Home Estratégia Irã demonstra capacidade naval de sufocar o fluxo de petróleo do Golfo

Irã demonstra capacidade naval de sufocar o fluxo de petróleo do Golfo

8992
63

Escalada na disputa com os EUA sobre a retirada do acordo de armas nucleares

A Marinha do Irã enviou dezenas de pequenas embarcações ao Estreito de Ormuz no dia 2 de agosto, mostrando sua capacidade de sufocar a estratégica hidrovia do Golfo Pérsico – uma medida que poderia elevar os preços globais do petróleo e da gasolina dos EUA – e aumentando o confronto com a administração Trump pela retirada do acordo nuclear de 2015.

Autoridades dos EUA disseram que o exercício naval era a maneira de Teerã mostrar sua capacidade de criar uma ruptura na hidrovia, através da qual cerca de 30% do petróleo transportado pelo mundo passa diariamente. Autoridades do Pentágono disseram esperar que o exercício durasse apenas algumas horas, embora não estivesse claro na noite de quinta-feira se ele havia terminado.

“Estamos monitorando de perto, e continuaremos a trabalhar com nossos parceiros para garantir a liberdade de navegação e o livre fluxo comercial”, disse uma declaração do capitão da marinha Bill Urban, porta-voz do Comando Central dos EUA.

O exercício marcou a mais recente escalada do Irã em resposta à promessa de Trump de começar a restabelecer as duras sanções econômicas nos próximos dias que foram suspensas sob o acordo de 2015. Uma fonte do Pentágono disse que as inesperadas medidas da Marinha iraniana confirmaram a rejeição por Teerã da oferta do presidente Trump para conversas diretas e incondicionais com o presidente iraniano Hassan Rouhani.

O desdobramento de pequenas embarcações seguiu-se a uma relativa calmaria nos assédios da Marinha iraniana contra os navios de guerra americanos que atravessavam o precário Golfo Pérsico. A última vez que as tensões chegaram a ferver foi em 2016, quando as forças iranianas capturaram e detiveram brevemente 10 marinheiros americanos.

63
Deixe um comentário

avatar
25 Comment threads
38 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
34 Comment authors
Carvalho2008XFFRafael_PPRicardoHenrique de Freitas Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rui Chapéu
Visitante
Rui Chapéu

O Hellfire consegue dar um jeito nesse tipo de lancha rápida?

Ou qual seria o armamento mais adequado para se opor a esse tipo de ataque de saturação com lanchas?

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Creio eu que um único Sea Hawk com 8 mísseis HellFire (quatro de cada lado) já manda 8 lanchas pro sacovisk e se for o AH-1 Z então ….. vão mais outras 8 adicionais,rs!!!!

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

É assim que se perde uma guerra. Matando mosca com tiro de canhão. Com o preço de um Hellfire o Irã faz mais 20 lanchas.

A solução é varrer as lanchas com metralhadoras. Helis embarcados e aviões em terra como o A-10 ou o Super Tucano.

Bravox
Visitante
Bravox

E a tripulação? (adestramento leva tempo)

Bosco
Visitante
Bosco

Marcelo,
Essas lanchas são armadas com canhões de até 23 mm que obrigam os helicópteros a atacar com mísseis. Não é questão de caro ou barato, e sim de sobrevivência.
Armas que podem fazer diferença e são de menor custo: míssil Griffin, foguete guiado APKWS (ou similar), foguete guiado LOGIR, etc.
Também é possível utilizar helicópteros não tripulados como o MQ-8 armado com mísseis e foguetes guiados.

Mauricio R.
Visitante

Estava pensando justamente no APKWS.
Os “gunships” (Spectre, U-Boat, Harvest Hawk, Ghostraider) também seriam bastante úteis em uma situação assim.

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

Sim, tudo bem. Mas isso seria partindo do pressuposto que o inimigo tem a iniciativa do ataque e te pegou de surpresa já próximo a você. Em um caso como esse é melhor abater o inimigo com o que tiver de melhor e mais caro antes de ser abatido. Mas se o cenário for o inverso? Se a iniciativa do ataque não estiver com os Iranianos? Vamos supor que sabe-se de antemão que o inimigo está vindo em direção a uma embarcação naval (inteligência, radar, satélites, mãe diná, qualquer coisa que permita antecipar o ataque). Ninguém vai esperar a lancha… Read more »

Wellington
Visitante
Wellington

O problema ñ é somente as lanchas mas o que elas lançam. Se uma lancha lança 8 ou 16 foguetes ou misseis imagina 20? E como parar 8 ou 16 foguetes multiplicado por 20?

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

De novo, pressupondo que o inimigo tem a iniciativa do ataque e pegou o navio de surpresa com 20 lanchas disparando morteiros de uma vez. Aí é melhor rezar o pai nosso e confessar os pecados antes de morrer. Ninguém transita em um lugar como esse sem estar em estado máximo de alerta. Para isso tem radar, inteligência, satélites, drones, um monte de recurso para se antecipar à chegada deles. Dificilmente as 20 lanchas vão chegar perto o suficiente do navio. As poucas que chegarem perto e lançarem seus foguetes você interceptar com CIWS. Além disso, os foguetes não são… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Se for armamento naval de tubo, minha preferência é por canhões de 40mm e 57mm (este último equipa os LCS americanos) com munição 3P em rajadas curtas, explodindo por proximidade ou programação, devem dar conta (mas são muitas variáveis, como tempo de detecção, condições meteorológicas, dia ou noite).

Um exemplo:

https://www.youtube.com/watch?v=rldn9Hvzih4

Outro exemplo, nesse caso com impacto direto:

BILL27
Visitante
BILL27

com esta demora em acertar , a lancha ja teriav feito varios disparos contra o navio

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Sério? Com que armas teria feito os vários disparos contra o navio? Melhorando a pergunta: que tipo de arma realmente efetiva à distância provável desse engajamento uma lancha pequena como aquela pode levar? Ou, em outras palavras, a que distância uma lancha daquele porte conseguiria fazer disparos com uma arma que causasse algum estrago ao navio? Pelo que entendi das falas, o alvo estava no ângulo 270 graus e a 6.200 jardas, o que dá cerca de 5,6 km (posso estar enganado no entendimento, mas isso condiz com um exercício que simule de situação em que se busque atingir o… Read more »

BILL27
Visitante
BILL27

Ué ,com o armamento de tubo que carrega .deve ter o alcance de uns 8 km se não me engano .Uma salva poderia sim causar danos …Estou falando do que eu vi no video ,se o alcance do canhão é 3 x mais que isso ,não sei .só achei q demorou muito para acertar o barquinho

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Armamento de tubo em lancha daquele tamanho com 8 km de alcance efetivo? Isso é quase alcance efetivo de canhão de 40mm. Se você está falando dos foguetes, e provavelmente são foguetes Farj-1 de 107mm que estão nas lanchas da foto de abertura da matéria, o alcance máximo divulgado de cerca de 8km para esse tipo de foguete é para uso em terra firme, parados e para disparo em elevação para uma trajetória balística ideal, e não para disparo em “tiro tenso” por uma lancha em movimento no mar. A 8km de distância isso aí não vai acertar nada, ou… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Algumas dessas lanchas levam lançadores múltiplos de foguetes e outras levam mísseis antitanques. Algumas levam até mísseis antinavios de curto alcance. https://navy-matters.blogspot.com/2015/11/iranian-swarm-craft-and-weapons.html

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Active Member

Certamente, Bosco. Mas apenas abordei o armamento de foguetes não guiados das lanchas mostradas nas fotos da matéria, quanto a alcance e efetividade.

Bosco
Visitante
Bosco

Rui, A camada externa, além de 10 km, fica por conta dos helicópteros armados com o Hellfire (Usar a ponto 50 pode ser temerário tendo em vista a possibilidade de haver manpads). A camada intermediárias (entre 2 e 10 km) ficaria por conta dos mísseis Hellfire Longbow lançados dos LCS. A camada interna (entre 0 e 5 km) fica por conta dos canhões de 57 mm, 30 mm, 25 mm e Phalanx Block IB e das metralhadoras ponto 50 e 7,62 mm dos navios. *Embora não seja a norma mas até o limite do horizonte radar (30 km) essas embarcações… Read more »

Robson
Visitante

A gasolina já está barata demais aqui no Brasil e esses caras ainda ficam tumultuando.. Ao invés de seguir a vida em frente de maneira produtiva e proativa ficam implicando com todo mundo e tentando gerar o caos como se eles saíssem ganhando com isso… Eles fecham esse estreito até os americanus maus chegarem e colocarem todo mundo pra correr…

Almeida
Visitante
Almeida

Quem tá tumultuando a harmonia mundial e o comércio global é o Trump.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante

Fechar o Estreito de Ormuz, o Irã nunca conseguirá, ao menos com esse armamento.

Pode criar um conflito, paralisar as operações por alguns dias, o que já causaria o caos no mundo afora, mas duvido que o Irã caisse na besteira de fazer isto.

Basta olhar os infográficos para ver que, cometendo uma sandice como esta, o Irã arranjaria problemas não só com os EUA, mas também com a China, Austrália, Arábia Saudita, Japão, Europa, Brasil, etc…

Seria como matar por maldade o canário do vizinho que tem 4 filhos que lutam artes marciais… surra na certa!

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Persas e Árabes não se “bicam” a pelo menos mil anos.

Muito bem lembrado, ainda teríamos a China “feliz” da vida com o possível aumento do custo do Petróleo.

Esse Trump é um idiota, mas sempre foi um grande mercador.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

É amigo…mas não é bem assim que a banda toca. Se sua empresa fosse proprietária dos navios que fazem o transporte do combustível, sem nenhuma espécie de seguro, colocaria os barcos na água para bscar o petróleo ? Você compraria o risco ?

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante

Os governos dos países interessados bancariam o custo, Henrique. Você acha que o Irã iria manter lanchas lança-mísseis com porta-aviões Americanos, Chineses, Indianos, Ingleses e Australianos na sua costa?

Os iranianos são corajosos, determinados, etc… mas longe de serem burros de entrar numa aventura dessas…

Seria, como eu disse, situação isolada…

Marcelo R
Visitante

Parece piada, lembram do filme “O rato que ruge”, na realidade o Irã não tem nenhuma força no mar, isso ai pode ser neutralizado muito fácil pela US NAVY….

Aldo Ghisolfi
Visitante

Com esse armamento, um A10 para praticar tiro-ao-alvo basta… Estou errado?

BILL27
Visitante
BILL27

um A-10 para causar danos as lanchas seria facilmente alvejado por misseis terra ar disparados da costa

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

O A10 foi desenvolvido para enfrentar colunas de blindados dos Russos. Se fosse para ter medo de defesa terra-ar ele nem saia do chão.

Fox-2
Visitante
Fox-2

Fechar o estreito de Omur o Iran até tem capacidade, mas tão logo seria esmagado pelo Ocidente.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante

Não precisaria ser o Ocidente. A China dava um jeito rapidinho…

Tiago Cruz
Visitante

Essa imagem a meu ver diz pouco do que eles podem realmente fazer ,pois estás lanchas realmente não são páreo para us navy, os ataques principais devem ser realizados por mísseis e isso vai realmente provavelmente requerer maior engajamento de meios aéreos e navais por todo território iraniano, visão de um leigo.

Hawk
Visitante
Hawk

Não vi a fonte. É uma matéria independente?
Só lembrando, que se aumenta a gasolina estoura no nosso rabo que precisa de petróleo fino!
Alias, mais um bela desculpa para o Estado aumentar o que já não pode ser mais aumentado.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Relaxa, a China seria uma das maiores prejudicadas.

Erra de maneira crassa quem pensa que os EUA seriam os maiores perdedores.

O Mundo como um todo anda de olho nesse estreito. Podem até disparar fogos de artificio, mas na há como mexes com as duas maiores economias do Mundo.

Não esquecendo dos Arabes (todos) que estariam putissimos com os Persas aprontando das suas.

O que o Irá fez é como o que a Venezuela faz quando põe para voar os seus Sukkois… puro exercício para “ingles ver”.

Thiago
Visitante
Thiago

Não tinha a mínima possibilidade de acontecer algo positivo com a saída unilateral de Washington. O que esperar de uma país que não mantém a própria palavra , que assina um acordo e logo depois tenta nulificar o trabalho diplomático feito por várias nações. Um acordo que estava sendo cumprido baseando-se sobre as avaliações de todos os participantes e organismos de controle, objetivamente sem evidência alguma que o Irã tenha desrespeitado os vínculos impostos. Com os EUA conduzindo uma verdadeira guerra econômica, tentando estrangular e reduzir o país em miséria na aspectativa que a população se revolte e derrube o… Read more »

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Acho que você está aumentando a coisa. Os EUA aplicam sanções econômicas ao Iran há quatro décadas, desde a queda do Xá em 1978, se não me engano. Eles não estão esperando uma revolta popular.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O acordo nuclear, embora melhor que aquela patranha com a qual o presidiário e o sultão de Ancara pretendiam engabelar o CS da ONU, ainda era muito falho pois não colocou qualquer freio ao programa iraniano de mísseis balísticos o que gera justo incômodo a outros países da região em especial Israel e Arábia Saudita. Por essa razão os EUA optaram por se retirar do acordo e, tendo em vista o papel exercido pela República Islâmica ameaçando Israel a partir da Síria e fomentando a rebelião Houthi no Iêmen, reforçar as sanções. A propósito a economia Iraniana vai mal, com… Read more »

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Enquanto Obama buscava seu Nobel da Paz desesperadamente, integrantes de alas extremamente radicais – se é que existe moderado na política de lá, planejaram por meio do Hezbollah um grande atentado contra o aeroporto JFK e outro contra um famoso restaurante em Washington. Não muito tempo antes, Mahmoud Ahmadinejad criou um sistema de “operações estruturadas” gigantesco para comprar segredos nucleares da Argentina. Um promotor de justiça portenho morreu por causa disso… Irã apenas comprou tempo, que aparentemente não soube utilizar. O que surpreende não é a retirada do Acordo, mas sim a terem assinado o mesmo… Ps: aposto que uma… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

Geopolitica HMS, geopolitica, tire a conotação política do discurso . Mais uma vez voce é o primeiro ( único aliás) a citar polticos nacionais com viés partidário e ideológico . As relações de força entre as potências/nações ao redor do mundo não podem sempre ser reconduzidas a mero confronto ideológico. Primeiramente o acordo foi conduzido e assinado por eles, portanto palavra dada deve ser cumprida! Quanto ao acordo assinado pelo ” presidiário” e sultão , é fácil entender que isso quebrava o paradigma de relações de força entre as clássicas potências. Ou seja, dois países emergentes, do nada , se… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Meu caro Thiago embora você me acuse de fazer uma análise ideologizada a sua visão dos fatos é que tem forte teor ideológico senão vejamos: – O acordo nuclear celebrado com o Irã foi fruto da necessidade de Obama ter algum legado para chamar de seu, ainda que fosse negativo. Basta ver que ao longo das negociações ele várias vezes estabeleceu “linhas vermelhas” temporais apenas para desrespeitá-las quando se chegou a um impasse. Nesse quadro tudo o que os iranianos tiveram de fazer foi cruzar os braços pois a dupla pateta Obama-Kerry toparia qualquer coisa. E assim foi feito pois… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

HMS , a patroa já me avisou que hoje terei de levar ela para uma exposição sobre a arquitetura de Tel Aviv(subtítulo da exposição ” em ocasião dos 70 anos do Estado”) ? E pode isso ? Kkkk

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Tanto pode que o Estado de Israel é uma realidade! E não apenas é uma realidade como trata-se de um Estado moderno e democrático que desaponta seus inimigos e detratores visto que pela sua sobrevivência já venceu três guerras (não conto aqui a de Suez, a meu ver um erro geopolítico grave de Ben Gurion, que se associou aos interesses de duas potências colonialistas decadentes, embora tenha recebido alguns bons dividendos) contra inimigos muito superiores numericamente e pesadamente armados e financiados por uma superpotência, a URSS.

Essa é a realidade meu caro Thiago, acostume-se com ela e aceite-a

Thiago
Visitante
Thiago

Já que você parece ter um preconceito para qualquer coisa que não seja americana, consulte sobre Brzezinski, o gênio de Mahan, Nicholas John Spykman, ou do brilhante Henry Kissinger. Não precisa consultar o “adversário” russo, comunista, iraniano para traçar e entender as açoes americanas. Os próprios americanos nos mostram e detalham as ambições deles. Eu faço o mesmo , quando encontro textos deles ou que tratam sobre eles em revistas geopolíticas ,guardo entre os favoritos e depois com um pouco de paciência procuro ler. Eu aposto e arrisco afirmar que você sabe e tem um conhecimento superior ao meu, apenas… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

Não sei se você lembra e conhece aquele poema “First they came ” que aponta para covardia e conivência dos intelectuais alemães em relação ao regime nazista. A minha atitude é a mesma, seu eu pretendo defender o direito do meu país de ter , cultivar ambições regionais e possuir seu próprio programa nuclear, necessariamente não posso justificar as ações unilaterais e parciais americanas. Pois hoje é contra os persas, amanhã quem sabe… #First they came for the communists, and I did not speak out Because I was not a communist. Then they came for the trade unionists, and I… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Na boa Thiago, a sua comparação é absolutamente descabida e equivocada! O programa nuclear brasileiro tem finalidades exclusivamente pacíficas conforme inclusive encontra-se positivado na própria constituição federal. Nossas centrais nucleares são constantemente fiscalizadas e existe o forte compromisso do Estado Brasileiro, independentemente do governo de turno é preciso registrar, com esse preceito de ordem constitucional. Ademais a história é implacável em demonstrar que sempre tivemos atitudes conciliadoras na condução das nossas relações internacionais. Aliás muitas vezes inclusive pagamos caro por isso como foi o caso do imbróglio envolvendo a nacionalização dos ativos da Petrobrás na Bolívia. Naquele episódio inclusive é… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Acrescentar AC 130.
Primeiro vao dominar o Ar, depois esmagar no mar.

Formiga
Visitante

Os Houtis conseguiram atingir um barco de guerra dos sauditas, e atingiram um petroleiro, em um local com distância muito grande. Considerando a estratégia do Irã aas margens do estreito devem estar cheias de misseis de todos os tipos e nada passaria, não precisa de Marinha para fechar. No sul do Líbano o Hezbolah passou 30 dias “bombardeando” Israel e não conseguiram parar mesmo com supremacia aérea e aviões 100% do tempo sobre a região. Nessa situação, apenas tropas no solo conseguem acabar. O que os EUA não querem fazer. Nisso eu penso!!! Quem ganharia com um ataque dos EUA… Read more »

BILL27
Visitante
BILL27

vc esta subestimando a inteligencia dos Iranianos …

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Você esta subestimando os Arabes. Você chegou a pensar Eles ficariam extremamente felizes de terem suas vendas suspensas pelo bloqueio Iraniano???

GRANA… Guerra acontece por GRANA.

Encerre o fluxo de dinheiro para os Arabes e você verá tropas em terra para ficar enchendo o saco dos Persas, e não serão tropas americanas (podem até ser as armas).

Dr.Telemaco
Visitante
Dr.Telemaco

Parece que o prazer dos caras é cutucar a onça com vara curta. Vai entender.

Tupinambá
Visitante
Tupinambá

O Irã é constantemente ameaçado (de ser embargado o comércio com outros países) pelos EUA sem embasamento concreto algum e tem gente que acha que eles não têm que demonstrar isso de alguma forma ? Ah, essa torcida ______________ é hilária.

COMENTÁRIO EDITADO. NÃO ROTULE OS DEMAIS PARA NÃO SER ROTULADO. AJUDE A MANTER O DEBATE CIVILIZADO. PRIMEIRO AVISO.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Esses Persas estão mirando nos Americanos e vão acabar tomando pedrada dos Arabes.

José Luiz
Visitante
José Luiz

O Irã possui além das citadas lanchas, pequenos submarinos anões de projeto norte coreano, com dois torpedos, ideais para operar nas águas rasas do Golfo Pérsico, que possui por volta de 20 metros de profundidade. Também emprega grande quantidade de SSM nas costas e lembrando que estes barquinhos podem também lançar Minas que eles têm ao monte. Outra arma deles são lanchas tipo drone de ataque kamikazes. Bem eles têm investido muito em guerra assimétrica.

CARLOS EDUARDO KWIATKOSKI
Visitante
CARLOS EDUARDO KWIATKOSKI

o irã precisa se colocar no seus lugar , francamente uma lancha com 6/12 de rojão
vai ser tiro alvo para a marinhas ocidentais .

Luiz Floriano Alves
Visitante

Estas lanchas não tem muito valor em combate naval. Qualquer oficial da marinha do Irã sabe disso. Devem ser a cortina de fumaça para outra ação mais técnica como o uso de minas ou dos mini submarinos que o Irã tanto gosta e fabrica.

marcelo zhanshi
Visitante
marcelo zhanshi

Povo aqui tem um medo de manpads que eu nunca vi igual. Sério, como se os manpads fossem uma arma de dissuasão invencível e interceptável, como mísseis nucleares hipersonicos.

Uma dica, perguntem para a Georgia o que adiantou manpads contra os russos na guerra da Ossetia e Abcásia em 2008. Quase nada, se é que não foi nada absoluto.

Se os EUA tivessem medo de manpads era melhor ficar em casa assistindo top gun e não entrar em nenhuma guerra.

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

E esses foguetes aí…na boa. Qualquer CIWS ocidental barra eles. Tem vídeo no YT dos EUA empregando Phalanx em terra para interceptar morteiros, imagine se não vai conseguir com esses foguetinhos iranianos.

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

Olhem esse vídeo do Phalanx interceptando morteiros no Afeganistão. Percebam que a interceptação foi eficaz, da para ver os morteiros explodindo no ar.

https://www.youtube.com/watch?v=KsVUISS8oHs

Me pergunto, o que os Phalanx em navios Americanos fariam com esses foguetes iranianos?

Daria muito bem para interceptar esses foguetes e abrir fogo contra as lanchas com canhões 40mm como disse o Nunão.

Dalton
Visitante
Dalton

Só como curiosidade, o atual SSGN montando guarda no Mar da Arábia é o USS Florida que acabou não tomando parte nos ataques à Síria em abril. Costuma usar a base em Diego Garcia para manutenção e troca da tripulação durante seus longos períodos de missão …a última durou 18 meses desde o momento que partiu até seu retorno à costa leste dos EUA.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Essas lanchas são ameaças sérias apenas para os grandes navios petroleiros e de container, o que já é o bastante para causar muito estrago a economia do mundo.

XFF
Visitante
XFF

A melhor forma de perder uma guerra é subestimar o seu inimigo. Quando os EUA invadiram o Afeganistão, achavam que iam derrotar o Talibã em 6 meses ou um ano. Faz 17 anos que os EUA estão mergulhador na lama no Afeganistão e nada de vitória, muitos trilhões gastos e sem resultado positivo.
Ontem o governo dos EUA se reuniu com Talibã para iniciar o processo de paz, pois uma vitória militar é quase impossível. È importante aprender com o passado antes de iniciar uma guerra.

José Luiz
Visitante
José Luiz

Gosto muito de todos os assuntos ligados a Guerra Naval, o teatro operacional do Golfo Pérsico é super interessante, recomento a quem quiser saber mais sobre o assunto pesquisar no google os seguintes temas: Operation Praying Mantis, onde poderão ver que já houve um peleja entre a US Navy e as forças navais iranianas, inclusive sobre os danos sofridos pela fragata USS Samuel B. Roberts e sobre o afundamento da corveta iraniana Sahand e da lancha missileira Joshan e do Ghadir-class submarine. Também recomento uma pesquisa sobre o incidente com a corveta israelense INS Hanit, aliás este último ótimo tema… Read more »

José Luiz
Visitante
José Luiz

O comentário anterior ficou um tanto confuso, recomendo ver sobre o submarino classe Ghadir, o qual não fazia parte das forças iranianas durante o conflito da Operation Praying Mantis.

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

O povo só gosta de comentar com camisas de torcida Estas lanchas são apenas para saturar a à área e região Lógico são inferiores a qualquer equipamento mas seu papel é este. Conjuntamente aos ssks Gadhir, misseis e baterias de terra, Minas, etc, saturar o braço do estreito Somente uma guerra total, aberta e massiva poderia resolver isto Mas o objetivo deles é exatamente. Com um baixo investimento forçar ao adversário um alto custo de esforço. É um modelo de guerra assimétrica Não vai entrar navio nenhum de guerra lá enquanto o domínio dos combates regulares aereo e terrestres estejam… Read more »

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

Esta raio de corretor mas deu pra ler né? ???rzrz