Home Divulgação LAAD 2019: AVIBRAS destaca parceria tecnológica e industrial com as Forças Armadas do...

LAAD 2019: AVIBRAS destaca parceria tecnológica e industrial com as Forças Armadas do Brasil

6000
59
MANSUP
MANSUP

A AVIBRAS Indústria Aeroespacial estará presente em mais uma edição da LAAD Defence & Security, que será realizada de 2 a 5 de abril no Riocentro, no Rio de Janeiro, considerada a mais importante feira de defesa e segurança da América Latina. O estande da empresa será o R-10, localizado no Hall 4. A companhia vai apresentar o seu vigor e a sua capacidade tecnológica e industrial através da sólida parceria com as Forças Armadas do Brasil nos programas estratégicos:

ASTROS 2020

O Sistema de Foguetes de Artilharia para Saturação de Área (ASTROS) é adotado no Brasil pelo Exército e pela Marinha, e pelas Forças Armadas de diversos países desde a década de 1980.

A AVIBRAS, no âmbito do Programa Estratégico ASTROS 2020 do Exército Brasileiro, que tem por objetivo ampliar a capacidade da Força Terrestre Nacional com um sistema tecnologicamente superior, de alta referência de desempenho e confiabilidade operacional, está desenvolvendo o Míssil Tático de Cruzeiro, com tecnologia 100% nacional, desde a sua concepção, projeto de engenharia, protótipos e fabricação. A empresa também está industrializando novos batalhões na versão MK-6, constituídos por viaturas lançadoras, de comando e controle, meteorológicas, de apoio ao solo e remuniciadoras.

MANSUP

No programa do MANSUP (Míssil Antinavio de Superfície), da Marinha do Brasil, a AVIBRAS é responsável pelo Sistema Propulsivo (Motor) e outros componentes e pela Montagem Final dos protótipos do míssil. O MANSUP deverá equipar os futuros navios da esquadra da Marinha do Brasil.

A-DARTER

A AVIBRAS também integra o programa binacional da FAB (Força Aérea Brasileira) entre o Brasil e a África do Sul no desenvolvimento do míssil de combate aéreo de 5ª geração A-Darter, que tem o propósito de equipar os novos caças Gripen da Força Aérea Brasileira.

SKYFIRE

A companhia também vai apresentar na feira o Sistema SKYFIRE (Sistema de Foguetes Ar-Terra de 70 mm e Superfície-Superfície), que faz parte do amplo portfólio de produtos de alto valor agregado desenvolvidos pela empresa.   

Programa Espacial Brasileiro

Com sua expertise e pioneirismo no setor aeroespacial no desenvolvimento de soluções tecnológicas nacionais, a AVIBRAS destacará ainda a sua participação no Programa Espacial Brasileiro através dos foguetes de treinamento Básico e Intermediário.

Atualmente a AVIBRAS participa do desenvolvimento e da fabricação dos motores foguetes S50 do VLM-1 (Veículo Lançador de Microssatélites) no âmbito do Programa Nacional de Atividades Espaciais da AEB (Agência Espacial Brasileira).

A empresa tem competências próprias para integrar veículos lançadores para o Programa Espacial Brasileiro.

Inovação orientada a resultados

A AVIBRAS está próxima de completar 60 anos de existência com uma trajetória repleta de muitas realizações e superação de desafios.

Além de implantar novos métodos e processos de trabalho, a empresa está focada no esforço de vendas e no desenvolvimento de novos negócios. Desde 2016, a empresa vem implementando um processo de inovação orientado a resultados, criando as bases para o crescimento dos negócios da empresa.

No que tange à sua participação no Programa Espacial Brasileiro, a companhia está investindo na construção da fábrica para produção de PBHT (Polibutadieno Hidroxilado), insumo fundamental na produção de combustível sólido. Essa capacitação é imprescindível para os foguetes do novo Programa Espacial Brasileiro.

Trata-se de uma decisão de investimento estratégica para o Brasil e para a AVIBRAS, fundamental para o resgate da soberania nacional na produção de combustível sólido e essencial para as atividades aeroespaciais.

Com início das operações previsto para o primeiro trimestre de 2020, a fábrica estará capacitada para produzir até 2.200 toneladas de PBHT/ano.

Além das aplicações no mercado de Defesa e Aeroespacial, o PBHT possui várias aplicações como insumo no mercado civil, tais como isolantes, selantes adesivos, impermeabilizantes, encapsulamento, revestimentos, películas, etc.

A AVIBRAS também inovou com a criação do EATI (Espaço AVIBRAS de Tecnologia e Inovação) inaugurado em dezembro de 2018, no Parque Tecnológico São José dos Campos. O EATI foi concebido para atuar como a embaixada da AVIBRAS para pesquisa, desenvolvimento e inovação de produtos e soluções nos polos Defesa, Espaço e Segurança Pública, em ambiente de parceria e de colaboração com universidades, centros de pesquisa e empresas de bases tecnológicas similares.

A finalidade é assegurar a evolução da empresa desenvolvendo tecnologias estratégicas a novos produtos e negócios, com know how próprio, processos e ferramentas adequados que assegurem a sua perpetuidade.

Sobre a Avibras

A AVIBRAS é uma empresa de Tecnologia e Inovação, com capacidade industrial única, 100% brasileira e reconhecida mundialmente pela excelência e pela qualidade de seus produtos e sistemas. Sua essência é ser inovadora e independente em tecnologias críticas nas seguintes áreas: Aeronáutica, Espacial, Eletrônica, Veicular e de Defesa.

Com instalações amplas e modernas localizadas no Vale do Paraíba, no estado de São Paulo, principal polo de tecnologia aeroespacial do Brasil, a AVIBRAS cria diferenciais competitivos de qualidade e inovação, fundamentais para manter-se como grande player no mercado mundial de Defesa.

59
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
43 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
32 Comment authors
franciscoEduardo ALMMF1Beserra(FN)Antonio Palhares Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Visitante
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

Fui só eu que na primeira foto consegui visualizar a silhueta de uma corveta bem longe da fragata que lançou o Mansup ?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Acho que é um navio-patrulha.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Aliás, o navio lançador nessa foto específica está com pinta de ser a corveta Barroso, e não uma fragata.

Leandro
Visitante
Leandro

Realmente o primeiro lançamento foi com a CV Barroso, já o segundo foi com a F44 Independência.

Burgos
Visitante
Burgos

Os 2 primeiros lançamentos quem fez foi a Barroso esse é 3º efetuado pela Findep.
O 1º eu tava presente no “Urso”.
Estávamos em uniforme uno junto com o grupo tarefa da época !!!👍

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Visitante
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro

Sim, me parece os da classe Amazonas, e não uma corveta.

Cristiano GR
Visitante
Cristiano GR

É bem o me parece.

Joaquim Nilson
Visitante
Joaquim Nilson

Um verdadeiro orgulho Nacional. Parabéns a AVIBRAS

wwolf22
Membro
Noble Member
wwolf22

eh possível o MANSUP ter o mesmo “aumento de alcance” do míssil AVT300 para uso nacional???
Para exportação o míssil AVT300 eh limitado a 300Km de alcance. Dizem que o mesmo míssil para uso do Brasil tera ate 1000Km de alcance…
o Missil MANSUP se “aplica” no mesmo conceito de alcance??

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Para o Mansup ter alcance maior, compatível com versões mais modernas de mísseis de porte similar como Exocet, e Harpoon, teria que receber outra motorização, similar às deles (turbina ao invés de foguete).

Acima disso, teria que ser maior, mas aí já seria outra categoria de míssil antinavio, de porte etc. E quanto maior e mais pesado um míssil, maiores são suas limitações de meios que possam empregá-lo.

Bosco
Visitante
Bosco

Wolf, Só como exercício de raciocínio, uma forma de aumentar o alcance do MANSUP é mudar o perfil de voo. Por exemplo, se em vez dele ir voando com o motor ligado do lançamento até o alvo a baixa altitude ele for lançado para o alto e implementar uma trajetória parabólica com parte do “voo” sendo não propulsado e planando ou mergulhando contra o alvo, talvez ele possa até dobrar o alcance, passando de 70 para 150 km. O problema é que aí ele será detectado muito precocemente e ficará mais fácil interceptá-lo. O perfil de voo sea-skimming é uma… Read more »

Agenor Moraes Camargo Júnior
Visitante
Agenor Moraes Camargo Júnior

O míssil tático de cruzeiro pode ser adaptado para lançamento em Navios?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Se fizerem os desenvolvimentos necessários, não vejo nenhum impedimento técnico pra isso.

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Fiquei feliz por pelo menos termos escolhido e termos uma luz no fim do tunel agora,tomara que não fique so nas quatros e venham mais uns 2 lotes pelo menos

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Noble Member

Um passo de cada vez.

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Verdade

india-mike
Visitante
india-mike

Alexandre, se as 4 CCTs forem entregues dentro dos próximos 10 anos como previsto já vai ser motivo pra muita comemoração.
Concordo com o Nunão, um passo de cada vez…

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Caramba ae ja fiquei preocupado

Pedro S.
Visitante
Pedro S.

Será que o MTC-300 entre em serviço ainda neste século?? Já são 20 anos de desenvolvimento. Em quanto tempo os Americanos/Russos desenvolveram os seus mísseis de Cruzeiro?

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Mas la o $$$ pra area é farto

André Luiz
Visitante
André Luiz

Os Russos e Americanos não demoraram pq precisavam, isso acelera o desenvolvimento das tecnologias, tendo uma disponibilização de orçamento e suporte muito maior que a brasileira.

MF1
Visitante
MF1

O MTC não só está em fase final de testes como já tem um contrato assinado para 100 unidades para o EB, e na Laad 2019 ele foi nomeado de AV-MTC pois 300km será só para exportação. Para uso interno deverá ter pelo menos o dobro disso.

Luciano
Visitante
Luciano

Alguém sabe a quantas anda o projeto da bateria anti aérea com base no Astros 2020?

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Q eu saiba n ta andando

Beserra(FN)
Visitante

Na verdade, está andando bem. Após o radar Saber M200, foi desenvolvido o diretor de tiro S200.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Parabéns aos cientistas da AVIBRAS.i
Míssil de cruzeiro não é para qualquer um. Aos poucos, com excelência e competência, estamos chegando lá.
Que nossas FFAA possam contar com várias versões de alcance, velocidade, plataformas de lançamento.

Hélio
Visitante
Hélio

A Avibrás tem tantos projetos parados por falta de interesse das FAs… É uma pena que ela não receba a atenção que a Embraer recebe, o Falcon mesmo, que pode levar armamento se o desenvolvimento continuar, foi deixado de lado por falta de interesse, enquanto isso foram buscar vants no exterior, o próprio FOG-MPM está parado ainda com possibilidade de continuidade do projeto se houver interesse e está todo ano lá no espaço da Avibrás nas LAADs.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Exato, com a indústria aeronáutica que o Brasil possui, é um absurdo não estarmos exportando , e não importando, drones. E para as mais variadas aplicações civis e militares.
Deveríamos ser referência mundial em drones.

Moriah
Visitante
Moriah

Riachuelo com AVT300 não seria sonho de consumo…

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Deve ser de utilização obrigatória nos nossos meios navais tanto de superfície como de submersão.

Nossos novos submarinos no estado da arte, serão desperdiçados, sub utilizados, se não tiverem misseis de cruzeiro também.
Essa é a tendência naval do século XXI, não adianta que tenham alguns almirantes contrários a esse emprego. Apenas vão mostrar sua cegueira estratégica das armas atuais que temos ao nosso dispor.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

É triste o que vou escrever, mas é uma realidade. Veremos até quando essa empresa extremamente importante para um país que um dia almeja ser nação permanecerá nacional. Pois até os nacionalistas cansa e desanimam com tanto descaso e desinteresse dos que não são e infelizmente estão no poder e ou são tomadores de decisões. A Avibras possui inúmeras tecnologias e sisTemas que já foram oferecidos as FAAs, mas sofreram negativa. Sistemas que se fossem adquiridos colocariam as FAAs em melhor do que estão hoje. Foguetes guiados semelhantes ao LCPK, Míssil Stand Off, Fog MPM, Vant Falcão etc etc. Vamos… Read more »

Alfredo RCS
Visitante
Alfredo RCS

Enquanto o monopolismo do Estado for enoooorme, nao sera facil para a iniciativa privada pois ela tem que sustentar todo a estrutura burocratica com impostos escorchantes. A sinalizacao clara do novo governo é de retirar o Estado das costas do cidadao. E o novo governo tem isso muito claro, haja visto as declarocoes do presidente, vice, e de todos os ministros. Acredito que a desregulamentacao sobre o setor produtivo (aqui nao se pode trabalhar pous as regulamentacoes tem como objetivo nao a seguranca social, mas sim a paralisacao e destruicao da criacao de empresas) sera determinante na sobrevivencia das empresas,… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

E você realmente acredita nisso ?
Recentemente os militares criaram sua reformulação da previdência mantendo previlegios e aumentando os.
Espere e verá !
Espero realmente que suas análises estavam corretas, mas não espero nada de político algum deste país, seja esquerda ou direita ou centro ou qualquer denominação que se crie.

francisco
Visitante
francisco

OS piores políticos são os militares que impõem suas vontades por meio de ameaças veladas. Assombram a sociedade civil, impondo-lhes as usa vontade pela força das armas.
Apesar de tudo ainda querem que a sociedade civil os apoiem e concedam-lhes mais verbas.

francisco
Visitante
francisco

Em se tratando de aquisições militares, quem decide são os comandantes. É por isso que a industria bélica nacional não prospera. Os militares brasileiros adoram tudo dos que vem dos states.
Nem o Lula com toda a sua popularidade conseguiu emplacar o Raffale. Por pressão dos USA, foi escolhido um projeto de avião em vez dos aviões franceses já existentes e com uma certa independência da industria norte-americana.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Economia de mercado é assim mesmo, nao da para o governo fazer uma lei proibindo as empresas serem vendidas e o pio é que nossas forças armadas apesar de serem pouco armadas e obsoletos nao tem recursos para fazer compras nem continuas e nem em quantidade que justifique uma Empresa acreditar no Brasil e permanecer nacional.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Engraçado de onde tiraram os bilhões dos projetos Gripen, Prosub, Guaraní, CCT,s e inúmeros outros?
O que falta e interesse mesmo.
O que muita gente não entende é que o mercado de defesa é diferente, país algum compra um equipamento ou produto que não é utilizado pelas forças militares do país fabricante.
Aí fica difícil exportar o que nossas FAAs não compram, seja por qualquer motivo !

francisco
Visitante
francisco

Correto.
Quem vai adquirir uma arma que não é utilizada nem pelas forças armadas do pais de origem?

francisco
Visitante
francisco

Nos USA o governo proíbe o que bem entende: Lá a lei pode proibir empresas de serem vendidas aqui não podem. “Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, bloqueou nesta sexta-feira a compra de quatro parques eólicos americanos por parte de uma empresa chinesa alegando que a operação representaria uma ameaça potencial para a segurança nacional.” (https://exame.abril.com.br/mundo/obama-bloqueia-compra-de-parques-eolicos-de-empresa-chinesa/) Aqui a ENEL comprou o que bem quis. OS USA também proibiram a venda de certa industria automobilística quebrada para a China (pesquisem e fiquem sabendo qual foi). Economia de mercado só existe em um certo pais tupiniquim cuja população cucaracha… Read more »

Matheus
Visitante
Matheus

É o livre mercado, se não quiser pode ir pra China ou Russia.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Vai jogar video game criança , o papo aqui é sério.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Matheus.
Existe livre mercado, no mercado de armas de tecnologia de ponta?

francisco
Visitante
francisco

Livre Mercado? explica o que é ser “livre” e o que é “mercado”.

willhorv
Visitante
willhorv

Acredito sim, que o próximo passo seja integrar uma turbina moderna de alto rendimento para garantir alta velocidade subsônico, alcance quadruplicado e melhorias na eletrônica a fim de manter discrição e efetividade na fase final de vôo. Seria um novo míssil para os teatros atuais. O vmt300 passaria a ser lançado de fragatas via vls.
Um futuro que podemos pensar sim…não é impossível.

Fabio
Visitante
Fabio

A Darter não faleceu? Que fase atual se encontra o projeto, FAB comprou algumas unidades?

Beserra(FN)
Visitante

Ele nunca faleceu, está pronto e já integrado ao Gripen e já operacional na Força Aérea Sulafricana.

MF1
Visitante
MF1

Sim, a FAB encomendou 10 unidades do A-DARTER, 10 do IRIS-T, e 50 kits israelenses para bombas guiadas. A primeira aquisição para o Gripen já foi fechada. Modesta, mas foi um começo. Falta o missel BVR.

Jadson Cabral
Visitante
Jadson Cabral

A avibras teria condições de desenvolver um VLS caso o governo tivesse interesse. Quando explodiu em 2003 o VLS já estava praticamente pronto, já era o seu terceiro teste de voo. Quantas vezes os foguetes da ULA, da NASA e da SpaceX falhafam? Com um pouco de interesse do governo nós conseguiríamos concluir-lo.
É mesmo uma pena…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

O VLS V-IV já estava pronto quando algum “gênio” mais uma vez resolveu cancelar o projeto em detrimento desse trombolho Alemão (sim, ele é um projeto e desejo alemão) denominado VLM.
Esse sandices nacionais continuam a acontecer com os projetos Guarani, Gripen, CCT,s etc etc etc.
Será que algum dia o TCU/ MPU irão investigar tanta “queima” de dinheiro público em projetos nacionais que ou são abandonados ou são doados a outros países por “moedas” de troco ?

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Nacionalismo fraco ou forte, ou até inexistente… Está diretamente ligado (a meu ver) a educação escolar, do ensino básico ao superior. Resultado de momentos culturais vivenciados em sala de aula, com certa regularidade, pelos estudantes em palestras, vídeos, ou no aprendizado de alguma disciplina dedicada, voltados a riqueza e potencialidades de nosso país, nos aspectos tanto físicos como humanos. Sendo que então uma maior população de nacionalistas pode ser, criada, fortalecida ou ao contrário, até quase totalmente eliminada, conforme a Educação ministrada, independente das condições políticas estarem piores ou melhores. Um bom termômetro de como anda o atual grau de… Read more »

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Nacionalismo está ligado a ética social e igualdade verdadeira e não discriminatória, ligada a uma justa distribuição de renda.
Sendo assim, nunca haverá no Brasil um nacionalismo verdadeiro ( ao menos vindo das classes dominantes).
Pois o brasileiro aceita sua herança cultural branca européia, com menor relutância a indígena nativa, mas despreza sua rica herança africana.

Bosco
Visitante
Bosco

Cuma?????

Bardini
Visitante
Bardini

Além de engenheiro com especialização em gambiarra, é filósofo…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Já falei, vai jogar video game.
Ou buscar textos prontos e partidários para postar squi rsrs.
Não tente pesar por si só, nunca fez isso mesmo.
Agora pode trazer muitos danos (se já não o fez ).

Renan
Visitante
Renan

Eu gostaria muito de o Governo investisse pesado nesta empresa, e acelera-se estes projetos.
Uma empresa muito capaz, um orgulho nacional.
Não vejo como desperdício investir 1 bilhão em projetos desta empresa.
Iria garantir muito o desenvolvimento de armas importantes ao pais.

juscelino
Visitante
juscelino

Ainda não foi dado um nome ao novo míssil antinavio brasileiro. Assim como não foi dado ao caça AMX (Ataque Médio “X” – sendo que “X” significa projeto). É preciso que faça isso rapidamente, se o Brasil pretende exportá-lo no futuro. O nome Míssil Antinavio Nacional de Superfície não é muito apropriado.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Bem lembrado.
Sugestão: Dragão (combina com os clientes asiáticos).

Claro que os tupiniquins vão querer um nome com raiz brasileira…
Anhangabaú, Juqueriquerê, Caraguatatuba etc.
Vixe!

Eduardo ALM
Visitante
Eduardo ALM

Se for pra nomear como Caraguatatuba, deixa só Caraguatá em homenagem a Planta nativa do Juqueriquerê :v

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Sugiro Marlin, Moreia, Mergulhão, Triton, Trident e outros da mitologia, fauna e flora marinha.