sábado, novembro 27, 2021

Saab Naval

Consórcio FLV destaca proposta para construção integral de corvetas no Brasil

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré
Projeto da corveta classe Tamandaré do CPN

O consórcio “FLV” informou, nesta terça-feira (16), que segue empenhado no desenvolvimento do projeto para construção de quatro corvetas classe Tamandaré para a Marinha. O grupo, formado pela Fincantieri S.p.A, Leonardo S.p.A e pelo estaleiro Vard Promar (PE), destaca o fato de a proposta prever a construção integral dessas corvetas no Brasil, baseadas em projeto de propriedade da Marinha e com transferência total de tecnologia do CMS (sistema de gerenciamento de combate) e do IPMS (sistema integrado de gerenciamento de plataforma).

O FLV enfatiza que a proposta do consórcio foi feita por um grupo de solidez financeira e operacional, com conhecimento e histórico de sucesso da Fincantieri e da Leonardo na construção de navios e sistemas militares. O consórcio também aposta nas modernas instalações do Vard Promar, que não possui gargalos de construção, e que tem histórico de entrega de navios de alta complexidade. “O Vard Promar e todo o consórcio FLV estão muito contentes e orgulhosos por estarem na short list do RFP (solicitação de proposta) da Marinha do Brasil”, destacou o vice-presidente sênior do Vard Promar, Guilherme Coelho.

Na última segunda-feira (15), a Marinha selecionou quatro propostas apresentadas pelos consórcios que disputam a construção das corvetas classe Tamandaré para a força naval. A ‘short list’ é formada pelos consórcios: “Águas Azuis”, “Damen Saab Tamandaré”, “FLV” e “Villegagnon”. Com a decisão, a construção desses navios está entre os estaleiros: Enseada (BA), Oceana (SC), Vard Promar (PE) e Wilson Sons (SP). Os investimentos previstos para construção das quatro unidades são da ordem de US$ 1,6 bilhão. A Marinha informou que a decisão sobre a melhor proposta está prevista para dezembro de 2018.

Perfis das corvetas Barroso e Tamandaré
Perfis das corvetas Barroso e Tamandaré

FONTE: Portos e Navios

- Advertisement -

9 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
logan

Você poderia por favor, fazer uma comparação do que cada consórcio oferece?
com respeito a radares, CMS, toneladas, etc.

Souto.

Para mim o melhor navio.

Roberto Silva

Afinal, qual é a corveta desse consórcio FLV italiano?

É o mesmo projeto da MB certificado via Vard Niteroi, de 2.600 ton?

Carlos Alberto Soares

Será uma ótima escolha dentro do programa original e dos prazos.

NAPIP é Damen/SAAB.

O Juarez suscitou uma questão da MEKO 100, pura verdade.

Não gostaria de ver a Roubabretch levando mais uma.

Robsonmkt

“O FLV enfatiza que a proposta do consórcio foi feita por um grupo de solidez financeira e operacional, com conhecimento e histórico de sucesso da Fincantieri e da Leonardo na construção de navios e sistemas militares. O consórcio também aposta nas modernas instalações do Vard Promar, que não possui gargalos de construção, e que tem histórico de entrega de navios de alta complexidade.”

Este parágrafo é meio caminho andado para ganhar a concorrência. Se dentro desta solidez financeira incluir uma boa proposta de financiamento do investimento, pode ser a campeã.

cesar

O melhor projeto ao meu ver, isso sim é nosso, seria um motivo de grande orgulho para a nação.

Jose Monteiro

Também acho que usar um projeto que foi desenvolvido por nós e o melhor para o nosso país e,tenho toda a certeza que o seu quadro de colaboradores são altamente competentes. Trabalhei durante muitos anos na unidade de Niterói, e mesmo tendo que sair por motivo de fechamento e uma empresa que respeita/honra seu pessoal.

Marcelo Zhanshi

Feito integralmente no Brasil….nada me põe mais medo!!! Vai ter corte, greves, atrasos…etc Digo e repito sem cansar, o Brasil deveria nacionalizar apenas os sensores e as armas. O casco podia encomendar pronto até da China a preço de banana. O foco do governo deveria ser criar um pool de empresas voltadas para fabricação de mísseis, sensores e radares de todo tipo. Tal como é São José dos Campos para fabricação de aviões. Criar uma espécie de interoperabilidade entre a SIATT, AVIBRAS e EMBRAER. Em caso de guerra, dominando o ciclo completo de armas e sensores, a gente intala eles… Read more »

Maria Lúcia Lira de Mélo

Estou na torcida ,sou engenheira e preciso de trabalho

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

CoNavOpEsp da Marinha do Brasil realiza o primeiro Adestramento Conjunto de Planejamento de Operações Especiais

Sob coordenação do Comando Naval de Operações Especiais (CoNavOpEsp), no período de 22 a 26 novembro, foi realizado, nas...
- Advertisement -