Home Indústria de Defesa EXCLUSIVO: Marinha acena aos estaleiros com futuras encomendas após as corvetas Tamandaré

EXCLUSIVO: Marinha acena aos estaleiros com futuras encomendas após as corvetas Tamandaré

26214
177
Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré projetada pelo CPN
Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré projetada pelo CPN

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

A Marinha do Brasil fixou a próxima terça-feira, 26 de março, como data do anúncio do consórcio vencedor do Programa das Corvetas Classe Tamandaré (CCT).

Mas a grande novidade que o Poder Naval obteve para os seus leitores não é essa.

O PN apurou que os oficiais incumbidos do contato com os estaleiros candidatos ao contrato dos quatro navios da nova série Tamandaré, informaram a esses competidores de um planejamento mais amplo da Força Naval brasileira: o de contar, até o fim da década de 2030, com um número mínimo de 12 escoltas – e, de forma ideal, a mais longo prazo, com 18 desses navios.

E o que tem isso a ver com os consórcios pré-selecionados?

É que, segundo um integrante da equipe de analistas da concorrência das CCT, apesar de não haver, no momento, promessa alguma de contratação de novas embarcações, o grupo de empresas que ganhar o Programa Tamandaré tornar-se-á, automaticamente, forte candidato a dois outros contratos.

O primeiro referente a um novo lote de escoltas (corvetas ou fragatas leves), que representará uma evolução direta da classe Tamandaré.

“Além deste possível novo lote”, esclareceu a fonte do PN, “o consórcio vencedor poderia, em um segundo momento, construir navios maiores (fragatas) que seriam desenvolvidos utilizando os conhecimentos recebidos pela atual transferência tecnológica para construção das CCT”.

Parece claro que esse segundo contrato se refere a navios de maior tonelagem – fragatas da ordem de 6.000 toneladas –, a serem fabricados no país como uma espécie de retomada do Programa de Obtenção de Meios de Superfície (PROSUPER) – iniciativa que, cinco anos atrás, a administração Dilma Roussef, simplesmente, descontinuou.

Convém lembrar: aquela época, a proposta de fragatas que esteve mais próxima de ser aceita pela Marinha e pelo governo petista de Roussef foi a da empresa italiana Fincantieri.

De acordo com um chefe naval ouvido pelo PN, a revelação, aos competidores do Programa Tamandaré, dessas duas novas possíveis encomendas, poderá ter o efeito de levá-los a compreender que a Marinha do Brasil é, sim, um cenário de oportunidades – e que, portanto, preços mais accessíveis nas propostas para o atual conjunto de corvetas podem aumentar as chances de um faturamento maior no futuro.

O problema, claro, é um estaleiro estrangeiro acreditar nisso. E apostar parte da sua carteira de negócios na Esquadra do almirante Tamandaré.

Cronograma estimado de desativação de escoltas da MB
Cronograma estimado de desativação de escoltas da MB

Makassar – O que disso se extrai é que a Marinha do Brasil poderia cruzar os anos de 2030 com uma frota constituída, entre outras unidades, por:

  • 1 navio porta-helicópteros;
  • 12 escoltas (fragatas, corvetas e navios-patrulha oceânicos entre 1.800 e 5.000 toneladas);
  • 8 ou 9 submarinos;
  • 1 navio-doca multipropósito;
  • 1 navio de Apoio Logístico (da classe britânica Wave).

Além dessas embarcações, nos próximos 15 ou 16 anos a MB precisará reconstituir o seu Esquadrão de Apoio, com novas unidades de transporte e de abastecimento, e a sua Força de Contramedidas de Minagem – que, a princípio, terá meios repartidos entre a Bahia (onde hoje já se encontra a conhecida Força de Minagem e Varredura) e a Base Naval de Itaguaí, futuro lar do Comando da Força de Submarinos.

Oficiais da reserva que se mantém informados sobre os planos da MB também aludem a uma possível encomenda, nesse período até 2035/2040, de mais um navio-doca moderno, que poderia ser um navio da classe Makassar.

LPD classe Makassar
LPD classe Makassar

177
Deixe um comentário

avatar
46 Comment threads
131 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
91 Comment authors
Luiz Floriano AlvesVIctorCavalliNelsonRafael Oliveira Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Chamar navio de patrulha oceânica de “escolta”…
Essa é uma clássica bravata da nossa marinha, que sem recurso e sem compromisso(e não me venham com falta de dinheiro, o dinheiro existe e é usado pra pagar mordomia de militar) quer conseguir uma barganha. Ninguém em sã consciência acreditaria nos planos mirabolantes do Brasil. É uma centena de caças pra cá, é prosuper pra lá e por aí vai.

Thor
Visitante
Thor

A bravata não é da marinha…é do jornalista. Onde está escrito que foi dito pela marinha?

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

“O PN apurou que os oficiais incumbidos do contato com os estaleiros candidatos ao contrato dos quatro navios da nova série Tamandaré, informaram a esses competidores de um planejamento mais amplo da Força Naval brasileira: o de contar, até o fim da década de 2030, com um número mínimo de 12 escoltas – e, de forma ideal, a mais longo prazo, com 18 desses navios.”
Nesse trecho fica entendido que o escritor do PN teve acesso a informações de dentro da MB.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

E cade o nome dos oficiais? Notícia sem fonte é boato, não jornalismo. Eu vou esperar a confirmação da notícia primeiro.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Claro, certamente o jornalista vai dar o nome das fontes dele pra sofrerem represálias e ele nunca mais conseguir nenhum furo. Ninguém aqui está dando credibilidade científica pra matéria, mas no campo de discussões tentamos discutir as implicações CASO seja verdadeira.

Nilson
Visitante
Nilson

De novo esse negócio de querer que jornalista revele as fontes. Isso não é o padrão, estamos falando de jornalismo, não de texto técnico, esse sim precisa ser referenciado, carimbado, aprovado. Jornalismo tem que ir além de mera reprodução de fatos reportados por pessoas determinadas.

Jonemir Kramer
Visitante
Jonemir Kramer

Vai esperar o que? que diferença isso vai fazer vc esperar ou não?

bjj
Visitante
bjj

Acho que o termo “escolta” foi usado em um sentido bem literal. Um patrulha oceânico pode servir de escolta em cenários de baixa intensidade, como proteger navios mercantes de piratas, por exemplo, e assim liberar as escoltas mais bem armadas para outras missões.

Derley vieira silva
Visitante
Derley vieira silva

É verdade por falta de não é a Rússia com um pouco mais de $$$ faz tanta coisa navios, aviões submarinos e tanta coisas, os Militares gastam com mordomias

Alfredo RCS
Visitante
Alfredo RCS

“Mordomia de militar”: trabalhar 70h semanais sem receber hora extra; trabalhar com equipamentos pesados, perigosos, explosivos e, munições sem receber periculosidade; trabalhar em ambientes insalubres como florestas, areas devolutas, expistas a todo o tipo de endemias sem receber adicional de insalubridade; forçar a família toda a se deslocar a cada três anos, desfazendo vínculos profissionais, familiares, de amizade e de escola sem receber nenhuma compensação… E pior de tudo, ouvir alienado chamar isso de “mordomia de militar”… Fala isso pra sua presidenta, para seu presidente encarcerado e todo a trupe que roubou uma nacao inteira ate nos transformar no pais… Read more »

francisco
Visitante
francisco

Fala sério. Militar trabalhando 70 horas semanais? só se for na China.
Quanto a obrigatoriedade de ter que se deslocara a cada três anos não é justificativa para se obter certas regalias, pois ninguem nasce militar e muito menos é obrigado a seguir a carreira militar.
Quem não está disposto aos rigores da caserna que se demita (peça a baixa no serviço/peça exoneração do cargo).

Alfredo RCS
Visitante
Alfredo RCS

Você nunca foi militar, não é mesmo?? Então vá se informar direito antes de falar sobre o que não sabe.

Anderson
Visitante
Anderson

Amigo, então enumere aqui, aquilo que você entende, considera e/ou define por mordomia militar.

Parabellum
Visitante
Parabellum

Prezado Francisco, a título de informação, ao contrário do “plantão” policial em que eles fazem 24hs (no plantão)/72hs (em casa), o militar dá serviço de 24 horas e quando sai já emenda no expediente. Faça as contas: o sujeito entra de serviço às 8:00 hs de domingo, terimina às 8hs da manhã de segunda. Inicia o expediente normal de 8 horas. Aí trabalha 3a, 4a e 5a normalmente ( se o navio não sair) aí na 6a feira tá se serviço de 24 horas de novo que só termina às 8 da manhã de sábado. Quanto deu?

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Rapaz, isso é trabalho escravo hein? Kkkkkkkkkkkkkl sério, pode exagerar, mas tenha moderação!

Parabellum
Visitante
Parabellum

Isso numa OM administrativa. À bordo a coisa é mais feia. é normal o expediente ir até às 19hs ou 21 hs.

Airacobra
Visitante
Airacobra

Eles sao sabem o que é um licenciados formar exceto pro departamento de armamento ou intendência ou operações e etc, quase todo dia toca exceto pra algum departamento ou divisão

Airacobra
Visitante
Airacobra

Não é exagero, ele até foi generoso ao usar na explicação a escala 3×1, sendo que o mais comum na MB é os praças cumprirem escala de serviço 2×1, só a título de conhecimento, em meus mais de 20 anos de serviço cansei de comecar a semana de serviço das 8:00 do domingo (24hrs) cumprir expediente das 7:30 as 16:30 na segunda e terça (2 dias de folga), entar de serviço na quarta as 8:00 (mais 24 horas de serviço) e ja emendar cumprindo expediente na quinta até as 16:30, pra finalizar a semana mais um expediente na sexta das… Read more »

Airacobra
Visitante
Airacobra

Parabellum, vc até que ainda foi generoso ao exemplificar com uma escala 3×1, enquanto que a maioria dos praças da MB estão na escala 2×1, pra quem não entende, são 2 dias de folga para 1 dia de serviço, sendo que os dois dias de folga são cumprindo expediente das 7:30 às 16:30, quando as 8 da manhã do terceiro dia ja está de servico de novo e só sai do quartel as 16:30 do dia seguinte, cumprindo mais 2 dias de expediente para o próximo serviço, pra quem é civil pode até duvidar, achando que é exagerado mas essa… Read more »

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Sem dúvida. Vocês têm vivência na área, conhecem como é a rotina. Mas fica aí o desafio. Amanhã, pegue o seu telefone e tente entrar em contato com uma base militar às 08:00, 08:30, 09:00, 09:30. Depois tente às 12:00. Depois às 13:00. Depois às 16:30. Deve ser por que está todo mundo no rala né? Muita ralação, tiro, bomba, foguete. Amigão, não tenho dúvida que os exemplos que citaram são verdadeiros. Mas qual o percentual da MB que trabalha embarcado? Qual o percentual da FAB que entra em um avião frequentemente? Qual o percentual do EB que está na… Read more »

Airacobra
Visitante
Airacobra

Felipe Morais, boa noite, independente da hora e do dia que você ligar para uma Organização Militar sempre haverá alguém que vai atender a ligação, mas tem ser para o telefone da sala de estado, ou da guarita de entrada do quartel e etc, são locais guarnecidos 24/7, mas não tem como cobrar que atendam o telefone de um setor específico que estará desguarnecido em finais de semana/feriado ou após o expediente, mas os telefones da sala de Estado e do Oficial de qualquer OM são guarnecidos 24 horas 7 dias por semana

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Boa noite Air Cobra. Pois bem, faça o teste.

O expediente é de 10:00 as 12:00 e 14:00 as 16:00. No expediente é dificílimo resolver as coisas com as forças armadas. Fora dele, impossível!

Airacobra
Visitante
Airacobra

Prezado Felipe Morais, onde você viu uma OM com expediente assim? Me passa o bizu aí de que OM é para que eu possa correr atrás pra servir lá, pq nos meus mais de 20 anos de serviço não passei por nada parecido com isso.

farragut
Visitante

generalizações têm erros embutidos que emperram o debate. poucos atentam para os fatos de que não há isonomia no sacrifício e que as demandas por remuneração são lineares. exemplos: oficiais da área de saúde com meio expediente, trabalhando fora na outra metade, percebem o mesmo que os que têm rotinas de tropa/embarque com grandes demandas de disponibilidade e militares com avaliação de desempenho na carreira abaixo da média que receberão o mesmo adicional de habilitação dos “excelentes” porque safaram a nota mínima em cursos onde a atrição é praticamente nula.

Vicente Roberto De Luca
Visitante
Vicente Roberto De Luca

Francisco: A considerar que vc está desinformado, peço vênia para lhe esclarecer as chamadas “70 horas”. Inicialmente, cabe dizer que, diferentemente do servidor civil, a quem muito respeitamos, nos chamados “dias de serviço” não vamos para casa. O serviço do militar é dado durante e após o expediente, sem interrupção. Este é um grande diferencial da rotina militar para a rotina civil. Para a sua ilustração histórica, essa diferença nasceu no Brasil, no início da década de 30, sob a inspiração da chamada “Carta del Lavoro”, modelo instituído por Mussolini na Itália, no século passado, numa tentativa de multiplicar os… Read more »

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Sim, só os militares brasileiros trabalham tanto. Imagine só, no mundo inteiro o mais sofrido é o que trabalha no Brasil, se aposentando em 30 anos com cem porcento do salário… Cada país merece os ladrões que tem.

Airacobra
Visitante
Airacobra

30 anos que equivalem a 45 ou mais

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

só no Brasil né? Porque vai dar uma olhadinha em quanto é o percentual da aposentadoria nos EUA de militar que se aposenta com 30 de carreira.

jodreski
Visitante
jodreski

Amigo… me desculpa.. eu até acredito que vc possa ter trabalhado, em alguns momentos, 70h semanais, mas eu não creio que essa é sua rotina diária. Eu trabalho de 12 a 11 horas por dia de segunda à sexta, 10h a 11h no sábado e 5h no domingo, isso dá 76 horas por dia no máximo e 70h no mínimo. Eu não tenho folga amigo, trabalho todos os dias da semana. Concordo que essa mudança de cidade a cada 3 anos é realmente complicada tanto para vc como para sua mulher e filhos. Claro não estou aqui a medir quem… Read more »

Airacobra
Visitante
Airacobra

Não é exagero não caro Jodreski, ao menos na MB a maioria dos praças tem a escala de serviço 2×1 ou 3×1, cumprindo expediente nos dias de folga (se forem dias de semana), como exemplo sugiro q pegue um dicionário velho e marque o primeiro dia do mes, pule 2 dias e marque o próximo, depois pule mais 2 e assim sucessivamente até o final do mês, conte quantos dias foram marcados (dias de serviço/plantão 24 horas) e quantos dias de semana (desde que não sejam feriados) o militar teve que cumprir expediente (8 horas diarias) e ao final de… Read more »

Maus
Visitante
Maus

Para isso acontecer só se um meio externo pressionasse o Brasil a investir mais em defesa, tipo algo que começa com OT e termina com AN.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Vou dizer uma ou duas coisas, e quem quiser discordar ou me xingar, fique a vontade: “Parece claro que esse segundo contrato se refere a navios de maior tonelagem – fragatas da ordem de 6.000 toneladas ” Eu lí FREEM e FRICANTIERI. “informaram a esses competidores de um planejamento mais amplo da Força Naval brasileira: o de contar, até o fim da década de 2030,” Planejar, todo mundo faz. Ter grana pra tocar isso em frente, são outros 500. Todo mundo aqui tá careca de saber a quantidade de planos que são feitos aqui e não vão pra frente. Espero… Read more »

Leonel testa
Visitante
Leonel testa

De verdade achei bem pe no chao esse planejamento so acho que os Amazonas nao deveriam ser considerados como escolta

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Tambem achei. Se chegarmos em 2030 com aquela lista de navios descritos na matéria, estaríamos ótimos.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Ótimos não estaríamos… Estaríamos medianamente bem, pois o Brasil é imenso e esse número dito ainda é muito aquém do desejável e do número suficiente para nós defendermos.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Ok, talvez “ótimo” não seja o termo correto.
Mas se a lista acima for de navios modernos com menos de 10 ou 15 anos, e não navios de 30 ou 40 anos que só servem pra, basicamente, empurrar água e que teriam valor militar questionável em um conflito, já será muita coisa.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Tem que se levar em conta que o que precisamos e muito e que não está na lista são os navios patrulha 500 e 200 t para nosso litoral e rios . Pra um país sem guerras a lista acima estará ótima, a princípio e a se comparar com a situação atual.

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Aquela lista é pro final dos anos 30, não pro começo deles…

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

A MB faz planos tanto quanto cebolinha e Pink & Cérebro…

Esperemos quê dê certo e saia da utopia.

Marcos R.
Visitante
Marcos R.

Eu li Ômega e Danem.

Anderson
Visitante
Anderson

Além dessa opção, imaginei também a probabilidade da Naval Group, pela experiência com o PROSUB, entretanto fiquei com uma ligeira impressão da possibilidade pela Fincantieri, pelo projeto ser da própria Marinha (CPN), como também, isso influenciar numa maior cadeia de aprendizado, desde a projeção, até mesmo, as adequações do projeto e consequentemente as melhorias, aprimoramento e evolução do projeto para um mais robusto. Vamos aguardar, está mais perto do que longe…

Moriah
Visitante
Moriah

Apesar dos franceses, a novidade parece ir mais de encontro aos interesses italianos, apoiados politicamente agora e na época do PT. Enfim, dia 26 sai o resultado e aí saberemos se o vitória foi técnica ou política.

LBacelar
Visitante
LBacelar

Depois do xilique francês por causa da declaração do Trump sobre a Otan, praticamente caiu no colo dos italianos

Esteves
Visitante
Esteves

Quem vencer pode levar mais. No futuro. Parece promessa de casamento. Na alegria e na tristeza, na fartura e na escassez, no frio e no calorzão, seremos felizes.
Só que não. Dilma engavetou. O próximo pode fazer o mesmo. Qual a segurança que um estaleiro europeu tem para apostar alto aqui se presidentes e ministros desafiam a lei da gravidade?

ToT das CCT? Então será Napip. Ou não?

Entre a espada dos Vikings e a cruz dos italianos, saaberemos o que a MB quer da vida.

Juarez
Visitante
Juarez

Pode ser a cruz de ferro também……

Bardini
Visitante
Bardini

“O problema, claro, é um estaleiro estrangeiro acreditar nisso. E apostar parte da sua carteira de negócios na Esquadra do almirante Tamandaré.” . É exatamente como eu disse em outro post. A MB vai ter que entregar todas as futuras demandas de mão beijada ao vencedor, pra justificar esse investimento burro em uma estrutura e consórcio que não controla. Se não entregar, rasgou e tocou fogo em uma montanha de dinheiro, pois a partir do momento que a operação dessa empresa aqui no BR não der lucro, já era, tchau, C´est fini… . Estão criando um monopólio sem pensamento de… Read more »

filipe
Visitante
filipe

Pela sua lógica, ta na cara que o vencedor é francês, eles são os que mais investiram no Brasil (PRosub + HX-BR + Satelite SGDC + Sistema Auto-propulsado CAESAR), têm muitos investimentos pesados aqui, e acho que vão querer mais e mais, eles venderam o LPD Bahia, pode ser que no futuro o Brasil fabrique nos seus estaleiros franceses (Itaguai + o Estaleiro franco-brasileiro vencedor das CV-35 Tamandaré) o LPD Bahia,e quem sabe as Fragatas La Fayete ou Fremm (muito cara de fabricar aqui), para os italianos esta ficando dificil (2100 Blindados 6X6 Guarani + 3000 Carros Leves LVM Lynce),… Read more »

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Acho que você matou a charada…

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Eu acho que não. O vencedor será um projeto modular como as Meko ou Sigma

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Então será a Sigma, já que a Meko é só um projeto, não existe uma unidade sequer desta A100, nesta tonelagem, construída no mundo.
É um projeto fantástico, pode ser que, se construída, seja algo fenomenal…mas hoje não passa de projeto.

Junior
Visitante
Junior

A Makassar fica por conta da preferencia do jornalista, só acho que ele tinha que botar em negrito e dizer que é a opinião dele

Bardini
Visitante
Bardini

” Makassar fica por conta da preferencia do jornalista”
.
100%
.
Entre 2035 e 2040, Bahia a Atlântico vão estar no bico do corvo. Makassar, pra daqui 15/20 e ainda ser chamado de “moderno” é uma afronta a racionalidade de quem consegue somar 2+2.

Fila
Visitante
Fila

Mas tudo é opinião dele

Nilson
Visitante
Nilson

Parece-me que a ideia da Marinha é transformar o vencedor das Tamandaré num embrião da empresa que será a parceira na construção naval militar, recebendo os contratos subsequentes. Ficaria na mão de empresa privada, talvez até estrangeira, mas a parte material (estaleiro, equipamentos) e humana/tecnológica (os funcionários capacitados) seriam localizados no Brasil, podendo migrar para outra empresa parceira se a primeira “roer a corda”. Para que isso aconteça, é vital que os contratos sejam sucessivos, mesmo que em lentas construções, mas contínuas, de forma a não perder a ToT recebida. Quem sabe dessa vez dá certo… Uma questão é como… Read more »

marcelo baptista
Visitante
marcelo baptista

Bom dia Bardini
Eu entendi seu ponto de vista, mas não são estaleiros privados que trabalham para as marinhas? Não são estaleiros privados que constroem para a USN, RN, MN? Se focarmos só na AMRJ, com todas as amarras legais que uma estatal possui não estamos atrasando o desenvolvimento das embarcações. A AMRJ deve ser estaleiro de apoio e reformas/modernizações. Sei que vão me lembrar dos NPa da EISA, mas eu entendo que tudo depende de uma boa especificação durante a licitação para termos apenas participantes com boa saúde financeira. E posteriormente contratos bem montados.

Bardini
Visitante
Bardini

“mas não são estaleiros privados que trabalham para as marinhas?” . US Navy é outra realidade. RN é refém da BAE, por isso querem tentar enfraquecer o monopólio via Type-31. Marine Nationale é atendida pelo Naval Group, que tem mais de 60% controlado pelo Governo Francês. A Marina Militare é atendida pela Fincantieri, que tem mais de 70% do controle sob domínio da FINTECNA, que controlada pelo Governo Italiano. . Na região, citando Marinhas mais pobres, mas que não deixam seu “AMRJ” de lado: SIMA (Peru), ASMAR (Chile), COTCMAR (Colômbia). . “A AMRJ deve ser estaleiro de apoio e reformas/modernizações”… Read more »

JonasN
Visitante
JonasN

Concordo no ponto que fazer todo esse investimento em um estaleiro privado é perigoso, pois como vc disse pode ficar refém de uma única empresa, mas acho que investir no AMRJ não é melhor opção também. Durante anos a marinha concentrou todo o investimento e ToT lá, e depois das FN e dos submarinos tupi, não manteve a capacidade de construir embarcações modernas. Acho que isso acontece pq não temos uma continuidade nos projetos, ficando refem apenas das encomendas militares que sabemos como é inconstante os recursos, e também a produtividade das empresas públicas no Brasil. Deveria haver um meio… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Em mimha opinião o arsenal deveria ser privatizado e o único a ficar com a marinha devido o grau estratégico seria o estaleiro de Itaguai. Os navios de superficie da marinha devem ser construidos e mantidos por estaleiros privados. Se o estaleiro falir, azar o dele, contrata outro. Lembrem da avibrás, na epoca da penúria, o seguimento civil da empresa manteve as máquinas e o pessoal ocupado.
Quem constroi navio de gurra, constroi navios cargueiros, petroleiros, de pesca, o importante e não parar de construir e usar a tecnologia adquirida.
Lembrai da EMBRAER, que usa tecnologia militar em suas aeronaves civis.

Hélio
Visitante
Hélio

“Se o estaleiro falir, azar o dele, contrata outro” Azar o dele não, azar o nosso, navio de guerra não é um produto qualquer que você pode trocar a qualquer hora, não aprenderam nada com a Embraer? Como o próprio Bardini muito bem mostrou, NINGUÉM COLOCA PROJETOS NAS MÃOS DE EMPRESAS PRIVADAS QUE NÃO CONTROLA, mesmo nos EUA, apesar dos estaleiros serem privados, o Estado tem o controle estratégico deles, como nossas golden share, inclusive, para os defensores do “privatização tudo” seria muito bom estudar o caso americano, em nenhum lugar do mundo as empresas estratégicas fogem do seu papel.… Read more »

Hélio
Visitante
Hélio

E mais, quem foi que disse que o dinheiro público e os projetos militares devem ser utilizados para dar vantagens tecnológicas para empresas privadas? Isso sim é anticapitalismo, isso é lesar a concorrência.

Bardini
Visitante
Bardini

“Se o estaleiro falir, azar o dele, contrata outro.” . Muito lindo aplicar essa visão do mercado. Pena que em Defesa e empresas que trabalham com tecnologia de alto valor agregado, não funciona… Pq? Pq não existe “outro”. A MB estará DANDO capacidades a um estaleiro estrangeiro instalar uma operação aqui. Se no futuro esta operação não receber boquinha e realizar lucro, vai derreter, mantendo capacidade mínima para atender contratos assinados e posteriormente, irá fechar as portas e dizer adeus Brasil. Veja a pressão que a VARD faz por novos contratos… “Nós deem serviço ou iremos embora”. Por um lado… Read more »

Cleber
Visitante
Cleber

Vai ser mexido na Previdência dos militares , e vai começar a sobrar dinheiro para investimentos gente ! Começamos a sonhar mais alto !

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Vai sonhando. Serão economizados 10 bilhões….em 15 anos. Não dá pra quase nada.

Diego K
Visitante
Diego K

Vao gastar 87bi na reformulação de carreiras militares, serão privilegiados em detrimento do resto dos cidadãos.

Bardini
Visitante
Bardini

É o que acontece quando se coloca um sindicalista de farda na presidência…

Esteves
Visitante
Esteves

Aonde existe capital financeiro disponível para criar uma jointventure aqui com um estaleiro europeu caso existisse interesse dos europeus nisso? Criar uma jointventure entre a Boeing e a Embraer para determinar a construção de um terceiro negócio com foco 100% em um resultado X, faz sentido. Pode dar errado. Mas faz sentido. Estaleiro nacional não monta navio de guerra. Por ausência de capital humano, financeiro e conhecimento. Por falta de encomendas. Faria sentido comprar a Thyssenkrupp que está à deriva financeiramente e, acuada pelo governo alemão, e trazer para cá. Como a Fiat fez com a Jeep. Como a PSA… Read more »

Joaquim Nilson
Visitante
Joaquim Nilson

Interresante o numero 12 dado pela Fonte, possivelmente os outros 7 (descontando as CCTs e a Barroso) são novas fragatas, uma provavel pista que essa competição é da SAAB e da Thyssenkrupp.
Mas é claro que isso é uma teoria, fico feliz que ao menos não teremos somente 4 navios em produção para a MB.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Que venham logo e acabe essa longa novela da escolha e comece o seriado da aquisição…

Sou favorável ao projeto 🇳🇱Damen-Saab 🇸🇪, espero que seja o escolhido, caso não seja, que ao menos tirem a MB dessa situação onde nossa armada está indo para a ala da geriatria.

Que tenham sapiência na escolha e bola para frente😐‼️

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Até me empolguei com o começo da matéria… mas ao longo dela….Então a MB quer chegar ao final dos anos de 2030 com 12 escoltas (um OPV é escolta ?), um porta helicópteros, um LPD e só um navio de apoio e suporte, além de ser usado ?!?!?! Aí ela cogita construir 1 LPD “moderno” e pensa no Makassar ?? Bem, “acenar” ao vencedor da concorrência Tamandaré com um futuro desenvolvimento de fragatas devia ser claro desde o início… é mais que óbvio que o consórcio que construir as corvetas tem enormes probabilidades de construir as fragatas, só se o… Read more »

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Caro Bozzo : entendo que uma instalaçao apropriada/otimizada para fabricar corvetas deslocando 3200 ~ 2800 t nao seria conflitante com outra voltada para embarcaçoes de 5000~7000t, ou seja, cabe perfeitamente fabricar as duas series em paralelo por dois distintos estaleiros! De outra forma naoha como atender o cronograma/ planejamento frente as prementes necessidades da MB. Ficaaqui a dica para todos saaberem…

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Rommelqe, mas foi isso que eu disse…o estaleiro privado fabricaria as Tamandarés, talvez um segundo lote destas e os NApLog, LPD, etc… ao AMRJ, modernizado, caberia a construção das fragatas que por ventura venham a ser requeridos…

Em ultimo caso, caberia um terceiro estaleiro trabalhando nas construções de meios mais especiais, como um LHD ou o possível NAe que a MB quer…ao fim dos trabalhos, o pessoal especializado (engenheiros e técnicos) seriam transferidos ao AMRJ para a manutenção destes meios, assim não se perde o conhecimento.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Sim, é isso mesmo meu prezado colega (e amigo)…. eu tambem tomava cafe no bar do Belo, lembra? Mas so reforcei aquilo que entendi do seu texto, ou seja, precisamos celeremente prover as corvetas, cuja cadencia de produçao requerida nao pode se dar ao luxo de ficar escravisada a uma estrutura pesadissima e carente de modernizaçao/reforma extremamente onerosas como aquelas que me parecem ser necessarias ao Amrj. Assim, nao so nesta rodada, eu entendo que a industria privada é indispensavel. Aos novos meios de maior porte seria oportuno partir para uma forte participaçao de Itaguaí, que se encarregaria dos modulos… Read more »

Roberto Bozzo
Visitante
Roberto Bozzo

Rommelqe, agradeço a gentileza mas acredito que esteja me confundindo com outra pessoa…não me lembro do bar do Belo…sou de SP, capital…zona sul…

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

O bar do Belo era no predio de engenharia naval da USP. Entao era outro Bozzo! Tambem muuito boa gente. Abraços!

art
Visitante
art

Escolta para a MB é Corveta, Fragata e Contra-torpedeiro (destroyer). OPV não é considerado escolta….OPV seria para guarda costeira, na MB os Distritais.

Felipe Souza
Visitante
Felipe Souza

O que mais tem são matérias jornalísticas sobre a área militar com erros. A meta da MB são 12 corvetas Tamandaré, ou pelo menos 8, e talvez a modernização da Barroso. A partir de 2030 viriam fragatas de 6.000 toneladas, o prosup de fato. Outra meta são navios de patrulha oceânica que possuímos poucos. O PROSUP original prévia a aquisição de 11 navios, sendo 1 navio de apoio logístico de 12.000 toneladas, 5 fragatas de 6.000 toneladas, e 5 navios de patrulha oceânica. Se a economia prosperar , é bem possível. Caso não prospere, vamos de 12 Tamandaré e o… Read more »

Renato
Visitante
Renato

Se eles planejaram também de onde tirar dinheiro para Isto?

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Me perguntei a mesma coisa…

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

certamente não será economizando, uma vez que o sindicalista deles na presidência vai nos economizar em 20 anos menos do que o déficit anual atual da previdência militar. Em 10 anos vamos economizar 90 bilhões na previdência deles e gastar 80 bilhões a mais em benefícios pros ativos.

Juarez
Visitante
Juarez

A melhor pergunta até agora.

Junior
Visitante
Junior

Guedes semana que vem vai anunciar um corte de 20 bilhões no orçamento, precisa falar mais alguma coisa

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

E assim começa o efeito OTAN !!! Magavilha!!!

Wilson França
Visitante
Wilson França

Agora vai!
Em 2030 seremos um país rico. Tenho certeza.

Sequim
Visitante
Sequim

País rico com povo pobre. De que adiantará?

Foragido da KGB
Visitante
Foragido da KGB

Hahahahaha, cara , tu tá virado no Jiraya com essa história de OTAN . O bicho tá empolgado mesmo… 😛 😛 😛

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Hauhauhauhauhau,calma gente só disse “efeito” OTAN, só pra atiçar a galera!!!RS
Nem bem entramos de papel passado prós extra OTAN ainda!rs

Mauro
Visitante
Mauro

Se a MB fosse séria, diminuiria seu efetivo atual de 90.000 homens para 55.000, incluindo 20.000 do CFN. 35.000 homens a menos possibilitam a compra de, pelo menos, 1 navio moderno, novo e bem armado por ano…
35.000 homens seria mais do que suficiente para manter uma esquadra numericamente eficiente.
Muito cacique pra pouco índio. Muito oficial pra pouco navio.
Mas nossos comandantes militares se preocupam mais em ter marujos como serviçais do que para operarem e defenderem o nosso mar territorial.
90.000 homens na MB é simplesmente sem sentido.
Mas segue o barco, ou melhor, a mamata…

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Tá, e você faria o que com as 40.000 famílias desses “sanguessugas” que acabam com o país!!!! Modo irônico ligado! Haverá diminuição de efetivo mas paulatinamente, como a FAB está fazendo. Não se pode exonerar 40.000 militares em uma semana.

Mauro
Visitante
Mauro

Na verdade não seriam 40.000 familias pois verificando junto ao site do MD verifiquei que o efetivo da MB hoje é de aproximadamente 65.000 homens e não 90.000 como citei, mas, mesmo assim, um numero muito exagerado. E nunca disse que alguem era “sanguessuga”. Acho que são “sugaverbas” mas não acho que esse excedente de pessoal seja culpado. Culpado são os comandantes militares e os chefes civis que permitiram que tanto a MB como a FAB ficassem inchadas dessa forma. Mas pode ser que o planejamento da MB preveja que o patrulhamento de nosso mar territorial deva ser feito da… Read more »

Felipe Souza
Visitante
Felipe Souza

Cara você tá doido? Nossa Marinha tem 60.000 militares ativos, não 90.000, são comentários como este que dão vergonha alheia. Custa pesquisar antes?

Mauro
Visitante
Mauro

Se tiver um mínimo de capacidade de interpretação e conseguir ler a resposta que te passei anteriormente, poderá, sem muito esforço, verificar que já me retratei sobre o número postado. 80.500 homens aprox. é o número máximo do efetivo máximo da MB autorizado. Já foi corrigido, conseguiu entender? Se não conseguiu posso tentar desenhar para você… Se você acha que 65.000 homens é um efetivo compatível para nossa MB e que 72.000 é compatível com a FAB, ok… Eu continuo achando que não faz sentido e que a estrutura dessas duas forças em particular estão super inchadas. Desconte 18.000 homens… Read more »

filipe
Visitante
filipe

Então teremos na melhor da hipoteses a dupla Sigma + Omega, ou a dupla Meko A100 + Meko A200, ou a dupla Qatari + Fremm, La Adroit + Fremm…

Maus
Visitante
Maus

A100 + Baden Wurttenberg.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Prezado Filipe, sua colocaçao tem uma logica direta e parte do principio de que haveria um ganho de escala na produçao de qualquer uma das “dobradinhas”. Em principio entendo que é de bom senso esta linha de raciocinio, porem entendo que ela nao precisa prevalecer necessariamente. Por exemplo, se considerarmos toda a cadeia de fornecedores de bens e serviços envolvidos veremos que esse efeito de escala nao é tao dependente dos estaleiros em si. Veja o caso de uma WEG que certamente pode fornecer motores eletricos qualquerque sejam os escolhidos (alias, apesar da excelencia da WEG, nao se pode olvidar… Read more »

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Para mim, sempre me pareceu meio lógico que o vencedor da concorrência seria um projeto modular. Depois, bastaria acrescentar mais equipamentos, armamentos, fazer algumas adaptações e teríamos as fragatas de 6.000 toneladas que a marinha sempre sonha.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Minha torcida é para o consórcio francês Villegagnon com suas Gowind 3000. Queremos 12 escoltas(Numero bem limitado pelo orçamento) até 2030 então acho que estariamos bem servidos com 8 Gowind com deslocamento de 3200 toneladas e 4 fragatas FREMM. Acredito que nessa situação seria prudente reforçar nossa presença no mar com Navios de patrulha oceânicas mais robustos, bem armados e em número de ao menos uns 15( Proponho a classe L’Adroit que é um projeto bem experimentado e não dará dor de cabeça ao ser fabricado aqui no Brasil).

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Poderíamos bancar a construção destes 15 L’Adroit com parte do fundo da marinha mercante e ir tocando ao mesmo tempo.

Roberto Bozzo
Visitante
Nilson
Visitante
Nilson

Será que a criação do esquadrão de transporte em 2019 é indício de que os Trader modernizados chegarão em 2020??

Carlos
Visitante
Carlos

Se em vez de vendermos o petróleo do pré sal a R$ 2,65, vendêssemos a preço de mercado, e a diferença investíssemos em desenvolvimento e construção de meios para as forças armadas.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Carlos, o custo para se explorar o p´re-sal hoje é de US$ 6,00 e o barril sai a US$ 30,00. Petróleo não é o must , o que gera riquezas é a cadeia produtiva da indústria petrolífera. Fornecedores, serviços, projetos, embarcações especializadas, estaleiros, etc.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Ô será que algum oficial leu meus post,s ?
Por isso mesmo acho que deveriam contratar quem se propõem construir o projeto original das CCT,s feito pelo CPN.

Pericles Ferreira Leite
Visitante
Pericles Ferreira Leite

Perdoe-me, mas quando se compara uma A-100 ou Gowind 2500 com o projeto do CPN, bate até uma tristeza… É só ver os detalhes de projeto para diminuição da RCS e da assinatura térmica/infravermelho… Não dá para gastar 1,4 bilhão de dólares do contribuinte em algo que não seja o estado da arte.

De qualquer maneira a Classe Tamandaré é o navio errado na hora certa.

FighterBR
Visitante
FighterBR

Teve correções da Fincantieri no projeto original.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Então iremos gastar bilhões do contribuinte com uma Ferrari sendo que não temos dinheiro nem para gasolina da mesma?
Beleza não ganha guerra amigo, os equipamentos Russos em sua maioria são bem feios, mas foram projetados para serem rústico, eficaz e mortal.
Se beleza ganhasse guerra bastaria enviarmos nossas lindas mulheres para o campo de batalha.
Pense nisso.

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

A classe Admiral Gorshkov é muito bela e poderosa…

Pericles Ferreira Leite
Visitante
Pericles Ferreira Leite

O custo de aquisição (que até onde eu sei, tem um “teto”) e de operação serão praticamente os mesmos, independente do navio, uma vez que os requisitos da classe são os mesmos. Até onde ví, o projeto do CPN é o mais lento dos 4 e o que parece ter as piores características “stealth”. Isso sem falar que o projeto teve de ser modificado por uma outra empresa (ou seja, teve de se pagar de novo), porque o CPN não consegue fazer o projeto de um navio militar dentro de normas de construção militares!!!!!! Lembrando que normas são requisitos mínimos…… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Sim em partes concordo. Vide exemplo da corveta Barroso, excelente projeto de navio na minha modesta opinião. Disponibilidade de quase 100% do tempo. Se comprarmos um projeto de navio estrangeiro, feito e pensado.para marinha de seu país de origem daremos um tremendo tiro no pé. Pois além de trazer problemas como royalties de projeto, restrição de operação, etc. Já gastamos uma fortuna no projeto original além de testes no exterior e internos, iremos jogar isso no lixo? Vale lembrar que o projeto original do CPN passou por revisão estrangeira, melhorando suas qualidades. O maior entrave reside no elevador número de… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Caro Foxtrot, a Barroso é um projeto fraco, completamente obsoleto, baseado num dos piores cascos já desenhados pela humanidade, que são as inhaúma. Muitos dos problemas foram atenuados, mas isso não faz dele um bom navio. Outro mito – a disponibilidade dela não tem nada de excepcional. Parece bom pelo simples fato de ser 30 anos mais novo que as fragatas. Logo, não é ela que tem alta disponibilidade, são os demais escoltas que tem baixíssima. Aliás, nos primeiros 10 anos de operação, as inhaúma tb tinham uma disponibilidade razoável, apesar de serem semi-submersíveis. Mas hoje, com 20 e poucos… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Caro Indiai-Mike se a Barroso é tão ruim assim como explicar uma disponibilidade de quase 100% do tempo? Como explicar a exigência de modernização da mesma pelo vencedor do projeto CCT? Como explicar o desenvolvimento do casco das CCT,s baseado no da Barroso? Discordo caro amigo, navios ultra modernos como a fragata norueguesa que afundou recentemente, apresentam menos disponibilidade de tempo que a Barroso. Vide exemplo de um projeto britânico (não me lembro bem a classe). Sim as Inhaúma eram péssimas, dai originou a Barroso que veio como a evolução de um projeto original em um tempo onde o Brasil… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Você poderia me mostrar de onde vc tirou essa informação da “disponibilidade de quase 100%”? Qual a fonte de q seria maior do que as das fragatas norueguesas? Você sabe quantos dias de mar por ano a Barroso faz e como isso se compara a projetos internacionais? Sobre a MB incluir a modernização da Barroso no escopo do projeto CCT, isso não significa que ela é um bom navio, apenas q por total desespero a MB precisa manter o máximo dos seus navios ativos, e a Barroso é o único navio relativamente novo da esquadra. Sobre o projeto original da… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Índia Mike gostaria de saber também de quais fontes você tirou que os projetos nacionais sai tão horríveis ? Você é de alguma alta patente da MB? Pelo seu apelido, passa a impressão que sim? Se sim, porquê não nos informa a verdadeira situação dos projetos nacionais? Pelo contrário amigo, não sou de tapar o sol com a peneira, não é atoa que não sou muito quisto aqui. Quando a verdade tem que ser dita, sempre o digo, pode ver isso em meus post,s. Que nossas FAAs tem mais pessoal que necessário, que nosso EB tem mais general que o… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

Caro Foxtrot, pelo visto concordamos muito mais do que discordamos. Das suas críticas às FFAA por exemplo eu concordo com todas com possível MCM exceção da última. Acho que o nosso principal ponto de discordância é exatamente sobre a “evolução” de tecnologia. No meu entendimento o desenvolvimento de um projeto pode ser incremental (como no caso q vc descreveu onde são feitas evoluções pontuais mas mantida a mesma base) ou disruptivo (onde vc evidentemente vai se basear em todo o seu conhecimento e experiência mas vai começar de uma folha em branco). Nesse último caso vc tenta evitar repetir vícios… Read more »

india-mike
Visitante
india-mike

“Já gastamos uma fortuna no projeto original além de testes no exterior e internos, iremos jogar isso no lixo?” Existe tb essa lenda que temos que pagar royalties pelo uso dos demais projetos, mas, pense o seguinte, se o navio do CPN já teve o projeto custeado e desenvolvido pela marinha e não haverá pagamento de royalties, logo, necessariamente ele tem que ser muito mais barato que os demais, certo? Eu sinceramente não acredito que seja o caso. E se realmente não for, essas questões se tornam irrelevantes e mostram que o valor já desembolsado por esse projeto já foi… Read more »

Bardini
Visitante
Bardini

“A questão primordial, na minha opinião é, daquí a 30, 40 anos, qual navio estará “menos obsoleto”?”
.
Meko A100…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Aí ai

india-mike
Visitante
india-mike

A questão primordial pra mim é: daqui a 10 anos qual desses projetos tem condições de entregar as 4 CCTs finalizadas e plenamente operacionais? Pouco importa o melhor navio, até pq (com a exceção do projeto da CPN, que é muito pior) a diferença entre eles é pequena. A TKMS talvez demore 10 anos pra entregar um único navio plenamente operacional, isso se entregar qq coisa, pois a empresa está falida. A única com condições de entregar é a Damen, mas admito q em termos de projeto é um navio mais limitado que o meko e provavelmente q a gowind… Read more »

Trathanius
Visitante
Trathanius

Navios, aeronaves e meios em geral não são importantes, o importante são os cargos. Efetivo da Marinha do Brasil 80.507 militares. Está tudo sob controle, Tá Ok.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

As 12 escoltas da matéria, ao final dos anos 30, podemos presumir que seriam já todas novas ou nesse número já estamos a incluir as mais velhinhas que por ventura ainda se encontrem em operação?
Esse número inclui os patrulhas oceânicos? A matéria ficou um bocado…. Vaga… Pouco sólida…. Muita ideia e pouca base factual.
Não estou a querer descredibilizar ninguém, nem tão pouco quero ser pessimista. Seria possível melhor esclarecimento?

Juarez
Visitante
Juarez

Quer saber,realmente o que vai rodar???

Anota aí:

Após a definição da concorrência das CCT, talvez no inicio do segundo semestre a MB vai lançar um RFP para cinco Napaocs e deve licitar alguns “Mururus”, mais o navio polar.
Compras de fora, se conseguirem o aporte de recursos, os dois caça minas suecos e o Wave.
De resto não tem e não terá grana para mais nada de alto valor como uma escolta até 2025 pelo menos.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Pelo que eu entendí de matérias anteriores do PN e do infográfico acima, dos atuais meios, só os subs classe Tupi, Barroso, Atlântico e Bahia ainda estariam operacionais em 2030. O resto seria novo ou eventual compra de oportunidade. ( Deus queira )

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

De fato, ficou confuso se seriam adquiridos 4 corvetas Tamandaré mais 4 outras escoltas ou mais 8 escoltas.
Em razão do prazo, acho que seriam só mais 4 e o autor estaria considerando a Barroso e as 3 Amazonas para totalizar 12 escoltas.

Groselha Vitaminada Milani
Visitante
Groselha Vitaminada Milani

Então vamos entrar pra OTAN e vamos da noite pro dia ter uma nova Marinha …

Como canta Gabriel O Pensador: … ” Maresia, sente a Maresiaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhh …”

Grozelha neles!

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados, Se me permitem, gostaria de tecer algumas considerações sobre a matéria. Inicialmente, não posso deixar de reconhecer o incansável trabalho do Roberto Lopes em buscar suas fontes para trazer notícias para seus leitores. O parabenizo pelo ótimo trabalho. O que não concordo é quando as fontes revelam informações classificadas ou legalmente proibidas de divulgação. Então, entendo que o problema está nas fontes e não no jornalista (este fazendo seu trabalho). Por esta razão, não farei comentários sobre a parte da reportagem que dispõe sobre o Programa CCT, visto ser um certame em andamento e, como tal, classificado como sigiloso.… Read more »

J.Neto
Visitante
J.Neto

Obrigado pelos esclarecimentos comandante.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Obrigado Cmte! nada melhor que um ilha de serenidade e conhecimento em uma mar tempestuoso de paixões ideológicas e achismos vãos !!!

Manuel
Visitante
Manuel

Luiz Monteiro, bom dia.

Por que as nossas fragatas leves Classe Tamandaré não terão sonar rebocado?

art
Visitante
art

A Marinnha selecionou o radar na plataforma, não o rebocado.

Beserra(FN)
Visitante

Esses navios serão multifuncionais, acredito que se a MB adquirir um segundo lote, estes devem ser voltados a guerra ASW, e poderiam ou não, contar com sonar rebocado.

india-mike
Visitante
india-mike

Boa noite Almirante. No PEAMB orginal previa-se um prazo de 20 anos para a execução do tal. Na situação atual, quanto tempo o senhor estima que seria necessário para atingir essa meta de 18 navios de escolta? O senhor diz tb que de acordo com nossas ameaças o maior número de navios deve ser de patrulha, o que me parece muito acertado. Mas o PEAMB original se não me engano previa apenas 10 NaPaOc. Como o senhor disse que esse devem existir em maior quantidade do que os escoltas, qual seria o número ideal de NaPaOcs?

André Luiz
Visitante
André Luiz

Para quem já teve a sugunda força naval do mundo na época do Império, só perdendo para Inglaterra, andamos para trás e atualmente estamos caminhando com passos de tartaruga. O potencial de riquezas do Brasil nobio, água etc não podemos estar tão desprotegidos assim. Falta incentivo, o Brasil como o seu território era para estar entre as 5 maiores potências militares do mundo, mesmo que para defesa, pois o Brasil não tem intenção de invasão. Perdemos nossa capacidade de construir e até exportar como tínhamos, estamos sucateados apesar de nossa tecnologia militar ser fantástica. A Embraer agora está praticamente nas… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

André, é mito esta ESTÓRIA da segunda força naval.
Nióbio idem, tem coisa muito mais variosa no Brasil.
A industria militar brasileira nunca foi fantástica, na época da ditadura militar tivemos alguns bons momentos e só.
Não sei de onde saem estas lendas.
Não escrevo isto com orgulho, mas é a realidade.

Kemen
Visitante
Kemen

Não entendo porque esses prazos tão longos para a entrega das corvetas! Tudo para a Marinha leva uma eternidade, ou seja as 4 corvetas so estarão disponíveis a partir de 2026/27 e isso se não ocorrerem atrasos. Tenho lido a respeito das entregas navais no mundo e, navios bem maiores se entregaram em menos tempo. Pensar que só a partir de 2026/27 poderiam ser encomendadas fragatas e que provavelmente estariam disponiveis 8 ou nove anos depois ou seja, 2034/5 e, no entanto é de desejo atual participar de exercicios navais com a OTAN… mas com o que? Com as Niteroi?… Read more »

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Fator Brasilis, my friend!

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

A nacionalização de componentes é um processo bem delicado, e mais esses prazos dispostos não estão ruins

Tom
Visitante
Tom

O prazo de 8,5 anos tem a ver com a legislação brasileira. Por questão legal, a MB/EMGEPRON só pode gastar até 15% do valor do contrato das corvetas por ano.
O Consórcio Villegagnon é o único a oferecer à MB as 4 corvetas em 6 anos, isto é: os franceses ainda financiariam 2 anos e meio de construção.

roberto
Visitante
roberto

Sonho meu … sonho meu … vai buscar quem mora longe sonho meu

Leonardo
Visitante
Leonardo

Acho pouco demais país continental ..Certo seria 4 frotas gigante norte sudeste nosdeste sul !

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

O ideal, por motivos de custo beneficio e todas as 12 serem corvetas Tamandare e os 6 adicionais serem fragatas de 6000 T.

Flávio Henrique
Visitante
Flávio Henrique

As adicionais seriam provavelmente AAW

Bardini
Visitante
Bardini

Difícil… AAW é de longe a versão mais cara, seguida pela ASW. Se for algo bastante capaz bate a casa dos 1,5 bi.
.
Acredito que o pensamento tende a seguir mais por esta linha:
.
Corvetas ~3000t, Emprego Geral
Fragatas ~4.500t, ASW
Fragatas ~6.000t, AAW

LUIS FERNANDO BAPTISTA
Visitante

Pessoalmente acredito que seria melhor para o país que esse dinheiro da Reforma da Previdência dia militares que os 86 bi que seriam tranformados em amento ( reestruturação da carreira) deveria ser empregado no reequipamento completo da F . Gerara empregos conhecimento e colocaria nossas FA no lugar dque merecem. Não digo que os militares não mereçam uma reestruturação porém está sobra seria MELHOR aproveitada em reequipamento. A reestruturação fica para outro momento .Questão de prioridade e bom aenso principalmente que se a reestruturação for mantida podemos esquecer a reforma geral da Previdência e aí iremos tds pro buraco, pois… Read more »

Vovozao
Visitante
Vovozao

21/03/19 – quinta-feira, btarde, conhecendo como conhecemos nossas autoridades sejam a nível de presidente, ministros, comandantes militares, o que é dito hoje, amanhã muda completamente, não temos continuidade em nada, por isto estamos sempre patinando sem sair do lugar, CCT’S hoje, próximo presidente/ministro da defesa/comandante da MB podem pensar completamente diferente e poderão optar por aquisições de oportunidades, aqui não existe continuava de nada. Irão falar dos submarinos, eles caso venham a para teremos que pagar uma multa milionária, então segue a troncos e barrancos.

Vovozao
Visitante
Vovozao

……continuidade…

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Na Indonésia fragata leve muito próxima do nosso concorrente Damen para o programa de Corvetas está sendo armada depois de um ano e meio da incorporação.
A KRI Martadinata 331 foi incorporada em 2017 só com canhoes e agora está recebendo o Rheinmetall Oerlikon 35 mm Millennium Gun e o VL MICA air defence missile system mais os Exocer MM40.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Publiquei incompleto, aqui vai o resto:
Acima é MM-40 Exocet.
É comum na Indonésia incorporar o navio incompleto para que a tripulação inicie o treinamento e depois completar o navio.
Esta é a forma que foi incorporado.
.comment image

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel
JonasN
Visitante
JonasN

Pode anotar quem vai levar vai ser a TKMS ou a Fincantier.kkkk
Acho difícil a Damen/Saab levar, e a Naval Group o estaleiro enseada está fora de operação, nem funcionário tem, acho difícil a marinha fazer essa aposta.

Frederico
Visitante

Acho que vamos de Fincantieri, principalmente depois dos comentários dos governos da Alemanha e da França sobre a entrada do Brasil na OTAN.

Gustavo
Visitante
Gustavo

“o de contar, até o fim da década de 2030, com um número mínimo de 12 escoltas – e, de forma ideal, a mais longo prazo, com 18 desses navios.”
Dessas escoltas, em algum lugar foi ventilado o número de quantas seriam corvetas e fragatas? 8 corvetas e 4 fragatas seria a logica?

Zorann
Visitante
Zorann

Na minha opinião, a maior necessidade da MB é por OPVs. Não precisamos de escoltas de 6000 toneladas se sequer conseguimos fazer patrulha decente de nossas águas

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Vamos analisar essas informações : Que a Marinha do Brasil vai comprar um 2º lote de corvetas tamandaré todo mundo ja sabia e que vai usar a tamandaré como base para construir nossas futuras fragatas também é notório. So nao se sabe se esse 2º lote de corvetas sera encomendado antes ou depois das fragatas, e é isso que complica tudo … porque, no meu entender a Marinha estava a seguir um caminho claro intercalando entre projetos, propuser, prosuber, pronapa, pronae, prosuper, prosub, etc ..agora ta tudo nublado. Com relação ao wave e a um novo NDM a MB tem… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

A Real Marinha da Malásia fez um levantamento interessante sobre a vantagem de se comprar uns OPVs.
Em tempo de paz com 20% do custo um OPV faz 80% das missões de um navio militar.
.comment image

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Isto, ainda mais em se tratando de Brasil e nossa vida isenta de guerras/conflitos, é algo a se pensar/analisar com carinho.

Marcos Campos
Visitante
Marcos Campos

Exato,
A esquadra de guerra não precisa ser gigante, mas apenas suficiente e poderosa.
Uma vergonha não termos pelo menos uns 30 NaPO Amazonas.
Isso passa muito pela mentalidade do almirantado de querer atuar naquelo que caberia melhor a uma Guarda Costeira.

Amauri Soares
Visitante

Não entendo o pq o governo fala tanto em reforma pra lá reforma pra cá reforma pra aqui ali ,sei lá mais aonde. Gente vamos ser realistas pq não reduzem a máquina pública ex: super salários benefícios etc , só a câmara tá custando mais de 6 bilhões anuais. Reduzindo alguma mordomias vamos ter mais dinheiro, tipo existem em alguns países aonde políticos andam de ônibus e pagam suas passagens fazendo isso garanto que teríamos mais dinheiro pra investir , no entanto a velha conversa de que falta dinheiro pra isso e uma baita conversa fiada , queremos responsabilidades de… Read more »

Fernando Vieira
Visitante

Infelizmente isso é uma utopia. Se existe uma coisa que nunca vai acontecer é isso. É o correto para o Brasil como Nação, precisamos cortar privilégios de políticos, servidores, essa turma que só suga os recursos sem entregar nada em troca. Mas sabe quando um ministro do supremo vai abrir mão de seu supersalário, auxílio tudo e o monte de penduricalhos? Nunca. Se trocar toda a corte, os que entrarem não abrirão mão dos privilégios. A mesma coisa vale para a Câmara e o Senado, não vai acontecer. Quem entra lá novo, entra pensando em usufruir desses privilégios, não acabar… Read more »

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Amauri. Os supersalários estão principalmente no judiciário e ministério público; no legislativo existem supersalários mas não são tantos assim. Como os poderes são independentes, o executivo não pode alterar o orçamento dos outros poderes. Os dois maiores ministérios em número de servidores seriam a Defesa e a Educação. No MEC, a esmagadora maioria tem doutorado, por isso os salários são em média maiores. Nos últimos anos, os serviços menos especializados (segurança, manutenção, limpeza) são realizadas por terceirizados. De fato, .há muito tempo os servidores do executivo não possuem mordomias (apenas a estabilidade aos que ingressam por concurso, porque a… Read more »

wilson
Visitante
wilson

Camargoer era um tempo diferente com uma mentalidade diferente. Previdência e saúde pública gratuita, com certeza seriam vistos como políticas socialistas (Dom Luís Maria, filho da Princesa Isabel foi acusado de ser socialista por defender o que hoje chamamos de direitos trabalhistas). Sobre a educação em 1889 20% da população era apta a votar (além da renda tinha que saber ler e escrever) e mais ou menos 40% de toda a população brasileira já era alfabetizada (Dom Pedro II até mesmo financiava filhos de escravos para que os mesmos fossem alfabetizados após a lei do ventre livre).E no caso das… Read more »

Robson Rocha
Visitante

O cronograma de incorporações é, no mínimo, assustador.
Quando a última das quatro corvetas for incorporada, a esquadra já terá desincorporado a 8 navios de escolta.

JSilva
Visitante
JSilva

Vamos lá: 1 navio porta-helicópteros: (Atlântico) 12 escoltas (fragatas (3 FREEM), corvetas (4 Tamandaré) e navios-patrulha oceânicos (5 NaPOc) entre 1.800 e 5.000 toneladas); 8 ou 9 submarinos; (5 Tupi e 4 Scorpene) 1 navio-doca multipropósito (1 Bahia); 1 navio de Apoio Logístico (1 Wave). Basicamente faltariam pra fechar essa composição as 3 fragatas, os 5 Patrulhas Oceânicos, 1 Wave e os caça minas. O grande desafio aí seriam as 3 fragatas 5000 toneladas e os caça minas. Se aprovarem uma reforma da previdência séria, que permita a sobrevivência do teto de gastos, avançando em seguida pra alguma coisa de… Read more »

Categórico
Visitante
Categórico

Vejo a Fincantieri ganhando a CCT.Vejo algumas Fremm de prateleira ostentando a bandeira do nosso Brasil,fazendo a redenção da nossa esquadra.Talvez alguns Centauro,alguns Mangusta,ATAK,AH-1Z(esses, novos).E quem sabe a médio prazo se continuarmos do lado certo da jogada,politicamente,não acabamos vendo o Cavour (550) com alguns f35 B de presente pro nosso querido VF-1,que está agonizando.Novos e bons tempos se aproximam,senhores!

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Kkkkkkkk

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

É bom sonhar amigo, muito bom mesmo…

Felipe Souza
Visitante
Felipe Souza

18 é justamente o número que tínhamos no início dos anos 90. 10 fragatas, 4 corvetas, 4 contratorpedeiros. 12 é o mínimo para renovar a frota atual , e 18 o mais desejado. O número bate.

O número de submarinos ficou meio obscuro. Seriam os 5 escorpene mais 3 U-209 revotalizados ou nova encomenda de 3 scorpene/BR …

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Boa pergunta.

nonato
Visitante
nonato

Realmente no quadro é estranho tratar navios de patrulha como escoltas.
Mas ter 12 escoltas não parece nada demais.
4 CCT agora, mais um novo lote de 4, mais 4 fragatas não seria nada do outro mundo.
Ou vocês acham que o novo lote seria só de 2?
Ou apenas duas fragatas?

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

acho correta sua dedução de 12 escoltas:

08 corvetas tamandaré
04 fragatas

e ainda teria mais

01 corveta barroso
06 OPV’s

Marcos Campos
Visitante
Marcos Campos

Minha intuição é que os Italianos vão vencer.
Vencerão porque o programa nunca foi exatamente pelas corvetas, que tanto faz, mas sim pelos meios de 6.000t. Por acaso uma das concorrentes tem duas prontas. O caso foi abafado, a Fincantieri não falou mais no assunto e na boca miúda.

Arnaldo Rocha
Visitante
Arnaldo Rocha

O assunto sobre a disponibilidade das Fragatas F598 e F599 é recente e carece de confirmação. Mas sempre disse que o Fincantieri seria o vencedor. Porém minha preferência sempre foi pela Gowind 3000, mas na atual conjuntura politica e o estado do estaleiro Enseada as chances dela são mínimas.

Juarez
Visitante
Juarez

Boa noite. eu acho que tu não acompanha as contas públicas no site transparência, e em especial as da MB. Não há recursos nem para comprar, mas muito menos para operar sequer um escolta do porte de uma Fremm, hoje.
De novo, a compra é para quatrocorvetas, tão somente isto.

Aladaf
Visitante
Aladaf

Eh hj que sai a decisão? Tudo pode acontecer mas ficarei surpreso se o governo jogar fora o projeto nacional e a chance de gerar empregos e renda no Nordeste, região onde ha um certo partido que precisa ser desentocado da mente dos eleitores. Seria um erro estratégico, na minha visão.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Não está com muita cara que a decisão sairá hoje. Mas tomara que saia.

Nelson
Visitante
Nelson

Roberto Lopes furou.

Cavalli
Visitante
Cavalli

Boa noite família naval. Não seria hoje a divulgação do consórcio vencedor das Corvetas Classe Tamandaré? Alguém tem alguma notícia?

VIctor
Visitante
VIctor

PERGUNTA? Não iria ser ontem que a Marinha ia divulgar o vencedor das CORVETAS TAMANDARÉ???

Luiz Floriano Alves
Visitante

Enquanto esperamos por divulgação da concorrência das corvetas, a China anuncia a construção de navios ´patrulha de 10000 ton. Sem duvida, estes patrulhas” vão aparecer escoltando os pesqueiros da China. Com essa tonelagem terão grande raio de ação. Juntando com a posse de bases na Africa está fechada a equação.