Home Marinha Portuguesa Marinha Portuguesa aposenta corveta NRP Jacinto Cândido

Marinha Portuguesa aposenta corveta NRP Jacinto Cândido

10712
36
NRP Jacinto Cândido (F476)
NRP Jacinto Cândido (F476)

A Marinha Portuguesa retirou oficialmente de serviço em 15 de novembro sua corveta NRP Jacinto Cândido (F476), da classe “João Coutinho”.

A desativação deixa apenas duas corvetas em serviço: o navio NRP João Roby (F487) da classe “Baptista de Andrade” e a corveta NRP António Enes (F471), da classe “João Coutinho”.

As corvetas da década de 1970, João Coutinho e Baptista de Andrade, estão sendo progressivamente substituídas por navios-patrulha offshore (OPV) da classe “Viana do Castelo” (foto abaixo), de construção local.

Três OPVs entraram em serviço desde 2011 – NRP Viana do Castelo (P360), NRP Figueira da Foz (P361) e NRP Sines (P362), enquanto um quarto, NRP Setúbal (P363), está previsto para comissionamento em janeiro.

NRP Viana do Castelo

FONTE: Jane’s

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vovozao
Vovozao
1 ano atrás

19/11 – segunda-feira, bnoite, pelo que entendi ela está a 48 ( quarenta e oito ) anos a serviço da armada Portuguesa, são mais antigas que nossas fragatas classe Niterói???

Ayala Botto
Ayala Botto
Reply to  Vovozao
1 ano atrás

Boa noite,

Correcto, a Corveta NRP Jacinto Cândido (F476) foi lançada à água a 16 de Junho de 1970.
São de facto 48 anos de serviço activo na Marinha Portuguesa.
Esta classe de corvetas está a ser progressivamente substituída pelos OPV (Offshore Patrol Vessel) da Classe Viana do Castelo, construídos aqui mesmo nos estaleiros com o mesmo nome.

Obrigado.
Cumprimentos,
Ayala Botto
Lisboa, Portugal

Cinturão de Orion
Reply to  Ayala Botto
1 ano atrás

Excelente esclarecimento, Botto. Obrigado.

Miguel Carvalho
Miguel Carvalho
Reply to  Ayala Botto
1 ano atrás

Esta já se pode reformar sem penalização na pensão. Também podiam usar esta para ir ao fundo para servir de atração no mergulho lúdico.

J L
J L
Reply to  Miguel Carvalho
10 meses atrás

Poderiam até fazer uma doação à Cabo Verde!

BILL27
BILL27
1 ano atrás

Bem que a MB poderia adquirir .

calma …é brincadeira

Esteves
Esteves
Reply to  BILL27
1 ano atrás

susto…do jeito que oferecem de tudo pra MB…vai que alguém compra.

diego farias
diego farias
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Kkkkkkkkk

Camargoer
Camargoer
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Carlo Bill. Pensei na mesma piada, mas fiquei com medo de ser levado a sério e talvez banido do PN. Sabe aquela frase “desce logo duas?” riso.

James Marshall
James Marshall
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Não dê idéia senão o pessoal aqui é capaz de defender isso. Hehehe

Fernando Vieira
Reply to  James Marshall
1 ano atrás

Um Astros no Convoo e Phalanx instalado, por que não?
(Calma, amigo, amigo…)

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Ué, Europa está substituindo CCT por OPV ?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Caro Delfim. A marinha portuguesa tem mais de 700 anos… pelo que sei é a mais antiga do mundo. Pode ser que as ideias sejam muito antiquadas.. né?

Berteli
Reply to  Delfim
1 ano atrás

A diferença na prática das João Coutinho para as Viana do Castelo é nula. O armamento ASW da classe foi removida em 1987, eram mesmo OPVs.

Everton Matheus Alves Martins
Reply to  Delfim
1 ano atrás

A tecnologia e a eficiência dessas OPV dão um pau nessas Corvetas ai querido, tenha boa vontade com as noticias ou faça uma pesquisa básica.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

https://www.naval.com.br/blog/2017/09/21/portugal-lanca-quarto-opv-classe-viana-do-castelo/ . “O OPV, batizado Setúbal (P363), é o segundo de dois OPVs adicionais em construção em um contrato no valor de aproximadamente 77 milhões de euros (US$ 84 milhões) concedido a um consórcio composto pelo West Sea e a subsidiária EDISOFT da Thales, em julho de 2015” . Tá aí um bom contraponto ao projeto do NPa 500t BR, que está pra sair do papel faz 5 mil anos e até agora, nada… Navio Patrulha simples, para Patrulha, sem pensar em muitos enfeites pra ir a Guerra, tirando o básico, como transporte e apoio de fuzileiros e minagem… Patrulha… Read more »

Rafael_PP
Rafael_PP
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Autonomia para bater nos Açores e voltar. Na sua opinião essa é a configuração ideal para combater crimes ambientais no mar e reprimir organizações criminosas?

Bardini
Bardini
Reply to  Rafael_PP
1 ano atrás

Para os distritos, me parece um baita navio. Será que precisa de mais do que isso aí, para atuar dentro da nossa pacata ZEE, fazendo a lei valer no que é nosso?
.
Para a Esquadra, que deveria ser de Guerra, não concordo, nem para missões de baixa intensidade como combate a pirataria na costa africana. Mas é uma Classe que é bastante equivalente a Classe Amazonas, que deveria estar pagando missão para os Distritos, só que eles vem tendo de quebrar o galho para a Esquadra…

Bardini
Bardini
Reply to  Rafael_PP
1 ano atrás

Aliás… é um baita comparativo a se fazer: Classe Viana do Castelo vs Amazonas.
.
Acredito que os Amazonas possam ser um pouco superiores.

Pedro
Pedro
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Discordo

ndgpat
Reply to  Rafael_PP
1 ano atrás

Caro Rafael_PP, a distância entre Portugal Continental e a Região Autónoma dos Açores são cerca 780 milhas náuticas, ora 5000 milhas são mais de 5 vezes esta distância. Na Marinha Portuguesa quando definimos autonomia é “ir e voltar” ou seja 5000 milhas, significa ir até 5000 milhas do porto de partida e regressar. Ou seja quando fizer comentários como “Autonomia para bater nos Açores e voltar” estude um pouco de geografia antes, não é nada que o Google não saiba. Ou então referia-se à distância do Brazil aos Açores (3400 milhas náuticas entre Brasília e Ponta Delgada informação do Google).… Read more »

Ayala Botto
Ayala Botto
1 ano atrás

Bom dia, Em complemento à informação já aqui publicada relativamente aos OPV que vão substituir as corvetas da Classe João Coutinho e Baptista de Andrade, importa referir que neste momento estão no serviço activo da Marinha de Guerra 3 navios OPV da classe Viana do Castelo, a saber: – NRP Viana do Castelo P360 – NRP Fiqueira da Foz P361 – NRP Sines P362 O quarto navio desta classe, o NRP Setúbal P363, tem previsto iniciar provas de mar no corrente mês de Novembro de forma a ser incorporado no serviço activo da Marinha de Guerra durante o mês de… Read more »

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Ayala Botto
1 ano atrás

Meu caro Ayala, nós que agrademos pelas informações. Obrigado. saudações

Wagner
Wagner
1 ano atrás

Excelente compra de oportunidade !!! Acho que a MB poderia comprá-la !!! pensem, as instruções e painéis já estarão em português !!!

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk !!!

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Esses “OPVs” vieram para ficar, pelo jeito no mundo todo!

Alessandro H.
Alessandro H.
1 ano atrás

1.850 ton, belo porte!
Pena a foto nao ser em alta resolução, mas dá de verificar a bela funcionalidade do projeto, ao que parece.
Parabéns aos nossos irmãos Lusos!

Ayala Botto
Ayala Botto
Reply to  Alessandro H.
1 ano atrás

Boa tarde,

se procura uma foto ainda com maior resolução, consulte o link abaixo referente a um artigo publicado aqui mesmo no Poder Naval em 29 de Julho de 2015:

https://www.naval.com.br/blog/2015/07/29/marinha-portuguesa-em-missao-em-espanha-para-controlar-fluxos-migratorios/

Tem que “clicar” duas vezes para visualializar a foto com a máxima resolução disponível.

Obrigado.
Cumprimentos,
Ayala Botto
Lisboa, Portugal

Pavan
Pavan
1 ano atrás

Comparando nossas forças armadas com as Portuguesas estamos a frente ??

pm
pm
Reply to  Pavan
1 ano atrás

Forças armadas em geral, o Brasil tem um exercito bem maior e ligeiramente melhor equipado. Na Força aérea, os F-16 deles sao mais modernos que nos F-5 e AMX mas eles nao tem nenhum meio AEW. Na marinha, temos um porta-helicopteros que Portugal nao tem, assim como uma força anfibia maior. As fragatas portuguesas ainda que em menor numero estao em melhor estado que as nossas. As forças submarinas sao igualmente pequenas.

Porem, se vc tomar em conta o orçamento de Portugal versus o do Brasil, certamente os portugueses usam muito melhor o que tem

jonas188
jonas188
Reply to  pm
1 ano atrás

Tendo em conta pertencer á OTAN, Portugal não necessita investir em certas áreas que são cobertas pelos seus aliados (na prática, os EUA), deixando lacunas nas suas forças armadas. No geral o Exército tem algumas unidades mais modernas, como os Leopard 2A6 e as Pandur, mas em Artilharia está muito desactualizado (especialmente na Defesa Aérea). A principal função da Marinha é a luta ASW para o qual está bem equipado e as 5 fragatas estão com um nivel de prontidão e capacidade geral superior ás do Brasil (e bem mais novas, mas também já com alguns anos de serviço). Portugal… Read more »

pm
pm
1 ano atrás

Sinal dos tempos, trocando uma corveta ASW por um navio patrulha “nutella” feita para policiamento em tempo de paz e missoes de resgate.

Os EUA pressionou recentemente Portugal para que ficassem com algumas OHP sucatão de modo que Portugal pudesse assumir mais atribuiçoes dentro da OTAN mas Portugal recusou alegando nao ter recursos e efetivo para tal.

Dalton
Dalton
Reply to  pm
1 ano atrás

Não fiquei sabendo de nenhuma “pressão” para Portugal adquirir fragatas de segunda mão em 2015 quando as últimas foram descomissionadas na US Navy…mas…já vi essa novela na década passada quando duas “OHPs” teriam sido inspecionadas pela marinha portuguesa, que entre outras coisas, não mostrou interesse por serem navios que haviam sido descomissionados uns 2 anos antes, que não é o ideal…o ideal é adquirir o navio no momento em que ele é descomissionado.

jonas188
jonas188
Reply to  Dalton
1 ano atrás

Efectivamente houve alguma pressão mas a escolha era entre navios com mais de 30anos de uso (com sistemas de combate e produção de sobressalentes que iriam ser descontinuados daí a nem 5 anos) ou as duas Karel Doorman que estavam com 12 anos de uso recentemente modernizadas e bem mais baratas. Não houve discussão possível ^^

josé henrique mendes
josé henrique mendes
1 ano atrás

Prezados amigos eu vou levantar uma bola que com certeza vão me descer o pau, mas é minha opinião. Estas corvetas que estão deixando o serviço na Marinha Portuguesa se não me engano eram em número de 10, 5 armadas com o canhão duplo de 3 polegadas ( 76mm ) de origem americana e 2 de 40mm e as outras 5 eram armadas com o canhão de 100mm de origem francesa e 2 de 40mm. Foram navios que prestaram ótimos serviços e de um projeto comprovado. É ai que me pergunto porque não aproveitaram os planos destes navios, com novos… Read more »

Vitor cruz
Vitor cruz
1 ano atrás

Acontece que esta esquecendo, a manutenção, logistica de apoio, e as frequentes de manutenção em equipamentos desgastados pelo tempo, alguns obsoletos, e a necessidade premente de uma manutencao de varios meses em doca seca, para decapar casco, reparar, pintar, substituir, cablagem de todos os sistemas electricos, informaticos , e bla, bla, bla. Simplesmente desmontar ate so sobrar o casco, e remontar e substituir material danificado. E resultado ficam com uma fragata ” clássica ” digna de exposição em Museu com custo exorbitantes e não um navio moderno, mais economico, melhor equipado e com fácil logistica de manutenções, e para mais… Read more »