sexta-feira, agosto 12, 2022

Saab Naval

SMEREX 2018 treina salvamento submarino na Itália

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Militares de Brasil, Chile e Equador participaram do treinamento como observadores

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

Submarinistas do Brasil, do Chile e do Equador participaram, na condição de Observadores, do SMEREX (Submarine Escape and Rescue Exercise) 2018, o grande exercício de salvamento e fuga de submarinos promovido pelo Escritório de Ligação Internacional para Resgate e Escape de Submarinos – International Submarine Escape & Rescue Liaison Office (ISMERLO) – do Comando Marítimo Aliado, que tem sede no perímetro militar de Northwood, subúrbio do noroeste de Londres.

A simulação, que incluiu, além da ação prática, diversas reuniões, palestras e intercâmbios de informações, aconteceu no Golfo de Taranto – “lar histórico” da frota da Marina Militare –, entre os dias 29 de outubro e quinta-feira da semana retrasada (08.11).

As marinhas mobilizadas para o SMEREX 2018 reuniram vários navios de superfície, submersíveis e aeronaves. Entre eles o moderno HS Matrozos (S122), um Tipo 214 (alemão) da Armada grega, o submarino italiano Romeo Romei, da Classe Todaro – um Tipo 212 (de tecnologia igualmente germânica) comparável à do Matrozos – e o navio de salvamento submarino Anteo (A5309), de quase 4.000 toneladas (carregado), também da Itália.

Essas unidades foram empenhadas em um complexo adestramento, destinado a qualificar suas tripulações em busca, resgate e manejo de um submarino danificado. Ao Anteo, de 98,4 m de comprimento, coube atuar como plataforma de comando e controle do exercício.

Além disso, o barco serviu como base logística para o pessoal envolvido no exercício – em especial para uma equipe do chamado Submarine Parachute Assistance Group (SPAG), que pertence a um dos diversos comandos navais sediados no grande complexo naval italiano de La Spezia.

Veículo de salvamento submarino sendo preparado para a missão
Veículo de salvamento submarino sendo preparado para a missão a bordo do Anteo (A5309)

San Juan – De acordo com um comunicado expedido pela Marinha da Itália em Taranto, na quarta-feira da semana passada (14.11), o roteiro do exercício foi definido da seguinte forma:

I – Acionada em resposta ao pedido de socorro de um submarino, a sofisticada fragata ASW italiana Carlo Margottini (F592) assumiu a liderança das operações de busca ao navio sinistrado.

II – Depois de localizar o submarino uns 50 metros abaixo da superfície, o comando e o controle da operação foram transferidos ao Anteo, na pessoa do coordenador principal de resgate.

III – Exibidos no site do ISMERLO, os recursos e procedimentos técnicos de salvamento compartilhados pelas marinhas integrantes da Otan (Organização para o Tratado do Atlântico Norte), foram, então, acessados pelos responsáveis pelo salvamento do navio “avariado”.

“O SMEREX 2018 é um exercício multinacional grande, tirado do que acontece no mundo real”, lembrou o presidente do ISMERLO, capitão de fragata Gennaro Vitagliano (Marina Militare). “O ISMERLO desempenhou um papel importante como coordenador das principais manobras, este ano com um grande número de observadores, o que atesta a importância da busca subaquática e dos exercícios de resgate”.

Além de representantes sul-americanos, o time dos Observadores do exercício, embarcado no Anteo, reuniu militares e especialistas de França, Rússia, Espanha, Turquia, Israel e Paquistão.

O Gabinete de Ligação Internacional é responsável por promover o diálogo entre representantes de diferentes marinhas, valendo-se do contato regular entre os submarinistas da Otan, os operadores de salvamento de Forças não pertencentes à Otan, e os responsáveis por organizações multinacionais de Pesquisa e Resgate. Objetivo: estabelecer e manter uma capacidade global de coordenação de resgate submarino, passível de ser empregada a qualquer momento no caso de um incidente com submarino.

Tanto que, em novembro do ano passado, Gennaro Vitagliano foi o primeiro submarinista estrangeiro a que a Marinha Argentina recorreu, para pedir ajuda no restabelecimento da comunicação com o navio ARA San Juan.

Veículo de resgate submarino acoplado à escotilha do submarino sinistrado
Veículo de resgate submarino acoplado à escotilha do submarino sinistrado
- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fawcett

Se o Brasil adquirir algum mini-submarino de resgate espero que não se desfaça do Felinto Perry. Este pode ser muito útil na realização pesquisas científicas.

Luiz Floriano Alves

Só participar de manoibras não é o suficiente. Precisamos adquirir equipamento semelhante. Os nossos submarinistas tem o direito de saber que suas vidas são levadas em conta. Não basta o Felinto. Meios mais modernos são necessários para a nação que possui submarinos. O tempo em que um pulmão de Momsen era suficiente já vai longe.

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Representante da Argentina vem ao Brasil pedir apoio na luta pela soberania das Ilhas Malvinas

O secretário para Malvinas, Antártica e Atlântico Sul do governo da Argentina, Guillermo Carmona, virá ao Brasil na próxima...
Parceiro

- Advertisement -