias, um UUV destes teria potencial para atacar, partindo de águas russas, literalmente qualquer parte costeira da Europa, Mar Negro ou leste da Ásia ( incluindo a costa oeste japonesa, o litoral chinês, entre outros potenciais adversários ), e sem arriscar um de seus preciosos submarinos. Ou seja, só por aí, já há custo/benefício favorável.

        Por fim, claro. Se os russos apertarem o “botãozinho mágico”, os americanos também o farão… E diferente dos americanos, os russos virtualmente não tem defesas fora da região de Moscou.

        • Um 1,5 mt não causará uma onde que irá destruir uma cidade, uma bomba dessa só destrói uma cidade se detonada no ar, se for na água não, se ela for detonada em um atmosfera de 2 apm, já reduz a eficácia da bomba na metade, e não causa ondas, o deslocamento é pra cima e depois cai em forma de chuva, se detonada quase na linha d água não haverá uma onde de água, seria o mesmo que detonar uma bomba no solo.

          De qualquer forma se não for silêncio não chega no seu destino, pra isso o torpedo se torna caro, já que sera um custo enorme para atingir um único alvo, coisa que um submarino pode atingir varios, podendo se evadir de potenciais inimigos.

          Não há defesas europeias contra os ICBMs russos, e nos EUA é só na costa leste limitado há 50 misseis possíveis de ser interceptados, ou, 50 MiRVS.

          Por isso acho que esse drone torpedo não existe e se existe é uma coisa totalmente diferente do que foi falado, como aconteceu com o Khinzal, uma das armas apresentadas pelo Putin.

          Ou como o missil de cruzeiro intercontinental, que não passa de uma variante terrestre do KH-55 com 5 mil km, que não é movido por uma bateria nuclear. Missil esse que o DoD americano ja tinha encontrado evidências antes do discurso do Putin.

          • Algusto L,

            Penso que uma explosão próxima a costa causaria sim pesados danos…

            Só como exemplo: observe o ocorrido em Halifax, Canadá, a 06/12/1917.

            Na ocasião, um navio cargueiro carregado de explosivos explodiu no porto, varrendo o vilarejo e matando 2000 pessoas ( 1000 delas instantaneamente ) e deixando umas 10000 feridas. Houve a ocorrência de uma pequena tsunami, que invadiu boa parte da localidade. Ondas de choque causaram danos pesados ( quer seja de forma direta ou não ), desabrigando 1500 pessoas.

            A explosão foi equivalente a 2,5 kT…

            Francamente, não creio que vá custar mais que um submarino convencional… Supondo ser mesmo um arranjo de motor elétrio movido a bateria nuclear, então não se tratará de algo absurdamente caro… E será sim bastante silencioso… Aliás, uma das grandes vantagens apontadas nos SSK é justamente a discrição, maior até que a de submarinos movidos a reatores nucleares. É extremamente difícil localiza-los, tanto por meios ativos quanto passivos. Com esse UUV, não seria muito diferente.

            Uma cidade ou várias… Apenas a ameaça de uma arma para a qual teoricamente ainda não há defesa concebida, então já basta…

            Se os americanos levarem a sério ( e acredito que eles levam sim, já que os próprios estão desenvolvendo artefatos similares ), então sentir-se-ão incitados a gastar dinheiro e tempo para aperfeiçoar contra-medidas anti-torpedo. Só isso já representará uma divisão maior de trabalhos e talvez até o corte de fundos a outras áreas. Logo, a arma russa se paga…

            No mínimo do mínimo, se considerarem isso como “boato”, haverão de manterem seus serviços de inteligência ainda mais desdobrados para as devidas averiguações. E mais uma vez, mesmo o ardil se paga…

          • Subs convencionais são silenciosos pq se movem muito devagar e pq não tem um reator nuclear que faz barulho, a bateria nuclear não é como um reator mas também não é como a de um sub convencional, ela faz muito mais barulho.
            Além do mais não serviria para a doutrina russa de usar armas nucleares localizadas afim de desescalar um conflito convencional onde ela não pode ganhar.
            Quanto a troca nuclear da pra fazer com os ICBM e SLBM atuais, sem perder a paridade.

    • RR,
      Mas um Yasen pode fazer isso que você descreveu. Vai silenciosamente até próximo ao alvo e quando mais próximo lança um torpedo nuclear.
      E ainda pode ser utilizado para mais uma dúzia de funções e não é descartado.

    • RR,
      E vai me desculpar mas pelo porte desse “minisubmarino nuclear kamikase” ele deve ter uma massa de pelo menos 50 t. Fazer uma massa de 50 t se deslocar a 100 nós não é trabalho para uma simples “bateria nuclear”.
      Se você se refere ao termo “bateria nuclear” como sendo os geradores de radioisótopos como os usados em algumas sondas espaciais, não acho que seja o caso. Esse “minisubmarino” deve ter um verdadeiro reator nuclear e sem dúvida não é do porte do reator nuclear que alimentava os satélites soviéticos RORSAT.
      É algo grande!

      • Bosco,

        De fato, não havia me atendado do tamanho e da massa do artefato… Aqui é coisa pra MW de energia…

        Muito provavelmente há um reator, mesmo que seja somente como aporte a um motor elétrico…

  36. Eu só vejo uso nessa coisa se a ogiva detonar próxima da superfície. Com o propósito de gerar uma nuvem de vapor radioativo para causar contaminação.

    Testes nucleares submarinos americanos provaram o quão terrível é usar uma ogiva desta forma, a contaminação é absurda. Um motivo do porque foram banidos.

    Fora isso não tem uso. Não tem como uma detonação de 2MT criar uma tsunami.

    • Dr. ,
      Qual a movimentação, esforço ou programa que você está sabendo que as forças armadas americanas, notadamente a USN, está iniciando tendo em vista esta ameaça específica?
      Até onde eu sei a USN não está preocupada com essa ameaça.
      Na verdade não consigo diferencia esse esforço hercúleo e o gasto com uma arma extravagante dessas (deve ser na casa de centenas de milhões de dólares) de um submarino como o Yasen armado com um torpedo nuclear.

      • Realmente, não estou sabendo de nada da USN. Na verdade , sou apenas um senhor latino-americano ; sem dinheiro no banco; sem parentes importantes; e vindo do interior.
        Mas concordo com a sua última frase. A razão/necessidade desse artefato, só a propria Rússia sabe.
        Amplexos, meu caro.

  37. Pois comigo não tem subterfúgios: sou abertamente pró-Ocidente e pró-americano, apesar de detestar os democratas e suas claras ligações com a escravidão americana. Não dá pra comparar a historia dos EUA com a da Rússia. Infelizmente não se estuda a sério a Historia dos Estados Unidos que esteja longe de clichês ideológicos muito rasos e dos rótulos ridículos.
    É um grande país, nunca assassinou 40 milhões de seus próprios cidadãos,e pelo que se sabe, não existiam oficiais politicos ameaçando soldados e os obrigando a lutar até a morte como a URSS teve. Também não anda jogando bombas em países livres.

  38. Pro-ocidente, pró-americanos e os demais panfletistas profissionais escondem-se atrás de espantalhos citando continuamente comunistas e várias quimeras, iscas para idiotas úteis, estão sempre prontos e armados de retóricas baratas em defesa das ações dos EUA e Israel principalmente. Justificam literalmente tudo em nome de um bem maior, não possuem nenhum tipo de inibição ou problema em criticar e desprezar o Brasil, mas aí de quem critique o Senhor deles. As contínuas ingerências e espionagem feitas pelos EUA com certeza são justificadas também .
    A):”Os EUA erraram!’
    B) : ” e dai , qual o seu problema , você é comunista ? Os comunista fizeram pior ”
    Com eles ou contra eles como dizia George W. Bush .
    Sabe uma coisa ? Querem fidelidade, adoração , apego ? Procurem um cachorro … O Brasil não é bichinho de estimação. Não estou com ninguém a prior , a minha prioridade é a minha nação , quem se incomoda pode mudar nacionalidade, ver se o Trump aceita mais um latino.
    A facada é que esse tipo de atitude não vem de ignorantes e sim de pessoas com um nível cultural provavelmente superior a média, os quais não ensinam mas fazem questão de pagar uma de panfletistas .

    • Thiago,
      Esse seu discursinho pró comunista antes de ser virtuoso é … patético.
      E não me convenceu que é um patriota não. Deve ser uma “patriota” que não exita em colocar o sindicatão ou o partidão na frente dos interesses maiores da nação.

      • Mais uma vez sua fobia e paranóia …
        você nem se quer me conhece , sabe para quem eu voto ou menos, e mesmo quê meus comentários não possuam se quer uma linha de política nacional e partidária você ainda assim insiste com esse espantalho de comunistas/sindicalistas, talvez um trauma de infância . Já passei por várias fases. Quando adolescente tive profunda admiração pela narração comunistas, quando de maior fui um veementemente nacionalista, depois me aproximei da doutrina liberal de Mises , tive fascinação por Ayn Rand, continuei até lendo textos anarcocapitalista e libertários.
        Adorei a irreverência de Max Stirner, seu egoísmo ético e individualismo extremos.
        Todos essas fases tiveram enorme contribuição no pensamento e meu modo de ser. Minha avaliação hoje como hoje é que a política ,na maioria dos casos, não passa de ser ferramenta e instrumentos na mão do poder.
        Tenho porém a necessidade de fazer uma pergunta: desde quando ser de direita é sinônimo de fidelidade e alinhamento aos americanos ? Seu limite é confundir a geopolítica com a mera política .

    • Thiago, você e mais uma meia dúzia que costumam escrever por aqui sempre que há um post sobre a Rússia ou a China, utilizam este espaço para desfilar suas idéias comunistas.

      O que é que você escreveu que tem a ver com a matéria ?

      Quer colocar seu ponto de vista socialista ? Escreve no jornal do teu sindicato, do grêmio da tua faculdade ou no site do teu partido de esquerda preferido, mas não ocupa este espaço, que é destinado para fãs e entusiastas do Poder Naval para escrever tuas besteiras.

      • Mais uma vez essa paranóia comunista, por favor MK48 mostre esses comentários comunistas! Mostre!
        Caso fosse veridica tal afirmação, não seria muito longe do que vocês fazem em detrimento sempre e “comunque” , quando possível, dos interesses nacionais, colocando sempre a prioridade de defender um alinhamento aos EUA , sem nenhum tipo de justificação a não ser panfletos de conteúdo moralistas e ideológicos.

      • MK48 6 de agosto de 2018 at 11:59

        Mk48
        Vc é dono do site?

        Se um comentarista tem uma opiniao diferente da sua entao ele é “comunista-esquerdopata-socialista-petista?

        Quem elegeu voce “dono da verdade”?

        Cada conentarista aqui tem o direito de expor seus argumentos, sejam eles pro-EUA-Israel, sejam eles pro-Russia-China.

        Vc tem todo o direito de discordar mas tbm tem que respeitar uma opiniao diferente da sua.

        Eu gosto muito dos comentarios tecnicos do Bosco mesmo sabendo q ele é totalmente pro-EUA, e tbm gosto dyos comentarios tecnicos do ScudB mesmo sabendo q ele é totalmente pro-Russia. Muitas vzs eu nao concordo com a ideologia de nenhum dos dois, mas respeito o direito deles de opinarem.

        Vc deveria fazer o mesmo.

  39. War Is a Racket:

    “He servido durante 30 años y cuatro meses en las unidades más combativas de las fuerzas armadas norteamericanas: en la infantería de marina. Tengo el sentimiento de haber actuado durante todo ese tiempo de bandido altamente calificado al servicio de los grandes negocios del Wall Street y sus banqueros. En una palabra, he sido un pandillero al servicio del capitalismo. De tal manera, en 1914 afirmé la seguridad de los intereses petroleros en México, Tampico en particular. Contribuí a transformar a Cuba en un país donde la gente del National City Bank podía birlar tranquilamente los beneficios. Participé en la “limpieza” de Nicaragua, de 1902 a 1912, por cuenta de la firma bancaria internacional Brown Brothers Harriman. En 1916, por cuenta de los grandes azucareros norteamericanos, aporté a la República Dominicana la “civilización”. En 1923 “enderecé” los asuntos en Honduras en interés de las compañías fruteras norteamericanas. En 1927, en China, afiancé los intereses de la Standard Oil.”

    “Nos ha ido bastante bien con Luisiana, Florida, Texas, Hawái y California y el Tío Sam puede tragarse a México y Centroamérica, con Cuba y las islas de las Indias Occidentales como postres y sin intoxicarse”.

    “Fui premiado con honores, medallas y ascensos. Pero cuando miro hacia atrás, considero que podría haber dado algunas sugerencias a Al Capone. Él, como gánster, operó en tres distritos de una ciudad. Yo, como marine, actué en tres continentes. El problema es que cuando el dólar estadounidense gana apenas el seis por ciento, aquí se ponen impacientes y van al extranjero para ganarse el ciento por ciento. La bandera sigue al dólar y los soldados siguen a la bandera.”

    “Smedley Darlington Butler (July 30, 1881 – June 21, 1940) was a United States Marine Corps major general, the highest rank authorized at that time, and at the time of his death the most decorated Marine in U.S. history. ”
    – o autor é mais um perigoso comunista.

      • Evidentemente nada MK48, a conexão é com conteúdo de vários comentários, se você seguiu todos eles consegue enxergar o nexo. Como quem estréia com sou ” pro-ocidente” ou quem escolhe apenas por provocação falar em genocídios ou afirmar que esta arma tem como objetivo matar civis , como se qualquer armar nuclear não tivesse esse efeito colateral. Minha intenção é apontar para o fato que os interesses nacionais muito provavelmente vão colidir com aqueles da máxima potência, eles são e serão competidores e rivais como será China ou qualquer outra potencia, com a diferença que eles estão no continente americano é poder de ingerência deles não dá da para ser subestimado. Meu receio é esse, quando acontecer boa parcela justificará uma eventual postura hostil de Washington apenas dando uma maquiagem ideológica para determinadas atitudes . Em um debate recente alguns defendia a exigência de atacar e invadir a Venezuela, que para mim não faz sentido algum, nos colocaria apenas em uma posição de agressores. Não tenho menor medo da Venezuela, não porque sou comunista bolivariano ou besteiras similares, e sim porque conheço o peso do meu país, uma eventual agressão deles seria provavelmente a melhor oportunidade histórica para reaparelhar as forças armadas além de compactar a sociedade como nunca antes. Contrariamente uma confrontação com os EUA, em qualquer âmbito, teria um efeito centrifugador , com uma capacidade de dividir a sociedade sem antecedentes, seja por interesses econômicos ou ideológicos.
        Aqui encerro e me desculpo pelo off-topic.

        • Meu caro Thiago você reclama do suposto proselitismo daqueles que seriam pró-ocidente só que faz tudo que acusa os outros de fazerem, só que com viés pró-China e principalmente pró-Rússia afinal o crápula do Kremlin, pelo que vemos, exerce um fascínio inexplicável em alguns

          • Onde e qual comentário meu você encontra uma palavra de amor ou justificação de algum regime ou potencia. Tenho com certeza palavras de apreciação para vários países europeus, mesmo assim nunca fornecerei justificativas para eventuais posturas hostis ao Brasil, nunca.
            Sou claro desde já , a minha equação é simples e linear: mais os EUA serão ocupados em outros teatros e em confrontações com as demais potências, mais serão enfraquecidos e distraídos, ou mesmo se adotarem uma postura isolacionista – na qual não acredito , pois uma rápida observação dos acontecimentos históricos esclarece muito bem a magnitude da atuação deles- maior será o espaço de manobra para a entidade tupiniquim .
            Desejo um regime similar aquele chinês para meu país ? Não
            Tem postagem minha onde afirmo que a China é o melhor dos males ou no qual você obseva atribuições de qualidades morais como muitos fazem em relação aos EUA?
            Apoio sociedades etnocentricas ou baseadas em livros religiosos?
            Não, sejam árabes, japonêses ou judeus, não justifico comportamentos tão retrógrados .

  40. “Francisco Pinheiro 6 de agosto de 2018 at 0:58
    …Historia dos Estados Unidos…É um grande país, nunca assassinou 40 milhões de seus próprios cidadãos”
    Prezado Francisco,
    não tenho costume de participar desses debates USA x Rússia e correlatos, mas creio haver uma parcialidade histórica em sua manifestação, pois o genocídio dos índios americanos foi gigantesco, e não tem como tirar essa mancha da história dos USA.

    • Nilson…
      .
      mas…você há de convir que esse “genocídio” não foi praticado apenas pelos EUA, pois
      ainda em 1776 quando da declaração da independência e ainda em plena guerra contra os britânicos a maior parte do território estava nas mãos de espanhóis e franceses e mesmo mexicanos mais tarde e todos eles não foram tão amigáveis…então infelizmente
      tratou-se da luta pelo progresso e exploração de riquezas e os índios estavam no caminho, aliás, isso aconteceu no mundo todo e em alguns casos como na Argentina,
      a então presidente Kirschner sugeriu que o “genocídio” lá fosse “varrido para baixo do tapete”.
      .
      Esse ” genocídio “ocorreu em grande parte por conta de doenças para as quais os indígenas não tinham imunidade, matança indiscriminada da caça, que era necessária para alimentar os pioneiros e construtores de estradas de ferro, relocação para áreas
      mais pobres…mas…isso na verdade os próprios índios faziam entre si, inclusive
      escravizando os rivais e sim houveram algumas batalhas…mas…muito menos que o
      que se vê em filmes e em alguns casos o US Army levou a pior…como na Batalha em
      que o “General Custer” foi morto que é um dos meus assuntos prediletos já tendo visitado o lugar entre outros relacionados.
      .
      São coisas diferentes…não dá para comparar com os “Gulags” soviéticos ou o que
      Mao fez na China ou o que Hitler fez…mas…ao mesmo tempo foram coisas que aconteceram décadas atrás com a visão que se tinha na época, distorcida é verdade,
      mas dentro de um contexto próprio.
      .
      Onde quero chegar é que não se deve rotular os outros…o fato de um gostar mais dos EUA não o torna um idiota ou menos patriota e odiar os EUA também não.

  41. Prezado Dalton,
    meu objetivo foi apenas tentar dizer que não há pais melhor ou pior do que outro por ter ou não ter praticado o genocídio. Infelizmente, praticamente todos têm essa mancha, de uma forma ou de outra (inclusive o Brasil, claro). O que estou pontuando é que não me parece correto dizer que um genocídio é melhor ou pior do que outro, ou mais ou menos justificável do que outro, como parece ser a tendência ao se defender o país ou nação A, B, C ou Z. Melhor comparar sob outros aspectos, não nesse, que sempre envolve morte e infelicidade das pessoas, sejam elas de qual etnia ou cidadania forem. Nenhuma razão histórica, política, religiosa ou econômica deveria se prestar para “justificar” genocídios (veja bem, explicar é diferente de justificar).

  42. Nilson…
    .
    você claramente inferiu que os EUA causaram sozinhos o “genocídio dos índios americanos” e
    é um direito seu pensar e escrever isso e um direito meu refutar, mas, ambos estamos errados em utilizar esse espaço para discutir coisas completamente irrelevantes sobre o assunto em
    pauta.

    • Concordo que não é o melhor local para esse debate, e estou encerrando a respeito. Errei também ao generalizar “índios americanos”, poderia ter sido mais específico. Mas, compactuando contigo na ótica dos nossos pretensos direitos aqui no blog, vou sempre tentar usar o direito de pontuar quando compararem países sob a ótica de ser mais ou menos genocida do que outro, o que, dentre diversas outras consequências, acho uma injustiça com os, geralmente inocentes, que foram sacrificados.

      • Nilson,
        Se prestar atenção e voltar desde o início, toda essa história de massacre de civis começou como uma reação a uma simples colocação minha de que estava em andamento um processo, havia décadas , no sentido de deixar uma hipotética guerra nuclear menos desumana e mais racional, onde os alvos preferenciais passaram a ser militares em detrimento de grandes aglomerações populacionais e onde havia um movimento no sentido de reduzir a quantidade e a capacidade destrutiva individual dos artefatos nucleares.
        Em momento algum nas minhas colocações iniciais citei massacre de índios, de gulags, de comunistas, de negros, de brancos, ou de quem quer que seja. Fiz apenas e tão somente uma contextualização para poder defender a minha tese que esse tal “torpedo” (eufemismo para “minisubmarino nuclear não tripulado kamikase provocador de tsunamis capaz de engolir cidades costeiras e deixá-las radioativas”) é um artefato que representa uma volta de uma política que parecia ter sido abandonada há muito tempo, desde os piores momentos da Guerra Fria há mais de 30 anos, e que não iria servir para dissuadir nenhuma ação americana por ser completamente incompetente para tal, e pior, ter o potencial de derrubar o que ambas as nações fizeram no sentido de reduzir a crueldade de uma hipotética troca de armas nucleares entre elas.
        Em tendo feito isso eu acendi a cólera de alguns que não demoraram em lembrar que nas guerras em que os EUA participaram eles não pouparam civis, descontextualizando totalmente a minha exposição inicial, que não fazia juízo de valor de nação alguma e muito menos dentro de um contexto histórico. Apenas expunha um fato incontestável de que estava em curso uma ação bilateral tentando reduzir as baixas civis no caso do uso de armas nucleares e que o tal torpedo claramente punha um obstáculo a essa tendência.
        Mas infelizmente se o infeliz não tecer elogios a toda e qualquer iniciativa russa e não declarar explicitamente sua admiração aos armamentos russos e à sua capacidade inventiva e tecnológica ímpar, recitando mantras em homenagem aos bravos russos que com orçamento muito menor conseguem parar a ganância imperialista, o sujeito é taxado e rotulado pejorativamente de tudo.
        Infelizmente (ou felizmente), eu , junto com mais uma meia dúzia, não recitamos o credo pela cartilha do politicamente correto e pelo senso comum , que manda que os EUA e Israel sejam invariavelmente a automaticamente demonizados e quem não o fizer é puxa-saco, lambe-botas, fã-boy, traidor da Pátria, etc.
        O Putin sabe mais do que ninguém que o tal “escudo” americano é incapaz de deter um ataque maciço de ogivas russas e não há nenhuma razão de acreditarmos que isso possa ocorrer dentro de um futuro previsível, ainda mais os russos alardeando a capacidade de ter ICBMs capazes de levar até 20 MIRVs.
        Se eu sei disso e o Putin sabe disso, a única razão que imagino por trás desse tal “torpedo” é midiática, promocional e de vitimização, e não tem nada a ver com a intenção de dissuasão frente ao tal “escudo” e com a política corrente da “destruição mútua assegurada”.
        Os russos possuem em estoque mais de 5000 artefatos nucleares e mesmo na iminência desse escudo representar uma ameaça à correlação de forças seria muito mais lógica os russos anunciarem que tais armas inativas estão sendo recolocadas gradualmente em posição de combate para acompanhar a expansão do sistema antimíssil. Tal ação (só como exemplo) teria potencial muito maior de deter uma expansão do escudo do que fazer um torpedo nuclear voltado a alvos civis, que não impedirá que o tal escudo se expanda, mesmo porque ele não é uma reação direta a ele.

  43. O Poder Naval publicou o esforço russo para reerguer sua marinha. A postagem do Slava escancarou uma discussão sobre a carência de recursos e de meios decorrentes da exaustão dos orçamentos. Acontece no mundo todo. Envelhecimento, obsolescência, modernização, aquisição X cobertor curto.

    No vejo sentido em ter uma arma como essa ao custo de milhões e milhões de dólares que faltam para todo o resto. Sendo mais um opção que caiba no orçamento, ok.

    Putin disse ao Trump.

    – Sei que você tem os mesmos problemas que eu tenho. Preciso contentar e conter os senhores da guerra no meu país.

    Não é simples ao ponto de polarizar ou representar EUA X Russia. Putin não tem como impedir que surjam torpedos nucleares submarinos ou misseis hipersonicos aéreos. É a máquina de guerra. Podem assinar tratados, e daí?

    No final de semana um meteoro explodiu nos céus da Groenlândia. Até o último instante, até a certeza que se tratava de um meteoro, 2 mil ogivas nucleares ficaram de prontidão aguardando quem mandasse apertar o botão. A base americana entrou em alerta máximo.

    A notícia tá no G1. Entre as notas do dia.

  44. Eu não entendo tanta incredulidade de todos contra a Rússia. Toda a tecnologia que conhecemos hoje, inclusive GPS e internet, são projetos ultrassecretos dos anos 80 e 90. Ninguém sabe a dimensão do que está secretamente sendo desenvolvidos pelos cientistas militares do mundo todo.

    Eu acredito sim na capacidade desse drone/torpedo. Porém tenho umas ressalvas.

    O maior trunfo de letalidade dessa arma foi perdido, que é a surpresa. No hipotético e improvável cenário de guerra nuclear total entre Rússia, EUA e aliados a contra medida a ser adotada serão as simples, boas e velhas MINAS. EUA e companhia irão minar cada centímetro cúbico do Atlântico e do Pacífico. Esse torpedo não chega na costa adversária nunca!!! Vítimas mesmo seriam os navios civis e militares para ultrapassar essa rede de minas.

    Porém, já em relação à letalidade contra frotas, a história é outra. Se esse torpedo detonar fora dos limites do sensores dos navios ainda conseguirá provocar um estrago e tanto. Na prática os EUA terão que desenvolver drones sonares para acompanhar suas frotas muito além dos limites dos atuais sonares, aumentando a cobertura para antecipar a vinda desse torpedo. Uma tecnologia que se já não existir é absolutamente simples e rápida de ser desenvolvida pelos cientistas do Ocidente

    Ou seja, acredito que esse torpedo pode cumprir o que promete. Mas na minha concepção as contra medidas a serem tomadas são mais simples do que parece. A Rússia está investindo muito em uma arma que não vai conseguir atingir o inimigo com a facilidade que estão sonhando.

    Isso tudo na minha leiga e humilde opinião.

  45. “Rússia começa a testar torpedo nuclear do ‘Juízo Final’”

    Troque o titulo para “”EUA começa a testar torpedo nuclear do ‘Juízo Final’”.

    Faça as adaptações necessárias no texto, para a mudança de paises no titulo.

    Verá que os comentários serão totalmente diferentes pro mesmo tema.

    Pretensamente essa seção da Trilogia seria para comentários técnicos, para “entendidos” do ramo. Que pena, não passa de uma seção de proselitismo politico. E isso em qualquer assunto, com os mesmos “sócio-atletas” de sempre. Que pena mesmo que o portal só tenha atraído isso.

  46. Bosco 6 de agosto de 2018 at 13:01

    O Putin sabe mais do que ninguém que o tal “escudo” americano é incapaz de deter um ataque maciço de ogivas russas e não há nenhuma razão de acreditarmos que isso possa ocorrer dentro de um futuro previsível, ainda mais os russos alardeando a capacidade de ter ICBMs capazes de levar até 20 MIRVs.

    Bosco, não é assim que funciona a cabeça dos russos. Hoje, agosto de 2018, esse escudo não consegueria se defender dos houties iemenitas. Mas e daqui 20, 30 anos, 50 anos? eles pensam a longo prazo. Claro que pode ser que esse escudo nunca consiga alçancar uma efetividade. Mas claro que existe sim a possibilidade de um dia os EUA desenvolveram uma tecnologia realmente eficaz e, nesse caso, a tentação de destruir a Rússia com um golpe fatal e avassalar, logo após a janela da oportunidade ter sido atingida, será muito grande.
    .
    Os russos possuem em estoque mais de 5000 artefatos nucleares e mesmo na iminência desse escudo representar uma ameaça à correlação de forças seria muito mais lógica os russos anunciarem que tais armas inativas estão sendo recolocadas gradualmente em posição de combate para acompanhar a expansão do sistema antimíssil. Tal ação (só como exemplo) teria potencial muito maior de deter uma expansão do escudo do que fazer um torpedo nuclear voltado a alvos civis, que não impedirá que o tal escudo se expanda, mesmo porque ele não é uma reação direta a ele.

    Bosco, os artefatos nucleares americanos estão apontados para a cara de quem? dos russos ou sua? então, aposto com você que os russos, que enfrentaram a Primeira e Segunda Guerra Mundial e que passaram os anos de guerra fria, tem muito mais experiência e recursos que você. Acredite em mim, eles são o que fazem. É uma nação de 140 milhões de habitantes trabalhando em uníssono para deter o invasor (apesar de alguns traidores). Fizeram isso antes muito bem – basta ler a História – e agora farão o mesmo com os americanos, que se acham mais espertos que Carlos da Suécia, Hitler ou Napoleão. Eles não precisam e não querem os seus conselhos.
    .
    Marcelo Zhanshi 6 de agosto de 2018 at 13:10

    Ou seja, acredito que esse torpedo pode cumprir o que promete. Mas na minha concepção as contra medidas a serem tomadas são mais simples do que parece. A Rússia está investindo muito em uma arma que não vai conseguir atingir o inimigo com a facilidade que estão sonhando.

    Marcelo, ainda bem que você corrigiu o seu texto com a frase final: “Isso tudo na minha leiga e humilde opinião.”

    Porque os russos estão trabalhando nisso há décadas e têm milhares de militares e engenheiros sérios, capazes de construir um sistema de 28 satélites, o Glonass; construiram a primeira estação espacial com sucesso, a Mir e a estação atual jamais conseguiria ser construída sem eles, a SkyLab que o diga. Em quem eu devo acreditar, neles ou em você ou no Bosco? E por falar em Bosco, que tal ler os comentários antigos deles, sobre a Síria por exemplo. Que tal ver quantas vezes ele acertou as “previsões” que ele fez? quer que eu coloque aqui alguns para a gente ver como ele acerta?

    • 100nick-Elã 6 de agosto de 2018 at 14:10

      100nick-Elã, eu não vi onde a gente discorda cara. Eu acredito que os Russos conseguem desenvolver a tecnologia de levar esse torpedo ao inimigo. O que eu disse é que a tecnologia para interceptar é mais barata do que se imagina.

      Em caso de guerra, com toda a indústria dos EUA trabalhando na forma máxima, como na II GM, por quanto você acha que cada mina subaquática vai custar ao tesouro americano? Chuto que na casa dos centavos de dóllar. Minar águas para-se proteger desse torpedo não vai ser difícil, criar drones com sonar para fazer a antecipação da chegada também vai sair uma bagatela. Tecnologia de sonares já se domina, de drones também, basta os EUA somarem 1+1.

      Eu disse que acredito plenamente na capacidade Russa de fazer a arma. Mas acredito também que as contra medidas a serem adotas pelo ocidente são tecnologias baratas e já disponíveis.

      Mas como você mesmo notou, eu ressalvei que minha opinião é de leigo. Portanto, reconheço que posso estar errado. Portanto, repito, “qualquer besteira que eu tenha dito está previamente desculpada pela minha auto afirmada ignorância própria, previamente submetida ao escrutínio da crítica de quem entende mais do assunto”.

      Saudações.

    • 100,
      Fico lisonjeado com sua admiração à minha pessoa, mas não fique dando crédito a tudo que eu escrevo porque faço disso aqui um grande parque de diversões. Minha atividade laboral não tem nada a ver em prever o que vai acontecer ou deixar de acontecer na Síria ou na Rússia ou em qualquer canto desse mundo esquecido por Deus.
      Mas já que você citou, podia colar algum comentário meu acerca da Síria ou de qualquer outro assunto do qual tenha me equivocado redondamente, porque fiquei curioso.
      Voltando ao assunto, só pra deixar claro eu em momento algum duvido da engenhosida russa e de que eles sejam capazes de construir milhares de minisubmarinos nucleares kamikases com ogivas de 50 Mt capazes de mergulhar nas Fossas Marianas a Mach 2 e dar 20 vezes a volta na Terra. Não é esse o ponto! A questão não é a capacidade técnica dos russos que tenho certeza é invejável sob quaisquer aspectos, e sim a efetividade desse submarino nuclear descartável em fazer os EUA repensar seu “escudo” antimíssil.
      Os americanos e europeus continuarão a desenvolver seus “escudos” antibalísticos e ainda devem começar a construir um escudo anti-minisubmarinos nucleares descartáveis.
      Simples assim!

      • 100,
        Pela sua lógica esse tal minisubmarino nuclear descartável é uma arma de vingança e não de dissuasão.
        Apesar dos russos não terem pedido minha opinião eu a darei de graça (mas aceito retribuição pecuniária espontânea caso o governo russo se sinta na obrigação de fazê-lo).
        Como arma de dissuasão ela não agrega nada ao vasto arsenal nuclear russo e é portanto um desperdício de dinheiro público. Muito pelo contrário. Na medida em que ela entrar em operação irá começar uma corrida a armas de destruição cada vez mais poderosas objetivando alvos civis.
        Como arma de vingança numa hipotética futura capacidade americana de deter todos os ICBMs e SLBMs russos, é pior ainda já que nunca os vitimados terão consciência de terem conseguido seu objetivo de vingar um primeiro ataque tendo em vista que pode levar dias até que esse minisubmarino nuclear descartável atinja seus objetivos e nesse meio tempo a Rússia já pode estar em frangalhos.
        Como eu, assim como você, sei que os russos não são idiotas, forçosamente esse projeto não irá pra frente.
        Se for pra frente e pelo menos um for colocado em operação no meu tempo de existência, te mando uma bolsa LOUIS VUITTON de presente. Ou se preferir mando uma feita na Rússia

  47. “Bosco 6 de agosto de 2018 at 13:01
    Nilson,
    Se prestar atenção e voltar desde o início, toda essa história de massacre de civis começou como uma reação a uma simples colocação minha”
    Prezado Bosco, só para esclarecer, no meu caso específico, abordei a questão de comparação de países com base no seu passado genocida devido ao comentário de Francisco Pinheiro 6 de agosto de 2018 at 0:58. Em nenhum momento me referi às suas observações.

  48. Bosco ( 6 de agosto de 2018 at 2:58 );

    Sobre propulsão, há também um outro porém (…): alcance limitado…

    Se estivéssemos falando de um reator, isso não seria preocupação. Ou existe algum tipo de reator de alto rendimento e usabilidade limitada a horas…?

    Se é assim, então um acumulador de energia que faça uso de um isótopo nuclear que garanta alto rendimento por algumas horas passa a ser provável.

  49. > O problema é que se isso acontecer na vida real entao nao vai ter o que comentar
    > ja que o mundo inteiro vai se ferrar.

    Alem disso quantas vezes e’ preciso atirar para se matar um adversario?
    Uma parcela pequena de ambos os arsenais ja’ e’ mais do que suficiente.

    Existe uma ordem economica mundial tao interligada que mesmo
    na hipotese de alguns paises nao serem atingidos, o colapso
    monetario e desabastecimento levarao a populacao aos saques
    e ao salve-se quem puder, caos total onde so’ impera a lei
    do mais forte. Retorno `a barbárie.

    O Brasil tem reservas em dolar? De que vale papel dolar
    se nao mais existir o pais que da’ suporte ao papel?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here